“Qual é o problema do governo brasileiro? Bando de grosseiros”, reage ex-ministra de Sarkozy a ofensa de Guedes

O ministro da Economia brasileiro pediu desculpas pela ofensa contra a esposa do presidente frança, a professora Brigitte Macron. Mas o episódio não passou em brancas nuvens na França

A ex-ministra da Educação de Nicolas Sarkozy, Valérie Précresse | Imagem: Wikipedia

da RFI

“Qual é o problema do governo brasileiro? Bando de grosseiros”, reage ex-ministra de Sarkozy a ofensa de Guedes

Várias lideranças da oposição na França, da esquerda radical à extrema direita, demonstraram indignação nesta sexta-feira (6) após o ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, dizer que a esposa do presidente francês, Brigitte Macron, era “realmente feia”. Os protestos vieram de nomes como Jean-Luc Mélenchon, da esquerda radical, até  Florian Philippot, da extrema direita, passando por Valérie Précresse, da direita conservadora francesa.

“O presidente disse isso, e essa é a verdade, essa mulher é realmente feia”, disse Paulo Guedes, um ministro peso pesado do governo brasileiro, depois dos recentes comentários de Jair Bolsonaro sobre a esposa de Emmanuel Macron, um fato que provocou indignação na França e no Brasil. O ministro da Economia brasileiro pediu posteriormente desculpas por esta “piada”.

Mas o episódio não passou em brancas nuvens na França. Nesta sexta-feira, a ex-ministra da Educação de Nicolas Sarkozy e atual presidente da região de Ilê-de-France, Valérie Précresse, não se conteve em seu Twitter, e exclamou: “Mas qual é o problema com o governo brasileiro? Depois de Jair Bolsonaro, o ministro da Economia? Bando de grosseiros! Quando eles insultam Brigitte Macron, são todas as mulheres francesas que se sentem insultadas”, publicou, incluindo uma hashtag em português: #Vergonha.

Em uma mensagem também no Twitter, endereçada à Brigitte Macron, o líder do partido França Insubmissa (LFI), Jean-Luc Mélenchon, garantiu que os brasileiros que conheceu estão “indignados com a grosseria de seus líderes” em relação à primeira-dama. “Como eu”, acrescentou o chefe da LFI, em viagem pela América Latina. “Quem insulta você é quem aprisiona Lula inocente. Saiba que sentimos repulsa por tais brutos”, continua Mélenchon.

Leia também:  Meia dúzia de ideias ruins não fazem um plano econômico, por Andre Motta Araujo

Campeonato mundial dos misóginos

Para a eurodeputada Agnès Evren, “no campeonato mundial dos misóginos, machistas e insultantes, os ministros brasileiros merecem a medalha de ouro, que vergonha!”. O presidente do partido ultraconservador France Débout, Nicolas Dupont-Aignan, julgou o comportamento dos líderes brasileiros “indigno e inaceitável!”. Florian Philippot, ex-braço direito de Marine Le Pen e presidente de Os Patriotas, também twittou “Que baixeza” .

Jair Bolsonaro já havia causado alvoroço ao publicar no final de agosto, antes de se retirar, um comentário de um post ofensivo no Facebook sobre o físico de Brigitte Macron, no meio da batalha entre Brasília e Paris sobre os incêndios na Amazônia.

O GGN prepara uma série de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer se aliar a nós nesse projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. São os preços a pagar por termos pessoas despreparadas socialmente, sendo mal escolhidas para atuarem em papéis ao qual não estão aptas para tal. O hábito de fato, não faz o monge, ele apenas “solidifica” seus feitos. É um ator que dá sentido aos atos. Um mal ator, geralmente resultará em maus papéis. Bolsonaro e muitos de seus escolhidos, são pessoas que dão pouco valor ao respeito, retidão, verdade e sempre que isto é necessitado, falharão. Para eles sentirem-se bem, acreditam que o modo é fazer outros se sentirem mal. É o complexo da baixa autoestima onde se sente inferiorizado (e rancoroso por isto) e o meio encontrado é o de “rebaixar” o outro para ficarem ao mesmo nível. Só não notam que isto faz cada vez mais nivelar por e para baixo. Até por isto que os ditos deles cada vez mais envergonham as pessoas e eles tem de recuar e isto os tornam a se colocarem mais em situação “inferiorizada”. O sensato é não esperar melhora, ao menos para já. Problemas de psiquê e psicológicos mais sutis, onde a grosseria não alcançará visão.

    13
    1
  2. Claro que governos democráticos, sérios e honestos não atacam pessoas, ainda que vilmente atingidos por uma corja ensandecida. A França certamente nao agirá de forma diferente pois é tipico de facistas.
    Mas seria interessante mostrar ao mundo fotos das “belezas” femininas da família Guedes.
    Mas, não precisa. Pela lata do sujeito dá para imaginar.

  3. Enquanto isso empresários privados cujos poderes baseiam-se no dólar, franceses e brasileiros, dão risada vendo seus desejos de estados democráticos esfacelados – e ridicularizados – e ajeitam aqui e ali para que os congressistas de seus países garantam que o produto do trabalho nesses dois países continuem cada vez mais concentrados em suas empresas. Dois palhaços: os que deveriam gerir a coisa pública e os que continuam trabalhando para aquela concentração.

  4. Tenho para mim que Jair Bolsonaro e quase totalidade de seus ministros, em especial Damares,Waintraub, Sergio Moro, Ernesto Araújo escolhidos a dedo, são um bando de seviciados desde criança e hoje tentam se vingar do mundo em que vivem.Agregados a esse bando outros velhos conhecidos Paulo Guedes, Ônix, Heleno, comprometidos com a imbecilidade do seviciado admirador de torturadores( Freud explica) ex-capitão, que essa patente não conseguiu superar para honra e respeitabilidade do exército brasileiro.

  5. O Paulo Guedes tem autoridade estética para chamar a primeira-dama francesa de feia. Ele parece com o Brad Pitt… após uma gripe suína.

    Espelho, espelho meu…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome