Bolsonaro corta 6.198 bolsas de pós-graduação em dois meses

Perdem as bolsas um total de 2.331 pessoas que estudariam mestrado, 335 de doutorado e 58 de pós-doutorado, em 330 programas do país

Foto: Marcos Corrêa/PR

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro cortará mais 2.724 bolsas de pós-graduação, totalizando mais de 6 mil bolsas em apenas dois meses que não estarão mais disponíveis à formação de brasileiros.

Essa foi uma das medidas em um conjunto de outras que somam cerca de R$ 300 milhões retirados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior, o Capes, nestes primeiros meses de governo Bolsonaro.

A pasta também não é a única afetada na Educação: o Ministério inteiro sofreu um bloqueio de R$ 5,8 bilhões por determinação da equipe econômica do novo mandatário do país.

No mês passado, foram cortadas 3.474 bolsas de pós-graduação que já não estavam mais disponíveis desde maio. Agora, a partir de junho, outras 2.724 bolsas mais foram congeladas.

Os alunos que irão perder estas bolsas são aqueles estudantes de institutos que tiveram duas vezes consecutivas as avaliações mínimas exigidas pelo Capes para o funcionamento, que são a nota 3, ou aquelas que caíram de 4 para 3 na ultima avaliação.

De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo, um total de 330 programas de pós estão nestas categorias definidas pelo governo Bolsonaro para retirar as bolsas.

Entretanto, de acordo com o presidente da Capes, Anderson Ribeiro Correia, os alunos que já fazem uso da bolsa não irão perdê-la. Perdem as bolsas um total de 2.331 pessoas que estudariam mestrado, 335 de doutorado e 58 de pós-doutorado.

Leia também:  Vídeo: Alunos manifestam contra deputados que quebraram placa de Marielle

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Em Honduras, onde houve um golpe em 2009 contra um presidente constitucionalmente eleito, seguiram-se “presidentes” usurpadores “eleitos” em eleições escandalosamente fraudadas, sempre com o apoio dos EUA. Agora, este ditador, John Orlando Hernández, vulgo JOH, baixou decretos privatizando a Educação e a Saúde provocando maciças manifestações populares contrárias. Sua situação ficou tão insustentável que é iminente sua renúncia:

    https://www.youtube.com/watch?v=hfFFpOpO31

  2. Boa matéria, o quadro é muito sério para a pós graduação. Uma correcao: Das 3754 recolhidas na primeira rodada cerca de 1200 foram devolvidas,

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome