Governo anula leilão para importar arroz depois de questionamentos sobre os vencedores

Um dos vencedores era uma loja de queijos, que alterou o capital social dias antes do pregão e não teria como honrar os contratos do Planalto

Crédito: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

O governo federal anunciou, nesta terça-feira (11), o cancelamento do leilão para a compra de arroz importado realizado na última quinta-feira (6), sob a alegação de que as empresas vencedoras não teriam capacidade técnica e financeira para honrar os contratos. 

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) arrematou, na última semana, 263 mil toneladas de arroz importado a fim de amenizar os impactos do preço do produto ao consumidor final diante da tragédia climática no Rio Grande do Sul, estado que responde por 70% de toda a produção nacional. 

“No decorrer desse leilão, que é muito complexo, as empresas são representadas por Bolsas de Mercadorias. E somente depois que o leilão é concluído, na hora da assinatura, é que a gente fica sabendo quem são as empresas vencedoras. A partir da revelação de quem são essas empresas, começaram os questionamentos se verdadeiramente essas empresas teriam capacidade técnica e financeira para honrar os compromissos de um volume expressivo de dinheiro público”, explicou Edegar Pretto, presidente da Conab. 

Entre os vencedores do leilão agora anulado estava a loja Queijo Minas, do Amapá, que aumentou o capital social de R$ 80 mil para R% 5 milhões dias antes do leilão.

“Nós vamos realizar outro, quem sabe em outros modelos, para garantir que nós vamos contratar empresas com capacidade. Não tinha como a gente depositar esse dinheiro público sem ter as reais garantias que esses contratos posteriores serão honrados”, pontuou o presidente da Conab.

Regras

De acordo com o Planalto, a Conab pode comprar até um milhão de toneladas de arroz, para atender às necessidades da população.

Mas, para tanto, o vencedor do leilão terá de comercializar o produto deve custar, no máximo, 4kg para a população. 

“O presidente Lula quer o arroz e os demais alimentos a um preço justo, que caiba no salário do povo brasileiro. Não haverá recuo dessa decisão. Tendo em vista que é necessário que o arroz chegue na mesa do povo brasileiro a um preço justo, nós vamos proceder com um novo leilão”, explicou o ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira.

LEIA TAMBÉM:

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Independentemente da catástrofe gaúcha, existe a necessidade do governo ter um estoque de arroz e outros produtos agrícolas para fins de regulação. Considerando-se que tal estoque está praticamente, zerado, torna-se imperativo que o governo providencie a compra, de preferência no mercado interno. Segundo o noticiário a disponiblidade no mercado nacional é sufiente para atendimento da demanda nacional, mas insuficiente para formar um estoque regulador. Não fosse a sanha daqueles que querem se aproveitar da tragédia sulina, para especular artificialmente com a elevação do preço do arroz, que já estava alta por conta da quebra de safra, não haveria necessidade de importação. A questão portanto, não é com os produtores de arroz, mas com os agro-atravessadores que só pensam em lucrar mais, mesmo que para tal, milhões de pessoas sejam prejudicadas. Como diz a propaganda, o agro é tech, é pop mas infelizmente também é tóxico.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador