Governo brasileiro adota cultura do ódio, por Rumba Gabriel

Em sua carta, Rumba narra as cenas dramáticas que presenciou na favela e a sua iniciativa de socorrer as vítimas convocando para o local as comissões de direitos humanos da OAB e da ALERJ, além da Defensoria Pública do Estado do Rio.

Reprodução Redes Sociais

do Portal Favelas

Governo brasileiro adota cultura do ódio

O líder comunitário Rumba Gabriel emitiu uma carta aberta afirmando que o governo brasileiro tem como prática a cultura do ódio e da mentira. A carta do Rumba rebate o documento elaborado pelo Ministério da Família, Mulher e Direitos Humanos e pelo Ministério da Justiça do Rio de Janeiro que fala em “cultura da paz entre policiais no combate ao crime”.

O documento do governo foi elaborado em resposta à denúncia feita por relatores da ONU da chacina na favela do Jacarezinho, no dia 06 de maio deste ano. A manifestação do líder comunitário Rumba vem se somar à indignação de diversas entidades de direitos humanos do Brasil reagindo às afirmações do governo, alertando para a violência policial dos últimos anos no país. 

Em sua carta, Rumba narra as cenas dramáticas que presenciou na favela e a sua iniciativa de socorrer as vítimas convocando para o local as comissões de direitos humanos da OAB e da ALERJ, além da Defensoria Pública do Estado do Rio. Da mesma forma que fez a perícia do local, Rumba afirma que em muitas situações em que jovens foram mortos pelos policiais, não houve troca de tiros com as vítimas.

CARTA ABERTA PARA A ONU

Meu nome é Antônio Carlos Ferreira Gabriel, nascido há 67 anos, na favela do Jacarezinho território que concentra o maior número de negros em favela no Rio de Janeiro. O motivo desta Carta é a minha indignação ao ler o documento do governo brasileiro em carta aos relatores da ONU (Organização das Nações Unidas), em que alega adotar a promoção da cultura da paz entre policiais no combate contra o crime e garante uma postura na inclusão de treinamento em direitos humanos.

Isso não é verdade. Este governo adota como prática a cultura do ódio e da mentira. Digo isto, porque na manhã do dia 6 de maio de 2021, às 5:30, a Polícia Civil invadiu a favela do Jacarezinho com o pretexto de cumprir 21 mandados de prisão a suspeitos de aliciar menores para o tráfico de drogas da favela. Já acostumado com estas operações, percebi que estava acontecendo algo diferente, pois as imagens que chegavam ao meu celular mostravam cenas de terror. Entre as dezenas de imagens que me chegavam uma era de um rapaz que sofria de epilepsia, que, depois de assassinado, teve o seu corpo vilipendiado, com o dedo na boca, colocado sentado em uma cadeira no beco.

Continue lendo no Portal Favelas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome