Contrato da Covaxin ficou sem fiscalização no Ministério da Saúde

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Em depoimento à CPI, Regina Célia Silva Oliveira disse que só se manifestou sobre o caso recentemente por estar de férias

Regina Célia Silva Oliveira, fiscal de contratos do Ministério da Saúde. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Jornal GGN – O contrato de fornecimento de vacinas por parte da Covaxin ficou praticamente um mês sem fiscalização, uma vez que a servidora pública Regina Célia Silva Oliveira estava de férias no momento em que o contrato foi descumprido e o escândalo foi descoberto.

“Ao final desses 70 dias, eu emiti um relatório – do óbvio descumprimento do prazo – apontando descumprimento total do contrato e submeti isso à Secretaria de Vigilância em Saúde para que eles avaliassem a pertinência da continuidade da contratação do ponto de vista técnico”, disse a servidora pública, respondendo a questionando do relator, senador Renan Calheiros (MDB) durante a CPI da Pandemia.

Questionada sobre a intenção do Ministério da Saúde cancelar o contrato firmado com a Covaxin, Regina Célia disse que isso só foi efetuado por volta do dia 23 – o que o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD), apontou como “o dia em que estourou o escândalo da Covaxin”.

Sobre sua função no Ministério da Saúde, Regina Célia disse que sua função é acompanhar a execução dos contratos. “A partir do momento em que se contrata, em que se fecha um contrato, na fase de contratação do departamento de logística, ele segue para área técnica para acompanhamento da execução. A minha função é acompanhar a execução”. Além disso, a servidora afirmou que ela foi a primeira fiscal responsável pelo contrato da Covaxin – ou seja, o contrato estava no Ministério da Saúde sem que houvesse uma fiscalização direta.

Confira aqui o trecho em que ela afirma que só se manifestou sobre o caso Covaxin na volta de suas férias

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador