Aumenta o fluxo comercial do Brasil com a China, por Luis Nassif

No acumulado de 12 meses até abril de 2021, a China adquiriu 34,31% das exportações brasileiras - contra 30,8% de 12 meses atrás.

Os dados desagregados da balança comercial mostram um aumento maior da dependência do Brasil em relação à China.

No acumulado de 12 meses até abril de 2021, a China adquiriu 34,31% das exportações brasileiras – contra 30,8% de 12 meses atrás. Em relação às importações houve um aumento de 19,75% para 22,37% do total das importações brasileiras.

Houve uma redução da participação chinesa no saldo comercial, mas devido ao aumento das importações brasileiras.

No total, o saldo comercial saltou de US $35,3 bilhões no acumulado de 12 meses atrás para US $59,7 bilhões, um aumento de US$ 24,4 bilhões. Desse aumento, US$ 8,8 bilhões vieram do saldo comercial com a China, Hong Kong e Macau, e US$ 3,8 bilhões dos Estados Unidos e US$ 3,4 bilhões da Associação das Nações do Sudeste Asiático.

O quadro seguinte mostra como ficariam os saldos comerciais dos últimos anos, com e sem China.

A análise dos fluxos de comércio (soma de exportações e importações) mostra claramente o dinamismo da relação comercial com a China em relação à dos EUA e União Europeia.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora