O desafio da comunicação, por Francisco Celso Calmon

No ambiente virtual a esquerda ainda não encontrou o caminho para uma comunicação massiva e acaba falando para si mesma.

O desafio da comunicação

por Francisco Celso Calmon

A pandemia no Brasil cresce exponencialmente, podendo chegar a 200 mil mortos. O desemprego e a miséria aumentam linearmente, podendo chegar no final do ano ao somatório de 50 mil ou mais entre desempregados, subocupados e desalentados.

Apesar desse previsível pandemônio nacional, Bolsonaro consegue manter em torno de 25% de apoio, segundo pesquisas.

Considerando que a classe média alta (ganhos a partir de 10 mil reais/mês) e os ricos não chegam a 10% da população, quem e porquês apoiam esse genocida da pandemia e da economia?

Se apenas o 1% de ricos (patrimônio a partir de 10 milhões) pagasse 1% de imposto sobre suas fortunas e esse imposto fosse destinado à saúde, educação e a renda mínima, o Brasil seria uma democracia social.

Os sinais da reforma fiscal do governo indicam que os trabalhadores continuarão a pagar mais impostos e os ricos continuarão isentos. É a injustiça fiscal, é a política Robi Udi brasileira, tira dos pobres para aumentar as burras dos muito ricos.

Do jornal O TEMPO de BH, de 27/7, Patrimônio dos ricaços brasileiros cresce R$ 176 bilhões na pandemia. Enquanto a maior parte da população sofre para pagar as contas com a crise por causa da propagação do coronavírus, ricaços brasileiros tiveram aumento de patrimônio de 27,61%.  [Apenas] 42 bilionários aumentaram suas fortunas em US$ 34 bilhões no mesmo período, passando de US$ 123,1 bilhões para US$ 157,1, noticia o jornal.

O mercado financeiro não tem qualquer relação com a produção e com a renda, é um universo à parte, faça chuva ou sol, com ou sem crise, eles, os detentores do capital financeiro, concentram mais e mais riquezas e aumentam a desigualdade e o fosso entre ricos e pobres.

Leia também:  A diplomacia da biruta conduzida por birutas, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Um dos porquês do Bolsonaro ter ainda esse razoável apoio se deve às suas mentiras, aos ilusionismos verborrágicos do Paulo Guedes e as fakes news de sua quadrilha de áulicos e robôs.

Outro porquê é a censura da mídia golpista, principalmente da Globo, aos principais líderes da esquerda, particularmente ao Lula. Em decorrência a comunicação fica tendenciosa e, mesmo quando essa mídia faz críticas eventuais ao presidente a ao seu desastroso governo, esconde a crítica da oposição de esquerda, é a comunicação maneta e caolha.

A pandemia da covid-19 ao obrigar o isolamento e distanciamento social restringiu a esquerda e ao Lula a capacidade de comunicação. Situação que deve perdurar pelo menos até dezembro.

No ambiente virtual a esquerda ainda não encontrou o caminho para uma comunicação massiva e acaba falando para si mesma.

O presidente e seu governo desrespeitam a Constituição, fustigam os demais poderes republicanos, corrompem militares e policiais, destroem direitos dos trabalhadores, agridem os direitos humanos, aplicam uma política genocida aos indígenas e quilombolas, entregam o patrimônio nacional, substituem a soberania pela servidão aos EUA, e com esse quadro calamitoso, vergonhoso, há 1/4 de brasileiros  o apoiando e 3/4 em letargia a uma revolta social imperiosa.

Enquanto a Globo mantiver a censura a Lula e a outros líderes de esquerda, por um lado, e, por outro lado, a mídia aceitar ser pautada pelo delinquente Bolsonaro, a situação exige elaborar meios criativos de comunicação.

Qualquer provocaçãozinha que o sociopata do planalto faça, lá está a mídia dando cobertura, na crença de que o está desgastando, quando está fortalecendo-o junto aos seus apedeutas apoiadores e causando fadiga de matéria aos que já o desaprovam.

Leia também:  Das continuidades do estado de exceção no pós-Constituinte, por Rogério Mattos

Coloca máscara, tira máscara, passeia de cavalo ou jet ski, abraça ou evita o contato, xinga jornalista ou acena, dá entrevista ou se nega, propagandeia a cloroquina, elogia Trump, etecetera, lá está a imprensa, que nem bedel, a anotar o que faz ou fala e transforma em furos de reportagem.

O saudoso Brizola, que como ninguém soube enfrentar a Globo, quando se viu sem espaço, comprou no jornal O Globo e lá escreveu seus artigos, apelidados de tijolaços.

A difícil unidade genérica da esquerda, pode encontrar comunhão num projeto alternativo de comunicação, num site, blog, horas de rádio ou tv e espaços em jornais.

E que seja um projeto capaz de furar o bloqueio da mídia golpista.  Possível é!

Francisco Celso Calmon é Advogado, Administrador; membro do canal Resistência Carbonária; Coordenador do Fórum Memória, Verdade e Justiça do ES; ex-coordenador nacional da RBMVJ

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Muito pertinente a análise e a proposição. A esquerda deve ocupar os espaços de comunicação para fazer frente à máquina de disseminação de Fakenews.

  2. a comunicação no seculo 21 é oxigênio politico das organizações que lutam por uma sociedade justa e solidaria , e deve fazer a partir dessa constatação um esforço coletivo de comunicação , calmon como sempre faz um alinhamento teorico e historico e politico do tema , e ele tem razão da necessidade de vencermos a rede globo grande ovo deixado por golberi do couto e silva , para começarmos realmente a pensar em uma estrategia precisamos vencer a rede globo de televisão na comunicação esse é um desafio…se não o maior mas de suma importancia nos pontos a serem levados em consideração em qualquer analise de conjuntura .

    jose luiz saavedra baeta comite popular de santos memoria verdade e justiça

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome