“Chegou a hora: diretas, já!”, diz Dilma Rousseff


Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
 
Jornal GGN – A ex-presidente Dilma Rousseff defendeu, em comunicado emitido nesta sexta-feira (19), que “a única saída para a crise são eleições diretas, já!”. A manifestação ocorreu após a sequência de acusações que vem atingindo o atual presidente Michel Temer e sua cúpula, com aliados como o senador Aécio Neves (PSDB-MG).
 
Para Dilma, a crise que hoje é evidenciada nos noticiários sobre a delação de Joesley Batista, dono da JBS, e demais executivos da companhia J&F, foi desencadeada desde novembro de 2014, quando o impeachment começou a ser julgado pelo Congresso.
 
“A crise política, iniciada em novembro de 2014 com a recusa dos golpistas em aceitar o resultado das urnas, foi agravada pelo  impeachment fraudulento. O Brasil continua sangrando com os retrocessos impostos pelo governo golpista. Agora está sem rumo, diante das graves acusações lançadas nos últimos dias”, publicou em nota.
 
Lembrando que a decisão para os rumos da atual crise está nas mãos do eleitorado e da população, afirmou: “na democracia, a regra é clara: o poder emana do povo e em seu nome é exercido. Nenhuma eleição indireta terá a legitimidade para tirar o país do abismo em que foi mergulhado.”
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 comentários

  1. O ideal seria eleições diretas para todo o Congresso Nacional…

    O ideal seria eleições diretas para todo o Congresso Nacional. Principalmente eleições para deputados e senadores. Ou seja, caso apenas seja eleito o presidente o impasse político continuará, visto que a principal causa da crise política é a intransigência dos parlamentares corruptos com o chefe do Poder Executivo.

    Apesar da mobilização em torno da campanha das diretas já, haverá eleições indireta. Isso porque os parlamentares corruptos que dominam o Congresso não estão dispostos a largar o osso. 

    Efim, ainda teremos motivos de sobra para sentir nojo dos políticos brasileiros.

  2. Vamos ter eleições diretas

    Vamos ter eleições diretas para a Presidencia e Congresso daqui a 18 meses, prara antecipar, se isso fosse possivel, o que não é,  entre a aprovação de uma PEC constitucionalmente vedada, convemções dos partidos para scolhaa de candidatos, campanhas e organização das eleiçõs, levaria 6 a 10 mess SE isso fosse consenso no Congresso, o que não é.

    Por que as pessoas gostam de colocar soluções discutiveis e e impossiveis para crises complicadas?

    E não são todos os parlamentares corruptos no Congresso, se os atuais não servem,  vamos ter um Congresso de calouros?

     

    • Estimam que o Eduardo Cunha tenha viabilizado a eleição de…

      Estima-se que o Eduardo Cunha tenha viabilizado a eleição de cerca de 150 deputados com dinheiro proveniente de propina. Esse é um exemplo de como a infiltração sorrateira de interesses econômicos escusos foram determinantes na atual composição do Congresso. Talvez o mais corrupto da história da nova república brasileira.

      A eleição de um novo Congresso Nacional com regras mais democráticas como o limite de gastos de campanha, financiamento exclusivamente público, fim de coligações e do financiamento privado, poderia sim revolucionar a política. Com regras mais transparentes o sistema político brasileiro seria preenchido por quadros capacitados da sociedade civil, como advogados, engenheiros, médicos, empresários, sindicalistas, acadêmicos, militantes de minorias, ou seja, pessoas muito mais capazes do que essa oligarquia corrupta e egoísta que controla a política.

      O ideal seria uma constituinte exclusiva para alterar não só a composição do Congresso, mas também as regras eleitorais. Outro exemplo é o atual código eleitoral vigente desde 1965, que é uma das principais causas do caos político que vivemos. Essa legislação eleitoral atávica prestigia o poder econômico e a influência política de coronéis, o que não condiz mais com a realidade que vivemos.

       

    • só….

      Ficou escrahado o país da solução momentânea, dos interesses pessoais, da saída útil para algumas facções. Cachorro atrás do rabo. Deram o golpe no Governo Collor e cairam no mesmo buraco. Agora no fundo do poço, gritam: “Golpe!”. Pátria da Hipocrisia e dio Cinismo. Diretas Já, agora? Ontem não servia. Diretas Já, em eleições obrigatórias, em urnas eletrônicas, com voto paulista ou mineiro que vale 1/4 do alagoano? Diretas Já com esta farsa de Constituição Cidadã? Que bandidos escreveram. Bandidos que se engalfinham para não largar o osso? Bandidos auto-ibtitulados “AntiCapitalistas”. A Imprensa que em pleno 2017 censura descaradamente, ainda faz palanque para tais abutres, foi a mesma que sempre apoiou esta corja. E ainda querem explicar o Brasil. Elite são os outros. Elite que vai discutir o futuro do país nos EUA ou Inglaterra. Bipolaridade é pouco. E cara de pau também.   

  3. Ao invés de dizer “única”, Dilma poderia ter dito “uma das”…

    Ao invés de ter dito que eleições diretas (só pra presidente ou gerais?) são “a única saída” para a crise, ela poderia ter dito que é “uma das” saídas. Não achei muito feliz esta afirmação dela, pois negliencia outra saída, que a meu ver é a mais decente e legítima, que é a própria anulação do impeachment fraudulento, inconstitucional e escrachadamente criminoso, do qual ela foi vítima, assim como o eleitorado e a democracia brasileira. Há um movimento organizado pela anulação do impeachment, acho que Dilma e outras lideranças democráticas deveriam ser mais cuidadosos com o que dizem. Aliás, com a confirmação da compra de votos de parlamentares para votar pelo impeachment, notícia amplamante veiculada ontem, inclusive pela mídia corporativa, não era para os nossos líderes reforçarem o discurso e as ações pela anulação do golpe?

  4. Qual moralidade tem Dilma para pedir diretas já, sendo que as delações da JBS revelam ainda mais as jogadas sujas que envolveram as suas eleições??? Surreal… 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome