Cartas de Lula ao militar, por Manuel Domingos Neto

À carta, obteve em resposta, no oitavo dia de mandato, o quebra-quebra na Praça dos Três Poderes. Forçado, mudou o comandante do Exército

Cartas de Lula ao militar

por Manuel Domingos Neto

Em Curitiba, Lula disse não entender a indisposição dos militares consigo, já que havia atendido suas reivindicações.

Os pleitos eram cabíveis? Ajudariam a autonomia brasileira em Defesa? Atenuariam a hipertrofia da Força Terrestre? Ampliariam a capacidade aeronaval? Reduziriam a gastança com o funcionalismo fardado?

Era como se Lula dissesse: satisfiz e satisfarei vossas vontades! Custei a crer que, na cadeia, assinasse mais uma “Carta aos Brasileiros” direcionada ao militar.

Ao longo de sua trajetória, diversos compromissos deste teor foram assumidos de viés. Lula iniciou seu primeiro mandato sem dar rumos à Defesa. O ministro Viegas tentou abrir o debate, mas oficiais lotados em sua equipe definiam quem seria ouvido.

A primeira “carta ao militar” de Lula foi a Política de Defesa Nacional de 2005, que desfez tímido avanço do governo FHC quanto ao papel das corporações. Em 1996, o governo do PSDB estabelecera:

“A Política de Defesa Nacional, voltada para ameaças externas, tem por finalidade fixar os objetivos da defesa da nação, bem como orientar o preparo e o emprego da capacitação nacional, em todos os níveis e esferas de poder, e com o envolvimento dos setores civil e militar.” (Os negritos são meus)

Essa definição vedava possibilidade de a Defesa lidar com “inimigo interno”. Mencionava a “capacitação nacional” sem definir protagonismo às Forças Armadas. A dicotomia “setores civil e militar”, mesmo imprecisa, excluía o ditame castrense.

Diferentemente, a Política de Defesa Nacional assinada por Lula em 2005, consignou a “ênfase na expressão militar” e admitiu a atuação doméstica ao incluir as palavras “ameaças preponderantemente externas”:

“Defesa Nacional é o conjunto de medidas e ações do Estado, com ênfase na expressão militar, para a defesa do território, da soberania e dos interesses nacionais contra ameaças preponderantemente externas, potenciais ou manifestas.” (Os negritos são meus)

Oficiais pontificaram na redação deste documento. O primeiro item explicitava que o Estado deteria “o monopólio legítimo dos meios de coerção para fazer valer a lei e a ordem”. A ideia de “segurança” foi apresentada como resultante do desenvolvimento social, sem remessa à proteção da cidadania contra a violência do Estado, destacada na Carta de 1988. O combate ao “inimigo interno” foi apresentado como novidade, um jeito de encobrir dois séculos de repressão aos insatisfeitos. Lula endossou a noção de “segurança” em vigor durante a ditadura militar, que abarcava todos os “campos” da vida social: 

“Nos primórdios, a segurança era vista somente pelo ângulo da confrontação entre Estados, ou seja, da necessidade básica de defesa externa. À medida que as sociedades se desenvolveram, novas exigências foram agregadas, além da ameaça de ataques externos. Gradualmente, o conceito de segurança foi ampliado, abrangendo os campos político, militar, econômico, social, ambiental e outros. Entretanto, a defesa externa permanece como papel primordial das Forças Armadas no âmbito interestatal.” (Os negritos são meus)

A platitude de que, “entretanto”, nas relações interestatais, a defesa externa permaneceria como papel primordial das Forças Armadas, confirma a prioridade das “ameaças internas”. Tratava-se, naquelas circunstâncias, de acompanhar formulações do Pentágono acerca de “novas ameaças”, entre as quais se incluíam organizações criminosas e terroristas.

Na época, o constrangimento provocado pelas denúncias de compra de votos de parlamentares pelo PT pode ter contribuído para o retrocesso na formulação da Defesa Nacional.

Lula não proveu o Ministério da Defesa de corpo civil especializado e pouco fomentou estudos pertinentes. Universidades foram criadas, nenhuma delas orientada para contribuir com uma política indispensável à soberania do Brasil. Lula permitiu que o militar aprofundasse seus vínculos com Washington e agisse conforme crenças amanhadas na “Doutrina de Segurança Nacional”. Sacrificou o ministro Viegas. Desenvolveu política externa descolada dos assuntos de Defesa. Aceitou o excesso de tropa e seu uso em operações domésticas. Autorizou missões de paz desavisado de suas consequências. Não providenciou instrumentos alternativos para preservar a lei e a ordem. Governou feito refém do castro, sendo sacudido, no segundo semestre de 2006, pelo “apagão aéreo”.

A crise ensejou maior atenção ao papel do militar. O governo estabeleceu uma Estratégia Nacional de Defesa que considerou a projeção do país no cenário internacional. Mas o Ministério persistiu sem corpo civil e os “programas estratégicos” foram formulados conforme venetas corporativas.

Em 2012, Dilma Rousseff manteria a mesma definição para a Defesa, estabelecida no primeiro mandato de Lula. Atendeu à vontade do militar, mas o irritaria com o relatório da Comissão Nacional da Verdade, em dezembro de 2014, mesma época em que a Academia Militar de Agulhas Negras permitia que Bolsonaro discursasse aos jovens aspirantes ao oficialato.

O ativismo político do militar cresceu. Em 3 de abril de 2018, o comandante do Exército mandou mensagem cifrada ao STF dizendo que queria Lula preso. Quatro dias depois o maior líder popular da história brasileira se entregaria ao carcereiro.

O ativismo castrense fugira dos parâmetros conhecidos, mas não perdera o norte: a construção de um país digno do quartel que se vê expressão máxima da nacionalidade. O PT permitiu ao militar fazer o que sempre fez: agir como “poder nacional”, algo superior ao poder do Estado.

Rodrigo Lentz, analisando a sobrevivência da Doutrina de Segurança Nacional, assinalou a autonomia deste “poder”, que agasalha a ideia do militar como operador da consecução dos “objetivos nacionais”. Rodrigo conclui: tal pensamento revelaria “a permanência da insubordinação como horizonte”, um recibo da mentalidade autoritária.

Os governos do PT deixaram a Defesa nas mãos dos comandantes. Executivos públicos, juízes, promotores e responsáveis pela Segurança Pública isentaram-se de obrigações neste domínio. Partidos políticos não mostraram ideias consistentes para a Defesa. Comissões parlamentares curvaram-se diante de generais ávidos de verbas e vazios de planos convincentes.

Assumindo o terceiro mandato, Lula manda outra “carta ao militar” ao admitir arruaceiros golpistas nas calçadas dos quartéis. Buscou o “apaziguamento” quando estava no auge da legitimidade e as fileiras, desorientadas. Sem mostrar autoridade, obteve em resposta, no oitavo dia de mandato, o quebra-quebra na Praça dos Três Poderes. Forçado, mudou o comandante do Exército. Forçado, muda agora a chefia do GSI.

Hoje, os generais administram perdas e danos pelo envolvimento de militares na baderna golpista. Lula persiste “apaziguando”: comemora o “Dia do Exército”, ritual enaltecedor da índole colonial da corporação e exalta o “Exército de Caxias”, expressão que legitima as intervenções domésticas da Força.

Soam as trombetas da guerra, cabe ao Estado preparar as fileiras. Entregues ao próprio talante, a tropa não protegerá o Brasil nem sossegará a cidadania. Que tal, general Tomás, solicitar ao Presidente uma Conferência Nacional de Defesa? Enquanto as autoridades pertinentes incriminam golpistas, a Defesa do Brasil e uma consequente reforma militar seriam posta em pauta. Que tal, mudar o rumo da prosa?

Manuel Domingos Neto nasceu em Fortaleza em 1949. Graduou-se em História pela Universidade de Paris VI, em 1976. Obteve o título de Mestre em Sociedade e Economia na América Latina, pela Universidade de Paris III, em 1976, e o título de Doutor em História pela mesma universidade, em 1979. Foi pesquisador da Casa de Rui Barbosa, superintendente da Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí, estado pelo qual também foi deputado federal. Professor da Universidade Federal do Ceará e professor associado da Universidade Federal Fluminense, foi também vice-presidente do CNPq e presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED).

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. A publicação do artigo dependerá de aprovação da redação GGN.

Manuel Domingos Neto

Manuel Domingos Neto nasceu em Fortaleza em 1949. Graduou-se em História pela Universidade de Paris VI, mestre pela Universidade de Paris III e Doutor em História pela mesma universidade, em 1979. Professor da Universidade Federal do Ceará e professor associado da Universidade Federal Fluminense

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Bom texto, como não poderia ser diferente, vindo de um historiador. Vejamos que se a família é o princípio, o cerne da sociedade, o grupo primevo que permite a continuidade e a convivência entre os dois gêneros de modo relativamente pacífico, a necessidade e a vontade de poder os separa. E quando um deles se une aos seus iguais em grupos, primeiro se fortalecem enquanto iguais, protegem-se uns aos outros e às famílias e depois iniciam contendas. Sempre haverá quem queira mais poder. Então teremos tribos, reinados, impérios e dinastias cujo primeiro movimento será fortalecer-se protegendo os seus líderes. Tanto que o amor e proteção ao povo seguirá depois, se e quando for interessante ao poder. São assim as guardas, as corporações e os exércitos. Constituídas pelos governantes mais para conquistas e manutenção do poder, não poderiam ser diferentes em nossa república. Nossa república, fruto de um golpe militar, onde a confiança de um soberano generoso ignorou a importância de manter o controle de seus exércitos com mão de ferro, colocou-o e a seu povo sob o domínio das forças que ele deveria dominar. Refém de suas forças militares segue o povo brasileiro desde a república, forças que, sem a orientação soberana, obedece a quem manda mais. Em momento nenhum da história da república nosso exército se portou como deveria. Talvez seja ele o maior exemplo histórico de um exército que trata seu povo como inimigo. Não fosse ele obediente a um comando externo, diríamos que ele existe como um fim em si. Lula, enquanto do povo, chegou ao poder máximo da nação tendo-o como herança. Herança maldita, diga-se de passagem , tanto quanto uma famíliajá mordida herda um feroz pitbull.Sem esquecer que um cão feroz pode ser perigoso mas sempre será um cão, Lula encontrará um modo de adestrá-lo, porque mordido ele já foi, muitas vezes. Com a ração correta, alguma INTELIGÊNCIA, bons adestradores e disciplina rígida, Lula saberá se impor às suas forças armadas, conquistará sua obediência e as fará repousarem na sua casinha quando for a hora certa, condicionando-as a cuidar do quintal quando necessário. Por ora, a vida boa as deixou tão enfastiadas que só se mobilizam para não deixar que ninguém tome a comida de suas bacias.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador