Damares atuou diretamente para impedir aborto de criança capixaba

Damares tomou uma série de medidas incisivas, pressionando com representantes em reuniões, oferecendo "kit Renegade" a conselho tutelar e com intimidações

Jornal GGN – A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, atuou diretamente para impedir o aborto da menina capixaba de 10 anos que engravidou após estupro, atentando contra o Estatuto da Criança e do Adolescente e contra normativas que permitem o aborto em casos de estupro e risco à vida da criança.

Reportagem da Folha de S.Paulo revela que Damares tomou uma série de medidas incisivas para impedir que o direito da criança fosse atendido. Segundo o jornal, a ministra enviou à cidade de São Mateus, no Espírito Santo, diversos representantes de sua pasta e aliados com o objetivo de retardar a interrupção da gravidez e transferir a menina a um hospital em Jacareí, interior de São Paulo, para aguardar a evolução da gestação e ter o bebê, apesar do risco à sua vida.

Os representantes de Damares teriam pressionado os responsáveis por conduzir os procedimentos na cidade capixaba, dentro do hospital e também no conselho tutelar local. Segundo a Folha, os enviados de Damares chegaram a oferecer “benfeitorias” a membros do conselho tutelar de São Mateus. Em algumas dessas reuniões, a própria ministra teria participado por videochamada.

Ainda, de acordo com pessoas ouvidas pelo jornal, os representantes de Damares foram os que vazaram o nome da criança à ativista Sara Winter, que divulgou os dados pessoais da criança nas redes sociais, violando o Estatuto da Criança e do Adolescente. Após a divulgação, a criança e sua família foram vítimas de ameaças e pressão.

De acordo com o Código Penal brasileiro, o aborto é legal e permitido em casos de estupro e risco de morte da mãe, duas condições que se enquadravam a criança.

Leia também:  Robinho e o preconceito contra o feminismo

Entre os representantes enviados por Damares, estavam a coordenadora geral de proteção à criança e ao adolescente da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Alinne Duarte de Andrade Santana, e o coordenador geral da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, Wendel Benevides Matos, mais dois assessores, além do deputado estadual Lorenzo Pazolini (Republicanos).

Nas reuniões, se reuniram com os representantes de Damares os conselheiros tutelares Susi Dante Lucindo e Romilson Candeias. O juiz da Vara da Infância de São Mateus, Antonio Moreira Fernandes, e o promotor da Infância Fagnert Cristian Andrade também foram convidados, mas negaram participar dos encontros.

Segundo o Jornal, Alinne Duarte chegou a oferecer melhorias ao conselho tutelar da cidade, incluindo um “kit Renegade”, que é um Jeep Renegade e equipamentos de infraestrutura, ar-condicionado, computadores, refrigeradores, smart TVs, entre outras coisas. Cumprindo as instruções de Damares, Alinne ainda prometeu criar um segundo conselho tutelar na região.

Junto com Alinne, quatro mulheres, supostamente médicas do hospital de Jacareí, acompanhavam as reuniões sendo anunciadas como pessoas de confiança de Damares que dariam uma solução ao caso da menina. O hospital faria o pré-natal da criança.

Ainda, após o fracasso da proposta, o grupo teria partido para uma estratégia de intimidação, influenciando na negativa do Hospital de Vitória.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Coisas de quem se acha Dona da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos…
    deve ser por isso que foi criada, ou escolhida, por se apresentar completamente perdida no espaço dos direitos individuais e das garantias legais

    mas erro maior foi poder se organizar contra uma garantia legal, interferir diretamente e se multiplicar

  2. Existe criança mais bem “protegida” neste brasil do que as tuteladas pela damares?
    Acho que essa ministra, com perdão da má palavra, deve ter um puteiro infantil nos fundos do quintal.
    Vai gostar de pedofilia assim lá no inferno, que é o lugar que ela veio de deverá retornar.
    E olha que ela é “do bem”.
    Como seria se fosse do mal?
    Ela viu foi o satanás na goiabeira, só que ficou com vergonha de contar.
    Como uma sequela pode transformar uma pessoa na algoz de seu gênero fazendo com que todas sofram o que ela mesma passou.
    Talvez ela tenha canalizado seu trauma para busca do poder, e seu desejo de vingança contra todas as meninas, que ela odeia como a si mesma. Pode?
    Como é que um país sobrevive com tantos doentes mentais no governo?
    Ela e o sérgio camargo deveriam sair de mãos dadas pulando amarelinha.

  3. Faltou dizer o mais importante. Ela tentou impedir o cumprimento de decisão judicial, o que é crime de obstrução da justiça, sujeito a prisão. Já foi aberto o processo criminal contra ela?

  4. Se aqui não fosse a bozolândia:
    1 – esta sujeita estaria em cana, e não falando merda como “ministra” de bozo

    2 – além de cana, esta sujeita pagaria uma bela grana por expor terceiros a idiotas desocupados (como a sujeita) que vivem o dia inteiro no whatsapp e facebook.

    3 – uma sujeita como está estria internada e em tratamento, porque tem sérios problemas de comportamento, problemas psicológicos e problemas sociais. Uma pessoa doente, enfim

  5. Kit Cada Canalha Tem Um Preço.
    Religiosidade pra esconder um caso patológico.
    Tem que ir em cana ou ser internada?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome