Fascismo não se enfrenta com flores, diz Ciro Gomes após atentado contra o irmão

Ciro culpa Jair Bolsonaro e família por esta situação, em que o motim de policiais se torna uma coisa normal, e reagir na base da bala uma ação corriqueira.

Jornal GGN – Ciro Gomes, ao saber do atentado que feriu seu irmão, Cid Gomes, em Sobral, foi ao encontro dele. No hospital, onde Cid foi submetido a procedimentos para retirada das balas, duas de calibre .40, Ciro deu uma entrevista. O político reafirmou que o irmão foi em busca de resolver uma situação em Sobral, já que a cidade estava sitiada por uma minoria de policiais militares, que estavam encapuzados, sem uniforme, armados e tocando o terror entre os habitantes. Cid e Ciro são de Sobral, e a situação, que escapou do controle das autoridades, mexeu com eles.

Ciro culpa Jair Bolsonaro e família por esta situação, em que o motim de policiais se torna uma coisa normal, e reagir na base da bala uma ação corriqueira. Ele reafirma que a milícia do Rio de Janeiro não vai tomar o Ceará, só se matar a família, que vai lutar junto ao povo para impedir.

Reafirmou que ele e o irmão não são políticos de gabinete e de redes sociais, são da luta, e na luta vão ajudar a resolver esta situação. E, por fim, disse que Cid fez tudo que estava ao seu alcance, nada adiantou, e ele tomou uma medida que considerou certa para o momento. E disse mais: fascismo não se combate com flores!

Veja a entrevista a seguir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora