Físico Luiz Pinguelli Rosa morre aos 80 anos

Um dos nomes importantes da ciência brasileira nos últimos tempos, comandou a Eletrobrás durante o primeiro mandato de Lula e se posicionou contra os golpes de 1964 e 2016

Luiz Pinguelli Rosa (foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

A ciência brasileira está de luto nesta quinta-feira (3/3), após a notícia do falecimento do físico Luiz Pinguelli Rosa, aos 80 anos.

Pinguelli foi um dos nomes mais importantes da ciência no Brasil nos últimos anos. Professor emérito e titular do Programa de Planejamento Energético da Coppe, também foi um dos fundadores do Programa de História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e membro da Academia Brasileira de Ciências.

Luiz Pinguelli Rosa foi membro do Conselho Pugwash, associação fundada por Bertrand Russel e Albert Einstein. A partir de 1998, o físico brasileiro passou a integrar o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, e chegou a ser presidente da Associação Latino-Americana de Planejamento Energético.

Entre seus momentos mais destacados também está o seu período como presidente da Eletrobrás, em 2003, durante o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

Outros dois pontos cruciais da biografia de Pinguelli foram seus posicionamentos durante os dois últimos golpes de Estado ocorridos no Brasil: em 1964, quando era um jovem iniciando carreira militar, ele chegou a ser preso por não apoiar a derrubada do governo de João Goulart – a decisão também foi importante para que, uma vez solto, ele decidisse abandonar as Forças Armadas e optar pelo mundo da ciência.

Em 2016, Pinguelli era secretário-executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, e representava a entidade no Conselho Diretor do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, mas se desligou desse cargo – que ocupava desde 2004 – por discordar do impeachment de Dilma Rousseff.

Justamente a presidenta Dilma Rousseff foi uma das que enviou uma das primeiras a reagir ao seu falecimento e a prestar suas homenagens.

“O Brasil perde um dos seus mais renomados cientistas e especialistas em energia (…) É um dia triste para todos os brasileiros. Pinguelli foi um homem à frente do seu tempo, um visionário defensor da ciência e do país. Ele foi um nacionalista que colocou o Brasil e os interesses do povo no centro de todo o seu trabalho intelectual e científico”.

A reitoria da UFRJ também manifestou o seu pesar, e lembro que “seu compromisso com uma universidade de qualidade que transpira pesquisa deixará uma lacuna entre nós e um aprendizado permanente”.

A causa da morte não foi divulgada. Velório será realizado nesta quinta-feira (3/3), a partir das 17h, no átrio do palácio universitário, na Praia Vermelha (Avenida Pasteur 250).

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador