O projeto chinês da “nação inteira”, por Luis Nassif

Na alocação de recursos, o sistema adota mecanismos de mercado sob controle do governo, com redução da dependência de insumos estrangeiros.

2021 é considerado um divisor de águas para a tecnologia chinesa. Foi o ano em que o governo tomou atitudes severas para controlar algumas de suas maiores empresas de tecnologia, como a Alibaba e a Tencent. Os dois princípios básicos de atuação foram o antimonopólio e a privacidade.

Houve impactos no mercado. Estimou-se a redução de mais de US$ 1 trilhão da capitalização das empresas de tecnologia do mercado chinês. 

O burburinho provocado pela investida nos gigantes deixou para segundo plano a parte principal do programa: partiu para um esforço de desenvolvimento tecnológico da “nação inteira”.  O que inspirou o governo chinês foi a chamada “agenda de alto perfil da prosperidade comum”, visando reduzir as disparidades sociais no país.

Esse enfoque foi adotado no início da revolução chinesa. Definiam-se áreas prioritárias e o governo alocava recursos. Quando houve a transição da China para uma economia de mercado, no final dos anos 70, o antigo modelo perdeu espaço.

Em 2019, durante a 4a Sessão Plenária do 19o Comitê Central do Partido Comunista, Xi Jinping trouxe o termo de volta. Propôs um “novo tempo de sistema de nação inteira”.

Há avanços sobre o modelo anterior. Na alocação de recursos, o sistema adota mecanismos de mercado, embora sob controle do governo.  Um dos focos centrais é o da redução da dependência de insumos estrangeiros.

O conceito foi incorporado no 14o Plano Quinquenal da China, para o período 2021-2025. Foram definidas algumas tecnologias prioritárias, como a inteligência artificial e a ciência quântica, pesquisas básicas e montagem de uma estrutura de laboratórios nacionais e clusters industriais.

Os mecanismos de mercado foram incentivados com políticas fiscais preferenciais, acesso a créditos e dados científicos e divisão de lucros.

A bandeira da integração nacional envolve também desafios tecnológicos. O projeto da Grande Área da Baía Guangdong-Hong Kong-Macau foi prejudicado pelas diferenças de moedas, sistemas legais e estruturas políticas e econômicas.  Com o projeto “nação inteira”, Pequim tenta empurrar o projeto para um mercado integrado.  A ideia é construir por lá um centro tecnológico e de inovação internacional, combinando a estrutura industrial da CHina com a de serviços de Hong Kong e Macau.

Todas essas ideias – dos arranjos, da inovação levada para PMEs, dos modelos de centros tecnológicos – desenvolveram-se no país nos anos 90, aceleraram-até nos anos 2000. Depois, com a crise política e o golpe da “Ponte para o Futuro”, sufocaram-se todas as experiências

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Joana Mota

- 2022-04-23 08:52:48

Perfeito

Joana Mota

- 2022-04-23 08:52:04

Ok

cezarperin

- 2022-04-21 21:47:54

Chines não gosta de se dominado..Só isso..

José de Almeida Bispo

- 2022-04-21 10:21:58

Macaquitos terceiro-mundistas. Nunca passarão disso, nos condenando a acompanhá-los na mediocridade. Isso é no que dá ter uma educação e uma cultura voltadas o tempo inteiro para idolatrar o estrangeiro, desde os jesuítas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador