Entrevistas Clube dos Garotos 5, por Rui Daher

por Rui Daher

Texto de fricção patrocinado pelas Estampas Eucalol e apoio dos baralhos “Dirigindo não Jogue”.

INFORME PUBLICITÁRIO:

Das Estampas Eucalol vocês já sabem. Durante a ditadura, em “O Pasquim”, um dos melhores cronistas do Brasil, Ivan Lessa, trouxe-as de volta em humor e crítica. Nesse retorno sem milico, Rui, o pior, faz o mesmo.

Como fazer sobreviver um blog sem um pé na produção e outro no mercado financeiro? Simples. Como um saci. Tendo o caixa esvaído por duas garrafas salineiras, restou ao nosso departamento de publicidade procurar apoio para a tesouraria. Diante da barafunda hoje estabelecida no Brasil, cortamos o baralho com empresa tradicional do ramo. A Thaisa do vôlei.

“Quando Celso Russomano encontra Henrique Áreas”

Seguindo nosso alto espírito democrático de a todos dar oportunidade, hoje deveríamos entrevistar Henrique Áreas, candidato do PCO, Partido da Causa Operária, à Prefeitura de São Paulo.

Tudo programado, surpreendeu-nos a assessoria de comunicações do comunicador (sic) Celso Russomano, alegando prioridade. Em passado recente e nota a nós enviada, o candidato afirmara tão logo absolvido em processo de corrupção a vez seria dele. Imaginando o impossível e prevendo os passos lentos e a bonomia de Rodrigo Janot, aceitamos. Ele foi absolvido.

Para manter nosso compromisso com a democracia e diminuir exposição aos 13% de juros mensais no cheque especial, pedimos modesto tributo ao mui inocente, e convencemos Áreas a participar de um debate com o oponente. A propósito Dr. Celso: Banco do Brasil, agência 2041 – c/c nº 3612.

BRD: Bom dia candidatos, Áreas e Russomano. Agradecemos a presença. Nossos debates não seguem a estrutura convencionada pelas demais folhas e telas cotidianas. Lançamos um tema tudo a ver com a gestão da cidade de São Paulo e os senhores saem falando. Não há réplica, tréplica e desvios dois pontos para cima ou para baixo. Aqui os desvios custam caro. A nosso critério, sempre que necessário, Heraldo, altura 2,06 metros, peso 154 kg, poderá interrompê-los. Peço concordância às nossas regras.

CR: Sim.

HA: да

BRD: Primeiro tema: prostituição na cidade.

CR: Da forma como é hoje, sou contra! Em todos os meus programas noturnos nunca permiti tais participações. No colunismo social, evito expor pessoas pobres que exerçam tal atividade laboral. Não por pudor, mas quem a faz sonega impostos e prejudica os demais consumidores. Profissão, dizem, a mais velha do mundo, impossível de coibir, enviarei à Câmara projeto de lei que exige emissão de nota fiscal pós-coito e alíquotas diferenciadas, segundo posições, duração, objetos utilizados, etc.

HA: Preocupam-me os direitos trabalhistas. A direita deu um golpe e a democracia foi mutilada. Os trabalhadores serão prejudicados e a Petrobras privatizada. Proponho luta e greve geral. Quanto ao tema, na proposta do Russo, sugiro acrescentar um desconto caso se comprove amor sincero durante o expediente.

CR: Prefiro que meu sobrenome seja expresso por completo.

HA: Força do hábito. Certo, Mano.

BRD: Heraldo, interfira!

Cadeiras recolocadas em seus lugares.

BRD: A atual administração insiste em abrir espaços livres de tráfego nos principais logradouros da cidade, em dias determinados. Quem ganha com isso?

CR: O ócio. No mais, todos perdem. Quer um exemplo? A Avenida Paulista. Por que os moradores são cerceados em seus direitos e qualquer cangaceiro, morador na Rua G de General, na Vila Brasilândia, pode fazer o que quiser, inclusive deixar cães fornicarem na frente de crianças e gastarem latas de água para lavar latas-velhas? Outra imbecilidade, as faixas coloridas para as ciclovias. Por que vermelhas? Propaganda subliminar, claro!

HA: Preocupam-me os direitos trabalhistas. A direita deu um golpe e a democracia foi mutilada. Os trabalhadores serão prejudicados e a Petrobras privatizada. Proponho luta e greve geral. Quanto ao tema, enviarei projeto para que na Avenida Paulista, a cada 100 metros, sejam colocadas faixas com os dizeres: “Não se deve usar dinheiro público para pagar servo próprio”.

Mais uma vez, Heraldo é obrigado a intervir.

BRD: Último tema. Transporte público.

CR: Redução de tarifa, de jeito nenhum. Não passaram 10 anos dizendo que 40 milhões de pessoas ascenderam à classe média? Então. Picas, se me permitem, também nos horários fora de picos. E, pior, o poste quer criar TV e rádios públicos municipais. Pra quê? Vou cuidar das saúde e educação. A Patrulha do Consumidor, daí me chamarem de “Justiceiro”.

HA: Preocupam-me os direitos trabalhistas. A direita deu um golpe e a democracia foi mutilada. Os trabalhadores serão prejudicados e a Petrobras privatizada. Proponho luta e greve geral. Quanto ao tema, entendi. Patrulha, justiceiro, bar, bala, sangue, cova rasa. Они не делают русский язык, как и раньше. Пролетарии, соединяйтесь! (Tradução: Não se faz mais russos como antes. Proletários, uni-vos!).

BRD: Aqui a palavra final é nossa. Somente a galhofa salva!

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Rui, Rui.

    Estou em trânsito, mas tive que fazer uma parada obrigatória. Muito bom. Nessas suas entrevistas, a fricção é total. Jamais ouviríamos perguntas tão bem elaboradas como essas, por outros. O entrevistador FAZ A LIÇÃO DE CASA, de verdade; estuda minuciosamente mazelas e desditos e questiona soberbamente. De rolar de rir.

    Só a galhofa salva.

    Salve Rui.

    Por isso continuo atirando garrafas ao mar, quem sabe, né …

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=ugH9wYnS4EQ%5D

     

  2. Somente a galhofa salva!

    Que não nos sequestrem ao menos o direito de galhofar. Galhofemos, pois!

    PS.: Rui, depois da Esquerda Gonzaguinha, e do militante orgânico, descobri mais um: o militante Jim Jones. 

  3. A morrer com o golpe morramos de rir, e sairemos incólumes

     

    Rui Daher,

    Se uns textos assim forem por causa do golpe será que a gente vai ter que torcer para ter mais golpes?

    E na próxima lembra de colocar o Código Fiscal da Operação e Prestação (CFOP), para saber se foi entrada ou saída, transferência, devolução, compra de lubrificante, retorno por encomenda, ou pode ser mais específico e escolher o CFOP 1.907- Retorno simbólico de mercadoria remetida para depósito fechado ou armazém geral ou 2.554 – Retorno de bem do ativo imobilizado remetido para uso fora do estabelecimento ou 5.554- Remessa de bem do ativo imobilizado para uso fora do estabelecimento. Há também o CFOP 2.501- Entrada de mercadoria recebida com fim específico de exportação.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 20/08/2016

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome