Bolsonaro usou palavrões e Araújo falou em “comunavírus” em reunião de vídeo que não quer entregar

A preocupação do governo não é que a gravação completa significaria uma condenação contra Jair Bolsonaro sobre a interferência na PF, mas com o conteúdo deste vídeo

Foto: Divulgação

Jornal GGN – O vídeo gravado da reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e ministros, ocasião em que o mandatário teria ameaçado Sérgio Moro para a troca do comando da Polícia Federal (PF), está sendo alvo de longos giros do governo, evitando a todo custo a entrega na íntegra desse material.

Mas ao contrário das suspeitas de que a gravação completa significaria uma condenação efetiva contra Jair Bolsonaro sobre a interferência na PF, a preocupação do governo com o conteúdo deste vídeo seria outra. Naquela reunião, do dia 22 de abril, Bolsonaro teria utilizado palavrões que afetariam sua imagem pública e, ainda, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, teria dirigido palavras sensíveis contra a China, responsabilizando o país pelo coronavírus.

Nas palavras do representante brasileiros de relações internacionais, chamou a pandemia de “comunavírus”. Estas informações foram apresentadas por Bela Megale, em sua coluna em O Globo.

Essa seria a justificativa pelo qual o governo Bolsonaro, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU) estaria insistentemente solicitando não entregar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a íntegra do arquivo, no inquérito que é, ainda, aberto, ou seja, não tramita em segredo de Justiça.

Desde que a gravação foi solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) a ser entregue ao STF, a AGU, que realiza a defesa jurídica do presidente Jair Bolsonaro, resiste em transmitir o material. Ainda, houve uma sequência de confrontos de versões entre ministros e secretários sobre este vídeo.

Parte deles informava que não havia a gravação completa, que o arquivo tinha sido manipulado ou que não captou a reunião inteira. Oficialmente, a AGU chegou a informar ao STF que detinha o arquivo na íntegra, mas tratou de convencer o ministro Celso de Mello, relator do caso no STF, de que não era necessário entregar a reunião completa. “Foram tratados assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado, inclusive de Relações Exteriores, entre outros”, havia dito a AGU ao Supremo.

A resposta, segundo a jornalista Bela Megale, não é em referência direta às acusações que recaem contra Bolsonaro. Naquele encontro, o chanceler chamou o coronavírus de “comunavírus” e o presidente usou de palavrões, o que afetaria tanto a sua imagem pública, quanto a imagem do país em relações internacionais. Ao ser consultado, Ernesto Araújo disse que não tinha “nada a declarar”.

Leia também:  Máscaras podem reduzir transmissão do coronavírus em até 40%

 

O GGN VAI INVESTIGAR E CONTAR A HISTÓRIA DE SERGIO MORO SEM OS RETOQUES DA GRANDE MÍDIA. SAIBA MAIS SOBRE O PROJETO AQUI.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. Ora, e o boçal que se acha muito macho é agora um COVARDE INCAPAZ DE ASSUMIR SUA RESPONSABILIDADE PELO QUE DIZ EM REUNIÕES PÚBLICAS, NA HORA DE SEU TRABALHO, COMO SE ESTIVESSE EM SUA CASA PRIVADA, COMO SE SUA BOCA NÃO FOSSE A PRIVADA SINÔNIMO DE BOSTEIRO? Eita sujeitinho desclassificado alguns milhões de idiotas elegeram… E, aliás, o sujeitinho que se acha no direito de comparar-se a um cavalo para uma eleitora sua, esse covarde não tem coragem de mostrar o resultado de seus exames de coronavirus e parece que a justiça de merda desse país acabará deixando por isso mesmo uma suspeita de responsabilidade criminal neste assunto específico: transmissão de virus a outrem….já que ninguém pode ser obrigado a fazer prova contra si mesmo? Isso é piada hein, com tanta gente presa sem sequer ter sido julgada, e um criminoso pode livrar sua cara porque incompetentes judiciais não têm imaginação para conseguir prova de outro jeito.

    11
    • Ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo mas é possível requisitar do estabelecimento que fez os exames o resultado destes. O problema é que os juízes estão de olho na cadeira do Celso de Melo

  2. Mas o machão que se julga no direito de responder mal educadamente a uma mulher numa comparação com atributos tais quais os de um cavalo, esse machão é o covarde que teme pelas consequências de suas palavras de um boçal mal educado? Ou pelas palavras de um energúmeno facilmente demissível pela imbecilidade de complicar-se com a China. Aliás, esses idiotas se acham no direito de usarem de uma reunião de trabalho, dentro do palácio para proferirem asneiras e xingamentos com bocas de privadas sinônimos de bosteiros? E esse mesmo boçal covarde se nega a entregar resultado de exame de coronavirus escoltado pelo “direito” criminoso de não produzir prova contra si mesmo…e a justicinha de araque aceita? Ah! se fossemos uns de nós pobres mortais…..essa justiça injusta aceitaria nos perdoar porque não aceitamos produzir provas contra nós mesmos? Que falta de imaginação hein julgadores de araque…..incapazes de acharem a prova a qualquer custo…

  3. Nassif: esse post me deixou confuso. Foi ou não entregue na íntegra a fita de TODA REUNIÃO MINISTERIAL, conforme havia sito noticiado também pelo seu Blog?

  4. Acredito que para preservar a Presidência foi preciso retirar as partes que mostram um presidente ameaçando a si mesmo e o país que governa…
    um verdadeiro bundalelê para a Constituição em plena reunião ministerial

  5. O mais coerente não seria o STF colocar a focinheira no Bozo desde seu pronunciamento, rendendo honrarias a um torturador, quando da votação do Impeachment da Dilma?

  6. Desconsiderando que, numa sociedade livre, a democracia exige que os governados saibam o que fazem seus governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras, o Engavetador Geral da República Bananeira vai recorrer ao $TF a fim de que, a despeito da transparência pública, o conteúdo da gravação da reunião do Prizidente e seus ministros não seja publicada na sua íntegra, mas apenas parcialmente.

    Quando os atores eram Lula e Dilma, todos os incomodados se calaram. Ora, quem cala, consente.

  7. Não gosto do governo do sr. Bolsonaro mas abrir o conteúdo desta reunião abre um precedente perigoso para o Estado , um grau de sigilo é necessário em certos casos.
    A oposição precisa lembrar que um dia voltará a ser situação é terá suas reuniões , aposto meu jantar como Lula falava palavrões em suas reuniões.
    Não se pode achar que o mundo acaba amanhã.

  8. Paulo Anta, vc é um Bozominion envergonhado. E tenta justificar as patifarias do seu ídolo com as supostas patifarias do Lula

  9. Seria ernesto, o idiota, ou seria ernesto, o pilantra?

    Pilantra carreirista que quer se apegar ao cargo, é o que parece…

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome