Em Fortaleza, dunas de Sabiaguaba estão em risco com aprovação de empreendimento imobiliário

Esta é uma das áreas mais preservadas de Fortaleza e abriga um dos últimos espaços com dunas na capital cearense, as chamadas dunas vegetadas

Jornal GGN – O Conselho Gestor da Sabiaguaba aprovou, nesta quarta, dia 8, um projeto para construção de empreendimento imobiliário de mais de 50 hectares dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) na Sabiaguaba. Biólogos e entidades de proteção ambiental denunciam o projeto, que pode levar a desmatamento, extinção de espécies raras e destruição de larga extensão das dunas. As informações são do jornal O Povo.

Esta é uma das áreas mais preservadas de Fortaleza e abriga um dos últimos espaços com dunas na capital cearense, as chamadas dunas vegetadas, que integram os 17% restantes dos morros de areia existentes na cidade. O Instituto Verdeluz, em nota divulgada, afirmou que a ação significa o ‘potencial desmatamento de mais de 50 campos de futebol de florestas’.

Gabriel Aguiar, biólogo e integrante do movimento Fortaleza pelas Dunas, disse em vídeo que a área foi estudada por ele como uma área de controle, que sofrem bem menos impacto do que outros no meio ambiente. ‘Ela é uma área bem preservada e rica rica por ter espécies ameaçadas de extinção, como por exemplo o gato do mato e a planta Bacopa cochlearia, que só ocorre aqui no Ceará’, diz ele. Para ele, o prejuízo atingirá os animais aquíferos que ali vivem, pois o empreendimento reduziria o fornecimento de água doce, além de desestabilizar o meio ambiente.

Águeda Muniz, titular da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) afirmou que o projeto está de acordo com as diretrizes do Plano de Manejo da Sabiaguaba.

Leia também:  Novas evidências sugerem que crianças espalham Covid-19 com mais eficiência do que adultos

Integrantes do Fortaleza pelas Dunas, SOS Cocó, Instituto Verdeluz e Greenpeace, se organizam para levar o caso à Justiça tentando barrar o projeto. O Ministério Público do Estado do Ceará já foi acionado e disse que será pedida a suspensão do projeto.

Veja o vídeo do biólogo Gabriel Aguiar.

Luciano Hortencio, morador de Fortaleza, articulista do GGN e defensor do Parque do Cocó, usou seu canal do Youtube para fazer um apelo.

“As Dunas da Sabiaguaba e o Parque do Cocó clamam por socorro – Coisas que o tempo levou

O vento no manguezal grita SOCORRO, SOCORRO, SOCORRO.

Há notícia que as Dunas da Sabiaguaba estão em perigo, o que implica também em prejuizo para o Parque do Cocó.

Nunca pedi a ninguém para curtir ou compartilhar vídeo algum publicado em nosso canal youtube luciano hortencio, porém faço agora esse pedido.

Se você é a favor das dunas, da mata, do verde, por favor curta e compartilhe esse vídeo.
luciano”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Realmente, as entidades civis e/de preservação da natureza que contestam o projeto imobiliário estão com razão.
    Curioso é que, como pode um Conselho Gestor local, aprovar um projeto como esse, estranho ao objetivo da APA, cuja sigla já diz: Área de Proteção Ambiental, ou seja, de proteção ao ecossistema das dunas, biodiversidades, etc, até porque essas dunas urbanas, por estarem protegidas, já é uma grande segurança para a cidade, às pessoas e veículos.
    Ora, dunas protegidas é área que não migra, não voa e nem vai causar problemas, mesmo com ventos moderados mais, desprotegidas, é um perigo crescente.
    Outra consideração, geralmente, APA é pública e pertence ao povo. É finalmente, Abram os olhos povo cearense e acordem, porquê esse projeto imobiliário, pode ser um balão de ensaio, para a invasão de espaços públicos protegidos, pela Gana imobiliária.
    Acredito que o MP local e as autoridades competentes locais, têm a responsabilidade respeitarem e adequarem os direitos e interesses públicos, às leis específicas em vigor e de orientarem os empresários da área imobiliária a terem senso de respeito à proteção e conservação dessas áreas naturais, vitais à segurança pública, à vida, à educação, à ciência e à contemplação da natureza. Juízo pessoal.
    Paz e bem.
    Sebastião Farias
    Um brasileiro nordestinamazônida

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome