Agenda evangélica fundamentalista de Trump foi estratégia transnacional na América Latina

Apuração explicita uma verdadeira cruzada do século XXI por líderes e organizações religiosos que atuam diretamente na legislação e políticas públicas dos mais altos círculos da América Latina

Jair Bolsonaro em encontro com Mario Bramnick, pastor americano fundador da Coalizão Latina para Israel (LCI) - Foto: Redes

Jornal GGN – O governo de Donald Trump nos Estados Unidos provocou um aumento do poder político evangélico pela América Latina, uma estratégia transnacional incentivada diretamente pelo mandatário estadunidense, que viu ganhar efeito em países como a Nicarágua de Daniel Ortega, Guatemala de Jimmy Morales, Honduras de Juan Orlando Hernández e o Brasil de Jair Bolsonaro.

As atividades de líderes e organizações religiosos ligados à Casa Branca foram investigados por jornalistas de 16 veículos latino-americanos, entre eles a Agência Pública do Brasil. A apuração explicita uma verdadeira cruzada do século XXI por estas entidades que atuam diretamente na legislação e políticas públicas dos mais altos círculos da América Latina, interferindo em pautas que vão desde a saúde sexual e os direitos da população LGBT.

Reportagem publicada pela Univision, dentro da série “Transnacionais da Fé” revela detalhes de como a agenda fundamentalista foi disseminada por líderes evangélicos apoiados por Donald Trump. Entre estas articulações, a reportagem mostrou um encontro de Jair Bolsonaro com Mario Bramnick, um pastor americano fundador da Coalizão Latina para Israel (LCI), uma organização cristã sionista, com sede em Miami, que mobiliza líderes políticos e religiosos latino-americanos para apoiar o reconhecimento de Jerusalém como centro de atividades político-religiosas israelense.

Abaixo, a parte I desta reportagem:

Líderes evangélicos blindados pela Casa Branca exportam agenda fundamentalista para a América Latina

Por Giannina Segnini e Mónica Cordero

Do Especial Transnacionais da Fé

Um grupo de líderes evangélicos fundamentalistas vinculados à Casa Branca estendeu seus ministérios a vários países da América Latina e fez acordos com presidentes polêmicos, como Daniel Ortega na Nicarágua, Jimmy Morales na Guatemala, Juan Orlando Hernández em Honduras e Jair Bolsonaro no Brasil. O Columbia Journalism Investigations (CJI), o Centro Latino-Americano de Pesquisa Jornalística (CLIP) e 15 meios de investigação também documentaram como esses líderes influenciaram líderes e políticas contra Israel em vários países da região.

Uma tempestade de críticas contra o presidente Donald Trump por sua política de separar famílias de migrantes na fronteira estava no seu auge quando o presidente do segundo país que expulsa mais migrantes da América Central para os Estados Unidos, o hondurenho Juan Orlando Hernández, foi recebido como aliado estratégico na Casa Branca, em junho do ano passado.

Os comunicados oficiais dessa visita documentaram reuniões com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, e com o secretário de Estado, Mike Pompeo, no qual discutiram repetidas vezes a crise da imigração e a situação dos hondurenhos sem documentos.

Nenhum dos relatos oficiais transmitiu as conversas paralelas que Pence, Pompeo e um pequeno grupo de líderes evangélicos fundamentalistas haviam coordenado para Hernandez, e pretendiam persuadi-lo a tomar decisões estatais com base em suas interpretações literais da Bíblia.

Victory meeting this afternoon with Vice President Mike Pence! #DCTRIP17

Publicado por Mario Bramnick em Quinta-feira, 4 de maio de 2017

 

Por um lado, Pence e Pompeo – ambos cristãos evangélicos – aproveitaram a visita oficial para convencer Hernández a estabelecer, em Honduras, os estudos bíblicos liderados pelo Capitol Ministries , uma organização religiosa que os dois altos funcionários do governo Trump patrocinam na Casa Branca. e que é dedicado a evangelizar “líderes políticos do mundo”, a fim de legislar de acordo com seus princípios bíblicos.

A eficácia dessa influência é destacada em uma declaração que o próprio Ministério do Capitólio publicou quando seu fundador, Ralph Kim Drollinger, inaugurou os estudos bíblicos no Congresso hondurenho junto com Hernandez, cinco meses após a visita do presidente hondurenho a Washington. Honduras publicado pela Contracorriente ). Outro documento dos Ministérios da Capital confirma que os dois membros do gabinete dos EUA “sugeriram que o Presidente Hernández iniciasse um ministério como o que eles freqüentam toda semana e o Presidente Hernández levou a sério a sugestão”.

Drollinger, mentor espiritual de Pence e Pompeo, lidera os estudos bíblicos na Casa Branca desde que o vice-presidente Pence o convidou para se estabelecer lá, no início do governo de Donald Trump.

Durante a mesma visita a Washington, o Presidente Hernández também se reuniu com cinco influentes líderes evangélicos americanos que fazem parte do Escritório de Fé e Oportunidade da Casa Branca (OFCB). O objetivo da reunião foi convencer o presidente hondurenho a mudar a embaixada de seu país da capital israelense de Tel Aviv para Jerusalém, disputada como o centro da vida religiosa em Israel. Esse objetivo, que incluía o reconhecimento de Jerusalém como o centro do governo de Israel, foi confirmado pelo organizador da reunião, Mario Bramnick, em entrevista à Columbia Journalism Investigations (CJI).

Mario Bramnick é um pastor americano de origem cubana e fundador da Coalizão Latina para Israel (LCI), uma organização cristã sionista, com sede em Miami, que mobiliza líderes políticos e religiosos latino-americanos para apoiar o reconhecimento de Jerusalém como centro de atividades Político e religioso israelense.

Desde 1947, as Nações Unidas emitiram numerosas resoluções, adotadas pela maioria dos países do mundo, que reconhecem o status internacional da cidade de Jerusalém e a necessidade de criar dois estados separados para israelenses e palestinos, que mantêm um conflito sobre a região. controle de território Portanto, todos os países do mundo tiveram suas embaixadas diante de Israel em Tel Aviv, uma tradição que durou até Trump passar a sede dos Estados Unidos para Jerusalém, em maio de 2018.

A mudança da embaixada dos EUA foi uma promessa de campanha que Trump fez aos líderes evangélicos já em sua campanha presidencial de 2016, de acordo com Bramnick. “O presidente Trump nos prometeu e cumpriu”, disse ele.

Leia também:  Coronavírus: Brasil é apontado como uma das ameaças globais

O pastor diz que durante a campanha ele trabalhou diretamente com o enviado da Casa Branca para o Oriente Médio, Jason Greenblatt, e o atual embaixador dos EUA em Israel, David Freedman, para definir a política externa dos EUA contra Israel. “Desde que eles foram nomeados, eu os conheci e começamos a trabalhar na questão da plataforma republicana para Israel”, disse ele.

Para os líderes evangélicos, diz Bramnick, o trabalho que eles fazem é inspirado em princípios espirituais. “Lidamos com os governos a tal ponto que o mundo vê como se estivéssemos controlando a política, mas para nós é espiritual, não político. A Bíblia diz que quem abençoa Israel será abençoado e quem amaldiçoa Israel será amaldiçoado, e lemos a Bíblia literalmente. A Bíblia diz que Jerusalém é a capital eterna de Israel e que Deus deu essa terra a Abraão, Isaque e Jacó ”, acrescentou.

As reuniões dos religiosos valeram a pena. Em março, o presidente Juan Orlando Hernández anunciou o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e a transferência de seu escritório comercial para essa cidade.

Bramnick e os quatro líderes evangélicos que participaram da reunião com Hernandez são membros do Escritório de Fé da Casa Branca, um escritório criado por Donald Trump através de um decreto executivo de maio do ano passado.

Em maio do ano passado, Donald Trump assinou uma ordem executiva na qual formalizou a criação do Escritório de Fé e Oportunidade.Crédito:

Bramnick confirmou ser membro deste escritório e acrescentou: “O Ofício de Fé na Casa Branca convida os líderes religiosos nacionais a participar de diferentes eventos, como jantares, reuniões, orações e briefings com o Presidente Trump ou o Vice-Presidente Pence, de acordo com os problemas ”, explicou o pastor.

O pastor insistiu que a reunião com o presidente hondurenho o organizasse como presidente da Coligação Latina para Israel e não em nome da Casa Branca, mas no dia da reunião ele publicou uma foto com o presidente Hernández, em seu perfil de Facebook, no qual ele identificou a delegação que liderou como patrocinada pela Casa Branca (o texto original foi excluído de seu post no Facebook após a entrevista com a CJI, mas a CJI manteve uma cópia de sua versão original).

I am honored to be with President Juan Orlando Hernández and First Lady Ana Hernández. I have been able to work with the…

Publicado por Mario Bramnick em Segunda-feira, 25 de março de 2019

Em 16 de maio de 2018, 55 palestinos morreram nos protestos em Gaza, enquanto a filha e genro de Trump, Ivanka Trump e Jared Kushner, lideraram a inauguração acelerada da sede diplomática dos EUA em Jerusalém. Eles foram acompanhados pelo primeiro-ministro israelense Benjamín Netanyahu, líderes do Escritório de Fé e Oportunidade da Casa Branca e suas esposas.

Desde a criação do Escritório da Fé na Casa Branca, Trump e os líderes evangélicos mantiveram a iniciativa em um perfil muito baixo e se recusaram a responder a perguntas da imprensa e organizações civis sobre sua operação, orçamento e compromissos.

Esta pesquisa colaborativa analisou publicações em mídia social, vídeos e boletins dos líderes que formaram o comitê consultivo evangélico de Donald Trump durante sua campanha eleitoral e suas organizações. Pelo menos 18 deles, todos evangélicos, se identificaram como membros do Escritório de Fé e Oportunidade da Casa Branca desde maio passado, durante vários eventos públicos em diferentes partes do mundo. O evangelismo representa apenas uma minoria entre o
leque de crenças praticadas nos Estados Unidos e que a primeira emenda da Constituição defende.

O grupo representa diferentes correntes dentro da comunidade evangélica, embora alguns de seus membros pertençam a mais de um deles. Alguns pregam a “teologia da prosperidade”, que vê o crescimento econômico e a boa saúde como bênçãos que Deus concede se o crente se comportar de acordo com as regras e pagar o dízimo. Outros são evangélicos sionistas que acreditam nas profecias apocalípticas do retorno de Jesus à Terra em Israel; e um terceiro grupo representa os líderes da Convenção Batista do Sul, que reúne mais de 50.000 igrejas batistas nos Estados Unidos. Essa congregação se opõe fortemente ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Os Ministérios do Capitólio, o Gabinete de Fé da Casa Branca e outros líderes evangélicos americanos influentes, segundo católicos mais conservadores, cultivaram alianças estreitas com líderes políticos em países com grandes populações da fé evangélica, como Guatemala, Honduras e Brasil. . Essas alianças se estendem aos políticos locais que conseguiram conquistar cotas significativas de poder e influência política em seus países.

Para entender essas alianças e seus efeitos, o Columbia Journalism Investigations (CJI), o Centro Latino-Americano de Pesquisa Jornalística (CLIP) e 15 mídias latino-americanas investigaram as atividades do grupo de líderes e como eles obtiveram um apoio particularmente forte de organizações evangélicas ligadas ao Administração Trump para promover legislação e políticas fundamentalistas cristãs nos mais altos círculos de poder político da América Latina.

“Ele [Trump] é o mais presidente – como muitas pessoas disseram – mais amigo da fé que eles conheceram em sua vida”, disse Paula White, conselheira espiritual pessoal de Trump e líder do Escritório de Fé e Oportunidade da Casa Branca para a Christian Broadcasting Network durante a inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém.

Os líderes evangélicos prometeram seu apoio político a Trump desde o início da campanha presidencial de 2016, em troca de promessas de favores políticos, como nomeações de juízes conservadores no Supremo Tribunal dos EUA, políticas públicas contra o aborto e direitos LGBTIQ e grande influência na definição da política externa dos EUA em relação a Israel.

Leia também:  Gigantes boicotam Facebook por falta de moderação sobre discursos de ódio

Graças a seus laços com a Casa Branca, alguns desses líderes também conseguiram expandir seus ministérios na América Latina e construir alianças com presidentes com passados ​​longe de serem perfeitos.

Um deles é o presidente hondurenho Juan Orlando Hernández, que não foi acusado, mas foi investigado pela agência antidrogas dos EUA (DEA) pelos crimes de tráfico internacional “em larga escala” de cocaína e lavagem de dinheiro, segundo um documento de 2015 recentemente desclassificado.

Em 2 de agosto, um tribunal federal de Nova York publicou outro documento que identifica o presidente hondurenho Juan Orlando Hernández como cúmplice em um caso internacional de tráfico de drogas contra seu irmão Tony Hernández. O presidente não parece réu no caso, mas os promotores disseram que US $ 1,5 milhão em lucros das empresas de drogas foram usados ​​para ajudar a elegê-lo em 2013. Em um comunicado à imprensa, a presidência hondurenha disse que o presidente é inimigo dos traficantes, que estão buscando vingança contra ele.

Um documento apresentado em 2 de agosto no Tribunal Federal de Nova York garante que a campanha presidencial do presidente hondurenho Juan Orlando Hernández (identificado como CC-4) foi apoiada por US $ 1,5 milhão da transferência de cocaína de seu irmão, Tony Hernández, que é acusado no caso. O presidente não aparece como réu na investigação criminal.

A exportação de missões fundamentalistas dos EUA para a América Latina, com a bênção do governo federal, viola os princípios de separação de Estado e Igreja estabelecidos na Constituição dos Estados Unidos, conforme confirma Katherine Franke, professora de Direito e estudos de gênero e sexualidade na Universidade. da Columbia, em Nova York. Franke dirige o Centro de Gênero e Sexualidade da Universidade e é o diretor da Faculdade de Direito, Direito e Religião.

Franke disse que essas atividades violam a Constituição patrocinando oficialmente uma religião e promovendo crenças particulares: “O governo está promovendo a religião como um projeto oficial do governo e isso claramente viola uma das cláusulas da Constituição”, afirmou. “Mais do que isso, o governo está promovendo uma visão particular da religião, sem fazê-lo de forma imparcial, e esse é um segundo tipo de violação”, disse o especialista.

“Usando dinheiro público e com o nome dos Estados Unidos por trás, o governo empreendeu uma promoção específica da religião e isso é uma clara violação da cláusula de estabelecimento”, disse Franke.

Led a team of Faith Leaders to discuss important issues and pray for the new President of Brazil Jair Messias…

Publicado por Mario Bramnick em Quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

 

Os líderes religiosos também apoiaram presidentes ultraconservadores como Jair Bolsonaro no Brasil, que recentemente criticaram uma decisão do Supremo Tribunal Federal que criminalizava a homofobia. O Tribunal decidiu em junho que a homofobia é um crime comparável ao racismo. O presidente Bolsonaro disse que o tribunal está “completamente errado”. Em declarações à Agência Brasil – a agência de notícias do estado -, o presidente disse que a decisão prejudicaria os homossexuais porque “um empresário pensa duas vezes em contratá-los por medo de ser levado a tribunal por fazer uma piada”.

Bolsonaro acrescentou que “se houvesse um juiz evangélico na Corte, a decisão não teria acontecido”.

Somente em São Paulo, Brasil, crimes contra homossexuais ou pessoas trans aumentaram 75% entre agosto e outubro de 2018 durante a campanha eleitoral de Bolsonaro, conforme reportado pelo jornal Folha de São Paulo com base em registros policiais estaduais .

Em 31 de julho, a CJI enviou vários e-mails com perguntas para este relatório a Pence, Pompeo, Drollinger e Presidente Juan Orlando Hernández. Nenhum deles respondeu.

 

O pastor de gabinete americano

Capitol Ministries era uma organização em declínio total no verão de 2009. Cinco dos membros de seu conselho de administração haviam renunciado a seus cargos e acusavam o fundador da organização, Ralph Drollinger, de atitudes antiéticas, de liderança “autocrática”, de irregularidades. financeiras e “usam passagens da Bíblia fora de contexto para justificar suas posições”.

As alegações fazem parte de um processo legal para uso ilegal de uma marca registrada apresentada em 2011 contra os Ministérios do Capitólio perante o Tribunal do Distrito Federal no Distrito Leste da Carolina do Norte pela Comissão do Capitólio, fundada por ex-diretores dos Ministérios do Capitólio. Os ex-diretores alegaram que os Ministérios da Capitol estavam fazendo uso ilegal de sua marca. O caso foi resolvido em um acordo privado em 2014.

Drollinger não respondeu a um questionário enviado pela CJI sobre o litígio, mas durante o processo ele negou as acusações contra sua organização e até acusou seus ex-colaboradores de terem acesso ilegal às suas comunicações pessoais.

Após uma investigação interna de 2009, Drollinger foi expulso de sua própria igreja, a Grace Community Church, em Sun Valley, Califórnia. Trinta líderes da igreja concluíram que Drollinger é “desqualificado espiritualmente para liderar um ministério” e retirou por unanimidade seu apoio e afiliação aos Ministérios do Capitólio.

O golpe mais significativo ocorreu quando 16 de seus 19 diretores regionais se distanciaram e também renunciaram no início de outubro de 2009 e mais tarde fundaram a Comissão do Capitólio.

Leia também:  Militares levam Bolsonaro a baixar o tom para salvar mandato

Enfraquecido pelo desastre interno, Drollinger viajou para a Argentina em novembro de 2009 para abrir seu primeiro ministério das Relações Exteriores, de onde recrutou líderes de outros oito países da América Latina. O projeto não deu certo e o grupo se tornou independente do pastor americano.

Mas a sorte de Drollinger estava prestes a mudar em 2016 com a chegada das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

Jeff Sessions, que logo seria nomeado procurador geral dos Estados Unidos e que fora sua ala espiritual no Senado, apresentou Drollinger por correio com o então candidato republicano Donald Trump e o pastor começou a enviar seus estudos bíblicos para o atual presidente. “Ele está me escrevendo notas desde então, de uma maneira muito positiva. Ele gosta de lealdade. Eu o apoiei desde o início de sua campanha ”, lembrou Drollinger em entrevista à mídia alemã Die Welt em 2017.

Ralph Drollinger – President and Founder of Capitol Ministries.

Publicado por Capitol Ministries em Sábado, 11 de junho de 2011

 

Um dia depois que Trump venceu a eleição primária como candidato republicano, em julho de 2016, Drollinger pediu aos evangélicos americanos que votassem nele em um programa de rádio na Califórnia. “Acredito que Deus deve estar respondendo às nossas orações e levantando um grande líder em Donald Trump. Estamos escolhendo ele para ser o líder do Estado, não da igreja  , disse Drollinger , depois de minimizar os deslizes sexuais do presidente.

Drollinger e sua esposa Danielle compareceram como convidados de Trump em sua posse como presidente e imediatamente começaram a trabalhar para estabelecer estudos bíblicos na Casa Branca.

O resto da história foi melhor explicado pelo próprio Drollinger em fevereiro deste ano, quando se gabou de sua atual expansão em um relatório de seu ministério publicado na CM em agosto do ano passado: “Os Ministérios do Capitólio estabeleceram os estudos bíblicos semanais logo após o atual governo começou a fazer suas primeiras nomeações, no início de 2017. Isso virou o foco da atenção mundial para o trabalho e a missão dos Ministérios do Capitólio. ”

“De acordo com Seus planos, essa oportunidade garantiu uma grande credibilidade aos Ministérios do Capitólio e abriu portas em todo o mundo e em um período muito curto. Não fazia ideia, há dois anos, de quão rápida seria nossa expansão internacional como resultado de tudo isso ”, disse Drollinger.

Nos estudos que ele escreve e que são traduzidos para seis idiomas, Drollinger apóia com passagens bíblicas que o ambientalismo radical é uma “religião falsa” , que a criminalização de imigrantes ilegais e a pena de morte têm apoio bíblico e que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é uma questão que ” desperta a ira de Deus “.

Com a ajuda do Instituto de Religião, Cultura e Vida Pública da Universidade de Columbia , a CJI buscou uma interpretação profissional nos estudos dos Ministérios do Capitólio.

James S. Bielo, professor de antropologia da Universidade de Miami e especialista em cristianismo global, analisou os textos dos Ministérios do Capitólio com a missão de entender suas origens e a teologia que eles representam.

“Seus elementos discursivos claramente os marcam como protestantes fundamentalistas”, explicou Bielo. Eles argumentam que a Bíblia deve ser interpretada literalmente e que devemos derivar os princípios para nos governarmos de acordo com essa leitura literal ”, disse Bielo.

Segundo Bielo, o argumento vai ainda mais longe: “eles acreditam que qualquer pessoa que vá contra esses princípios é seu inimigo teológico e um inimigo político, confundido pelo liberalismo moderno ou por uma leitura herética e não literal das escrituras”, acrescentou.

Um dos elementos mais característicos dos estudos, segundo Bielo, é que ele busca promover um discurso sobre o medo, a leitura literal da Bíblia e a criação de termos como “humanistas seculares” ou “cristãos liberais” a quem Eles pedem que seus seguidores se oponham.

Drollinger não respondeu às perguntas que lhe foram enviadas para conhecer sua opinião sobre as crenças que ele prega.

 

Créditos: este relatório faz parte do projeto Transnationals of the Faith, uma colaboração de 16 mídias latino-americanas, sob a liderança de Columbia Journalism Investigations da Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia (Estados Unidos) e os seguintes parceiros latino-americanos são: Public Agency (Brasil); El País (Uruguai); CIPER (Chile); O fornecedor (Paraguai); A República (Peru); Armando.info (Venezuela); El Tiempo (Colômbia); La Voz de Guanacaste e Semanario Universidad (Costa Rica); El Faro (El Salvador); Nômade e Praça Pública (Guatemala); Contracorrente (Honduras); Mexicanos contra a corrupção e a impunidade (México); o Centro Latino-Americano de Pesquisa Jornalística (CLIP); e Univision Investiga e Univision Digital (Estados Unidos).


O GGN disponibilizará a parte 2 desta reportagem especial do Columbia Journalism Investigations amanhã.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Faz tempo que eu tenho dito que os vagabundos da CIA e da Embaixada dos EUA utilizam no Brasil a mesma técnica empregada para destruir os regimes laicos do Oriente Médio: “weaponization of religion”. Lá esses bandidos racistas gringos radicalizaram o islamismo, aqui os evanjegues.

  2. É, em nosso país, essa orientação estrangeira, antes de tudo, um ataque à CF e é especialmente, ao ART. 3° da CF, lembrem disso.
    É mais grave ainda, porque, é o Congresso Nacional e os Poderes Legislativos que representam o povo e o Estado brasileiro e, que aprovam essas estratégias e Políticas Públicas e, por serem também seu fiscal constitucional, são tão culpados por permitirem isso, quanto quem os executam.
    Essas verdades constitucionais, os cidadãos têm que conhecerem e saberem, para que, na hora de responsabilizarem os criminosos dos interesses públicos, do povo e do Estado, não esquecerem de incluirem o CN e os poderes legislativos coniventes.
    São esses atos que nos mostram as obras do anticristo, obras essas, de pleno conhecimento dos religiosos que concorrem para que elas se realizem.
    Vejam: “Como identificarmos o anticristo, nos dias atuais, é o que nos mostra São João, em sua profecia de advertência aos cristãos primitivos:
    “Filhinhos, esta é a última hora; e, assim como vocês ouviram que o anticristo está vindo, já agora muitos anticristos têm surgido. Por isso sabemos que esta é a última hora.
    Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos.”(1 João 2, 18-19 ).
    Usem o raciocínio lógico e entenderão tudo isso.
    Sebastião Farias
    Um brasileiro nordestinamazônida

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome