Vivemos uma epidemia de violência sexual contra crianças, mostra Atlas da Violência

Patricia Faermann
Jornalista, pós-graduada em Estudos Internacionais pela Universidade do Chile, repórter de Política, Justiça e América Latina do GGN há 10 anos.
[email protected]

Enquanto avança PL do estuprador, 30,4% das violências contra bebês de 0 a 9 anos e 49,6% de crianças até 14 anos no Brasil são a sexual

Foto: Arquivo EBC

Uma verdadeira “epidemia de violência sexual contra crianças”: assim foi chamado o fenômeno no qual 30,4% das violências sofridas hoje por bebês e crianças de 0 a 9 anos e 49,6% das sofridas por crianças de 10 a 14 anos no Brasil são a sexual.

Em meio ao avanço do Projeto de Lei que pune mais as gestantes vítimas de estupro do que o estuprador, os números foram divulgados hoje (18) pelo “Atlas da Violência”, o maior anuário de dados sobre violências no país, com base no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde.

Os dados comprovam que as maiores vítimas de violência sexual são meninas e adolescentes, entre 0 a 14 anos, sendo este crime ocupando ao menos 1/3 das violências cometidos contra elas.

“Em 2022, entre as vítimas de zero a nove anos, a violência mais frequente foi a negligência, com 37,9% dos casos, seguido de violência sexual com 30,4%. Na faixa etária de 10 a 14 anos a violência sexual se torna prevalente – tal violação foi apontada em 49,6% dos registros no Sinan”, traz o relatório.

Outros dados alarmantes deste último relatório mostram um aumento vertiginoso nos registros de violência sexual, principalmente na faixa etária entre 5 e 14 anos entre meninos e meninas, atingindo mais de 20 mil casos – 5 mil a mais em comparação a 2021. Em comparação aos homens, as mulheres foram as principais (86,7%) vítimas de violência sexual.

O documento reflete, ainda, outra camada da violência sexual contra crianças e adolescentes: a de que a maioria de seus algozes são familiares ou pessoas próximas.

“Se tivéssemos que descrever o que é ser uma mulher no Brasil, poderíamos dizer que na primeira infância é a negligência a forma mais frequente de violência, cujos principais autores são pais e mães, na mesma proporção. A partir dos 10 até os 14 anos, essas meninas são vitimadas principalmente por formas de violência sexual, com homens que ocupam as funções de pai e padrasto como principais algozes”, conclui o documento.

Leia mais:

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador