Como o fundamentalismo impediu o Brasil de se tornar uma potência exportadora

Hoje em dia, o mercado da América Latina sofre com a invasão chinesa. Por conta da queda do preço do petróleo e do boicote comercial dos Estados Unidos, a Venezuela se tornou uma sombra do que representou no passado para as exportações brasileiras

Critica-se com razão a diplomacia de Bolsonaro, pela absoluta falta de pragmatismo, colocando a ideologia acima do interesse nacional. Em outros momentos da história, as disputas entre potências eram aproveitadas por estadistas para obter as melhores negociações para o país.

Foi assim com o Brasil no período germanófilo, montando tratados comerciais pragmáticos com a Alemanha e, depois, quando se alinhou com os Aliados, obtendo compensações comerciais e financeiras dos americanos.

Se tivesse que escolher um termômetro do atraso brasileiro, seria a ideologização da diplomacia comercial. Perder a oportunidade de tirar vantagens para o país devido ao sistema político do parceiro é de um primarismo definitivo. Esse primarismo está nítido nas discussões sobre o sistema 5G e nos ataques dos filhos de Bolsonaro aos chineses.

Mas é um sentimento muito mais amplo do que se pensa. Basta conferir a maneira como a diplomacia brasileira se beneficiou da simpatia ideológica de países da América do Sul e da África, e a forma como a imprensa manipulou os acordos, como se fossem benesses para os parceiros.

Confira no gráfico abaixo. Mostra as relações comerciais do Brasil com a Venezuela. No acumulado de 12 meses, em agosto de 2014 o Brasil exportou cerca de US$ 424 milhões para a Venezuela, registrando um superávit comercial de US$ 322 milhões.

Não apenas a Venezuela. Graças à diplomacia comercial, e ao avanço das empreiteiras brasileiras pela África e América do Sul e Central, o Brasil encontrou um vigoroso mercado comprador. Tornou-se indiscutivelmente uma potência líder na América Latina, praticando uma política independente, e comercialmente vantajosa para o país, apesar das críticas do Departamento de Estado – que gostaria de ter o Brasil como representante da diplomacia americana no continente.

No entanto, foi um dos pontos centrais da campanha diuturna da mídia contra os governos Lula e Dilma, espalhando fake news de toda ordem, como a ideia de que o Brasil dava dinheiro do BNDES para ditaduras comunistas.

Os Estados Unidos apoiam algumas das piores ditaduras do planeta por uma mera questão de pragmatismo comercial. Por aqui, o comércio exterior foi pioneiro na prática do fundamentalismo ideológico.

Hoje em dia, o saldo comercial brasileiro mudou definitivamente de rumo. A lista dos maiores saldos comerciais engloba China, Associação das Nações do Sudeste Asiático, Oriente Médio e África, justamente as regiões que, em determinado momento, se tornaram mercado de empreiteiras e de agronegócios.

A diplomacia soft brasileira, embalada na imagem de Lula, permitiu, durante algum tempo, que as empreiteiras brasileiras lutassem de igual para igual inclusive contra as chinesas.

Hoje em dia, o mercado da América Latina sofre com a invasão chinesa. Por conta da queda do preço do petróleo e do boicote comercial dos Estados Unidos, a Venezuela se tornou uma sombra do que representou no passado para as exportações brasileiras.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora