20 anos: Luta Antimanicomial, Reforma Psiquiátrica, Medida de Segurança, por Sérgio de Souza Verani

O governo genocida do Presidente Bolsonaro não tem limites no seu projeto para a destruição da vida e dos direitos sociais

do Justificando

por Sérgio de Souza Verani*

“Nós, os da Psiquiatria Democrática, ligados ao povo, ligados aos movimentos políticos que lutam pela libertação do povo, escolhemos a face libertadora, e não o lado repressivo.” (Franco Basaglia)

O Movimento da Luta Antimanicomial produz a lei 10216, de 6.4.2001, que “dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental”.

O antigo modelo da segregação e enclausuramento hospitalar é substituído por uma extensa rede de atenção psicossocial, com gestão democrática, integrada ao SUS.

A tutela psiquiátrica é rompida. A pessoa portadora de sofrimento psíquico torna-se sujeito da sua vida, resgatadas a sua dignidade, a sua cidadania,  a sua liberdade.

Como seria bom, para a garantia dos Direitos Humanos, que os profissionais do sistema de justiça fossem influenciados pela literatura antimanicomial e por suas práticas, com a formação de um pensamento crítico, a orientar o seu trabalho para a defesa da liberdade, da dignidade, da vida.

Mas a ideologia punitivista prevalece: 800.000 pessoas presas! É como se não existisse a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 10.12.1948:

“Ninguém será submetido a tortura nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.” (art. 5º)

Para o autor da ação criminosa considerado inimputável, permanece ainda no  Código Penal (artigos 26, 96, 97) a medida de segurança de internação em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico (o Manicômio Judiciário), por tempo indeterminado, até a “cessação de periculosidade”.

Essa internação compulsória é absolutamente inconstitucional. E deslegitimada pela lei 10216/01, que exige fundamentação médica precisa para a internação, medida excepcional, em qualquer das suas modalidades.

O próprio conceito de periculosidade é incompatível com os pressupostos dogmáticos e democráticos do Direito Penal, além de violentar os Direitos Humanos.

Eugênio Raul Zaffaroni considera esse conceito de periculosidade “o produto de uma ideologia racista, colonialista, pseudocientífica e antidemocrática”, que tem servido para produzir genocídios. (Manual de Derecho Penal – Buenos Aires, 1987).

Conheci o Manicômio Judiciário Heitor Carrilho em março de 1983, com meus alunos da Faculdade Cândido Mendes, Ipanema. A lembrança daquelas portas inescrutáveis é aterrorizante. 

Numa das celas havia um velho, 88 anos, recostado na cama, balbuciando algumas palavras, pedidos de cigarros às jovens alunas de Ipanema. Chamava-se Febrônio Índio do Brasil, e cumpria medida de segurança há 56 anos. Era uma pessoa destroçada, aniquilada, produto da segregação manicomial.

É Isto Um Homem? Indaga Primo Levi, no livro sobre o tempo de prisão em Auschwitz.

O Jornal do Brasil, em 29.05.1983, publica uma excelente matéria, dos repórteres Antero Luiz e Glória O. Castro: “Preso que assustou o Rio é esquecido no manicômio.”

O JB conta que Febrônio foi preso em agosto de 1927, acusado do homicídio de dois adolescentes. E o seu nome, Febrônio, passou a servir “para designar um homossexual ou era usado pelos pais que queriam assustar seus filhos.”

O laudo psiquiátrico, de 1929, foi elaborado por Heitor Carrilho. Trechos desse laudo encontram-se no texto “Febrônio, Blaise e Heitor”, de Guilherme Gutman (Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental, S.P., v. 13, n.2, 2010): ”Febrônio é portador de uma psicopatia constitucional caracterizada por desvios éticos, revestindo a forma de loucura moral e perversões instintivas, expressas no homossexualismo com impulsões sádicas.”

O laudo conclui, após mencionar “a sua iniludível temibilidade”:

“Portanto, deve ele ficar segregado “ad vitam”, para os efeitos salutares e elevados da defesa social.”

Um ano depois daquela visita ao Manicômio, Febrônio morreu, em 27.8.1984, com 89 anos, passados os últimos 57 anos nesse Manicômio.

A determinação do psiquiatra Heitor Carrilho cumpriu-se integralmente: segregado “ad vitam.”

Agora, a Reforma Psiquiátrica corre grande risco.

O governo genocida do Presidente Bolsonaro não tem limites no seu projeto para a destruição da vida e dos direitos sociais.

No final do ano passado, o Ministério da Saúde (ou Ministério da Morte, mais de 380.000 pessoas mortas por Covid-19) acolhe um documento da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) – “Diretrizes para um modelo de atenção integral em saúde mental no Brasil” – que constitui um grave retrocesso.

Esse documento até afirma que os seus “pressupostos éticos estão de acordo com os definidos pela lei 10216/01”, e enuncia como primeiro princípio ético a “promoção dos Direitos Humanos dos indivíduos com transtorno mental e seus familiares”. Mas as diretrizes apresentadas são a negação dos Direitos Humanos e a destruição das práticas e valores produzidos pela Reforma Psiquiátrica e pela lei 10216.

Uma das propostas da ABP é a criação de “um moderno Hospital Psiquiátrico”. E, para esse moderno Hospital, recomenda “a inclusão da eletroconvulsoterapia (ECT) nas listas de procedimentos do SUS considerando sua sólida base científica, eficácia e efetividade.”

Sobre a Medida de Segurança, critica o conceito da periculosidade, mas, negando o que diz, propõe “a criação de pelo menos um Hospital Psiquiátrico Forense por Estado, com pessoal qualificado, em número adequado e devidamente treinado para lidar com este tipo de paciente, nos moldes da psiquiatria forense moderna.”

A linguagem revela o preconceito e a ideologia da desclassificação humana.

Propõe-se, na verdade, o retorno ao destino de muitos Febrônios.

É a produção da necropsiquiatria, aliando-se à necropolítica dirigida pelo Governo Federal.

O documento da ABP tem produzido uma grande reação, com muitas manifestações de repúdio.

O Manifesto da Frente Ampliada em Defesa da Saúde Mental, da Reforma Psiquiátrica, da Luta Antimanicomial e do SUS conclui:

“Somos Antimanicomiais e reafirmamos que a nossa luta é pelo cuidado em liberdade e pelo fim de todos os hospitais psiquiátricos, comunidades terapêuticas e instituições afins, com sua substituição definitiva por uma rede de serviços abertos e comunitários de base territorial.”

Por Uma Sociedade Sem Manicômios

Por Uma Sociedade Sem Prisões

*Sérgio de Souza Verani é desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, membro da Associação Juízes para Democracia.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

ze sergio/sorocabanoburaco

- 2022-05-29 11:45:59

Sorocaba então possuia a maior Rede de Hospitais Psquiátricos do Brasil. A Casa dos Esquecidos. Todos logicamente tendo o Secretário de Saúde do Munícipio de Sorocaba como proprietário. Roberto Cabrini/SBT faz uma matéria mostrando o desleixo, omissão, abandono, aprisionamento, tortura, que resultam em cerca de 250 mortes, em menos de 3 anos, pra lá de suspeitas que nunca foram averiguadas ou investigadas. É a Cleptocracia destes 92 anos repaginada em 40 anos de fasante e corrupta Redemocracia projetada em OAB, CFM, MP's, CRM's, ABI's, Delegacias de Policia, Tribunais de Conta, Conselhos de Direito Humanos, Prefeitura Municipal, Ministério da Saúde e toda esta Rede Comparsa que vive a expressar sua fraudulenta "Luta AntiManicomial". A Presidenta era Dilma Roussef. Tudo isto na vigência de uma pseudo Constituição Cidadã da Redemocracia de décadas de Governos Socialistas de Fernando Henrique e Luis Inacio. Onde estavam?? Quem foi responsabilizado? Quais os resultados? Onde Processos? Onde Condenações? Onde a revolta, repulsa, reinvenção de Médicos Psiquiatras a condenar tais procedimentos? Onde CFM? Hospitais que viraram Shopping's, que viram Hipermercados, que foram demolidos e falidos para voltarem a ser a Casa dos Esquecidos. Pobre país rico. Apenas esqueçam. Mas de muito fácil explicação.

Evandro Condé

- 2022-05-29 07:11:51

Pequeno relato do que disse Ferreira Gular. Possuia dois filhos esquizofrênicos e ambos em 8nstituicoes de acolhimento. Ele reportava que, assim não fosse, não teria como trabalhar para no minimo garantir o tratamento e,puor, ele ao final também precisaria de tratamento. Conheço pessoas cujos filhos exigem atenção 100% do tempo. Como se trabalha? Se for para não ter instituições de acolhimento, a rede de assistência a essas pessoas e aos pais terá de aumentar consideravelmente. Em tempo, nem tocamos nas pessoas com Alzheimer.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador