Se for uma reforminha, vou morar fora do Brasil?, por André Motta Araújo

A impressionante decadência do Brasil político, social e intelectual é um fenômeno para um curso completo de História. Como caímos tanto? Como vieram à tona tantos medíocres?

Foto: Agência Brasil

Fico imaginando Winston Churchill dizendo: “Se não aprovarem o que eu quero, vou embora para o Canadá e deixo Hitler tomar a Inglaterra.”

A frase de Paulo Guedes revela um espírito pequeno, alienado, destituído de qualquer grandeza, ao mesmo tempo informando que tem recursos para morar fora do Brasil, algo que supõe reservas em moeda estrangeira, coisa normal entre banqueiros de investimento.

Ao mesmo tempo demonstra um desprezo pelo Brasil e seu povo, atitude muito comum na pseudo elite que paira acima da miséria de 180 milhões que compõem o “povão” das periferias.

Pensar que foram entregues a essa criatura, sem qualquer experiência anterior de administração publica, vida política ou participação cívica ou cidadã, quatro ministérios – Fazenda, Desenvolvimento Industrial e Comércio, Planejamento e Trabalho e Emprego – mais a Petrobras, uma absurda concentração de poderes. Maiores do que tiveram personagens de calibre muito superior
como Roberto Campos, Delfim Neto, Mario Simonsen ou Oswaldo Aranha.

O que aconteceu com o Brasil, como pode retroceder tanto? Alguém com superpoderes dizer que o Congresso não pode contrariar sua vontade, quando o Congresso em qualquer Pais democrático pode simplesmente anular a vontade de um ministro, é de uma audácia misturada com mitomania própria de personagens que se creem divinos quando são apenas pequenos atores.

O Congresso é legítimo para simplesmente rejeitar a pretensão do ministro.

A LENDA DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

A reforma da Previdência não só é necessária como deve ser muito maior do que o projeto Guedes. Sobre os enormes ABUSOS ADQUIRIDOS de numerosas corporações parasitarias, o projeto apresenta uma mísera taxação sobre o último pedaço do último abuso.

Leia também:  Bolsonaro mexeu na PF do Rio por causa de inquérito sobre milicianos, diz jornal

Onde está o TETO máximo de uma aposentadoria e pensão para um beneficiário? Pelo CPF pode-se saber se um nobre da corte de Luis XV, que são certos “aposentados”, ganha mais, muito mais que o teto, é fácil saber.

Como o projeto Guedes trata o “aposentado” que também é “pensionista”, que recebe de várias fontes do Estado?

É aposentado de um órgão mas também é professor de universidade pública, a esposa morreu e era também alta funcionaria, depois tem um bônus de produtividade que se paga na ativa mas se transfere para o aposentado. Outros benefícios entram pela janela e ao fim passam longe do teto, TUDO DINHEIRO DO ESTADO? Onde a reforma da Previdência pega esse Duque da República?

Resposta, em lugar nenhum. Em vez de contribuir com 1.300 reais para a Previdência, vai contribuir com 1.900, isso é tudo para ACABAR COM OS PRIVILEGIOS.

Nos EUA, modelo só de coisa ruim e nada de coisa boa, o sentido d aposentadoria para o funcionário público é de lhe assegurar a
sobrevivência modesta, 2% por ano do salário que é muito baixo na
administração federal.

Quem ganha 5.000 dólares por mês, aposenta após 30 anos com 3.000 dólares e acabou, a tese é não deixá-lo morrer de fome.

Mas tampouco a reforma da Previdência é a redenção do Brasil e sua
falta não é o fim dos tempos. Tudo faz parte do jogo politico, vence
quem tem mais poder, é assim desde o faraó Ramsés II. As corporações com poder vão manter os privilégios porque não há força maior para retirá-los.

Leia também:  Elton Medeiros: um orgulho do samba do Brasil, por Eliete Negreiros

Quando foi submetida ao Congresso a complexa legislação do Plano Real, o então ministro Pedro Malan foi alvo de mega contestações na Câmara e no Senado.

Queriam destruí-lo, mas Malan jamais teve atitude dramática, foi sempre um gentleman frio como se requer de um ministro da Economia aqui ou na Suécia.

Eu sempre achei um horror o conjunto da política de Malan, especialmente o PROER, a liquidação dos bancos estaduais, a lenda do banco estrangeiro que iria “baixar os juros”, empurrando o BAMERINDUS para o HSBC (que já revendeu para o Bradesco). Foi, na minha visão, um mau ministro, mas em nível pessoal e político, um lorde inglês perto dos primitivos de hoje, elegante nas respostas, comedido nas afirmações, paciente com a mídia e com o Congresso.

A impressionante decadência do Brasil politico, social, intelectual em
relação ao Pais luminoso do pós-guerra é um fenômeno para um curso completo de História. Como caímos tanto? Como o mundo político e as alternativas foram tão rebaixadas? Como vieram à tona tantos medíocres?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

16 comentários

  1. Se houver curso de História no futuro para analisar isso. Sim, de uma vez todo o segundo terceiro e quarto escalão da política tomou conta do poder de fato do país. Mas tenho pra mim que isso sempre acontece – e não só aqui – quando a elite de um país larga o seu país de mão e deixa que homens da caverna ( melhor, como disse mestre Janio de Freitas, da caserna ) peguem a encrenca e façam o que quiserem – desde que mantenham os privilégios dessa elite miserável. Sem a complacência e/ou ajuda de gente de bem(s) como Setubal, Marinho e afins , por exemplo, Bolsonaro não chegaria ao poder ( aliás, não houve UM presidente da república eleito após 88 que não foi antes ‘aprovado’ pela elite. Sem a carta aos brasileiros de 2002 Lula e a declaração dele que o BNDES tinha que ajudar uma quebrada GloboNews a se recuperar ( globonews que foi uma das engrenagens principais pro ‘povo’ ir à rua pra derrubar Dilma ) , ele não teria ganho a eleição ) Foi o ocaso da elite alemã pós primeira guerra que permitiu que um pintor de quinta transformasse a Alemanha num dos regimes mais cruéis da face da terra. A elite brasileira outra viu que é muito mais fácil jogar no rentismo do que fazer um projeto de nação, algo que dá muito trabalho e exige o melhor de uma elite. Enfim, apertem os cintos – a elite menos miserável do país fugiu.

  2. “Como vieram à tona tantos medíocres”? Com o advento dessa extrema-direita bolsonarista a que Guedes pertence. É um sujeito que não tem nenhum compromisso com a realidade brasileira. É impressionante como alguém pode propor uma reforma em que a classe social pobre não é tema de debate.

  3. Ou o Brasil chuta esse senhor na marra, que vá para o exterior, pro raio que o parta, para o inferno onde lojistas merecem estar, ou o pais afunda levando o povo à miséria absoluta……
    Essa escumalha não conhece o povo, suas dores e sacrifícios diários, não merecem de nós nenhum respeito, ao contrário, são dignos de nosso desprezo e revolta….
    Esse cidadão não tem espírito público para ocupar o cargo que miseravelmente ganhou sem méritos…. é representante dos abutres que roubam a nação, sempre apoiados em lorotas espalhadas pela mídia assassina e corrupta.
    O povo não tem assistência médica, não tem educação, não tem segurança, não tem saneamento básico, não tem o que comer, mas isso não comove esses canalhas, querem abocanhar quase 70% do orçamento e que o povaréu se foda…….
    São canalhas e como canalhas devem ser tratados…..
    Por que não fazem uma.antologia de todas as promessas de economistas que serviram para ludibriar o povo brasileiro….
    Podem começar com a ideia daquele senhor que dizem ser muito sábio, qua qua qua…..que prometwu que, assim que o bolo crescesse, ia reparti-lo……o povo, nem as migalhas recebeu…..

  4. André Araújo, espírito pequeno é o seu, que neste espaço ataca as privatizações e na vida real foi grande beneficiado delas. Paulo Guedes poderia já estar no exterior, mas está aqui fazendo o que acredita ser correto, ao contrário de vc, que fala uma coisa e faz outra.

  5. “Como vieram à tona tantos medíocres?”
    Os reis, barões, duques e demais puxa-sacos civis militares e eclesiásticos do primeiro sempre mandaram no mundo.
    Mas como, numa época democrática?
    Os setores subalternos, amigos da rede globo, são bombardeados por diuturna intensa propaganda. Transformaram-se em “Somos todos Cunha” e agem contra os demais setores da sociedade e à favor dos interesses da classe dominante, da qual alguns até pensam que fazem parte. Por cima de ideologias e de nações. Compram os formadores de opinião e os líderes. Os que não se consegue comprar nem dobrar prendem e chantageiam.
    Plim plim, a gente se vê por aqui!

  6. Prezado André,
    Chegamos nesse ponto graças ao golpe. O golpe impetrado pela justiça. Justiça composta por basicamente quatro partes: a lava jato, acima de Deus; a justiça vinculada ao centrão; a justiça sem partido (pequeníssima); a justiça vinculada à maçonaria, que se mescla com todas as partes.
    Chegamos a este ponto graças aos anti-brasileiros, nessa categoria em primeiríssimo lugar temos os militares. Esse lugar é de honra de todos eles. O primeiro lugar na safadeza, na hipocrisia e no entreguismo. Exceções validam a regra. As forças armadas são uma fonte de podridão.
    Como o senhor vê: o povo está sozinho. Estamos largados, abandonados ao destino.
    E nesse lixão, nesse amontoado de esterco que se foi produzindo e juntando temos o atual governo.
    Moro, o conge, além do presidente Bozo e da tchutchuca Guedes. Este é o governo. Eleito o Bozo, com toda mídia empurrando ele pra cima de nós. Com direito a fake facada e tudo.
    Guedes tem três características básicas: operador de mercado, ladrão e psicopata Foi ele quem levou o Bozo aos americanos? Não sei, muitas vezes me parece que ele é quem negociou o apoio da trupe de Trump e bannon ao excrementissimo senhor presidente Bozo.
    Como disse, Guedes – ladrão que é- se pudesse colocava o Brasil no bolso e levava embora. Quer “rapelar” o país, como ele próprio bem disse: vamos vender até o planalto. Psicopata que é, não tem sentimentos: nem medo, nem escrúpulos, nem empatia, nada, nem por si mesmo. Mas as endorfinas explodem quando ele vê dinheiro. É incontrolável.
    Foi assim que chegamos aqui, caro André. Peço desculpas pela minha amargura e minha ironia, mas a elite colonial brasileira produziu esse buraco. Este “projeto” parecesse que vai em frente, com mourão, ou com “villas”, ou com outro preposto qualquer. O projeto que pode ser imaginado como entregar ao povo a pá com a qual cavaremos uma vala comum, destinada aos nossos corpos mortos. Em pouco tempo.

  7. Caro sr., o Brasil é um projeto de enorme sucesso. Quando nossas Elites não tiveram padrão de vida e sociedade semelhantes às americanas ou européias do pós-guerra? Como disse o Governador Cabral (filho do Cabral do Pasquim, que satirizava as mazelas e corrupções do Governo Militar), certos lugares do RJ tem padrões suíços. A Barra da Tijuca, por exemplo . O Rio de Janeiro é a Barra da Tijuca !!!! Afirma o tal Socialista, AntiCapitalista, Antimeritocracia,…Como afirmou Delfim Neto, JK pegou toda a Aposentadoria e Seguridade Social e enterrou em Brasília. Até então, que Aposentadorias precisavam ser pagas num processo que havia começado com GV? Gerações Futuras que se lasquem !!!!!! E ACM e seus pagamentos milionários revelados diariamente em JN e Fantásticos da vida? A culpa é da ‘Advogada de Porta de cadeia’ do subúrbio do subúrbio do RJ, Jorgina de Freitas. Quanto Poder !!!!! Os Fundos de Pensão e Seguridade Bilionários, que rendem misérias absurdas, sempre foram a MAMATA-MOR do Estado Brasileiro. Não é novidade de Guedes. Guedes é apenas mais um Iludido Tupiniquim. achando que descobriu o fogo. Guedes é o resultado aparente que surge na epiderme, de um cancro, uma metástase que é muito mais profundo e celular. Somos o resultado de enorme sucesso de uma Política Ditatorial, corporativista, fascista, esquerdopata (que o sr. mesmo escreveu há alguns dias). Como iremos Nos livrar de tamanho atraso? Descobriremos. Pobre país rico. Mas de muito, muito, muito, muito, fácil explicação. P.S. A tia de Bruno Covas, anticapitalista. antinepotismo, antidespotismo, dá a dica) abs.

  8. São varios fatores que permetiram que o “homem demasiadamente mediocre” chegasse ao primeiro plano. Os dois principais são:
    A educação de um povo deve manter uma grande massa dentro do minimo possivel de conhecimento e critica. Isso no Brasil decaiu demais. Meu filho poderia estar numa escola particular, mas optamos pela publica (falo de uma escola na França) e o programa, apesar de lacunas, é bem calibrado: tem poesia, tem literatura, tem artes plasticas, tem ateliês de fotografia e outras coisas, tem natação, tem viagens para lugares historicos ou na natureza, tem idas à museus todo mês, tem coral, tem aula de musica instrumental, além das disciplinas ditas normais. O primo dele, que vai no Brasil à uma escola particular de “alto gabarito” não tem metade disso, mas principalmente, muitas não promove o principal que é fazer pensar;

    Outro ponto alto na ascensão dos mediocres foi o fomento do antipetismo. Isso é evidente pelo numero alto de abstenções no segundo turno das eleições. Esses jornalista que cobram tanto autocritica do Lula e PT, deveriam fazer a deles. Fizeram acreditar ao Pais, por omissão, que Bolsonaro saberia governar o Pais.

  9. Ele nem deveria pensar em ficar, pois não vai causar saudades. Precisamos de homens nobres de amor por seu país. Ele, Moro, Bozo e a raça golpista podem irem o quanto mais rápido melhor.

  10. Paulo Guedes difere dos demais membros do governo porque é um fanfarrão. Os demais são bufões. A começar pelo bufão-mor Bolsonaro.
    Apesar de não ser perito no assunto, dado que cursei apenas dois anos e meio na Faculdade de Economia da UFC, desde o primeiro momento achei a escolha dele para ministro uma irresponsabilidade. Não só pela radicalidade, mas por transparecer não ter nenhum conhecimento da realidade do Brasil; enxergá-lo pelo prisma meramente acadêmico-ideológico.
    A leitura dos problemas e as proposituras para saná-los são anacrônicas; quando não, perniciosas. Não se pode, sob pena e risco de jogar o país num caos, dissociar os problemas e entraves econômicos dos seus correlatos que estão nas área social e política.
    É possível que a chantagem explícita que faz na qual ameaça abandonar não só o governo, mas o próprio país, já se configure como uma espécie de “seguro-desculpa” para o fracasso prenunciado.

  11. É a mediocridade mesmo André. Nem um compromisso com a nação, nenhum sentimento de compaixão com seu povo, aliás acho que ele nem deve se sentir brasileiro. Mas ele representa bem o que é a grande massa do Brasil de hoje: um país que ama o dinheiro, acima de tudo e de todos. Muitos na população acreditam que ainda serão ricos um dia. As loterias, as histórias das novelas com personagens que recebem fortunas, a herança histórica da subjugação, fazem com que os de baixo admirem os de cima: “Ainda serei como eles”. Como alguém pode ir contra o que admira? Como alguém pode ir contra aquilo, que acredita, um dia será beneficiado? É a busca, o sonho da riqueza que muitos sequer compreendem. A riqueza depende do conjunto de fatores dos quais uma nação necessita lançar mão para alcançar. Complexo demais para a maioria. A cultura de massa brasileira atual, é ingênua tosca caipira provinciana e, perversa em muitos casos. Por isto creio que caras como este e o seu chefe, mesmo destruindo o país inteiro, são admirados.

  12. Monarquista republicano: pelo codinome que usa já dá para saber que não tem caráter. As investigações das fraudes em fundos de pensão levam à Paulo Guedes. E você vem falar em coerência?

  13. ola amigos sou a favor de mudanças sim,
    mas não sou a favor de um ministro que ameaçam o povo brasileiro …senão aprova o que ele quer ele deixar o pais.,
    poxa se este cara fala isto é pq ele tá se lixando pra nosso povo
    ele que deixa e vai morar no quinto dos infernos pq precissamos de Brasileiros de fé e honestos

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome