Estadão vê “ameaça de golpe de Estado” e Folha pede impeachment de Bolsonaro

Em editorial, Folha chama Bolsonaro de "ensaio de ditador" e Estadão diz que ele perdeu os freios e só será parado pelo "mudo das instituições democráticas"

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – A crise política escalada a cada dia pelo presidente Jair Bolsonaro culminou nesta sexta-feira (6) com dois editoriais, da Folha e do Estadão, pedindo que o extremista de direita seja sacado do poder pela lei que ele mesmo ataca, ou seja, a Constituição. Ao contrário do que ocorreu no golpe de 1964, quando a imprensa se alinhou a setores da sociedade civil e aos militares no fechamento do regime, hoje dois dos principais jornais impressos do País alertam que Bolsonaro ameaça um “golpe de Estado” e “precisa ser parado”.

Em duro editorial de primeira página, Folha escreveu que Bolsonaro é um “ensaio de ditador” que não respeita a Constituição e que ataca o sistema eleitoral e a democracia não só por “loucura”, mas como “método”.

O jornal destacou os péssimos resultados de Bolsonaro na economia, a carestia de preços que vão desde comida à energia elétrica, além das milhares de mortes por Covid-19, fruto de uma gestão negligente por parte do presidente da República. Folha defendeu que com os elementos de crime colhidos pela CPI no Senado, Bolsonaro seja responsabilizado.

Para a Folha, o “uivo autoritário” de Bolsonaro começou a ser respondido pelo Supremo Tribunal Federal e pelo Tribunal Superior ELeitoral, que abriram inquéritos para investigar condutas criminosas do presidente em seus ataques às urnas eletrônicas e aos ministros do STF.

Porém, os presidentes da Câmara e Senado ainda jogam o jogo de Bolsonaro, num ato ingênuo ou interesseiro, desconsiderando que, se pudesse, Bolsonaro fecharia o Congresso.

As críticas do diário também alcançaram o procurador-geral da República, Augusto Aras, que funcionou como escudo para Bolsonaro, a troco de uma sonhada cadeira no Supremo.

Já o Estadão, em editorial mais cheio de dedos quanto ao futuro de Bolsonaro, lembrou dos ataques recentes ao Supremo e frisou a “ameaça explícita de golpe de Estado” como resposta ao inquérito das fake news. O jornal defendeu que a decisão do STF contra Bolsonaro foi juridicamente legítima e segue o rito habitual, ao contrário do que alega o presidente.

Bolsonaro, para o Estadão, está “sem freio” e só vai parar quando bater no “muro das instituições democráticas”. “Que esse muro aguente o tranco”, defendeu, sem citar o impeachment nominalmente.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Longe de mim qualquer apoio ao sujeito que ocupa a presidência o Palácio do Planalto.
    Agora,quando essa gente,golpista por natureza,começa a falar em pobres,em desemprego,em meio-ambiente e coisa e tal,sabemos perfeitamente que não estão de nosso lado e sim querendo nos usar.
    Essa briga é briga de golpistas.De ditadores. Essa gente não pode nos ludibriar.eles que se matem sozinhos. São bandidos que não estão lutando por um Brasil mais justo.
    Se querem justiça,precisam primeiro pedir desculpas pelo golpe contra o povo brasileiro.
    Se querem justiça,precisam pedir perdão ao presidente Lula e a presidenta Dilma.
    Se querem justiça,precisam pedir perdão ao PT.
    Essa gente não fez e nem fará nehuma autocrítica. Essa gente é a escória da escória e se forem destruidos nenhuma falta farão.
    O sujeito que ocupa o Palácio do Planalto é produto de anos dessa escumalha defendendo esse tipo de ação. Que não se finjam de democratas. São ditadores engomadinhos e só.

  2. A grande imprensa satanizou a política e por extensão o PT. Seu abandono do projeto original provocou o expurgo das alas à esquerda e se aliou aos 300 picaretas e suas maracutaias. Desde 2012 Olavo de Carvalho ocupava as redes com sua História paralela. A “escolha difícil” dos editoriais pariu o ovo da serpente. Pessoas como Assenge, Snowden, “sopradores” em geral, com sua coragem e ousadia servem de contrapeso à covardia e leniência das instituições que ignoraram seguidamente apologias ao golpismo, tortura, ditadura, estupro, lgtbqiafobia etc. Patrícia da Folha denunciou o disparo de mensagens e
    seu financiamento, em vão! Graças ao Delgatti descobriu-se que a ameaça era para todos, principalmente o STF!

  3. Golpe de estado da maçonaria em curso desde 2016, esquartejando o país e a enorme parcela menos favorecida do seu povo. Estão aí os maçons que não nos deixam mentir… michel temer, generais braga, mourão, heleno e vários outros cú-de-burros do alto comando das forças armadas que traficam cocaína tucana aecista nos boings presidenciais.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome