Um fascista precursor, por Walnice Nogueira Galvão

Jack Cade convoca e lidera uma “Marcha sobre Londres” para tomar o poder. Seus acólitos são a escória da sociedade, uma corja inominável.

Um fascista precursor

por Walnice Nogueira Galvão

Líder político que mesmeriza as massas e as conduz ao desastre – para os outros e para elas próprias, como Hitler, o Führer – chamava-se na Antiguidade demagogo, ou “condutor do povo”. Só que a palavra foi perdendo o sentido próprio e se enfraquecendo.

Não dispomos de um bom sinônimo em português, mas em inglês há um perfeito: rabblerouser, ou seja, “sublevador da ralé”. E Shakespeare dá-nos um deles, e notável, em Henrique VI.

O Bardo, como se sabe, escreveu uma saga da realeza britânica, perquirindo a natureza do poder, a condução dos negócios do Estado, os laços que se atam ou se desatam entre o monarca e o homem que o habita; e assim por diante.

Alguns são mais renomados que outros. Célebre é a amizade entre Hal, o herdeiro presuntivo, e seu cúmplice de esbórnia Falstaff , renegado pelo príncipe quando rei, em Henrique V e nas duas partes de Henrique IV. Orson Welles viveu Falstaff , num filme em que é seu duplo pela corpulência, gargalhadas estentóreas e petulância de bon vivant, enquanto era escarnecido por Hollywood.

Um pouco menos célebre é a insegurança existencial de Ricardo II, que oscila em dúvidas sobre sua legitimidade.

Henrique V, que aborda a Batalha de Azincourt, retumbante vitória dos ingleses sobre os franceses, traz bela meditação realenga sobre o preço que os pobres pagam por guerras gloriosas que os dizimam e mutilam.

Rei Lear põe em cena um soberano que exerce seu arbítrio para anatematizar uma inocente, sua filha Cordélia.

Macbeth mostra como a ambição de mando não hesita ante os piores crimes. E, se Macbeth tem ganas demais, o protagonista de Hamlet tem ganas de menos,  suas hesitações privando-o do legado da coroa.

E por fim, culminando tudo, Ricardo III, uma das mais torpes figuras a pisar o palco, cuja ascensão rumo ao trono acompanhamos através de toda a sordidez, perfídias, tramoias. Até crianças, no caso os dois principezinhos, manda matar. Uma valiosa versão está preservada em filme, com Lawrence Olivier.

Em Henrique VI, rei que viveu entre 1421 e 1471, surge copiada da vida real uma personagem tenebrosa chamada Jack Cade, um rabblerouser completo. Logo nos damos conta de que o conhecemos pessoalmente, nosso tempo tendo trazido gente assim para a cena brasileira e mundial.  Na clave do grotesco e não do trágico, resultaria no Père Ubu, de Jarry, paródia de Macbeth.

Jack Cade convoca e lidera uma “Marcha sobre Londres” (Il Duce Mussolini, precursor dos ditadores fascistas do século XX, liderou uma vitoriosa “Marcha sobre Roma”), para tomar o poder. Seus acólitos são a escória da sociedade, uma corja inominável. Logo ocupam a Ponte de Londres e bloqueiam o acesso à cidade. Jack Cade dá ordens: “Vamos à luta! Queimem a ponte, e, já que estão aí, a Torre de Londres também! Venham, avancemos!”

Shakespeare vai aos poucos montando o perfil do líder.  As acusações que ele assaca contra adversários, enviando-os sem julgamento  para a decapitação sumária,  também são nossas conhecidas: saber ler; nomear juízes-de-paz; falar frases com substantivo e verbo; fundar uma escola para jovens; mandar imprimir livros… Um exemplo:  “E, contrário ao rei, à coroa e à dignidade, criou uma fábrica de papel!”  Soa familiar?

Jack Cade quer ser rei, atribuindo  a si mesmo sangue nobre e envergando uma armadura roubada. Dissemina fake news, como a aleivosia de que Lord Saye vendera a província da Normandia ao Delfim da França, crime de alta traição.

Destino funesto aguarda Jack Cade, pondo um ponto final aos malefícios que praticou e levou uma horda a praticar, enquanto ele mesmo secretamente só pensa em dinheiro, pilhagem e saques, em extorquir para benefício próprio. Em sua truculência,  vê-se que a semelhança não é mera coincidência …

Exemplo histórico tão remoto  vale  para a constatação de que o sucesso pode ser efêmero e a derrota fatal, junto com sua laia. Apesar do desânimo quando verificamos que persistem até hoje entre nós. É de lamentar que alguns desses facínoras saiam impunes e morram na cama, cobertos de riquezas e honrarias. Mas Mussolini foi linchado e seu corpo pendurado pelos pés em praça pública, para execração geral. Bem dizia Dolores Ibarruri, La Pasionaria: No pasarán!

Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH-USP

Walnice Nogueira Galvão

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador