Vírus e Verme – parte final, ou não, por Rui Daher

Vírus e Verme – parte final, ou não, por Rui Daher

Depois dos torresminhos, salineiras, cevadas, e sambas de Ataulfo Alves, selecionados dos vinis de Pestana, o mais sóbrio, acordamos, por volta das quatro e meia da tarde, pelo ronco da odalisca Everaldo embrenhado em sua máscara de cetim.

Propus fazermos a reunião de pauta, após ‘un giro de quindice munuti’ no quintal da Redação. Espairecer. Apenas a odalisca pediu um tempinho. Queria assistir ao tape do Mundial de Clubes 2012, quando o Corinthians foi campeão ao vencer o Chelsea. Aquiescemos. A saudade pelo futebol superava nossas expectativas profissionais. Timão vitorioso (apesar do Tite), todos vibramos.

Esperamos mais meia hora para a reunião, até que secasse o cetim odalisca de Everaldo que, molhado, poderia expor suas partes pudendas. Então, começamos.

– Nestor, meu caro, todos nós sabemos tudo ter ido para a cucuia. Não lutamos com um Messias, tresloucado, despreparado, burro, genocida, mas contra as Forças Armadas, garantidoras do Acordo Secular de Elites, agora adjuntas de milícias armadas, pior, fanatizadas, ignorantes e instrumentadas por projetos digitais, orientados do exterior. Sendo assim, que seus dizeres sejam condizentes com a nossa luta em defesa das instituições democráticas.

– Soberbo editor.

– Nestor, precisas de mais algum tempo para neutralizar o álcool?

– Porra nenhuma, companheiros. É sério! Se precisar entornar mais, sigo lá pro Bexiga, e lá choro e tomo todas.

– Não esqueça a máscara. Não podemos perdê-lo.

Leia também:  Bolsonaro 2022!, por Janderson Lacerda

– Seguinte: semana passada recebi um telefonema de Harmônica, que andava sumido. Ele recebera um ‘call’ do Planalto, sem identificação, dizendo estar-lhe chamando em nome do Messias.

– Não diga!

– Nestor, pensei em tudo. Pronto. Serei cobrado e chamado por todos os assassinatos que cometi.

– Vixe em credo Luz Pai!

– Nestor, não era nada disso. O Messias era outro, você imagina quem.

– Ele, o emissário do Cão, o verme?

– Exato.

– O que ele queria?

–  Não posso dizer, enquanto você não jurar que falará com o Ruizinho, membros da Redação, tantos seguidores, gente com vontade de reverter a situação, amigos que nos salvaram da ditadura. Mesmo que vocês cooptem o Centrão, mas não deixem de lutar contra o genocida, RIP, o Regente Insano Primeiro. Ajude-me. Quem sabe o Conselho Consultivo do Dominó de Botequim Celestial, poderá me ajudar.

– Prometo todas as formas de ajuda. Mas o que ele quer?

– Nomear-me Ministro da Saúde, para completar sua obra genocida.

– Ai, meu Deus. E se você não aceitar?

– Há mais de dez na fila.

– Harmônica, conte conosco.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora