Relembre: Como a elite que frequenta Davos afundou a economia mundial

Matéria publicada em 15/07/2015 – Andy Robinson relata, em entrevista ao GGN, a experiência de retirar a maquiagem do Fórum Econômico Mundial – evento que reúne anualmente empresários que recorrem ao “capitalismo filantropico” na tentativa de reparar os danos que provocam à economia mundial

Jornal GGN – O que o empresário Jorge Paulo Lemann e o escritor Paulo Coelho têm em comum? Segundo o jornalista Andy Robinson, do La Vanguardia, ambos os brasileiros podem ser chamados de “Davos Man” – um tipo podre de rico que frequenta o Fórum Econômico Mundial e patrocina boas causas com o intuito de reparar os danos que provoca ao capitalismo mundial.

No livro “Um repórter na Montanha Mágica – Como a elite econômica de Davos afundou o mundo”, Robinson relata a experiência de nadar contra a maré na tentativa de retirar a maquiagem do Fórum de Davos. Para ele, naquela Montanha Mágica, tudo gira em torno de “publicidade” e “hipocrisia”. Ali, a nata do empresariado mundial se reúne para fazer negócios enquanto fingem preocupação com as crianças famintas na África. 

A maioria dos “Davos Man” observados por Robinson tem por hábito sediar suas multinacionais em paraísos fiscais, contando com a tolerância de governantes – que se comportam como verdadeiros aliados e fazem vista grossa às dificuldades para o Estado provocadas pelos dribles fiscais – e da grande mídia internacional – controlada financeiramente pelos mesmos magnatas que circulam pela Suíça. 

Em entrevista exclusiva ao GGN, Robinson comentou sobre a crise econômica brasileira e o cenário na Europa. Na visão dele, é compreensível que haja algum “desencanto” com a maneira como Dilma Rousseff conduz o país, mas seria “muito equivocado pensar que a alternativa de Davos é melhor” do que o modelo adotado pelo governo para superar a tormenta.

Confira, abaixo, a entrevista na íntegra.

***

https://www.youtube.com/watch?v=z7gMQwFPQTw height:394]

GGN: O que te motivou a escrever um livro sobre a elite econômica que frequenta Davos?

Andy Robinson: Bem, eu já trabalhava para o [jornal] La Vanguardia como correspondente em Nova Iorque há oito anos quando virei correspondente do mundo econômico e passei a cobrir as reuniões de Davos, a partir de janeiro de 2008. Ainda não havia chegado os efeitos da crise. Em janeiro de 2009, tudo já havia mudado. Havia uma sensação de que, pela primeira vez, os banqueiros comiam as próprias unhas! Aquele ano tiverem de barrar a parte extravagante da conferência de Davos, pois faziam muitas festas. Tiverem de adotar um tom discreto depois da crise, porque havia uma raiva crescente nas ruas dos Estados Unidos e da Europa, contra aqueles que provocaram a crise.

Então comecei a escrever um blog porque a forma de dar informação sobre Davos é muito centrada em discursos oficiais e na fala de presidentes. Quando, na realidade, o mais interessante é um pouco do que se observa por ali. Há os homens e algumas poucas mulheres dos mais poderosos do mundo financeiro e empresarial. E é interessante observar sua linguagem corporal, o que fazem, e tudo o mais. Eles ficam num local dos alpes suíços que [o escritor] Thomas Man chamou de Montanha Mágica. Esses elementos me parecem mais interessante do que o título: ‘Dilma Rousseff vai investir em infraestrutura’, ou o quer que seja. Portanto, comecei a escrever um blog em primeira pessoa. Acho que as pessoas gostavam do blog, e a partir daí, decide escrever um livro no mesmo estilo.

GGN: Como se chama o blog?

Andy Robinson: O blog se chama Diario Itinerante. Ele existe desde 2002, quando eu estava nos Estados Unidos, mas agora o faço num âmbito internacional. É um blog muito sui generes porque escrevo, talvez, a cada semana. Não é atualizado a cada minuto. São crônicas de minhas impressões conforme vou viajando. Digamos que, quando fui a Davos, fazia uma série de [postagens no] blog a cada dia. (…) Pouco a pouco pude fazer comentários que chamam atenção e levam o leitor a um nível um pouco mais afastado àquele mundo das celebridades e mais próximo da política e da realidade crua que está atrás da fachada.

GGN: Então está certo dizer que o seu livro mostra os bastidores do Fórum de Davos? 

Andy Robinson: Sim, o livro trata um pouco do que existe por trás da fachada. Na fachada política existe um componente de relações publicas, (…) uma suposta filantropia, com celebridades como Bono Vox anunciando seu próximo projeto para as crianças famintas na África, em colaboração dos banqueiros. É uma realidade cheia de maquiagem, não?

Leia também:  Chefe da Força Nacional perdeu eleição no Ceará para Camilo, do PT. Por Hugo Souza

GGN: Você diria que esse olhar que você tem sobre o Fórum de Davos é um olhar que a imprensa mundial nunca teve? Você acha que foi um recorte um pouco pioneiro para o livro?

Andy Robinson: Eu pioneiro? Não sei se fui pioneiro. Talvez. Mas há um livro de Lewis Lapham que se chama The Agony of Mammon que saiu nos anos 1980, um pouco do mesmo estilo que o meu. Mas, no geral, creio que no jornalismo que se faz em Davos há um pouco de propaganda. Os meios se prestam muito a essa operação de relações publicas, infelizmente.

Há um exemplo: este ano houve uma subida nas tarifas para Davos, o franco suíço havia se valorizado, ficou bastante mais caro esse ano, e houve queixas por parte de alguns participantes. Uma carta do diretor de marketing do Fórum Mundial explicou que o valor da cobertura midiática que eles conseguiriam ali era superior ao que custaria a participação. Isso demonstra que, pelo menos para o diretor de marketing, é certo que toda a cobertura será positiva. E cremos que seja verdade, pois há poucos artigos críticos.

GGN: Ter um blog enquanto cobria o Fórum e escrever sem maquiagem não dificultava seu acesso à elite? 

Andy Robinson: Bem, em Davos há uma espécie de hierarquização dos meios de comunicação. Existe uma categoria chamada ‘líder midiático’ que tem uma série de privilégios. Pode chegar a quase tudo, às melhores festas, aos hotéis nas montanhas. Isso os líderes midiáticos podem fazer, mas a maioria dos jornalistas, como eu, tem outra categorização: repórter de imprensa. A nós só é permitido entrar em determinadas sessões de debates, onde a informação é controlada. Portanto, já estava discriminado, de antemão, as sanções que poderiam aplicar numa cobertura um pouco mais critica.

Quanto publiquei o livro na Espanha, muita gente me perguntou: ‘Você acha que vai ser convidado de novo a Davos depois de ter escrito esse livro?’ Porque é difícil conseguir a credencial normal do repórter de imprensa. E eu sempre dizia que seria muito pior se me dessem a credencial de líder midiático, porque isso significaria que estavam começando a me cooptar, não? É difícil ser jornalista crítico num mundo dominado por chefes de marketing e relações publicas, em jornais cada vez mais controlados pelas pessoas de Davos. 

GGN: Parece uma promessa do livro explicar como a eleite econômica de Davos afundou o mundo. Como você resume isso?

Andy Robinson: Eu utilizo a elite de Davos como uma mostra representativa de uma elite que está concentrando cada vez mais poder econômico conforme a distribuição de riqueza e da renda em países como EUA e Europa. É cada vez mais desigual, um pouco o que comenta Thomas Piketty em seu livro ‘O Capital no século 21’. Estamos vivendo, na Europa, condições, no que se refere à distribuição dos ganhos do crescimento, que se parece cada vez mais com o Brasil. Não estou dizendo que existe uma pobreza tão severa como a que existia no Brasil, mas o Brasil sempre foi um país conhecido por sua extrema desigualdade. E o que se observa nos indicadores de desigualdade da Europa é que ela está crescendo de uma maneira muito significativa.

Na Espanha, desde o início da crise, o chamado coeficiente Gini – o indicador da desigualdade – disparou. Acho que a ideia de que essa elite está afundando a economia mundial parte da base de que o capitalismo pode destruir-se a si mesmo, caso permita esse nível de desigualdade. Porque o capitalismo, sobretudo nessa fase, depende do consumo massivo, que por sua vez depende de um poder aquisitivo, que durante anos esteve baseado no salário, no Estado de Bem Estar, numa classe média consumista que facilitaria a acumulação de capital.

O que estamos vendo agora é o desapreço da classe média e a miséria da classe trabalhadora, e uma elite que tem cada vez mais. E isso gera problemas de crescimento sustentável porque o consumo se baseia cada vez mais em endividamento. E a elite, se dirige cada vez mais à atividade especulativa. 

Esses empresários de Davos, necessitam, até certo ponto, que alguém lhes diga não. São como crianças mimadas que querem ter cada vez mais, não querem regulação, não querem pagar impostos, mas destruirão sua própria economia caso alguém não lhes diga: ‘Olhe, existem algumas normas aqui.’

GGN: Mas quem poderia impor essas normas?

Leia também:  Deltan pede orações via WhatsApp para continuar na Lava Jato

Andy Robinson: É uma boa pergunta! Porque o que se vê em Davos é que os governos são simpáticos aos enormes poderes empresariais. Há uma espécie de porta giratória, na qual os políticos vão a Davos, se rodeiam de banqueiros e empresários e acabam firmando acordos para pactuar um marco de desregulação financeira. Quando deixam o governo, se incorporam ao conselho de um banco. Não é exagero meu, é exatamente o que se passa. Observe Tony Blair, primeiro ministro da Inglaterra. Uma vez que deixou o poder, que trabalho conseguiu? De conselheiro de JP Morgan, um banco de Wall Street. É um exemplo, há outros. Então, esse é o problema: quem vai colocar normas a um sistema descontrolado? Não sei. Precisamos de novos governos.

https://www.youtube.com/watch?v=KIqmYPSsKts?list=PLZUPpD2EGpfrKPY21wS5J1b3sHAcCfTl4 height:394]

GGN: No livro, você classifica o empresário Jorge Paulo Lemann como um Davos Man. O que isso significa?

Andy Robinson: Davos Man é um personagem que ganha milhões de dólares, passa toda a sua vida voando em aviões privados e dormindo em hotéis cinco estrelas. Uma pessoas que realmente deixa de pertencer a um país, uma espécie de cidadão global, mas cidadão muito privilegiado, não? Creio que Paulo Lemman, ao ser o principal acionista de empresas como Heinz e Burger King, é um exemplo desse arquétipo de Davos Man.

Há um capitulo no livro sobre um povoado na Suíça, próximo a Davos, com 15 mil habitantes e 30 mil empresas registradas, muitas delas são sedes corporativas de multinacionais. Lá encontrei a sede do Burger King, uma oficina pequena, com quatro mesas, três empregados. Por que? Porque não pagam impostos. 

Paulo Lemman pode ser uma pessoa com muita compaixão, é um filantropo, que também é outra característica do arquétipo de Davos. Mas essa filantropia de fazer doações para que brasileiros possam ir a universidades de elite, como Harvard, faz parte da ideia de ‘eu tenho um dever, tenho que devolver algo para a sociedade’. Mas por que não mudam a política tributária de suas empresas para pagar impostos? Isso é um pouco da hipocrisia de Davos. 

https://www.youtube.com/watch?v=Wq7L1EgsAB4 height:394]

GGN: Esse capitalismo filantrópico, que é o termo usado para ironizar a postura do Davos Man em seu livro, te incomoda?

Andy Robinson: Sim, muito! Veja: não se pode permitir que haja uma evasão tributária endêmica, na qual nenhuma empresa multinacional paga impostos. Ao longo dos últimos anos, grupos como Tax Justice Network, da Inglaterra, criaram manifestos contra Amazon, Google, Starbucks. Nenhuma dessas empresas pagam impostos, elas usam paraísos fiscais em cidades na Suíça, nas ilhas Caymman, em outros lugares, para quase reduzir a zero sua carga tributária. O que não se pode é fazer isso e depois apresentar-se em Davos como um filantropo, alguém com bom coração.

Acho que há uma relação simbiótica entre a evasão tributária por parte dessas empresas e esse novo filantropo-capitalismo. Por exemplo: há restos de um fundo de investimento especulativo multimilionário que se chama Arpad Busson, do francês e ex-noivo da atriz Uma Thurman, Arpad Busson. Ele está gerenciando dezenas de escolas públicas na Inglaterra, que não foram privatizadas na totalidade, mas a gestão foi concedida, por parte do governo de David Cameron, à Arpad Busson, porque eles são um tipo de ’empreendedores brilhantes’ que vão melhorar a rede de educação. Mas a rede de educação está se deteriorando. Tem muito a ver com as crises de financiamento dos Estados. Há politicas de austeridade selvagens no Reino Unido para reduzir o déficit público e a dívida pública, mas esse déficit público está relacionado ao fato de que empresas como a Arpad Busson não pagam seus impostos.

GGN: Há outros brasileiros citados no livro como um Davos Man além de Lemman?

Andy Robinson: No prefácio para a edição brasileira do livro há essas referências ao Brasil. Mas no livro em si há só uma passagem sobre Luciano Coutinho, [presidente] do BNDES. Ele vai normalmente a Davos. É um comentário passageiro sobre os construtores espanhóis que, de repente, depois de terem criado uma bolha imobiliária na Espanha e, por sua vez, provocado uma crise terrível de moradia, ficaram sem trabalho. Quando vão à Davos, falam com Coutinho para saber se há algum trabalho que possam fazer no Brasil.

Leia também:  Dilma repudia ataque a Cid Gomes

Também saiu algo sobre Paulo Coelho, que é um dos chamados ’empreendedores sociais’ em Davos, parte dessa operação de relações públicas, assim como Bono Vox.

GGN: E Lula?

Andy Robinson: Lula aparece um pouco no livro. Ele foi recebido no Fórum nos anos de 2004 e 2005, como um grande representante brasileiro que combinava a luta contra a pobreza com um modelo business-friendly. Os mercados de Davos estavam encantados com a política brasileira. Porque Davos não é abertamente neoliberal. Ele está disfarçado de algo mais centro-esquerda, usa termos como empreendedor social, stakeholder society, possui um componente de filantropia, como dizíamos antes.

Os políticos que melhor representam a filosofia de Davos não são Margaret Thatcher, ou Ronald Regan, por exemplo, que são a direita pura e dura [da política e economia]. O que cai melhor em Davos é Tony Blair, Bill Clinton, até Lula, em certa medida.

Mas bem, Lula e Dilma podem ter usado a estratégia de pensar que não é tão ruim ser amigo de Davos e ao mesmo tempo fazer políticas que não são do interesse do homens de Davos – como, por exemplo, manter a Petrobras uma empresa estatal. Talvez agora seja importante evitar uma percepção de desencanto a respeito aos governos de Lula e Dilma por parte dos homens de Davos. É preciso muito cuidado. Eu entendo que há um desencanto e tudo o mais [com a condução da economia brasileira hoje], mas seria muito equivocado pensar que a alternativa de Davos seria melhor [do que o modelo adotado pelo governo brasileiro].

Eu vim ao Brasil para as eleições [de 2014], e vi que Armínio Fraga [potencial ministro da Fazenda do candidato derrotado Aécio Neves, do PSDB dizia que era preciso aprender que os bancos públicos não funcionam. O jornalista que participou daquela entrevista deveria ter perguntado: “E os bancos privados?” Porque obviamente os bancos privados provocaram a maior crise da Europa e dos Estados Unidos. Então, por parte de Armínio Fraga, houve uma falta de honestidade intelectual ao fazer uma critica a um banco como o BNDES, um banco público. Há alguns problemas com esse modelo, sim, mas dizer que não devemos crer nele é como dizer para termos apenas bancos privados. É uma loucura. Os bancos públicos ajudaram muito o Brasil a evitar os problemas que temos hoje na Espanha.

[video:https://www.youtube.com/watch?v=OnMuMm8hX_M?list=PLZUPpD2EGpfrKPY21wS5J1b3sHAcCfTl4 height:394

GGN – Você conta que uma vez encontrou Sérgio Gabrielli, então presidente da Petrobras, e foi apresentado por ele ao modelo econômico que o governo Lula adotou para atravessar a crise de 2008. Para alguns economistas, esse modelo apoiado no consumo trouxe, em parte, o Brasil à crise atual. Qual é a sua avaliação?

Andy Robinson: Sim, obviamente há uma crise aqui. Eu não fui critico ao modelo no início, porque foi um modelo muito inteligente, esse de tirar gente da pobreza e utilizar essas pessoas como uma nova fonte de demanda para crescimento interno, crescimento que não está exclusivamente na exportação, que é o modelo de muitos países, do Banco Mundial, do FMI, só exportar, exportar. Mas o problema é que aqui tenho a sensação de que o consumo demasiado não melhorou o sistema de educação, por exemplo.

Há a necessidade de criar serviços públicos que podem ser mais importantes do que o consumo. E acho que há outro problema no modelo defendido pelos governos de Lula e Dilma, de ser agressivo na extração de matérias primas. Digamos que me estranha um partido de esquerda ter optado por [exportar à China, só porque é um país supostamente mais próximo do que os Estados Unidos. Se fosse uma empresa norte-americana comprando ferro, a grande maioria dos militantes do PT estaria dizendo: “Que barbaridade!” Mas quando é uma empresa vinculada ao Estado brasileiro exportando à China, agem como se fosse um passo mais próximo ao socialismo. Isso é uma contradição.

Imagens e edição: Pedro Garbellini

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Como a elite que frequenta Davos afundou a economia mundial.

    Eu não sabia que a economia mundial tinha afundado. Eu sabia que certas economias, como a brasileira, afundaram em razão de diversos fatores como o populismo, o estatismo, o excesso de regulamentação e de burocracia e, sobretudo, à corrupção sistêmica e institucionalizada petista, ao desperdício, à irresponsabilidade e inconpetência dos agentes públicos. A Economia norte americana, por exemplo, não afundou. Nem a canadense, a australiana, a newzelandesa e muitas outras economias capitalistas liberais existente pelo mundo. Estas passaram por crises cíclicas e por períodos de ajustes. Dizer que Paulo Leman é um predador da economia não passa de alucinação de quem escreve para idiotas como são todos os esquerdistas. Nos países admirados por essa gente a economia realmente afundou de uma vez por todas, basta ver os exemplos de Cuba, Coreia do Norte, Venezuela, Nicarágua, etc. Eu ainda leio as bobagens escritas por gente como Andy Robinson apenas para me divertir e obter material para afirmar que não passam de idiotas à serviço de uma causa perdida. 

    • Equívoco

      Então você não sabe qual o motivo da economia brasileira ter afundado!

      Você pensa que os EUA são liberais?!

      Sinto muito, te enganaram!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome