Ministro de Lula anuncia fim do preço internacional dos combustíveis; Petrobras responde

Patricia Faermann
Jornalista, pós-graduada em Estudos Internacionais pela Universidade do Chile, repórter de Política, Justiça e América Latina do GGN há 10 anos.
[email protected]

Ministro de Minas e Energia chamou o PPI de "verdadeiro absurdo" e anunciou que apresentará o PCI, Preço de Competitividade Interno

Posto de combustível – Agência Brasil

A Petrobras passará a adotar preços de combustíveis compatíveis com o mercado interno e não mais com os preços de importação e internacionais. Em comunicado, a estatal afirmou que não recebeu nenhuma proposta do governo.

O anúncio foi feito pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, em declaração à GloboNews, nesta quarta (05), no qual classificou a atual política, de adotar o Preço por Paridade de Importação (PPI), como “um verdadeiro absurdo”.

“O tal PPI é um verdadeiro absurdo. Nós temos que ter o que eu tenho chamado de PCI, Preço de Competitividade Interno”, afirmou.

Com a decisão, que segundo o ministro deve começar a valer a partir do final de abril, com a próxima Assembleia Geral da estatal, o diesel sofrerá a principal redução nos preços, com cálculos de R$ 0,22 a R$ 0,25 a menos no preço do litro.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Posicionamento da Petrobras

Em resposta, após a declaração do ministro, a Petrobras emitiu um comunicado informando que não recebeu nenhuma proposta de colocar fim ao PPI.

“(…) quaisquer propostas de alteração da Política de Preços recebidas do acionista controlador serão comunicadas oportunamente ao mercado, e conduzidas pelos mecanismos habituais de governança interna da companhia”, diz a Petrobras.

Aos acionistas, a Petrobras disse, também, que ajustes de preços de combustíveis “são realizados no curso normal de seus negócios, em razão do contínuo monitoramento dos mercados, o que compreende, dentre outros procedimentos, a análise diária do comportamento de nossos preços relativamente às cotações internacionais.”

Visão do governo

A mudança na política de preços da Petrobras seria uma das principais medidas do governo Lula para diminuir o impacto da inflação e crises internacionais de petróleo no preço nacional.

Desde que assumiu, o ministro de Minas e Energia defendeu o preço do mercado nacional atrelado à competição interna, mas protegendo o consumidor da volatilidade internacional.

De acordo com Silveira, por ser uma estatal, a Petrobras é obrigada a cumprir “o que está nas Leis das Estatais e na Constituição Federal”, com a função de “criar um colchão de amortecimento nessas crises internacionais de preço dos combustíveis”.

“Isso vai resolver o problema definitivo quando a gente tiver uma crise internacional? Não. Não vamos iludir ninguém. Nós vamos estar sempre suscetíveis às questões da volatilidade internacional. Mas a Petrobras tem, sim, muito a contribuir com a questão social brasileira”, concluiu.

Patricia Faermann

Jornalista, pós-graduada em Estudos Internacionais pela Universidade do Chile, repórter de Política, Justiça e América Latina do GGN há 10 anos.

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Independenetmente da proposta,que vai na direção ao que o presidente Lula deseja,o anúncio feito pelo ministro e a informação prestada pela Petrobrás logo a seguir tiveram o mais puro caráter de especulação. Os papéis da companhia chegaram a cair mais de 4% para se recuperarem ao longo do dia. Um ganho de 4% em ações e,infinitos por cento em opções.
    Quem lucrou com isso?

  2. O que significa a sigla PPI? Será que é: PREÇO DA PATIFARIA INTERNACIONAL? Agora falando sério.Pelo que já acompanhei das discussões sobre o assunto, não faz sentido o consumidor pagar por um produto cuja matéria prima, o o Brasil é auto sufuciente e seu refino é cerca de 70% realizado no Brasil, sendo os demais 30% importados. Qualquer comerciante sabe que se a aquisição de uma dada quantide de produtos são adquiridos por preços diferentes, sem muito esforço mental, ele precisa fazer uma média dos valores pagos para chegar a um preço médio. Para que o PPI se justificasse, precisaria que o custo de importação fosse mais barato do que o produto local, mesmo assim, ddeveria se levar em consideração a questão do emprego e segurança nacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador