Biden e o New Deal: um discurso histórico, por Luis Nassif

A velha luta de classes assumiu feições diferentes nas democracias ocidentais. Desde o pós-guerra há um movimento pendular entre dois atores: o grande capital financeiro e a cidadania. No meio fica a economia real, subdividida entre grandes grupos monopolistas globais e empresas nacionais de menor porte.

As políticas pró-mercado privilegiam desregulação total, livre fluxo de capitais, restrições a todo gasto que retorne para a população, desmonte das políticas públicas em saúde e educação – campos considerados preferenciais para o capital privado.

No pós-guerra, as políticas social-democratas propunham criação do chamado estado de bem-estar social, garantindo a universalização da saúde, da educação, previdência.

Desde o século 19, as grandes crises globais foram decorrência da radicalização do pêndulo em favor do capital financeiro. O livre fluxo de capitais impediu o desenvolvimento de países periféricos; a ausência de princípios básicos de direito ao trabalho criou multidões de desassistidos nas grandes metrópoles.

As grandes crises de fins do século 19 foram decorrência direta do predomínio absoluto do capital financeiro e da desregulação. Explodiram na 1a Guerra. Não se tiraram lições do conflito e sobreveio a segunda grande crise, de 1929.

O Ocidente foi salvo pelo New Deal, de Franklin Delano Roosevelt, com sua política de solidariedade nacional e de gastos públicos voltados para a geração de emprego e renda. A demora da Europa em perceber os novos tempos levou à derrocada da democracia e ao aparecimento de regimes totalitários e genocidas, como o nazismo e o fascismo.

Seguiu-se a 2a Guerra e, aí, seus ensinamentos frutificaram. Houve uma reorganização das instituições multilaterais e a definição de regras expressas para coibir os abusos do capital financeiro e a desestabilização das moedas nacionais.

O modelo acabou nos anos 70, com o advento da era Reagan, Thactcher, a desvinculação do dólar do padrão ouro. Seguiu-se uma enorme guerra ideológica, na qual os mercados cooptaram a academia para a legitimação de suas propostas. A idéia básica era a de que, dando vantagens totais aos grandes grupos, eles produziriam o desenvolvimento que beneficiaria o conjunto.

Longe vão os tempos em que Henry Ford sabia que a melhoria dos salários, inclusive de seus funcionários, era fundamental para fortalecer o mercado interno, permitindo vender mais carros.

O plano Biden

Dou essa imensa volta para comentar o discurso história de Joe Biden, ontem, anunciando os pontos centrais do que ele chama de reconstrução do país. É a reedição do New Deal de Roosevelt, medidas consistentes de apoio aos vulneráveis, apeloas à solidariedade nacional, o uso do conceito de disputa de Nação – com a China – como foram de unir os americanos.

São curiosos os desígnios da história. No Partido Democrata, Biden sempre estava no campo da direita. Ontem, foi acusado de ser mais “esquerdista” que a esquerda do partido. Joga-se na esquerda a pecha de desejar a melhoria da vida da população, a recuperação da economia e do emprego, a universalização de direitos básicos, o comprometimento do orçamento para temas sociais.

Com tais inimigos, se continuar no ritmo político atual Biden assegurará uma longa permanência dos democratas no poder.

Suas propostas incluem um pacote de ajuda econômica de US$ 1,9 trilhão, mais US$ 4 trilhões na construção da infraestrutura, dentro do conceito de economia verde. Haverá apoio a programas de assistência infantil, melhoria do salário mínimo.

Além das verbas, Biden propõe a recriação do chamado “sonho americano”, o conjunto de valores que sustentou o soft power americano – embora sempre acompanhado da diplçomacia das baionetas. Propôs um tratamento digno aos imigrantes, que vêm atrás do “sonho americano”, a defesa das mulheres, dos LGBTQ, das mudanças climáticas, implementação da justiça racial, entre outras teses civilizatóriuas.

Enquanto Paulo Guedes, em evento fechado, fazia a defesa da saúde privada, Biden pedia ao Congresso ações para reduzir os preços de medicamentos e expandir os benefícios do Medicare – o plano de saúde popular criado por Barack Obama.

Como financiar essas propostas? Com as soluções óbvias, antes politicamente inviáveis, hoje em dia cada vez mais próximas da concretização: tributação sobre grandes fortunas e ganhos financeiros,

A integra de um discurso histórico

Meus companheiros americanos.

Embora o cenário desta noite seja familiar, este encontro é muito diferente – uma lembrança dos tempos extraordinários em que vivemos. Ao longo de nossa história, presidentes vieram a esta câmara para falar ao Congresso, à nação e ao mundo. Para declarar guerra. Para celebrar a paz. Para anunciar novos planos e possibilidades.

Esta noite, venho falar sobre crise – e oportunidade. Sobre reconstruir nossa nação – e revitalizar nossa democracia. E ganhando o futuro para a América.

Enquanto estou aqui esta noite – apenas um dia antes do 100º dia de minha administração. 100 dias desde que fiz o juramento de posse, tirei minha mão da Bíblia de nossa família e herdei uma nação em crise: a pior pandemia em um século. A pior crise econômica desde a Grande Depressão. O pior ataque à nossa democracia desde a Guerra Civil.

Agora, depois de apenas 100 dias, posso relatar à nação: a América está em movimento novamente. Transformando o perigo em possibilidade. Crise em oportunidade. Recue em força.

A vida pode nos derrubar. Mas na América, nunca ficamos no chão. Na América, sempre nos levantamos. E hoje, é isso que estamos fazendo: a América está se erguendo novamente. Escolhendo a esperança ao invés do medo. Verdade sobre mentiras. Luz sobre escuridão.

Após 100 dias de resgate e renovação, a América está pronta para a decolagem. Estamos trabalhando novamente. Sonhando de novo. Descobrindo novamente. Liderando o mundo novamente. Nós mostramos uns aos outros e ao mundo: não há desistência na América. 100 dias atrás, a casa da América estava em chamas. Precisamos agir.

E graças à liderança extraordinária do presidente da Câmara Pelosi e do líder da maioria Schumer – e com o apoio esmagador do povo americano – democratas , independentes e republicanos – agimos.

Juntos – aprovamos o Plano de Resgate Americano – um dos pacotes de resgate mais importantes da história americana. Já estamos vendo os resultados.

Depois que prometi 100 milhões de vacinas COVID-19 em 100 dias – teremos fornecido mais de 220 milhões de vacinas COVID em 100 dias. Estamos organizando todos os recursos federais. Fornecemos a vacina a quase 40.000 farmácias e mais de 700 centros de saúde comunitários.

Estamos montando locais de vacinação comunitários e implantando unidades móveis em áreas de difícil acesso. Hoje, 90% dos americanos vivem a menos de 5 milhas de um local de vacinação. Todos com mais de 16 anos, todos – agora são elegíveis e podem ser vacinados imediatamente. Portanto, vacine-se agora.

Quando fiz o juramento, menos de 1 por cento dos idosos estavam totalmente vacinados contra COVID-19. 100 dias depois, quase 70% dos idosos estão totalmente protegidos. Mortes de idosos por COVID-19 caíram 80 por cento desde janeiro. 80 por cento abaixo. E, mais da metade de todos os adultos na América já tiveram pelo menos uma chance.

Em um centro de vacinação em massa em Glendale, Arizona, perguntei a uma enfermeira como é. Ela olhou e disse que cada tiro parecia uma dose de esperança. Uma dose de esperança para o educador da Flórida que tem um filho que sofre de uma doença autoimune. Ela me escreveu dizendo que estava preocupada em trazer o vírus para casa. Quando ela foi vacinada, ela sentou em seu carro e apenas chorou. Gritou de alegria, gritou de alívio.

Os pais estão vendo sorrisos nos rostos de seus filhos quando eles voltam para a escola porque os professores, motoristas de ônibus escolares e funcionários do refeitório foram vacinados. Avós abraçando seus filhos e netos em vez de pressionar as mãos contra a janela para se despedir. Significa tudo para os dois.

Ainda há mais trabalho a fazer para vencer esse vírus. Não podemos baixar a guarda agora.

Mas esta noite, posso dizer por causa de você – o povo americano – nosso progresso nestes últimos 100 dias contra uma das piores pandemias da história é uma das maiores conquistas logísticas que nosso país já viu.

O que mais fizemos nos primeiros 100 dias? Mantivemos nosso compromisso e estamos enviando cheques de resgate de $ 1.400 para 85% de todas as residências americanas. Já enviamos mais de 160 milhões de cheques. Está fazendo a diferença. Para muitas pessoas, está fazendo toda a diferença no mundo.

Uma mãe solteira no Texas escreveu para mim. Ela disse que quando ela não pôde trabalhar, este cheque de alívio colocou comida na mesa e salvou ela e seu filho do despejo. Uma avó na Virgínia me disse que levou imediatamente a neta ao oftalmologista – algo que ela adiou por meses porque não tinha dinheiro.

Uma das imagens definidoras dessa crise foram os carros enfileirados por quilômetros esperando que uma caixa de comida fosse colocada no porta-malas. Você já pensou que veria isso na América?

É por isso que o Plano de Resgate Americano está entregando assistência alimentar e nutricional a milhões de americanos que enfrentam a fome – e a fome já caiu drasticamente.

Também oferecemos assistência para aluguel para evitar que as pessoas sejam despejadas de suas casas. Conceder empréstimos para manter as pequenas empresas abertas e seus funcionários trabalhando.

Durante esses 100 dias, 800.000 americanos adicionais se inscreveram no Affordable Care Act porque estabeleci um período especial de inscrição para isso. Estamos fazendo um dos maiores investimentos de uma só vez na melhoria dos cuidados de saúde para veteranos. Investimentos críticos para enfrentar a crise dos opióides.

E, talvez o mais importante, graças ao Plano de Resgate Americano, estamos no caminho certo para reduzir a pobreza infantil na América pela metade este ano. Nesse processo, a economia criou mais de 1,3 milhão de novos empregos em 100 dias. Mais novos empregos nos primeiros 100 dias do que qualquer presidente registrado.

O Fundo Monetário Internacional agora estima que nossa economia crescerá a uma taxa de mais de 6% este ano. Esse será o ritmo de crescimento econômico mais rápido neste país em quase quatro décadas.

A América está se movendo. Seguindo em frente. E não podemos parar agora. Estamos em uma competição com a China e outros países para vencer o século 21. Temos que fazer mais do que apenas reconstruir. Temos que reconstruir melhor.

Ao longo de nossa história, investimentos públicos e infraestrutura transformaram a América. A ferrovia transcontinental e as rodovias interestaduais uniram dois oceanos e nos trouxeram a uma era de progresso totalmente nova. A ajuda universitária para escolas públicas e faculdades abriu as portas da oportunidade.

Avanços científicos nos levaram à Lua e agora a Marte, descobriram vacinas e nos deram a Internet e muito mais. Esses são os investimentos que fazemos juntos, como um país, e que só o governo pode fazer. Vez após vez, eles nos impulsionam para o futuro.

É por isso que propus o The American Jobs Plan, um investimento que ocorre uma vez em uma geração na própria América, o maior plano de empregos desde a Segunda Guerra Mundial. Ele cria empregos para atualizar nossa infraestrutura de transporte. Trabalhos de modernização de estradas, pontes e rodovias. Empregos na construção de portos e aeroportos, corredores ferroviários e linhas de trânsito. É água limpa.

Hoje, até 10 milhões de lares e mais de 400.000 escolas e creches têm canos com chumbo, inclusive para água potável. Um perigo claro e presente para a saúde de nossos filhos.

O Plano de Emprego Americano cria empregos que substituem 100 por cento dos canos de chumbo e linhas de serviço do país para que todos os americanos possam abrir a torneira e ter certeza de beber água limpa.

Ela cria empregos que conectam todos os americanos à Internet de alta velocidade, incluindo 35% dos americanos da zona rural que ainda não a têm. Isso ajudará nossos filhos e empresas a ter sucesso na economia do século XXI. E estou pedindo ao vice-presidente que ajude a liderar esse esforço.

Ele cria empregos através da construção de uma rede elétrica moderna. Nossas grades são vulneráveis a tempestades, hacks e falhas catastróficas com resultados trágicos, como vimos no Texas e em outros lugares durante as tempestades de inverno. O Plano de Emprego Americano criará empregos para instalar milhares de quilômetros de linhas de transmissão necessárias para construir uma rede resistente e totalmente limpa.

O Plano de Emprego Americano ajudará milhões de pessoas a retomar seus empregos e suas carreiras. 2 milhões de mulheres abandonaram o mercado de trabalho durante esta pandemia, com muita frequência porque não conseguiram os cuidados de que precisam para suas famílias e filhos.

800.000 famílias estão em uma lista de espera do Medicaid agora para obter cuidados domiciliares para seus pais idosos ou ente querido com deficiência. Este plano ajudará essas famílias e criará empregos para nossos cuidadores com melhores salários e melhores benefícios.

Por muito tempo, deixamos de usar a palavra mais importante quando se trata de enfrentar a crise climática. Empregos. Empregos. Para mim, quando penso em mudanças climáticas, penso em empregos.

O Plano de Emprego Americano colocará engenheiros e trabalhadores da construção civil para trabalhar na construção de edifícios e residências com maior eficiência energética. Eletricistas instalando 500.000 estações de recarga ao longo de nossas rodovias. Agricultores plantando safras de cobertura, para que possam reduzir o dióxido de carbono no ar e serem pagos por isso.

Não há razão para que as pás para turbinas eólicas não possam ser construídas em Pittsburgh em vez de Pequim. Não há razão para que os trabalhadores americanos não possam liderar o mundo na produção de veículos elétricos e baterias.

O Plano de Emprego Americano criará milhões de empregos bem remunerados, empregos nos quais os americanos podem sustentar suas famílias. E todos os investimentos do American Jobs Plan serão guiados por um princípio: “Buy American”. Os dólares dos impostos americanos serão usados para comprar produtos americanos feitos na América que criem empregos americanos – do jeito que deveria ser.

Bem, sei que alguns de vocês em casa estão se perguntando se esses empregos são para vocês. Você se sente deixado para trás e esquecido em uma economia que está mudando rapidamente. Deixe-me falar diretamente com você.

Especialistas independentes estimam que o Plano de Emprego Americano adicionará milhões de empregos e trilhões de dólares em crescimento econômico nos próximos anos. São trabalhos bem remunerados que não podem ser terceirizados. Quase 90 por cento dos empregos de infraestrutura criados no American Jobs Plan não exigem um diploma universitário. 75 por cento não exigem um diploma de associado.

O Plano de Emprego Americano é um projeto de colarinho azul para construir a América e reconhece algo que eu sempre disse: Wall Street não construiu este país. A classe média construiu este país. E os sindicatos constroem a classe média.

E é por isso que estou convocando o Congresso a aprovar a Lei de Proteção ao Direito de Organizar, a Lei PRO, e enviá-la à minha mesa para apoiar o direito de sindicalização.

Já agora, vamos passar também o salário mínimo de $ 15. Ninguém deve trabalhar 40 horas por semana e ainda viver abaixo da linha da pobreza. E precisamos garantir maior equidade e oportunidade para as mulheres. Vamos levar o Paycheck Fairness Act para minha mesa por um pagamento igual. Já passou da hora.

Finalmente, o Plano de Emprego Americano será o maior aumento em pesquisa e desenvolvimento não relacionado à defesa já registrado. Veremos mais mudanças tecnológicas nos próximos 10 anos do que vimos nos últimos 50 anos. E estamos ficando para trás nessa competição.

Décadas atrás, costumávamos investir 2% de nosso PIB em pesquisa e desenvolvimento. Hoje, gastamos menos de 1 por cento. A China e outros países estão se aproximando rapidamente.

Precisamos desenvolver e dominar os produtos e tecnologias do futuro: baterias avançadas, biotecnologia, chips de computador e energia limpa.

O Departamento de Defesa tem uma agência chamada DARPA, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa, que está lá para desenvolver avanços para melhorar nossa segurança nacional que levaram à internet e GPS e muito mais.

O National Institutes of Health, o NIH, deve criar uma Agência de Projetos de Pesquisa Avançada para a saúde, para desenvolver avanços: prevenir, detectar e tratar doenças como Alzheimer, diabetes e câncer.

Isso é pessoal para muitos de nós. Não consigo pensar em nenhum investimento mais digno. E não conheço nada mais bipartidário. Vamos acabar com o câncer como o conhecemos. Está ao nosso alcance

Os investimentos em empregos e infraestrutura como os de que estamos falando costumam ter apoio bipartidário. O vice-presidente Harris e eu nos encontramos regularmente no Salão Oval com democratas e republicanos para discutir o Plano de Emprego Americano. E eu aplaudo um grupo de senadores republicanos que acabaram de apresentar sua proposta.

Então, vamos trabalhar. Aceitamos ideias.

Mas, o resto do mundo não está esperando por nós. Não fazer nada não é uma opção. Não podemos estar tão ocupados competindo uns com os outros a ponto de esquecer que a competição é com o resto do mundo para vencer o século XXI. Para vencer essa competição pelo futuro, também precisamos fazer um investimento único em nossas famílias – em nossos filhos.

É por isso que estou apresentando o Plano de Famílias Americanas esta noite, que aborda quatro dos maiores desafios que as famílias americanas enfrentam hoje. Primeiro, acesso a uma boa educação. Quando esta nação tornou 12 anos de educação pública universal no século passado, ela nos tornou a nação mais bem preparada e educada do mundo.

Mas o mundo está se recuperando. Eles não estão esperando. 12 anos não é mais suficiente hoje para competir no século XXI. É por isso que o Plano de Famílias Americanas garante quatro anos adicionais de educação pública para todas as pessoas na América, começando o mais cedo possível.

Nós adicionamos dois anos de pré-escola universal de alta qualidade para cada criança de 3 e 4 anos na América. A pesquisa mostra que, quando uma criança vai para a escola, não para a creche, é muito mais provável que ela termine o segundo grau e prossiga para a faculdade.

E então adicionamos dois anos de faculdade comunitária gratuita. E aumentaremos o Pell Grants e o investimento em faculdades e universidades historicamente negras, faculdades tribais e instituições que atendem a minorias.

Jill é uma professora de uma faculdade comunitária que hoje leciona como primeira-dama. Há muito ela diz que qualquer país que nos supere nos superará nos competirá e ela estará liderando esse esforço.

Em segundo lugar, o plano American Families fornecerá acesso a creches de qualidade a preços acessíveis.

Garantimos que as famílias de baixa e média renda não pagarão mais do que 7% de sua renda por cuidados de alta qualidade para crianças de até 5 anos de idade. As famílias que trabalham com mais dificuldades não precisarão gastar um centavo.

Terceiro, o Plano de Famílias Americanas finalmente fornecerá até 12 semanas de licença familiar e médica remunerada. Ninguém deve ter que escolher entre trabalho e salário ou cuidar de si mesmo e de um ente querido, pai, cônjuge ou filho.

E quarto, o Plano de Famílias Americanas coloca dinheiro diretamente no bolso de milhões de famílias. Em março, expandimos o crédito fiscal para cada criança em uma família, até US $ 3.000 para crianças com mais de 6 anos e US $ 3.600 para crianças menores de 6 anos. Com dois pais e duas crianças, isso representa até US $ 7.200 no bolso para ajudar a cuidar de sua família.

Isso ajudará mais de 65 milhões de crianças e ajudará a reduzir a pobreza infantil pela metade neste ano. Juntos, vamos estender o crédito tributário infantil pelo menos até o final de 2025.

O American Rescue Plan reduziu os prêmios de saúde para 9 milhões de americanos que compraram sua cobertura sob o Affordable Care Act. Vamos tornar essa provisão permanente para que seus prêmios não voltem a subir.

Além de meu Plano de Família, vou trabalhar com o Congresso para abordar, este ano, outras prioridades críticas para as famílias da América.

O Affordable Care Act tem sido uma tábua de salvação para milhões de americanos – protegendo as pessoas com doenças pré-existentes, protegendo a saúde das mulheres, e a pandemia demonstrou o quanto é necessária.

Vamos reduzir as franquias para famílias trabalhadoras no Affordable Care Act, e vamos reduzir os custos de medicamentos prescritos. Todos nós sabemos como eles são escandalosamente caros. Na verdade, pagamos os preços de medicamentos prescritos mais altos do mundo bem aqui na América, quase três vezes mais do que outros países. Podemos mudar isso.

Vamos fazer o que sempre conversamos. Vamos dar ao Medicare o poder de economizar centenas de bilhões de dólares negociando preços mais baixos para medicamentos prescritos. Isso não ajudará apenas as pessoas que usam o Medicare – reduzirá os custos de medicamentos prescritos para todos.

O dinheiro que economizamos pode ser usado para fortalecer o Affordable Care Act, expandir a cobertura e os benefícios do Medicare, sem custar um centavo adicional aos contribuintes.

Já conversamos sobre isso por muito tempo, democratas e republicanos. Vamos terminar este ano. Tudo se resume a uma premissa simples: a assistência médica deve ser um direito, não um privilégio na América.

Então, como pagamos meus Planos de Emprego e Família? Deixei claro que podemos fazer isso sem aumentar os déficits.

Vamos começar com o que não vou fazer.

Não vou impor nenhum aumento de impostos às pessoas que ganham menos de US $ 400.000 por ano. É hora de a América corporativa e o 1% mais rico dos americanos pagarem sua parte justa. Basta pagar sua parte justa.

Um estudo recente mostra que 55 das maiores corporações do país pagaram zero em imposto de renda federal no ano passado. Sem impostos federais sobre mais de US $ 40 bilhões em lucros. Muitas empresas sonegam impostos por meio de paraísos fiscais, da Suíça às Bermudas e às Ilhas Cayman. E eles se beneficiam de brechas fiscais e deduções que permitem o offshoring de empregos e a transferência de lucros para o exterior. Isso não está certo.

Vamos reformar os impostos corporativos para que paguem sua parte justa e ajudem a pagar os investimentos públicos dos quais seus negócios se beneficiarão.

E vamos recompensar o trabalho, não a riqueza. Consideramos a faixa tributária superior para o 1% mais rico dos americanos – aqueles que ganham US $ 400.000 ou mais – de volta para 39,6%. É onde estava quando George W. Bush se tornou presidente.

Vamos nos livrar das brechas que permitem que os americanos que ganham mais de US $ 1 milhão por ano paguem uma taxa mais baixa sobre seus ganhos de capital do que os trabalhadores americanos pagam por seu trabalho. Isso afetará apenas três décimos de 1 por cento de todos os americanos.

E o IRS vai reprimir milionários e bilionários que trapaceiam em seus impostos. Isso é estimado em bilhões de dólares. Olha, não pretendo punir ninguém, mas não vou aumentar a carga tributária da classe média desse país. Eles já estão pagando o suficiente.

O que propus é justo. É fiscalmente responsável. Ele aumenta a receita para pagar os planos que propus que irão criar milhões de empregos e fazer a economia crescer.

Quando você ouvir alguém dizer que não deseja aumentar os impostos sobre o 1% mais rico e sobre a América corporativa, pergunte a eles: De quem você vai aumentar os impostos e de quem vai cortar?

Veja o grande corte de impostos em 2017. Era para se pagar por si mesmo e gerar um grande crescimento econômico. Em vez disso, acrescentou US $ 2 trilhões ao déficit. Foi uma grande sorte inesperada para a América corporativa e para aqueles que estão no topo.

Em vez de usar a economia de impostos para aumentar salários e investir em pesquisa e desenvolvimento – ela despejou bilhões de dólares nos bolsos dos CEOs. Na verdade, a disparidade salarial entre CEOs e seus funcionários está entre as maiores da história. De acordo com um estudo, os CEOs ganham 320 vezes o que seus trabalhadores médios ganham.

A pandemia só piorou as coisas. 20 milhões de americanos perderam seus empregos na pandemia: americanos de classe trabalhadora e média. Ao mesmo tempo, os cerca de 650 bilionários da América viram seu patrimônio líquido aumentar em mais de US $ 1 trilhão.

Deixe-me dizer isso de novo. Apenas 650 pessoas aumentaram sua riqueza em mais de US $ 1 trilhão durante esta pandemia. Eles agora valem mais de US $ 4 trilhões.

Meus compatriotas americanos, a economia de gotejamento nunca funcionou. É hora de fazer a economia crescer de baixo para cima e de meio para fora. Um amplo consenso de economistas – esquerda, direita, centro – concorda que o que estou propondo ajudará a criar milhões de empregos e gerar crescimento econômico histórico.

Estes estão entre os investimentos de maior valor que podemos fazer como nação.

Sempre digo que nossa maior força é o poder de nosso exemplo, não apenas o exemplo de nosso poder. E em minhas conversas com líderes mundiais, muitos que conheço há muito tempo, o comentário que ouço com mais frequência é: Vemos que a América está de volta, mas por quanto tempo?

Meus companheiros americanos, temos que mostrar não apenas que estamos de volta, mas que viemos para ficar. E que não vamos sozinhos, vamos liderar com nossos aliados.

Nenhuma nação pode lidar com todas as crises do nosso tempo sozinha – do terrorismo à proliferação nuclear à migração em massa, segurança cibernética, mudança climática – e como estamos experimentando agora, pandemias. Não há parede alta o suficiente para manter qualquer vírus afastado.

À medida que nosso suprimento de vacinas aumenta para atender às nossas necessidades – e nós as estamos atendendo – nos tornaremos um arsenal de vacinas para outros países, assim como os Estados Unidos foram o arsenal da democracia na 2ª Guerra Mundial.

A crise climática também não é nossa luta sozinha. É uma luta global.

Os Estados Unidos respondem por menos de 15% das emissões de carbono. O resto do mundo responde por 85%. É por isso que mantive meu compromisso de voltar a aderir ao Acordo do Clima de Paris no meu primeiro dia de mandato.

E mantive meu compromisso de convocar uma cúpula do clima bem aqui na América, com todas as principais economias do mundo – da China e Rússia à Índia e a União Europeia – em meus primeiros 100 dias. Queria que o mundo visse que há consenso de que estamos em um ponto de inflexão na história.

E o consenso é que, se agirmos, podemos salvar o planeta e criar milhões de empregos, crescimento econômico e oportunidade de elevar o padrão de vida de todas as pessoas do mundo.

Os investimentos que propus esta noite também promovem uma política externa que beneficia a classe média.

Isso significa garantir que todas as nações sigam as mesmas regras na economia global, incluindo a China. Em minha conversa com o presidente Xi, disse-lhe que saudamos a competição – e que não estamos procurando conflito.

Mas deixei absolutamente claro que defenderei os interesses americanos de maneira geral. Os Estados Unidos enfrentarão práticas comerciais injustas que prejudicam os trabalhadores e as indústrias americanas, como subsídios para empresas estatais e o roubo de tecnologias e propriedade intelectual americanas.

Também disse ao presidente Xi que manteremos uma forte presença militar no Indo-Pacífico, assim como fazemos com a OTAN na Europa – não para iniciar o conflito, mas para prevenir o conflito.

E eu disse a ele o que disse a muitos líderes mundiais que a América não vai desistir de nosso compromisso com os direitos humanos e as liberdades fundamentais. Nenhum presidente americano responsável pode permanecer em silêncio quando os direitos humanos básicos são violados. Um presidente tem que representar a essência do nosso país.

A América é uma ideia única no mundo. Somos todos criados iguais. É quem nós somos. Não podemos fugir desse princípio.

Com relação à Rússia, deixei bem claro ao presidente Putin que, embora não busquemos uma escalada, suas ações têm consequências. Respondi de forma direta e proporcional à interferência da Rússia em nossas eleições e aos ataques cibernéticos contra nosso governo e empresas – e eles fizeram as duas coisas e eu respondi.

Mas também podemos cooperar quando for do nosso interesse mútuo, como fizemos quando estendemos o Novo Tratado START sobre armas nucleares e como estamos trabalhando para fazer na crise climática.

Sobre os programas nucleares do Irã e da Coréia do Norte que representam uma séria ameaça à segurança da América e do mundo. Estaremos trabalhando em estreita colaboração com nossos aliados para enfrentar as ameaças representadas por esses dois países por meio da diplomacia e da severa dissuasão.

E a liderança americana significa acabar com a guerra eterna no Afeganistão. Temos a maior força de combate da história do mundo. E sou o primeiro presidente em 40 anos que sabe o que significa ter um filho servindo em uma zona de guerra.

Hoje, temos membros em serviço servindo na mesma guerra que seus pais serviam. Temos militares no Afeganistão que ainda não nasceram em 11 de setembro. A guerra no Afeganistão nunca foi pensada para ser um empreendimento multigeracional de construção nacional.

Fomos ao Afeganistão para pegar os terroristas que nos atacaram em 11 de setembro. Fizemos justiça a Osama Bin Laden e degradamos a ameaça terrorista da Al Qaeda no Afeganistão. Após 20 anos de valor e sacrifício americanos, é hora de trazer nossas tropas para casa.

Mesmo ao fazermos isso, manteremos uma capacidade além do horizonte de suprimir futuras ameaças à pátria. Mas não se engane: a ameaça terrorista evoluiu para além do Afeganistão desde 2001 e continuaremos vigilantes contra ameaças aos Estados Unidos, de onde quer que venham.

Al Qaeda e ISIS estão no Iêmen, Síria, Somália e outros lugares na África e no Oriente Médio e além. E não vamos ignorar o que nossas próprias agências de inteligência determinaram – a ameaça terrorista mais letal à pátria hoje é o terrorismo de supremacia branca.

E meus companheiros americanos, devemos nos unir para curar a alma desta nação.

Quase um ano atrás, antes do funeral de seu pai, conversei com Gianna Floyd, a filha mais nova de George Floyd . Quando me ajoelhei para falar com ela para que pudéssemos conversar cara a cara, ela me disse: “Papai mudou o mundo”.

Após a condenação do assassino de George Floyd, podemos ver como ela estava certa – se tivermos coragem de agir. Todos nós vimos o joelho da injustiça no pescoço da América Negra. Agora é nossa oportunidade de fazer um progresso real.

A maioria dos homens e mulheres uniformizados usa seu distintivo e serve suas comunidades com honra. Eu conheço-os. Eu sei que eles querem ajudar a enfrentar este momento também.

Meus compatriotas americanos, temos que nos unir: para reconstruir a confiança entre a aplicação da lei e as pessoas a quem servem, para erradicar o racismo sistêmico em nosso sistema de justiça criminal e para decretar uma reforma policial em nome de George Floyd que já foi aprovada pela Câmara.

Eu sei que os republicanos têm suas próprias ideias e estão envolvidos em discussões produtivas com os democratas. Precisamos trabalhar juntos para chegar a um consenso. Vamos fazer isso no mês que vem, no primeiro aniversário da morte de George Floy d.

O país apóia essa reforma. O Congresso deve agir. Temos uma oportunidade gigantesca de nos curvarmos ao arco do universo moral em direção à justiça – a justiça real.

E com os planos que delineei esta noite, temos uma chance real de erradicar o racismo sistêmico que assola a vida americana de muitas outras maneiras. Uma chance de entregar patrimônio real: bons empregos e boas escolas, moradia acessível, ar puro e água limpa, ser capaz de gerar riqueza e passá-la de geração a geração – oportunidades reais na vida de mais americanos: negros, brancos, latinos, asiáticos Americano, nativo americano.

Também quero agradecer ao Senado por votar 94-1 para aprovar a Lei de Crimes de Ódio COVID-19 para proteger os asiáticos-americanos e as ilhas do Pacífico dos crimes de ódio cruéis que vimos no ano passado e por muito tempo. Exorto a Câmara a fazer o mesmo e enviar essa legislação para a minha mesa o mais rápido possível.

Eu também espero que o Congresso possa chegar à minha mesa a Lei da Igualdade para proteger os direitos dos americanos LGBTQ. A todos os transexuais americanos que assistem em casa, especialmente os jovens que são tão corajosos, quero que saibam que seu presidente está protegendo você.

E outra coisa: vamos reautorizar a Lei da Violência Contra a Mulher, que é lei neste país há 27 anos desde que a escrevi.

Isso fechará a chamada brecha do “namorado” para manter as armas longe das mãos dos agressores. Estima-se que mais de 50 mulheres são baleadas e mortas por um parceiro íntimo – todos os meses na América. Passe e salve vidas.

E não preciso dizer isso a ninguém, mas a violência armada é uma epidemia na América.

Nossa bandeira na Casa Branca ainda estava hasteada a meio mastro pelas oito vítimas do tiroteio em massa na Geórgia, quando mais 10 vidas foram mortas em um tiroteio em massa no Colorado. Na semana entre esses tiroteios em massa, mais de 250 outros americanos foram mortos a tiros. 250 mortos a tiros.

Eu sei como é difícil progredir nessa questão.

Na década de 1990, passamos por verificações universais de antecedentes e proibimos armas de assalto e cartuchos de alta capacidade com 100 tiros que podem ser disparados em segundos. Vencemos o NRA . Os tiroteios em massa e a violência armada diminuíram.

Mas no início dos anos 2000, essa lei expirou e temos visto o derramamento de sangue diário desde então.

Mais de duas semanas atrás, no Rose Garden, cercado por algumas das pessoas mais corajosas que conheço – os sobreviventes e famílias que perderam entes queridos devido à violência armada – eu apresentei várias medidas que o Departamento de Justiça está tomando para acabar com esta epidemia.

Um deles está proibindo as chamadas “armas fantasmas”. São armas caseiras construídas a partir de um kit que inclui as instruções de como finalizar a arma. As peças não têm números de série, portanto, quando aparecem na cena do crime, não podem ser rastreadas.

Os compradores de kits de armas fantasmas não precisam passar por uma verificação de antecedentes. Qualquer pessoa, de criminoso a terrorista, pode comprar esse kit e, em apenas 30 minutos, montar uma arma letal.

Mas não mais.

Farei tudo ao meu alcance para proteger o povo americano desta epidemia de violência armada. Mas é hora de o Congresso agir também.

Precisamos de mais republicanos do Senado para se juntar à esmagadora maioria de seus colegas democratas e fechar brechas e exigir verificações de antecedentes para comprar uma arma.

E precisamos proibir novamente as armas de assalto e os carregadores de alta capacidade. Não me diga que não pode ser feito. Já fizemos isso antes … e funcionou.

Fale com os proprietários de armas mais responsáveis, a maioria dos caçadores – eles dirão que não há justificativa possível para ter 100 tiros, 100 balas, em uma arma. Eles dirão que há muitas pessoas hoje que podem comprar uma arma, mas não deveriam.

Esses tipos de reformas razoáveis têm o apoio esmagador do povo americano, incluindo muitos proprietários de armas. O país apóia a reforma e o Congresso deve agir. Isso não deve ser um problema de Vermelho vs. Azul. É uma questão americana.

E aqui está o que mais podemos fazer: a imigração sempre foi essencial para a América. Vamos acabar com nossa exaustiva guerra pela imigração.

Por mais de 30 anos, os políticos falaram sobre a reforma da imigração e nada fizeram a respeito. É hora de consertar.

No primeiro dia de minha presidência, mantive meu compromisso e enviei um projeto de lei de imigração abrangente ao Congresso. Se você acredita que precisamos de uma fronteira segura, passe por ela. Se você acredita em um caminho para a cidadania – passe-o. Se você realmente quiser resolver o problema, enviei uma conta – agora passe.

Também temos que chegar à raiz do problema de por que as pessoas estão fugindo para nossa fronteira sul da Guatemala, Honduras, El Salvador: a violência, a corrupção, as gangues, a instabilidade política, a fome, os furacões, os terremotos.

Quando eu era vice-presidente, concentrei-me em fornecer a ajuda necessária para lidar com essas causas profundas da migração. Ajudou a manter as pessoas em seus próprios países, em vez de serem forçadas a partir. Nosso plano funcionou, mas o último governo o fechou.

Estou restaurando o programa e pedi ao vice-presidente Harris para liderar nossos esforços diplomáticos. Tenho absoluta confiança de que ela fará o trabalho. Agora, se o Congresso não aprovar meu plano, vamos pelo menos aprovar o que concordamos.

O Congresso precisa aprovar uma legislação este ano para finalmente garantir proteção para os Sonhadores, os jovens que só conheceram a América como seu lar, e proteções permanentes para imigrantes com status de proteção temporária que vêm de países assolados por violência humana e natural e desastre, bem como um caminho de cidadania para os trabalhadores rurais que colocam comida em nossa mesa.

Os imigrantes fizeram muito pela América durante a pandemia – como fizeram ao longo de nossa história. O país apóia a reforma da imigração. O Congresso deve agir.

E se quisermos realmente restaurar a alma da América – precisamos proteger o sagrado direito de voto. Mais pessoas votaram na última eleição presidencial do que nunca em nossa história, em meio a uma das piores pandemias de todos os tempos.

Isso deve ser comemorado. Em vez disso, está sendo atacado. O Congresso deveria aprovar o HR 1 e a Lei de Direitos de Voto John Lewis e enviá-los à minha mesa imediatamente. O país apóia. O Congresso deve agir.

Enquanto nos reunimos aqui esta noite, as imagens de uma multidão violenta atacando este Capitol, profanando nossa democracia, permanecem vivas em nossas mentes. Vidas foram colocadas em risco. Vidas foram perdidas. Uma coragem extraordinária foi convocada. A insurreição foi uma crise existencial – um teste para saber se nossa democracia poderia sobreviver.

Sim, sim.

Mas a luta está longe de terminar. A questão de saber se nossa democracia vai durar muito é antiga e urgente, tão antiga quanto nossa República – ainda vital hoje.

Nossa democracia pode cumprir sua promessa de que todos nós, criados iguais à imagem de Deus, temos a chance de levar uma vida com dignidade, respeito e possibilidades? Nossa democracia pode atender às necessidades mais urgentes de nosso povo? Nossa democracia pode superar as mentiras, raiva, ódio e medos que nos separaram?

Os adversários da América, os autocratas do mundo, estão apostando que não. Eles acreditam que estamos cheios de raiva, divisão e raiva. Eles olham para as imagens da multidão que assaltou este Capitol como prova de que o sol está se pondo sobre a democracia americana.

Eles estão errados. E temos que provar que estão errados. Temos que provar que a democracia ainda funciona, que nosso governo ainda funciona e pode ajudar as pessoas.

Em nossos primeiros 100 dias juntos, agimos para restaurar a fé do povo em nossa democracia.

Estamos vacinando a nação. Estamos criando centenas de milhares de empregos. Estamos entregando resultados reais que as pessoas podem ver e sentir em suas próprias vidas. Abrindo as portas da oportunidade. Garantir equidade e justiça – essa é a essência da América. Isso é democracia em ação.

Nossa Constituição começa com as palavras: “Nós, o povo”. É hora de lembrarmos que “Nós, o Povo” somos o governo: você e eu. Não uma força em uma capital distante. Não é uma força poderosa sobre a qual não temos controle. Somos nós. É “Nós, o povo”.

Em outra época, quando nossa democracia foi testada, Franklin Roosevelt nos lembrou: Na América, fazemos nossa parte.

Isso é tudo que estou pedindo. Que todos nós façamos nossa parte. E se o fizermos, enfrentaremos o desafio central da época, provando que a democracia é durável e forte.

Os autocratas não vencerão o futuro. A América vai. O futuro pertencerá à América.

Estou aqui esta noite diante de vocês em uma hora nova e vital na vida de nossa democracia e nossa nação. E posso dizer com absoluta confiança: nunca estive mais confiante ou mais otimista em relação aos Estados Unidos.

Encaramos um abismo de insurreição e autocracia, de pandemia e dor, e “Nós, o Povo” não vacilou. No exato momento em que nossos adversários estavam certos de que nos separaríamos e fracassaríamos, estivemos juntos, unidos.

Com luz e esperança, reunimos nova força e nova determinação, para nos posicionar para vencer a competição do século 21 em nosso caminho para uma união mais perfeita, mais próspera, mais justa. Como um só povo. Uma nação. One America.

Nunca foi uma boa aposta apostar contra a América. E ainda não é.

Somos os Estados Unidos da América. Não há nada – nada – além de nossa capacidade, nada que não possamos fazer se fizermos juntos.

Que Deus abençoe a todos. Que Deus proteja nossas tropas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora