Viva Chico Buarque, 77 anos!, por Rômulo Moreira

Ele é um artista inigualável, um homem com uma sensibilidade à flor da pele. Um intérprete de suas próprias canções como poucos existem!

Viva Chico Buarque, 77 anos!

por Rômulo Moreira

Hoje, 19 de junho, Chico Buarque completou 77 anos, e um bem enorme à Música Popular Brasileira e para a literatura brasileira.

Ele não tem um vozeirão, mas ninguém canta Chico como Chico. E nunca haverá alguém que o faça. Um seu show é algo indescritivelmente belo.

Ele é um artista inigualável, um homem com uma sensibilidade à flor da pele. Um intérprete de suas próprias canções como poucos existem!

E canta as mulheres como se fosse uma delas. Canta um homem apaixonado com uma tal beleza difícil de acreditar que seja possível amar tanto assim.

Canta o amor. Mas ele canta também a prostituta, o travesti, o operário, o pobre, o excluído, o pivete, o bandido, a polícia, os amantes, as amantes…

Ele canta o Brasil, o Rio, as Escolas de Samba, o Carnaval, o cotidiano, as cidades…

Tudo que ele escreve é maravilhoso.

Chico é imprescindível para o Brasil e para a nossa música, porque ele é o máximo!

Teve a coragem cívica de enfrentar a ditadura militar. Fê-lo com as armas de que dispunha. E de que forma mais bonita ele o fez.

Custou-lhe o exílio. Mas na Itália, ainda que triste, continuou compondo lindamente. E fez coisas belíssimas.

Chico, definitivamente, é o máximo! Quase uma unanimidade nacional…

Chico é um grande escritor brasileiro também. Poderia estar na Academia Brasileira de Letras. Há cadeira ali para ele. 

Chico também é um grande cidadão brasileiro: digno e engajado; corajoso e preocupado com as nossas coisas, com o nosso povo e com o nosso destino.

E também é um grande amigo e parceiro: fiel e solidário; amável, afável e generoso.

E tem um grande senso de humor: é divertido, alegre e brincalhão.

E gosta – e joga bem! – de futebol. O seu time é o Fluminense.

Mas tem também o Politheama, o time que nunca perdeu:

“Politheama, Politheama

O povo clama por você

Politheama, Politheama

Cultiva a fama de não perder”

(diz o hino composto pelo próprio Chico)

Ah! Chico, se todos fossem iguais a você, que bom seria.

Rômulo de Andrade Moreira, Procurador de Justiça do Ministério Público do Estado da Bahia e Professor de Direito Processual Penal da Universidade Salvador – UNIFACS.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome