“É o destino de todo mundo”, diz Bolsonaro após mais de 31 mil mortes por coronavírus

O Brasil é o segundo país com maior número de casos de coronavírus no mundo, ficando atrás somente dos EUA. Mas para Bolsonaro, "é o destino".

Foto Reprodução

Jornal GGN – Quando o Brasil ultrapassa os 31 mil mortos por coronavírus e mais um novo recorde diário, o presidente Jair Bolsonaro diz que os óbitos pela epidemia do Covid-19 é “o destino de todo mundo”.

Na noite de ontem (02), o Ministério da Saúde divulgou balanço com novo recorde de mortes em 24 horas pelo Covid-19: 1.262 mortos, fazendo o país superar os 31 mil falecimentos e um total de 555.383 casos de contágio anunciados oficialmente no Brasil.

“A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo”, foi a declaração de Jair Bolsonaro para o cenário, nesta terça (02), em frente ao portão do Palácio do Alvorada.

O Brasil é o segundo país com maior número de casos de coronavírus no mundo, ficando atrás somente dos Estados Unidos, e o quarto com mais mortes pela pandemia de Covid-19.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O cenário da economia depende do Covid de Bolsonaro, por Luis Nassif

2 comentários

  1. Se é destino de todo mundo morrer, então, para ser coerente com o seu discurso, o Bolsonaro devia abrir mão dos seus planos de saúde e não deveria procurar tratamento médico-hospitalar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome