Estácio de Sá pode somar mais de 3.000 demitidos em 2019

Grupo vem realizando demissões em massa desde 2017. Segundo sindicato, professores temem o número de desligamentos neste mês

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Como um ritual de fim de ano, mas na contramão de um próspero ano novo para os trabalhadores, o grupo de ensino superior Estácio começa a demitir dezenas de docentes neste mês. Desde 2017, com ações dissipadas ao fim do ano letivo, a organização educacional soma cerca de três mil professores demitidos. 

A instituição fundado no Rio de Janeiro, até 2017 somava mais ou menos 10 mil docentes e ficou em evidência quando demitiu 1.200 profissionais de uma só vez. Presentes em 23 estados e no Distrito Federal, os funcionários do grupo temem quantos deles serão desligados em 2019. 

Segundo nota do Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região (Sinpro-Rio),  “ a pergunta que atormenta professoras e professores neste momento é sobre quantos serão dispensados neste dezembro de 2019, aumentando mais ainda a defasagem do corpo docente em relação a 2016”. 

Os profissionais desligados da organização enfrentaram, ou ainda enfrentam, problemas no processo rescisório. De acordo com o Sinpro-Rio, responsável por mover ações judiciais contra o grupo, algumas rescisões foram retificadas até três vezes.

Em nota, o Sinpro-Rio também alerta “aos demitidos que exijam, por escrito, a presença do representante da categoria no momento da homologação”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Abono salarial de Doria é falso reajuste para professores, diz Apeoesp