Cofecon defende preservação do Censo Demográfico 2020

O Cofecon destaca que as informações coletadas pelo Censo são cruciais tanto para o planejamento governamental quanto para o setor privado e as instituições de ensino e pesquisa.

Jornal GGN – O Conselho Federal de Economia soltou nota em defesa do Censo Demográfico de 2020, realizado pelo IBGE. O Censo corre risco de ser um efetivo norte com a redução da ordem de 40% em seus recursos, parte da ação de corte e contingenciamento capitaneado pela equipe econômica do governo.

O Cofecon destaca que as informações coletadas pelo Censo são cruciais tanto para o planejamento governamental quanto para o setor privado e as instituições de ensino e pesquisa. Além disso, com tais informações são feitas as correções na distribuição dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), para políticas educacionais e de saúde, para geração de emprego e renda e redução das desigualdades.

Leia a nota a seguir.

Nota do Cofecon: Pela preservação do Censo Demográfico 2020

A lógica do corte e contingenciamento de gastos, que tem norteado a ação da equipe econômica do governo, atingiu fortemente os recursos para a realização do Censo Demográfico de 2020, realizado pelo IBGE, que sofreram uma redução da ordem de 40%. Tal corte compromete a qualidade das informações sobre a realidade socioeconômica do país e coloca em risco análises de natureza socioeconômica nos próximos dez anos.

Deve-se destacar que as informações coletadas pelo Censo junto aos 210 milhões de brasileiros são cruciais não apenas para o planejamento governamental, mas também para o setor privado e as instituições de ensino e pesquisa. Por exemplo, as informações sobre o contingente populacional de cada município, apuradas pelo Censo, são indispensáveis para possíveis correções na distribuição dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), para a elaboração de políticas educacionais e de saúde, para a geração de emprego e renda e redução das desigualdades.

Deve-se ressaltar, ainda, que as fortes restrições impostas pelo governo federal às atividades do IBGE têm se repetido em várias unidades da federação, com substantivos cortes orçamentários e, ainda pior, com o fechamento de instituições de planejamento, pesquisa e estatística, como ocorrido na Paraíba, Piauí e Rio Grande do Sul.

Leia também:  As ideias cultivadas pela elite econômica para privatizar a educação no Brasil, por Laércio Portela

O Censo contribui de forma decisiva para a promoção de melhores condições de vida para a sociedade brasileira. Por se tratar de uma pesquisa tão fundamental para o planejamento e execução das políticas públicas, o Cofecon se posiciona contrário ao corte de recursos que possam comprometer sua qualidade.

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Importante iniciativa do Conselho de Economia em defesa da indispensável produção de informações estatísticas, ameaçadas de definhamento em decorrência do insano e lesivo austericídio cometido pelo desgoverno federal. Restringir e prejudicar o Censo e o IBGE são práticas danosas, pois a falta de conhecimento da realidade econômica e social impede a exata noção das necessidades da população, bem como das distorções a serem saneadas. E, no atual momento histórico, esta iniciativa do COFECON assume maior relevância, pois as instituições democráticas representativas da sociedade civil têm o dever inexorável de denunciar, debater e corrigir políticas que violam direitos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome