Feminino

Li “Feminino”, um livro de poesias do mineiro Ivan Cupertino Dutra. 

Instigante. Por exemplo, 

Poema II

O que somos senão lacunas?

seres desejosos e desejáveis

querendo sempre mais?

 

O que somos senão vazios?

Espaços incompletos, fragmentos,

retalhos de desejos somados?

 

O que somos senão silêncios?

Bocas e pernas e braços e mãos

na desesperada vontade de encontrar?

 

O que somos senão desejos?

Olhos tateando os outros olhos

à espera de um olhar?

O que somos

senão senões?

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

O prefácio de “Feminino” foi escrito por Lúcia Castelo Branco com o sugestivo título “A Feminina Voz do Silêncio” que é, por si só, uma gostosa peça literária. Um trecho:

“Ora, o paradoxo que reside na tentativa de dizer o indizível e, mais ainda, de dizer que o indizível não se diz, constitui-se num gesto tipicamente feminino, se considerarmos, com Lacan, que é de fato nessa esfera do inefável, do intangível, que o gozo da mulher se situa. Como exemplo dessa dicção do indizível, basta tomarmos os vários textos de Clarice Lispector, tipicamente femininos, para verificarmos como se podem produzir páginas e páginas, obras e mais obras acerca dos impossíveis da linguagem.”

Mais sobre Ivan Cupertino Dutra pode ser lido em

http://www.letras.ufmg.br/literafro/autores/ivancupertino/dados.pdf

Luis Nassif

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador