A viagem de Crato para o mundo, o CD de Tiago Araripe, por Aquiles Rique Reis

A sonoridade do disco tem momentos irresistíveis. Desde o suingue característico das músicas nordestinas à levada caboverdiana, passando pela beleza da música portuguesa, tudo ali é uma senha que desvenda o álbum de beleza ímpar.

A viagem de Crato para o mundo, o CD de Tiago Araripe

por Aquiles Rique Reis

Foi a bordo de um bucho grávido, que entoava músicas, canções ouvidas desde um planeta distante até o sertão nordestino, entoadas por anjos frenéticos e febris querubins que vagam por entre nuvens longínquas. Lembro-me apenas do bucho, pronto para parir… Minto. Ouvi e vi, com esses olhos que a terra há de comer, um estrondo ensurdecedor, seguido de sons instrumentais – música! Ouvi anjos entoando seus cantares. E foi assim, sob um doce aroma de mel com gengibre, que a vida virou música: assim o destino sonorizou o mundo.

Pois foi a bordo de um avião (ou seria num foguete?), ou foi num objeto não identificado, que Tiago Araripe deu de transcrever em pautas as canções que parira para seu novo CD digital Terramarear (viabilizado com contribuições solidárias).

Cada música, cada arranjo, me relembravam músicas de Tiago Araripe que um dia ouvi e que hoje marcam o talento de seu criador. Sons de órgão, naipe de sopros, batera, violões de seis, doze e sete cordas, cavaquinho, percussão, guitarras, baixo, gaita, piano, sintetizador, banjo, sampler, acordeom e coro.

Acordes e desenhos com encorpada concepção universal, sempre presente nas músicas de Araripe. Para tanto, ele arregimentou três dezenas de instrumentistas, cinco músicos portugueses, dois músicos africanos (um da ilha da Martinica, o pianista Karlos Rotsen, outra, uma múltipla instrumentista da ilha de Madagascar), Tahina Rahary (produção musical, violão, flauta, congas, palmas e coro) e seis participações especiais: Isadora Melo, Marcos Lessa, Nonato Luiz, Vânia Bastos, Zeca Baleiro e a cantora portuguesa Mara. Uma tripulação de alto nível.

A sonoridade do disco tem momentos irresistíveis. Desde o suingue característico das músicas nordestinas à levada caboverdiana, passando pela beleza da música portuguesa, tudo ali é uma senha que desvenda o álbum de beleza ímpar.

Tiago Araripe se atreveu a encarar o olho do furacão, gerando música a bordo da nave especial com que ele viaja mundo afora.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

Repertório:

Você é um Oásis (Zeca Baleiro – Tiago Araripe) – Participação: Zeca Baleiro

Casa Cheia (Rogério Franco – Tiago Araripe)

Meus Para-Choques (Marcos Lessa – Tiago Araripe) – Participação: Marcos Lessa

Lugar ao Sol (Tiago Araripe) – Participação: Vânia Bastos

Abracadabra (Tiago Araripe) – Novas Manhãs Que Virão

Nenhuma Igual a Você (Tiago Araripe)

Tudo no Lugar (Tiago Araripe) – Participação: Mara

Das Horas (Tiago Araripe) – Participação: Isadora Melo

Calar pelos Cotovelos (Tiago Araripe)

De Passagem (Juliano Holanda – Tiago Araripe)

Perfeitamente Possível (Tiago Araripe)

Perder Alguém (Tiago Araripe)

Seis Cordas (Nonato Luiz – Tiago Araripe) – Participação: Nonato Luiz

Bem Aqui (Tiago Araripe)

Produção executiva: Tiago Araripe

Masterização das faixas 1, 2 e 3; remasterização das demais faixas – 

estúdio ZÁS (Fortaleza, maio de 2021): Airton Montezuma, Edson Sancho

projeto gráfico – André Venâncio

ilustração da capa – Rodriguez Júnior

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome