“Não quero ser julgado por interpretações”, diz Lula em Curitiba

Á uma mutidão que o esperou por mais de cinco horas, o ex-presidente disse acreditar que após “dois anos de massacre”, eles teriam alguma prova: “mas não tinham nada”

Jornal GGN – “Eu não quero afrontar ninguém, eu sou um cidadão que respeita as leis, eu respeito a Constituição. A única coisa que eu peço em troca é que ele me respeite como eu respeito”, disse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em pouco mais de dez minutos de discurso, na Praça Santos Andrade, em Curitiba.

Lula discursou a uma multidão que o esperava, após quase cinco horas de depoimento prestado ao juiz Sérgio Moro, na Justiça Federal de Curitiba. Sem citar detalhes de como foi o interrogatório, o ex-presidente disse que estava impressionado que após “dois anos de massacre”, acreditava que seus acusadores “iam mostrar uma escritura, um pagamento, alguma prova”. “Mas não tinham nada”, completou.

O ex-presidente indicou que o juiz da Vara Federal, Sergio Moro, teria demonstrado conclusões sobre o processo do triplex do Guarujá: “o tal do apartamento que ele diz que é meu”. E ironizou o teor das perguntas feitas pelos procuradores ou pelo magistrado de primeira instância, de que se ele, o ex-presidente, conhecia o Vaccari [João Vaccari Neto] e outros políticos do PT. “É lógico que eu conheço e não tenho vergonha das pessoas que eu conheço”, acrescentou. 

“Eu não quero ser julgado por interpretações, eu quero ser julgado por provas. Alguém tem que provar”, disse Lula, em tom de inconformidade. Em seguida, explicou por que tentou, até o último momento, que a audiência com o juiz Sergio Moro fosse transmitida ao vivo. Lembrou que sua mãe dizia que se sabe que uma pessoa está falando a verdade, não pela boca, mas pelos olhos. “Por isso que eu queria que fosse transmitido ao vivo, para [vocês] verem nos olhos a pessoa que está perguntando e a pessoa que está respondendo.”

Leia também:  Não falta dinheiro: como Ricardo Salles queimou recursos para Amazônia, por Andre Aroeira

Já na conclusão do discurso, o ex-presidente frisou a sua inocência: “se tem um brasileiro, um ser humano, que está em busca da verdade, sou eu. E eu só tenho um compromisso: eu só posso dizer, em meu nome, em nome do meu partido, em nome dos movimentos sociais que estão aqui, os companheiros do PCdoB, dos sindicatos, em nome dos nossos irmãos, que se um dia eu tiver que mentir para vocês, eu prefiro que um ônibus me atropele em qualquer lugar desse pais, porque eu jamais poderia mentir para pessoas como vocês, que há muito tempo deposita, confia, acredita e segue do meu lado”, afirmou, já emocionado.

Novamente, Lula deu sinais de que estará pronto para concorrer à Presidência em 2018. “Eu quero dizer para vocês, eu estou vivo e estou me preparando para voltar a ser Presidente desse país, e eu nunca tive tanta vontade como tive agora, vontade de fazer mais, fazer melhor e provar mais uma vez que se a elite não tem condição de consertar este país, um metalúrgico de 4o ano primário tem”.
 

O ex-presidente falou a centenas de militantes, movimentos populares e lideranças políticas, que se reúniram desde a manhã desta quarta-feira (10) na cidade paranaense em gesto de apoio.

Acompanhe o discurso de Lula em Curitiba:

9 comentários

  1. Lula é grande!

    Lula é sensacional. Conheci e acompanho Lula desde 1978, quando ele era presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e eu repórter, jornalista e jornaleira do Jornal dos Bairros, na região industrial de Belo Horizonte, Contagem, Betim e Ibirité. 

    De lá para cá, minha admiração por ele só aumentou.

    Como falamos nas manifestações, Lula é guerreiro do povo brasileiro.

     

  2. É só ver esta praça

    É só ver esta praça lotada,com gente que foi a Curitiba dos mais diversos pontos do país,para saber quem estará na história e quem estará à margem da história.

    Vivao presidente Lula!

  3. O bobo Moro da corte

    Após cinco horas de teatro, o acusador e carrasco lembrou que era juiz e encerrou o interrogatório

  4. DF: juizeco mentiroso

    O juizeco de Brasília que mandou fechar o Instituto Lula mentiu em seu despacho, pois o MPF não solicitou o fechamento do Instituto mas ele inventou isso em sua ordem de fechamento mentindo despudoradamente e desrespeitando as instâncias superiores do judiciário com uma MENTIRA CABELUDA. A ministra Rosa Weber deveria denunciá-lo ao CNJ:

    http://www.ocafezinho.com/2017/05/10/uol-desmascara-juiz-que-tornou-lula-reu-e-fechou-instituto-lula/

    PS – O judiciário precisa rever seus critérios para admitir juízes em seus quadros. Este juizeco é a prova dessa necessidade.

  5. Lula devia exigir isso não do Camu mas do Morus

    Thomas Morus escreveu:

    “Vejam, diriam, como este bom príncipe violenta seu coração ao vender tão caro o direito de prejudicar o povo. (O Moro percebe mensalmente renda superior ao teto constitucional e aos salários nababescos dos $upremos Mini$tros cagões).

    Outro ainda, enfim, aconselha ao monarca ter à disposição juizes sempre dispostos a sustentar, em todas as ocasiões, os direitos da coroa. Vossa Majestade, acrescenta ele, deveria chamá-los à Corte, e persuadi-los a discutir, perante a vossa augusta pessoa, os próprios negócios reais. Por pior que seja uma causa, haverá sempre um juiz para julgá-la boa, seja pela mania da contradição, seja por amor da novidade e do paradoxo, seja para agradar o soberano. Então, uma discussão se trava; a multiplicidade e o conflito de opiniões embrulham uma coisa de si mesma muito clara, e a verdade é posta em dúvida. Vossa Majestade aproveita o momento para resolver a dificuldade, interpretando o direito em proveito próprio. Os dissidentes se submetem à opinião real por timidez ou por temor, e o julgamento é dado, segundo as formalidades, com franqueza e sem escrúpulo. Faltarão jamais ao juiz, que dá uma sentença a favor do príncipe, os necessários galhardões e propinas na surdina? Não há, no texto da lei, a liberdade de interpretação, e, acima das leis, para um juiz religioso e fiel, a prerrogativa real?”

    Nada obstante os italianos mni sporche achem que os nossos juristas são piores do que nossas ‘dançarinas’, o coração do nosso excelsior jurisconsulto e interpréte, Delegado da cidade do Ceará atingida por um terremoto, está entre a Itália e os EUA. Mani Pulite, pois com as mãos porcas os italianos napolitanos de uno dirão porca la miseria

    Então Moro, em estado de extase começa a dizer infinitas vezes, capiti, capiti capiti capiti

  6. Se o Moro não desmobilizasse o que estava desmolizado…

    Se o Moro não desmobilizasse a Coxinha apática, Curitiba teria sido reduzida a cinzas no dia de ontem.

    Brigadú, Dr. Carwasher!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome