O Brasil que sangra, por Tiago Barbosa

Fotor Vermelho.org

O Brasil que sangra

por Tiago Barbosa

O Brasil sangra. Sob balas e bombas, cassetetes e truculência, a face mais explícita da violência empregada por um governo ilegítimo e corrupto para reviver os dias de ditadura de um passado já difícil de esquecer.

O Brasil sangra sob a brutalidade de uma força de segurança inepta para proteger o cidadão, habilitada tão somente com o poder de reprimir direitos, quebrar cabeças, boicotar os sonhos por uma realidade mais justa e igual.

O Brasil sangra na alma quando chora por vidraças, prédios e concreto em detrimento de corpos, ideais e vidas, quando pessoas são destituídas da condição humana enquanto o lamento por objetos subsidia o discurso repressor.

O Brasil sangra silenciosamente no aval à barbárie consentido por quem tem nojo dos anseios do povo e lhe subtrai votos, benefícios sociais, trabalhistas, previdenciários, cidadania e até o direito de se insurgir contra o peso da opressão.

O Brasil sangra todos os dias no estupro interminável à constituição praticado por conchavos políticos e propinas empresariais, por conduções coercitivas, prisões infinitas, vazamentos seletivos, grampos a jornalistas, benevolência a delatores e assassinatos de reputação.

O Brasil desfalece de forma crônica nesse higienismo de estado em desfavor dos dependentes químicos, na destruição de barracos, colchões e vidas já tão desgraçadas pelas drogas, na prioridade ao trator sobre a saúde, na erradicação de cracolândias para beneficiar especuladores imobiliários.

O Brasil agoniza a céu aberto no extermínio contínuo de uma violência urbana comparada a guerras e fundamentalismos, no destino fúnebre de seres invisíveis transformados em números na cova da indiferença social.

O Brasil sofre golpes todos os dias na recorrência da homofobia, na permanência do racismo, no preconceito de gênero, sexo, origem social, na infindável desigualdade alimentada por uma elite mesquinha e desumana, expoente de uma colonização mordaz contra indígenas, negros e pobres.

E quando brasileiros se atrevem a levantar a cabeça e estancar o sangramento são maltratados por balas, bombas, cassetetes, represália midiática e a sombra militar de uma tirania ressuscitada.

O Brasil sangra desde sempre.

Mas essa hemorragia precisa parar.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora