The Washington Post: o Brasil paga o preço dos insultos de Bolsonaro a outros países

Resposta ao presidente tem sido de crítica aos erros e de ações limitadas de socorro, pelo menos até o momento

Foto: Reprodução/El Litoral

Do The Washington Post

Para o Brasil, que enterrou cerca de 140.000 vítimas de coronavírus nos últimos dois meses, a resposta internacional foi mais silenciosa. O presidente Jair Bolsonaro em março pediu a ajuda de organizações internacionais. Um grupo de governadores de estado pediu “ajuda humanitária” às Nações Unidas . O embaixador do Brasil na União Europeia implorou há duas semanas por ajuda: “É uma corrida contra o tempo para salvar muitas vidas no Brasil”.

Mas a resposta tem sido basicamente um encolher de ombros, uma crítica aos erros do Brasil – e uma ação limitada , até agora.

“O que está acontecendo no Brasil é uma tragédia que deveria ter sido evitada”, disse um parlamentar europeu ao embaixador brasileiro em audiência este mês. “Mas esta [é uma] tragédia baseada em decisões políticas erradas”.

[Brasil luta contra o coronavírus com vacina chinesa que até os chineses admitem que poderia ser melhor]

“Em vez de declarar guerra contra o coronavírus”, disse outro, “Bolsonaro declarou guerra contra a ciência, a medicina, o bom senso e a vida”.

Desde terça-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, tuitou três vezes sobre como ajudar a Índia. Ela falou pouco sobre o Brasil.

O contraste entre a forma como a comunidade internacional lidou com as crises na Índia e no Brasil mostra como as crescentes lutas diplomáticas de Brasília complicaram a resposta do país ao coronavírus. A imagem internacional que passou décadas cultivando – com foco ambiental, amigável, multilateral – foi minada por um presidente cujo governo insultou grande parte do mundo no momento em que o Brasil mais precisava de sua ajuda.

Bolsonaro, um nacionalista de extrema direita que chegou ao poder investindo contra o globalismo, acusou países europeus ambientalmente inclinados de colonialismo e desmatamento ilegal. Ele ampliou uma postagem na mídia social depreciando a aparência da esposa do presidente francês Emmanuel Macron. Ele repetiu as alegações infundadas do presidente Donald Trump de fraude eleitoral e foi o último líder do G-20 a reconhecer a vitória do presidente Biden. Por meses, membros de seu governo e simpatizantes espalharam ataques racistas contra a China e zombaram de sua vacina. Na terça-feira, seu ministro das finanças disse que a China “inventou o vírus”.

Desde o início da pandemia, o governo federal do Brasil minimizou a gravidade de um vírus que mutilou este país de 210 milhões. Bolsonaro pediu às pessoas que vivessem suas vidas normalmente. Muitos ouviram – seja por causa da pobreza, da política ou do tédio – para minar as medidas de contenção desiguais. Mais de 400.000 brasileiros morreram de covid-19, o pior desastre humanitário da história do país e o segundo maior número de vítimas do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Agora, ainda atolado nos dias mais mortais de seu surto – 3.001 mais mortes foram relatadas na quinta-feira – um país que há muito se orgulha de ser amigo de quase todos, encontra-se em grande parte sem amigos.

“O mundo inteiro está tentando ajudar a Índia”, disse Mauricio Santoro, cientista político da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. “Mas o Bolsonaro se tornou um problema tão internacional que ninguém o ajudará.

“Ninguém está falando em ajudar muito o Brasil.”

Questionado sobre por que os Estados Unidos não agiram para apoiar o Brasil com a urgência que mostraram na Índia, um porta-voz do Departamento de Estado forneceu uma lista de ajuda dos EUA ao Brasil, principalmente na primavera passada, antes do pior surto do país, no valor de mais de $ 20 milhões em assistência governamental. O porta-voz também observou US $ 75 milhões em “apoio ao setor privado”. A ajuda, a maior parte enviada durante a administração de Trump, incluiu 1.000 ventiladores e 2 milhões de pílulas de hidroxicloroquina.

“Continuamos a nos envolver ativamente com o governo brasileiro para discutir suas necessidades e encontrar maneiras de continuar a fazer parceria com o Brasil para ajudar a atender a essas necessidades”, disse o porta-voz do Departamento de Estado.

Outros países também contribuíram. A Alemanha enviou ventiladores depois que o sistema médico da cidade amazônica de Manaus falhou. A Organização Mundial da Saúde começou a enviar vacinas por meio de um programa para lidar com as desigualdades globais na distribuição de vacinas. A União Europeia e seus Estados membros forneceram cerca de US $ 28 milhões em doações desde o início da pandemia, de acordo com um porta-voz. Em resposta a um pedido do Brasil em março, o bloco ajudou a enviar “80.000 unidades de medicamentos extremamente necessários” para o Brasil.

Mas a falta de mais assistência internacional – ou mesmo de muita expressão de solidariedade – durante os meses mais desesperadores do Brasil confirmou os temores aqui de que o Brasil pagaria um preço internacional pela política externa de confronto de Bolsonaro e por seu desprezo das medidas do coronavírus amplamente aceitas pelos líderes globais.

“Em tantos níveis, o país perdeu influência”, disse Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getulio Vargas em São Paulo.

O Brasil nunca foi um país que pudesse contrariar o mundo. Vasto, desigual e em desenvolvimento, o Brasil tradicionalmente segue o que Stuenkel descreveu como uma política externa “previsível” que dependia da construção de alianças. Ano após ano, tem tentado estender o alcance de seu corpo diplomático, um dos maiores do mundo em desenvolvimento.

Virar-se contra essa história era uma aposta que o Brasil não podia arcar.

[Para os médicos brasileiros, escolher quem vive e quem morre cobra um preço]

“A América poderia se safar com um Trump porque não precisa muito do mundo”, disse Stuenkel. “Pode produzir suas próprias vacinas. Mas, no Brasil, esse comportamento tem sido particularmente imprudente porque é um país que depende da comunidade internacional. Não temos hard power. Precisamos de multilateralismo. ”

Em vez disso, a administração de Bolsonaro minou a fé na China e em suas vacinas, ao mesmo tempo que o Brasil dependia do país para materiais vacinais. O ex-ministro da Educação de Bolsonaro tuitou uma mensagem racista em abril passado, atraindo uma repreensão da China e da Suprema Corte brasileira. O filho do presidente Eduardo, um deputado brasileiro, culpou a China pela pandemia, depois a acusou de usar 5G para espionagem.

O governo chinês alertou sobre as “consequências negativas” se tal retórica continuar. Em janeiro, o embarque da China de materiais de vacinas para o Brasil foi muito atrasado, levando a especulações e alguns relatos da mídia de que os insultos do governo tiveram consequências.

Nesta semana, no momento em que as autoridades sanitárias brasileiras rejeitaram a vacina russa Sputnik V, alegando falta de transparência, o ministro da Fazenda Paulo Guedes foi atrás da vacina chinesa que o Brasil tem.

“Os chineses inventaram o vírus”, disse ele. “E a vacina deles é menos eficaz do que a americana.”

O embaixador chinês rebateu: “Até o momento, a China é o principal fornecedor de vacinas e insumos para o Brasil”.

Quem está pagando o custo dessas disputas diplomáticas são os brasileiros comuns, disse Michael Shifter, presidente do Diálogo Interamericano, com sede em Washington.

“O povo brasileiro está sofrendo e morrendo nesses números”, disse ele. “E essa é a parte trágica.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora