ONU barra entrada de associação de juristas evangélicos

Países cobraram esclarecimentos a respeito da ligação mantida entre a Anajure e o governo de Jair Bolsonaro

Foto: Reprodução/Facebook - ONU

Jornal GGN – A Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure) não conseguiu obter o chamado status consultivo junto à ONU (Organização das Nações Unidades), uma vez que o pedido foi adiado por conta das cobranças por esclarecimentos sobre a ligação da entidade com o governo de Jair Bolsonaro.

Em artigo publicado no portal UOL, o jornalista Jamil Chade lembra que a entidade pediu esse status junto à ONU ainda em 2017, em um processo que é apontado como tradicionalmente longo.  Os representantes da Anajure já foram questionados em 2020 sobre ONGs.

Os dirigentes esperavam obter esse acesso nas reuniões de 2021, o que não aconteceu. Países como Cuba, Nicarágua e China pediram esclarecimentos sobre o apoio que a Anajure recebe do governo brasileiro, sua estrutura de financiamento e sua atuação no país. Isso evitou que a adesão da Anajure fosse aprovada, adiando qualquer decisão por pelo menos mais um ano.

Embora diga que sua ação independe de qualquer governo, a Anajure chegou a mostrar sinais de apoio à política adotada pelo ex-chanceler Ernesto Araújo, em especial no que tange questões de gênero, direitos reprodutivos e educação sexual, além das sucessivas manifestações de apoio à ministra Damares Alves.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome