Ion de Andrade
Médico epidemiologista e professor universitário
[email protected]

Lições estratégicas da PEC do estupro, por Ion de Andrade

A agenda que enfrenta e vai derrotar o fascismo é a da garantia de direitos e a da construção ativa da civilidade e do bem estar social

Paulo Pinto – Agência Brasil

Lições estratégicas da PEC do estupro, por Ion de Andrade

Como na lenda, a luz do dia tem poder de incinerar vampiros.

A tentativa do empresário Elon Musk de desmoralizar as instituições democráticas do Brasil, a PEC do estupro, ou a tentativa de privatizar as praias pela extrema direita e a ameaça ao piso da Saúde e da Educação pela área econômica do governo…, se soldaram por uma derrota a priori marcada pelo recuo dos seus insignes idealizadores mostrando que a sociedade pensa e age por cabeça própria, para além da vontade ou guia de influenciadores digitais, da extrema direita, dos falso moralistas hipócritas e mesmo de governos.

Isso significa que as forças políticas que conseguirem entender e interpretar essa agenda latente da sociedade (um cavalo selado) e conceber a partir dela uma agenda política alinhada a esses princípios, terão imensa vantagem no plano (agora) das eleições municipais que se avizinham.

O campo democrático, (se conseguir converter essa agenda semiconsciente e latente das maiorias em agenda consciente e manifesta) é quem está melhor posicionado para capitalizar essa verdadeira onda democratizante e civilizatória afinal, excluídos os escorregões ou traições neoliberais, essa agenda é supostamente a sua própria…

O maior problema do campo democrático e da esquerda em particular (um esquerdismo) é sucumbir a uma agenda voluntarista, muitas vezes de aparência ideológica (o discurso radicalizado) cuja meta parece ser “fazer a cabeça do povo” com o intuito muito nobre de politizá-lo para o enfrentamento do fascismo, o que desconsidera o fato de que esse povo é, de fato, quem tem sustentado e com resiliência os melhores índices de aprovação do governo, sendo a maioria nucleada por ele quem incinerou a PEC do estupro. Resta, portanto, saber quem está e quem não está politizado e qual é a agenda da politização no mundo real da garantia da democracia hoje!

Como a PEC do estupro fartamente demonstrou, portanto, a agenda que enfrenta e vai derrotar o fascismo, vai além dos limites habituais entre a esquerda e a direita e encontra unidade, não nesse discurso ideológico falsamente radicalizado e típico da classe média de esquerda. Esse discurso só garante os votos minguados para os legislativos tornando-”nos” minoritários ao ponto de sermos incapazes até mesmo de barrar uma PEC (⅓ dos votos!).

A agenda que enfrenta e vai derrotar o fascismo (a das maiorias) é a da garantia de direitos e a da construção ativa da civilidade e do bem estar social pelos Executivos comandados pelo campo democrático. É isso que consubstancia a agenda solar e amplamente consensual perante a qual a extrema direita é incinerada em praça pública como os vampiros dos filmes de horror.

Noutras palavras, se a sociedade entender claramente que a agenda da extrema direita é a da incivilidade, da perda de direitos e do mal-estar social dificilmente essa força poderá disputar o topo da política.

Além da hipnose perpétua do discurso falsamente radical, (pois esse, não tenhamos pena, é o discurso classista da classe média de esquerda) nada pode causar mais dano ao campo democrático e à esquerda em particular do que a ameaça a direitos como os da saúde e da educação. Tais propostas desacreditam o governo e sinalizam para as maiorias mais despertas (as que já defendem direitos) uma verdadeira orfandade da sua representação civilizatória no Estado.

Por outro lado, devemos constatar que quem está emparedada é a extrema direita que, ao se exprimir claramente e sem fakenews, produz rejeição e asco da sociedade como um todo, muito além da tradicional clivagem direita/esquerda. Duas ferramentas são fundamentais para ela em sua tentativa inglória de manter seu capital político, a mentira que manipula uma espécie de boa fé pública (ou a burrice atávica de tantos) e a baixa publicidade e transparência do que faz e propõe, pois tem que agir discretamente e às sombras em seus propósitos na esperança de que os seus projetos legislativos não sejam conhecidos de todos.

É exemplo disso, pois está na contramão do que a sociedade claramente deseja, o projeto que volta a permitir o trabalho infantil e que tramita na CCJ. Esse projeto ainda não produziu o mesmo escárnio que a PEC do estuprador pois não galgou visibilidade suficiente sobretudo na gente pobre que é a sua principal vítima.

Então, o que de mais importante há hoje a ser feito para o enfretamento da extrema direita por parte dos Poderes Executivos do campo democrático (União, estados e municípios) é em primeiro lugar trabalhar para materializar a agenda civilizatória do bem estar social na capilaridade do local onde vivem as pessoas.

No que toca aos Legislativos e à sociedade civil a tarefa, e não é fácil, é a de expor quem a extrema direita de fato é para que a sua combustão espontânea se dê aos olhos de todos.

A PEC do estupro mostrou que há um paiol seco para receber as propostas medievais da extrema direita.

Isso significa que o que visivelmente politiza a sociedade (e ao que parece os níveis de politização são suficientemente altos para o que a história nos exige) deve ser e de forma sistemática e maciça a ação dos governos do campo democrático no sentido de assegurar direitos e de materializar a civilidade e o bem estar social no Brasil de forma universal.

As melhorias dos níveis de aprovação de Lula se prendem, portanto, (e isso é politização), à colheita do que, de forma assistemática, o governo vem plantando. Mas essa melhoria da avaliação é, pelo menos ainda, incipiente justamente pelo fato de que as (muitas) iniciativas não estão amarradas a um projeto claramente inteligível de construção do bem estar social universal e com participação popular.

Por isso, a tentativa de Elon Musk de achincalhar o Brasil, a do Ministério da Fazenda de testar a força dos movimentos da Saúde e da Educação na defesa do piso constitucional (nunca dantes ameaçados), ou as PEC da privatização das praias e a do estupro protagonizadas pela extrema direita demonstraram que é imprescindível para as lutas:

(a) a visibilidade pública do dado projeto de retrocesso (que emerge na geleia geral dentro e fora do governo) e

(b) uma prontidão de emboscada pelas forças democráticas dos projetos de retrocesso de cada momento, exatamente como se deu no caso da PEC do estuprador, prontidão essencialmente protagonizada nesse caso pelos movimentos de mulheres; sempre que a ocasião exigir.

Na quadra atual, o que temos que responder é como daremos a necessária visibilidade à PEC do trabalho infantil para que ela também sofra a mesma incineração pública que sofreu a PEC do estupro.

Se conseguirmos converter a vontade latente semiconsciente da sociedade em vontade manifesta e consciente essa luta será demolidora para os fascistas e terá o condão de produzir um inabalável consenso em favor da democracia intimidando até mesmo os sonsos que agem no governo.

Ion de Andrade é médico epidemiologista e professor e pesquisador da Escolas de Saúde Pública do RN, é membro da coordenação nacional do Br Cidades e da executiva nacional da Associação Brasileira de Médicas e Médicos pela democracia

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador