Coronavírus: Itália tem mais um recorde de novos casos

Um total de 37.905 pessoas já morreram na Itália por causa do coronavírus, enquanto 589.766 casos da doença foram registrados até o momento.

Agência Brasil

Jornal GGN – A Itália registrou 24.991 infecções por coronavírus nas últimas 24 horas, informou o ministério da saúde nesta quarta-feira. Este número é um recorde de alta em relação aos 21.994 na terça-feira, com o aumento de casos na região norte da Lombardia.

O ministério também relatou 205 mortes relacionadas a Covid-19, em comparação com 221 no dia anterior.

Um total de 37.905 pessoas já morreram na Itália por causa do coronavírus, enquanto 589.766 casos da doença foram registrados até o momento.

Com informações da Reuters.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Abstenção no Enem: alunos relatam medo de Covid-19 e dificuldade com ensino à distância

1 comentário

  1. O uso de hidroxicloroquina em pacientes hospitalizados com COVID-19 está associado à redução da mortalidade: Resultados do estudo observacional multicêntrico italiano CORIST

    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7446618/

    “Métodos
    Em um estudo observacional retrospectivo, 3.451 pacientes não selecionados hospitalizados em 33 centros clínicos na Itália, de 19 de fevereiro de 2020 a 23 de maio de 2020, com infecção por SARS-CoV-2 confirmada em laboratório, foram analisados. O desfecho primário em uma análise de tempo até o evento foi a morte hospitalar, comparando pacientes que receberam HCQ com pacientes que não receberam. Usamos modelos multivariáveis ​​de regressão de riscos proporcionais de Cox com probabilidade inversa para ponderação de tratamento por escores de propensão, com a adição de análises de subgrupos.

    Resultados
    Dos 3.451 pacientes com COVID-19, 76,3% receberam HCQ. As taxas de mortalidade (por 1.000 pessoas-dia) para pacientes recebendo ou não HCQ foram de 8,9 e 15,7, respectivamente. Após o ajuste para os escores de propensão, encontramos risco 30% menor de morte em pacientes recebendo HCQ (HR = 0,70; IC 95%: 0,59 a 0,84; valor E = 1,67). As análises secundárias produziram resultados semelhantes. A associação inversa de HCQ com mortalidade de pacientes internados foi particularmente evidente em pacientes com proteína C reativa elevada na entrada.

    Conclusões
    O uso de HCQ foi associado a um risco 30% menor de morte em pacientes hospitalizados com COVID-19. Dentro dos limites de um estudo observacional e aguardando resultados de ensaios clínicos randomizados, esses dados não desestimulam o uso do HCQ em pacientes internados com COVID-19.

    Palavras-chave: Hidroxicloroquina, COVID-19, Gravidade da doença, Mortalidade, Inflamação”

    ……….
    …………

    “Enquanto aguardamos os resultados dos ensaios clínicos randomizados (RCT) em andamento para definir a eficácia na prevenção de desfechos difíceis desse tratamento tão amplamente usado durante a fase de emergência da pandemia de COVID-19, estudos observacionais retrospectivos realizados em diferentes condições geográficas e de doença podem ainda ser útil para lançar luz sobre este debate. Dois estudos observacionais retrospectivos, ambos conduzidos na região metropolitana de Nova York, não relataram nenhuma associação significativa entre o uso de HCQ e as taxas de intubação ou morte [ 27 , 28 ].”

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome