Eleição: qualquer estratégia desqualificadora é bumerangue, por Gunter Zibell

Por Gunter Zibell

Qualquer estratégia desqualificadora é bumerangue

Ref. ao post Marina abocanha 70% dos eleitores de Aécio no 2o turno, diz pesquisa

O próprio PT deveria lembrar da época do “quanto mais bate mais cresce”. Não era o que se falava em 2006?

Não fazer campanha de ódio favorece a quem não faz, portanto. Aliás, ponto positivo para os peessebistas e marinistas, é raro vê-los desfiando falsas narrativas em relação a Aécio, Genro, Jorge ou Dilma. Espero que esse nível se mantenha, posto que até dá orgulho participar de algo assim.

Uma das coisas sem sentido que vi é uma campanha em redes sociais para LGBTs não votarem em Marina por ela ser evangélica. Mas assim, sem que haja algum posicionamento melhor dentre os dois principais.

Quer dizer, para ganhar eventuais 1% (20% de 5% de eleitores LGBTs) o PT e o PSDB arriscam que evangélicos vejam essa campanha em que dizem que ser “Assembleia de Deus” é o atraso, a treva. Aí, 20% que se distribuíam entre Aécio e Dilma vão fazer o quê? Pensar que todas aquelas fotos desses candidatos em templos eram enrolation?

Dá pra dizer num dia “A Nação Evangélica está com Dilma” e no dia seguinte dizer “Não vote em evangélico”? Qual a lógica disso? Dizer que evangélicos devem ficar em 2º plano? Tal como se fez com LGBTs tantas vezes…

O mais provável é que todos os discriminados busquem um abrigo. 

Leia também:  Coronavírus e a possibilidade de adiamento das Eleições Municipais de 2020, por Walber de Moura Agra

Adianta a gente avisar disso? Não.

Quem sugere diminuir os ataques estapafúrdios é recriminado como sendo “anti-Dilma” ou “anti-Aécio”. Que maluquice é essa? Alguém faz um ataque bobo à Marina ou ao PSB e se respondemos com educação ainda passamos por culpados?

Ô louco, sô!

Acho, portanto, que até estou atrapalhando a campanha de Marina ao pedir para as pessoas baixarem a bola.

Por mais que digam nas redes, um antipetista não vai votar em Dilma. E um antitucano não vai votar em Aécio.

Deixa que digam, que falem…

Pois é óbvio que os ataques desmedidos e as bobagens (como petistas usarem artigos de colunistas sobejamente tucanos) fazem as pessoas pensarem: “porque tanto ataque de quem antes elogiava?”

Se tucanos chamam Marina de comunista e petistas de liberal, é evidente que ela está no centro.

E, sendo assim, é plano B de ambos. E mesmo que fique em 3º, sairá com uma imagem ainda melhor que em 2010 e com votos de seus eleitores mais disputados que então.

Aguardemos mais uns 10 dias de campanha. É quando candidaturas menos conhecidas devem crescer com a exposição na TV. Aí saberemos o efeito disso tudo.

Mas, certamente, seria melhor tanto para tucanos como para petistas que maneirassem nos ataques.

No mínimo para não passar constrangimento no 2º turno.

E também porque ela não tem a rejeição mais baixa à toa.

Tucanos e petistas deviam cuidar da credibilidade de suas narrativas, fazer melhor diagnóstico sobre as coisas, antes desse vale-tudo.

Leia também:  Coronavírus e a possibilidade de adiamento das Eleições Municipais de 2020, por Walber de Moura Agra

Afinal, o eleitor de Marina/PSB é justamente dos que reconhecem ambas as heranças (FHC/Lula), deseja que se governe com os melhores (nem que melhores sejam governadores do PSDB em uns estados, do PT e PMDB em outros) e, principalmente, andam justamente um pouco cansados das polarizações infladas.

(Que rede social vc está? Se for facebook pode me adicionar.)

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

165 comentários

  1. rsrsrsrsrsrsrsr.
    “Não fazer

    rsrsrsrsrsrsrsr.

    “Não fazer campanha de ódio favorece a quem não faz, portanto. Aliás, ponto positivo para os peessebistas e marinistas, é raro vê-los desfiando falsas narrativas em relação a Aécio, Genro, Jorge ou Dilma.”

  2. Confundi as Tags

    Tava lendo por cima e ví que o Nassif tinha colocado a Tag “enrolação “. Pensei, finalmente o blog esta acordando, mas ao ler com calma vi que a tag  era  “renovação”…. KKK só rindo mesmo!

  3. “Acho, portanto, que até

    “Acho, portanto, que até estou atrapalhando a campanha de Marina ao pedir para as pessoas baixarem a bola”:

    Antes que eu me esqueca:  a estrategia da rede golpe na entrevista com Marina -e portanto do PSDB- vai ser damn with faint praise.  Tem muito pouca chance de um ataque aberto recuperar um voto que seja para Aecio.  Muito pelo contrario, ha uma chance enorme de a fazer passar por martir e aumentar suas intencoes de voto.

    Isso foi o que me chocou nesse festival de besteiras que aprontaram a respeito do “velorio” de Campos.  Ataques sem sentido nenhum, ninguem com estrategia integrada nenhuma.

     

    (Volto aa posicao de sempre:  eu nao comento Marina nem sua politica.)

  4. Gunter
    Não vi até agora

    Gunter

    Não vi até agora nenhum candidato atancado a Marina; quanto as redes sociais, por enquanto a matança ainda é entre tucanos e petistas. Como tu bem citou acima, ainda é cedo para uma melhor avaliação.

    Abração

  5. Dualidade Marinistica

    O problema da Marina é servir a dois Senhores.

    Não presta bom serviço a nenhum e ainda faz lambança pelo caminho.

    Que fique com o discurso sobre o stress dos recursos naturais do planeta e guardará alguma resiliência, fora disto, será se oferecer aos leões, sem choro, nem vela.

  6. Gunter Zibell um lisérgico sonhador

    Mais vale as relações de amizade e compadrio do que dinheiro diriam meus avós. No entanto, num mundo onde as relaçoes de amizade e compadrio estão pautadas por interesses (legítimos ou não), as loas à candidata Marina soam como pura propaganda interesseira. É o caso de nosso grande fazedor de discursos ditos isentos e amante de gráficos Gunter Zibell. Esquece de informar que a campanha de 2010 foi repleta de ataques à candidatura do PT, não somente por Serristas, mas, sobretudo, pelos radicais “marineiros”, que inovaram no uso das redes sociais para difamar criminosamente a candidata Dilma. Com discursos que iam do aborto ao casamento gay, entre muitos outros abjetamente elencados como defendidos pelo PT.

    Nos quadros do PT existem de umbandistas a pentencostais, isentando o partido de ser discrimador de qualquer que seja a opção filosófica-religiosa, portanto, tentar justificar a baixaria da oposição, de Marina/Serra, é indefensável sob o ponto de vista ético e moral.

    Seria mais coerente se, de antemão, o pseudo intelectual dissesse a que veio, ao invés de se colocar com pessoa isenta e sem interesses políticos nas suas assertivas deslocadas da realidade e pretensamente inocente.

    Até o mais alienado pela ultra propaganda midiática em torno da “senhora da floresta” percebem a estratégia de usá-la como “boi de piranha”, dando caminho livre para a boiada do “Aébrio” passar. Somente os antipetistas deslumbrados guardam alguma esperança do contrário. A estes, só resta o uso de máscaras, tintas spray e, em alguns casos, coquetéis molotov. Salvo, os que tem oportunidade de expor suas convicções exdrúxulas num espaço democrático como este.

    As previsões de cartomantes são mais plausíveis e sonháticas que as do nobre fazedor de gráficos e tabelas. 

  7. Gunter, Gunter …

    “Afinal, o eleitor de Marina/PSB é justamente dos que reconhecem ambas as heranças (FHC/Lula), deseja que se governe com os melhores (nem que melhores sejam governadores do PSDB em uns estados, do PT e PMDB em outros) e, principalmente, andam justamente um pouco cansados das polarizações infladas.”

    Então tá então … serão mesmo eleitores da candidata ou negações ao PT ? 

    “…  e caldo de galinha não fazem mal a ninguém”- “há que se ter a mente aberta, a espinha ereta e ….”

    Bate mais quem apanha mais também.

  8. acerca LGBT e Evangélicos

    Gunter,

    Leio com muita atencao os seus pontos de vista, apesar de, muitas vezes, nao concordar. Destaco as suas analises quantitativas de tracking nas eleicoes passadas. Muito sofisticado e de excelencia.

    Vamos la.

    Alguns pontos que gostaria de um esclarecimento:

    1) na última eleição para prefeito,  aqui em SP, um destacado empresário ligado a comunidade LGBT, disponibilizou o espaco de um de seus estabelecimentos para a apresentação de proposta e de programa do candidato Russomano, do partido PRB, com fortissima presença da Igreja Universal. Pois bem, a comunidade LGBT de SP manifestou, com isso, profundas criticas ao empresário,  conclamando, inclusive, que o pessoal boicotasse as idas em seus estabelecimentos. 

    2) Nas ultimas edicoes, a parada LGBT em SP tem sido marcada pela presença de algumas entidades pentecostais evangelicas em que dizem serem voltadas para a comunudade referida.

    Gostaria de saber até que ponto existe uma richa entre esses segmentos. Não haveria, de fato, um maior engajamento para uma presencao de dialogo, pelo menos em grandes cidades? 

    Fica a minha dúvida. 

    1 abraco,

     

  9. Eta povo, sô!

    Parafraseando o Gunter, em uma de suas interjeiçoes no texto. Tudo bem, cada um escolhe o seu lado, por este ou aquele motivo, mas por causa de sua luta lgbt esquecer ou fazer de conta que esqueceu de toda a hipocrisia desta chapa marinista, de todas suas incongruências, de toda sua verborragia improdutiva, de todo seu trairismo, de toda vendeta ao capital financeiro e tantas outras coisas, para mim é demais. É demais porque essa chapa dos socialistas (que não são socialistas) andava pregando o novo, e faz igual ou pior do que os outros. Eu voto na Dilma sabendo que ela faz a tradicional política e, mesmo que eu desejasse que fosse diferente ela não fica prometendo uma nova política, ela prega uma reforma política viável.

    Eu sei bem o lado da Dilma, eu sei a quem ela defende, mesmo que àz vezes eu veja um pouco de receio em algumas decisões delicadas de seu governo, Eu não fico imaginando loucuras de uma noite de verão nos trópicos em busca de uma utopia igualitária, onde somente reina a paz e o amor. Eu voto consciente de que, (na minha visão) o melhor para a maioria do povo é escolher um projeto que inclua o máximo possível de pessoas. É disso que vive a minha esperança e não de sonhos de que o novo é essa gente que viaja de jatinho e prega sustentabilidade, se alia a bancos e prega solidariedade. Da Dilma eu sei que ela busca apoio de todos e não esconde isso. Por isso eu repito: quanta hipocrisia!

  10. E A MÍDIA???

    Não é necessário tucanos e marinistas fazerem campanha contra o PT.

    Esse é um serviço da nossa escrota mídia que faz o papel 24 horas por dia 7 dias por semana de detonar com o PT e seus governos e encobrir as estercadas dos tucanos, marinistas.

    Como exemplos:

    – o aécioporto de CLAUDIO que a grande maioria de mineiros desconhecem;

    – o problema de água em SÃO PAULO que é culpa do SÃO PEDRO;

    – a copa que não existiu;

    – o DARF da globo que ninguém fala nada;

    – o filho que não é dele do santo fhc com a jornalista da globo.

    – a Rose do LULA;

    – a fazenda do filho do LULA.

    e aliás a judith da folha já disse que quem faz o papel da oposição fragilizada é a mídia.

  11. A não ser nas mídias sociais

    A não ser nas mídias sociais onde parece ser terra de ninguém é que a coisa anda de baixo calão ainda mais pra baixo. Não vi nenhum representante dos partidos PSDB e PT desfiarem um rosário de malvadezas contra Marina. Aqui mesmo no Blog já foi dito que Marina está com esta fama toda porque ainda não foi necessário abrir a boca, não entrou ‘de corpo e alma’ na campanha mesmo porque ela não era principal. Ela era a sombra. Agora ela terá de se mostrar. Terá que dar nomes aos bois. Mostrar ao país um Plano de Governo. Se posicionar em questões delicadas tais como economia, saúde, habitação, segurança e emprego. Que vai ter algum desgaste isso é mais do que lógico. Precisamos saber apenas o quanto será!

  12. A Acreana

    Gunter,

    Não lembro de ataques a Marina, mas a acreana ainda grita, ao lado de MLeitão, com medo do apagão elétrico.

    Nunca gostei da candidata, e motivos ela oferece à vontade, afinal, quem confia de fato nesta pessoa ? Como já disse e repito, quem a conhece bem são os seus, e em 2010 ficou em terceiro porque não tinha mais nenhum candidato de expressão.

    Como ainda falta muito tempo até chegarem as urnas, tudo pode acontecer – se a acreana for capaz de mostrar a necessária consistência para ser governo ( o que acho dificílimo), algo que sempre faltou ao mineiro aviador, tanto que foi praticamente abandonado desde o desastre em Santos, MSilva conseguirá muito $$$ externo ( além da indecisão, ONG sempre foi a praia dela) e apoio maciço da grande mídia para uma chapa que lembra o cacareco, Marina e Beto Quem.  

    Ganha um picolé, aquele que conseguir compreender o que a candidata messiânica quis dizer, após um discurso de meia hora. 

    • Oi Alfredo!

      Eu confio. Mas isso é de cada um, claro.

      Pode ser que ninguém compreenda.

      Mas já houve algumas pesquisas (sempre Datafolha) em que Marina encostou em Dilma.

      em julho/2013 34 x 35; em 10/2013 42 x 44; em 08/2014 47 x 43.

      Em um ano não mudou muito, ou seja, não tem isso de “comoção” como alguns falam.

      E, se está no meio a meio, as dificuldades de compreensão então são generalizadas.

      Em março/2013 eu já achava viável uma coligação PSB/Rede/PPS (PV também, mas não se concretizou) Achava isso antes de saber que não existiria formalização do Rede.

      E também já achava issomais viável que Aécio.

      Vale recordar.

      http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/caminhos-para-campos-e-o-psb

      Até agora, tirando a tragédia, não mudou muita coisa.

      E o post é anterior às manfs de junho/2013 inclusive.

      Eu entendo que o projeto é de correção de rumos.

      E quero meu picolé de côco ou abacaxi.

       

       

      • Marina Silva

        Gunter,

        Obrigado pelo retorno.

        Escolha política, cada um tem a sua e ninguém tem que se meter, poderemos apenas trocar idéias. o que por vezes provocará uma nova escolha.

        Reitero, caso a candidata do PSB se faça confiável, não cometa muitos erros, o $$$ jorrará naquele quintal, ou seja, GMendes, ao sentar em cima do processo, já derrotado !!!,  referente ao financiamento de campanhas políticas com recurssos privados.

        O interesse político externo nesta eleição mudou drasticamente, aliás, como quase tudo, com a queda daquele Cessna- especuladores como George Soros e outros, de braços dados com ALRezende e Pérsio Arida é o passaporte para a desgraça, e os governos contrários aos BRICS também se farão presentes – acredito que o que vem de fora pode ser ene vezes pior do que aquilo que um Gianetti pudesse causar. 

        Em resumo, admito pela primeira vez que o desenho para o próximo outubro possa vir a sofrer modificação. Cabe lembrar que ANeves sumiu, ninguém sabe, ninguém viu – Zezinho da Mooca já está abraçado com MSilva desde o velório no domingo passado, dá a impressão que a espinha dorsal daquela campanha mineira foi quebrada pelos aviões de Cláudio e Guarujá.   

        A comentar, a Friboi, que depois de se fazer a maior do mundo graças ao BNDES, durante o governo de Lula e DRousseff, agora enfia o $$$ em Marina Silva.

        E viva o brasilsil pandeiro

        Um abraço

          

         

  13. Gunther, sou exceção? Sou

    Gunther, sou exceção? Sou antitucano, mas se Dilma ficasse fora do segundo turno, votaria em Aécio – e faria campanha para ele! A meu ver, um governo Marina seria parecido em muita coisa com um governo Aécio – com a diferença que Marina faria muito mal ao agronegócio e à mineração que, queiramos ou não, é o que traz dólares para nosso país. MAs, tudo bem, acho que Dilma ganha, não vou precisar votar no PSDB desta vez.

  14. Campanha negativa

    Campanha negativa dificilmente ganha eleição. Taí o PSDB que confirma isso.

    Espero que eles não tenham aprendido a lição e usem seu horário para bater na Dilma e na Marina. Assim consolidam o seu terceiro lugar.

    Marina não tem absolutamente nada para mostrar, então ou fica nas promessas sem nenhuma comprovação de que serão realizadas ou também começa a bater na Dilma. Pelas críticas que começou a fazer a respeito da política energética, parece que também vai escolher a segunda opção.

    Dilma tem muito para mostrar e tem o maior tempo entre todos para fazer isso. Espero que não esqueça de fazer as comparações necessárias entre os governos do PT e do PSDB, já que muitos eleitores mais jovens não viveram as dificuldades dos tempos de FHC e pela nossa imprensa é que não vão conhecê-las.

  15. Marina não é de centro

    http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/08/marina-silva-george-soros-e-mais-um.html

    “No Brasil, hoje governado por Rousseff, a melhor oportunidade para infiltrar no governo um dos “seus” parece ser, aos olhos da CIA e Soros, a eleição de Marina Silva. Seria como um “Cavalo de Tróia” infiltrado no comando de um dos países do grupo BRICS, em posição para atacar por dentro aquele bloco econômico, mais importante a cada dia. A queda do avião que matou Eduardo Campos ajudou a empurrar para muito mais perto do Palácio da Alvorada, em Brasília, uma agente-operadora dos grupos financiados por George Soros”( Comentário de Sergio Santiago, em O Cafezinho, sobre o artigo de Wayne Madsen abordando o interesse de Soros por Marina)

    Marina defintivamentne não é de centro, basta ver seus gurus econômicos: Gianetti(a favor do ensino superior pago e outras propostas neoliberais), André Lara Rezende(estado minimo para o povão mas máximo pra ele e seus cavalos levados em avião para a Europa, onde reside), ´há um que defende o aumento do preço da carne e do leite para conter o consumo por parte do povão e assim preservar o meio ambiente, há um artigo do Paulo Moreira Leite sobre isso…Não vejo como desqualificação apontar contradições da candidata, sou contra sim atacá-la no plano pessoal, aliás, sou contra Marina não por ela ser evangélica e sim por defender uma política neoliberal que, como sabemos, foi danosa para nosso pais, e se ela fosse eleita é isso que hoje os que a apoiam vão impor..,,não podemos falar sobre isso,,..isso é desqualificá-la…? 

    Mirem-se na Espanha

    MENDONÇÃO VÊ MARINA COMO ESPÉCIE DE PLANO B TUCANO

     

    Voz poderosa na formulação econômica do PSDB, Luiz Carlos Mendonça de Barros aposta que um eventual governo Marina Silva contaria com quadros tucanos na economia, como André Lara Resende e Eduardo Giannetti da Fonseca; ex-ministro do governo FHC, ele projeta que a virtual candidata do PSB, em substituição a Eduardo Campos, “deverá seguir esta cartilha (trazer inflação para a meta, realinhamento de preços administrados, disciplina fiscal, etc…)”; Mendonção, como é conhecido, prevê que a ex-ministra do Meio Ambinete teria “dificuldade de diálogo com o establishment político”, mas, ao mesmo tempo, acredita que “diversos quadros de melhor qualidade, assim como o próprio PSDB, se aliariam a Marina e ao PSB para lhe dar suporte no Congresso”; tucanos constróem plano B

     

    18 DE AGOSTO DE 2014 ÀS 10:42

     

    247 – Uma das estrelas do comando econômico do PSDB, Luiz Carlos Mendonça de Barros enxerga um eventual governo de Marina Silva, que deve ser oficializada candidata a presidente pelo PSB até a quarta-feira 20, como uma espécie de Plano B tucano, caso o candidato do partido, senador Aécio Neves, não vença as eleições.

    Em um texto publicado em sua página no Facebook, o economista, que foi ministro do Desenvolvimento e presidente do BNDES no governo de Fernando Henrique Cardoso, aposta que Marina contaria com quadros tucanos para administrar a economia.

    “Marina buscou advisory (assessoria) de economistas como André Lara Resende e Eduardo Gianetti da Fonseca no ciclo eleitoral anterior, e deverá seguir esta cartilha (trazer inflação para a meta, realinhamento de preços administrados, disciplina fiscal, etc…)”, registrou Mendonção, como também é chamado.

    O economista afirma ainda acreditar que os tucanos chegariam a se aliar a Marina e ao PSB para formar base no Congresso, diante de um receio de “dificuldade de diálogo com o establishment político”.

    – Opinião consensual é que diversos quadros de melhor qualidade, assim como o próprio PSDB, se aliariam a Marina e ao PSB para lhe dar suporte no Congresso, ressalta.

    – Esta visão suportaria uma percepção mais favorável do balanço de riscos depois da tragédia que alterou o quadro eleitoral, opina, por fim, o conselheiro tucano, referindo-se ao acidente que matou o presidenciável Eduardo Campos, do PSB.

    Leia abaixo a íntegra do post econômico de Mendonça de Barros:

    Percepções a respeito de um eventual Governo Marina Silva

    • Gestão econômica muito mais ortodoxa e pró-mercado que Dilma. Marina buscou advisory de economistas como André Lara Resende e Eduardo Gianetti da Fonseca no ciclo eleitoral anterior, e deverá seguir esta cartilha (trazer inflação para a meta, realinhamento de preços administrados, disciplina fiscal, etc…);
    • Risco é a falta de base política e a dificuldade de diálogo com o establishment politico;
    • Receio é a repetição do Governo Collor (não na questão ética, pelo contrário, mas na falta de diálogo/ base no Congresso);
    • Opinião consensual é que diversos quadros de melhor qualidade, assim como o próprio PSDB, se aliariam a Marina e ao PSB para lhe dar suporte no Congresso. O Governo Itamar Franco (que FHC integrou) passa a ser o modelo de referência, e não o Governo Collor. As forças mais arejadas de toda a sociedade ajudariam este Governo para selar a remoção do PT do poder.

    Esta visão suportaria uma percepção mais favorável do balanço de riscos depois da tragédia que alterou o quadro eleitoral. Nesta análise não se faz prognóstico das chances de cada candidato, mas tão somente do risco Marina.

    Luiz Carlos Mendonça de Barros

     

    • É o grande problema de a

      É o grande problema de a Marina ganhar. Essa turma com certeza iria tomar conta da economia e Marina iria ficar com a questão ambiental, atrapalhando a infra-estrutura, energia, etc…Iria comer pelas beiradas essas outras áreas. Se for ver, capaz de ser melhor ganhar o Aécio que a Marina.

    • “a melhor oportunidade para

      “a melhor oportunidade para infiltrar no governo um dos “seus” parece ser, aos olhos da CIA e Soros, a eleição de Marina Silva. Seria como um “Cavalo de Tróia” infiltrado no comando de um dos países do grupo BRICS, em posição para atacar por dentro aquele bloco econômico, mais importante a cada dia.”

      Faz algum tempo que eu também fiz esta especulação, mas com o quadro do momento era Aécio que seria o “cavalo de tróia”. Além do risco de um eventual governo de Marina ser capturado pela direita, ainda haveria risco de uma desorganização geral da política porque ela se elegeria a bordo de um partido que nem existe e está apenas alojado dentro de um partido, no máximo, médio. Marina seria refém da mídia, como foi Collor. Teve um outro que por conta de uma pulada de cerca, também acabou refém da mídia… Campos atraiu Marina de olho nos votos que ela poderia trazer, mas foi sonho mal sonhado porque ele ficou patinando perto dos 10%.  Agora o país está correndo risco de retrocesso. O embate eleitoral é contra a mídia, a globo, através de Bonner e da mocinha da previsão do tempo, já mostou os dentes.

  16. Os políticos evangélicos.


    Gunter Zibell faz um raciociocínio tortuoso. As pessoas que criticam os políticos evangélicos, presentes no Congresso, o fazem porque, quase todos tem posições reacionárias. É óbvio que, as criticas não são dirigidas à Nação evangélica. Quando se critica os crimes que o Estado de Israel comete contra o povo palestino, não se está acusando o povo judeu, mas, sim os sionistas (o Estado de Israel é um Estado sionista, fundamentalmente); quando se denuncia os crimes do nazismo não se está dizendo que todos os alemães foram criminosos (houve alemães, basta lembrar de movimentos como a Rosa Branca e a Capela Vermelha que, em plena ditadura hitlerista, resistiram ao nazismo e pagaram caro por isso). Porém, assim como não é possível insentar o povo alemão dos crimes nazistas, também se deve observar que os evangélicos (por falta de informação, ou por acreditar que todo político evangélico, somente por isso, torna-o decente, é comportar-se de modo muito inocente; é equivalente aos católicos acreditarem que um político, apenas por ser católico é virtuoso) tem uma parcela de culpa ao enviar para o Congresso políticos tão ruins.   

  17. São quantas Marinas?

    Eu não sei onde você tem visto a Marina falar, mas deve ser em lugares diferentes dos que eu costumo ver. Onde eu vejo ela destila ódio contra o PT e contra Dilma. Ela também está sempre atacando Aécio e o PSDB… fora isso, é só aquela conversa de nova política (na qual inclui nomes como Jorge Bornhausen e Heráclito Fortes).

  18. Gunter,Concordo que ataques

    Gunter,

    Concordo que ataques e clima de fla-flu  são um problema pra lá de chato no cenário político brasileiro mas:

    1. O simples fato da Marina ser atacada por ambos os lados não permite de forma alguma a conclusão que está no centro do espectro político brasileiro e sim que é a bola da vez que ameaça os 2 principais partidos brasileiros da atualidade. Por sinal, basta olhar os economistas (“ex-tucanos”) que a Marina escuta e o que eles falam. Essa candidatura é tudo menos centro. Ainda mais agora que o PSB “perdeu o controle”.

    2. Parte (sabe-se lá quanta exatamente, mas possivelmente a maioria) dos eleitores da Marina é o pessoal do “está tudo ruim” e “contra tudo que está aí” em função do demonização diária que é feita da política no país. Não esquecendo é claro do anti-petismo, para o qual pouco importa quem ganhe, desde que não seja o PT. Os únicos que se importam com a polarização e coisas do gênero são uma minoria ínfima que se interessa e acompanha a política. Não dá para medir a realidade pelo microsmos que é o blog ou mesmo o Facebook, já que praticamente metade da população brasileira não tem ainda acesso à internet.

    • Olá Ed, tudo bem?

      Marina está no centro (posição intermediária entre Aécio e Dilma) em algumas coisas (economia) e em um ponta oposta de um triângulo em outras (ambientalismo.)

      De qualquer modo, vale lembrar que o Congresso será basicamente o mesmo.

      Os ataques e clima de fla-flu-fogo (porque agora são 3, não?) não são apenas um problema chato.

      São um fator que faz classes médias e possivelmente jornalistas, acadêmicos e artistas começarem a defender Marina. Mesmo quem não a prefere.

      Mesmo que seja “na margem”, é a favor dela.

      E voltemos ao post de ontem. No segemnto estudo superior (completo ou incompleto) está 65 x 24 para ela.

      Esse é o segmento mais informado. Que, como você lembra, forma opinião na internet.

      O que acontecerá quando aumentar o conhecimento de que Marina é candidata? Mesmo que em estratos inferiores de renda e estudo a preferência ainda fique majoritariamente para Dilma, acontecerão movimentos na margem a favor de Marina.

      Acho que não leva a nada ficar pensando em anti-petismo. Isso é autoconsolo. Há várias coisas que levam a compreender o derretimento da credibilidade do PT. Foi perdendo o discurso da ética, da defesa de DHs, do secularismo (tanto que ninguém informado sobre o que acontece no Congresso acha Marina pior que Dilma nisso), do ambientalismo e mais recentemente da eficiência de gestão econômica.

      Acredito que o PT deveria abordar em sua campanha por redes sociais a recuperação da visão positiva nesses pontos.

      O discurso “o Mundo me odeia, o PIG me odeia, a classe média é malvada, ninguém me reconhece como o melhor” já não convence mais. Até convenceu em 2010, mas a conscientização das pessoas aumentou de lá para cá. 

      O PT fica permanentemente nesse diagnóstico que é perseguido e fica nisso. Devia era tentar entender como foi que colocou tanta gente contra o mesmo.

      Compare quantas pessoas você conhece que eram pró-PT em 2010 (como eu) e deixaram de sê-lo com quantas eram pró-Serra em 2010 e agora são pró-PT. 

      Nunca vai haver um mínimo de autocrítica?

      A resposta virá das urnas.

      Dos 10 mais populosos estados, em quantos o PT fará governador? Em 2010 fez BA e RS.

      Bom, seja lá o que for, faltam só 45 dias para sairmos do campo das especulações.

       

       

  19. Sem dúvida, a questão da

    Sem dúvida, a questão da campanha de ódio na conjuntura política em que estamos inseridos não favorece a ninguém, até porque essa campanha acaba favorecendo a manutenção do sistema “políticoeleitoralcultural” vigente.

    Uns e outros acabam fazendo mais campanha para o adversário do que para si próprios, é fato. Até porque o bumerangue não sai do mesmo círculo de ideias.

    Veja só, o bumerangue atinge a campanha de Marina, quanto aos direitos humanos, em função mesmo dos ataques feitos à campanha de Dilma.

    Aliás, fica até difícil constatar eventuais campanhas de ódio de pessebistas e marinistas porque poucos são os que se assumem com tal, como, de resto, também poucos se assumem como tucanos. Não deixa de ser uma estratégia interessante, não é? Fica-se liberado de se defender de suas próprias mazelas.

    A situação está mesmo bem semelheante a torcida de futebol: ou se é corintiano ou anti-corintiano. A diferença é que corintiano assume que é, porém anti-petista raramente torce assume algum partido. Confortável e dissimulado, não? Quem teria a medida exata de quantos marinistas fazem campanha de ódio? Fica difícil não? Particularmente, cansei de ver marinistas de meu convívio fazê-lo.

    Realmente é bobagem que a comunidade LGBT seja instada a não votar em Marina em função de ser evangélica, a imensa maioria da comunidade LGBT na internet é anti-petista de carteirinha e não é de hoje. Por que? Pelas razões que você, Gunter, prefere que não seja comentada: a questão economica e a consequente consciência.

    Ninguém atrapalha por pedir que se baixe a bola, mas que se baixe a bola generalizadamente, inclusive dos sofismas.

    A rejeição mais baixa de Marina não teria a ver com a dissimulação que tanto ela quanto seus eleitores apresentam? Rejeitar o que, afinal? Só resta mesmo o fato de ser evangélica, não é não? Ainda mais agora que assumiu o papel de víuva de Eduardo Campos, que foi sem nunca ter sido. Não deixa de ser ironico que o PSB tenha abrigado Marina por oportunismo, agora se veja sendo objeto da mesma prática.

    Faço votos de que realmente Marina seja mais benéfica para os direitos humanos se eleita, mas, até o momento, a única coisa que temos garantido é que será benéfica para certa fauna aves da família Ramphastidae… eleita ou não…

    Que Deus nos ajude! rs…

    • O ponto que vc levantou é

      O ponto que vc levantou é interessante. Existem muitas pessoas nas redes sociais que despejam baboseiras a torto e a direito e não dizem quem apoiam. Como saberemos  ? Nâo tem como, mas, pelas estatística que Marina ja ultrapassou Aécio fica meio óbvio de deduzier que há muitos marineiros entre estes.

      • Realmente, nas redes sociais

        Realmente, nas redes sociais fica difícil dimensionar, mas entre os marineiros com os quais convivo, por motivos profissionais, as baboseiras são da mesma espécie das que proliferam nas redes, com honrosas exceções. E convenhamos, bate-pau tem em todos os partidos, apenas não dizem que são deste ou daquele no virtual… Como tática mesmo. Uma forma de impedir um debate que importe.

         

  20. Campanha de ódio pode dar

    Campanha de ódio pode dar certo ou muito errado. Lembremo-nos de Demóstenes Torres: o arauto da moral. Vale dizer que seria candidato hoje se não tivessem dscoberto seu perfil. Ele achava que somente atacar o PT com tanta fúria seria suficiente pra subir degraus. Danou-se. E só tem dado mais ou menos certo em relação aos tucanos porque eles tem a imprensa e a justiça a favor, pelo menos por enquanto e até hoje.

    Sem reforma política séria teremos que conviver com campanhas milionárias, e políticos desavergonhados, de ficha suja mantendo-se no poder. 

  21. Parece-me que o autor já

    Parece-me que o autor já utiliza-se da mesma estratégia dos tucanos de tentar mostra-se diferente sendo igual.

    Vejamos a seguintes passagens:”O próprio PT deveria lembrar da época do “quanto mais bate mais cresce”.  Oras,qual a insinuação existente aqui? Que o PT vem batendo em Marina? E quem é PT senão a presidenta Dilma?Ou seja,o autor ,parecendo bem afinado com o puritanismo verde/socialista,se faz de rogado e ataca os demais denunciando um ataque que não existiu.Lindo isto.

    Poderíamos citar várias outras passagens,todas com o mesmo intuíto,mas nenhuma é mais dissimulada do que a falsa crítica que teria sido feita aos evangélicos:”Quer dizer,para ganahr 1% (20% de 5% de eleitores LGBTs) o PT e o PSDB arriscam que evangélicos vejam essa campanha em que dizem que ser da “Assembleia de Deus” é atraso, a treva.”

    Marina Silva sempre teve sua vida política atrelada a questões ambientais.Em nenhum momento despontou como lider religios e é bom que não o faça. A tentativa do autor de reforçar esta imagem evangélica não corresponde a realida.Hoje,evangélicos estão espalhados por todos os partidos assim como as demais religiões. 

    Assim,não passa de mera trapaça intelectual e eleitoral tentar enganar os eleitores com falsa dissimulações religiosas.

    O autor já foi mais feliz em outros textos.

     

     

  22. Gunter, o problema da

    Gunter, o problema da candidatura de Marina é o problema de todas chapas: as alianças. Caiado, Bornhausen, alas do setor financeiro e outros são um pequeno exemplo dos aliados arregimentados pelo falecido Eduardo Campos. Com o agravante que ela recentemente se mostrou contrária à forma como a política é praticada hoje no Brasil. E não recordo de Marina propondo reformar o sistema – ao contrário de Dilma que pôs a cara à tapa sobre essa questão, discordando ou não da forma proposta para mudanças no sistema, o importante é que a Presidenta colocou o tema em pauta. Como Marina irá se apresentar agora, essa é a questão. Pessoalmente, penso que a Deputada Luiza Erundina seria uma candidatura mais forte do que Marina Silva, não só tirando votos de Aécio, como muitos de Dilma e ainda levando voto dos indecisos (eu mesmo ficaria balançado com a candidatura de Erundina). Mas, o horário eleitoral está começando, o tempo é relativamente curto e muitas coisas podem acontecer. Acredito em segundo turno entre Dilma e Marina (em disputa apertada com Aécio) e vitória apertada de Dilma no final. À conferir.

  23. Não adianta.

    Não Gunter. Não adianta voce avisar disso por que isso é uma campanha eleitoral. E ataques ao adversario são inerentes às campanhas eleitorais. A grande midia esta em campanha desde 2010, fazendo ataques calculados ao governo federal. Vide Manchetometro. E esses ataques surtiram efeito sim.  As manifestações de 2013 e o crescimento de falsas promessas como Marina são os efeitos desses ataques. O ironico é que a principal beneficiada foi Marina e não o PSDB e os queridinhos da uruburologa e da Catanhede. O ironico é que vão ter que engolir a Marina. Por fim, os marinistas não são inocentes nessa campanha. Fazem ataques sim.  As redes sociais é o habitat deles, espalhando mentiras e abominações. A escoria esta por toda parte. Tape o nariz e siga em frente.

  24. E para complementar meu

    E para complementar meu comentário: não podemos esquecer que o PSDB tem o especialista-mór em baixarias em campanha eleitorais, o candidato ao Senado por SP, José Serra, em disputa dura com Eduardo Suplicy (com apoio de Marina, quem diria!). O efeito das baixarias do ex-candidato-à-tudo são amplamente conhecidos e não podem ser desprezados e ao que parece, ele precisa meio que desesperadamente de um cargo que lhe dê uma certa imunidade contra possíveis questões judiciais….

  25. É Verdade verdadeira. Por

    É Verdade verdadeira. Por isso então , que a Dilma será eleita em primeiro turno com facilidade. 

  26. Vamos separar as coisas né,

    Vamos separar as coisas né, Gunter. Primeiro, “marinistas” e pessebistas” são dois grupos distintos. Segundo, uma coisa são ataques a Marina, tipo “sorriu no enterro”, “é traíra porque saiu do governo Lula (Erundina também saiu)” e etc. 

    Outra coisa é colocar, como o Avatar abaixo, evidências de ligação dela com os neoliberais da era FHC. Portanto, voce está tergiversando quando diz que ser atacada por tucanos o petistas é prova de que ela é de “centro”.

    Voce convenientemente escolhe responder aos ataques realmente bobos, e superficiais e ignora a colocação do Avatar e do Nassif, que diz como o verdismo dela está em cumplicidade com o rentismo.

    Isso é que o Theo Rodrigues reclama. Não quer saber de fofocas. Quer o posicionamento em relação a isso. Presença do estado ou desregulação e ortodoxia na política monetária? Gianetti, Lara Resende e etc?

    Espero de voce, ou de outros que apoiam a Marina que assumam que pregam a volta das políticas neoliberais, ou argumentem com fatos que ela não significa isso. Qual a diferença da dupla Aécio/Persio para a Marina/Gianetti?

    Em relação à questão do secularismo, voce novamente tampa o sol com a peneira. Isso não é desqualificação. É constatar o óbvio. Não sei em relação à casamento gay, mas sei sim que ela rejeita pesquisa em célula tronco, e é contra o aborto. Isso já ouvi de sua boca evangélica (dela), caro Gunter. Portanto, não vê-la como possível ameaça ao secularismo é enfiar a cabeça no chão, tal qual avestruz;

    Enfim, Eduardo Campos, ok. Mas Marina Silva, agora não mais como vice, mas como presidente, deveria lher ser incomôdo. Senão é, só posso concluir que seu antipestismo está turvando sua racionalidade. Me desculpe

     

    • Grupos distintos mas próximos entre si.

      Não acho que dizer que Marina tenderá para ajustes liberais na economia seja um ataque. Nesse caso é divulgação do programa. Um eleitor de Aécio sente-se mais confortável num eventual 2º turno assim, inclusive.

      Eu não estou “convenientemente” fazendo nada, mania de tentar achar significados ocultos.

      Só se o que eu falo for conveniente para a campanha de Dilma, já que alerto que a campanha em redes sociais como é feita não só não afasta secularistas de Marina como ainda pode tirar evangélicos de Dilma.

      Esse “medo de Marina, a evangélica” é uma narrativa que alguns gostariam que outros acreditassem. Não há que se ficar chateado porque a narrativa não colou. Acontece.

      Mas se os estrategistas do PT acham que está bom, beleza também.

      Falar em “antipetismo” é tão falta de argumento como em outras feitas falar em “russofobia”. Isso é sem substância. mas está desculpado porque já estou habituado.

      E se o deixa feliz, pense o que desejar. A realidade presencial é diferente deste círculo autocentrado de pensamento que costuma ser exposto aqui. Eu tento trazer elementos da realidade, se os colegas não querem enxergar, paciência.

      Minha opinião sobre liberalismo x desenvolvimentismo está aqui:

      http://jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/desenvolvimentismo-x-liberalismo-x-crescimento-a-novela-que-nao-termina

       

  27. POR FALAR EM CAMPANHA DE ÓDIO….

    Seria interessante que recordássemos as isentas avaliações do comentarista.

    Ban ‘deeply disturbed’ by reported attack on refugee convoy in eastern Ukraine

    A resident of the Artema suburb of Sloviansk, Ukraine, in the rubble of what used to be her summer kitchen, in July 2014. Photo: UNHCR/Iva Zimova

    <div class=”addthis_toolbox addthis_counter_style” “=””>

    18 August 2014 – Secretary-General Ban Ki-moon is deeply disturbed by today’s alarming reports regarding an attack on a column of internally displaced persons (IDPs) attempting to leave the Luhansk region of eastern Ukraine.

    “He urges all sides to respect the rules governing the status of IDPs and refugees and to allow safe passage to anyone attempting to leave areas of active military operations,” Mr. Ban’s spokesperson, Stéphane Dujarric, told reporters in New York.

    “This tragic incident makes the urgency of a ceasefire and a diplomatic solution even more stark,” Mr. Dujarric added.

    According to media reports, the Ukrainian military says many people, including women and children, died when rockets and mortars hit vehicles during today’s attack.

    The Secretary-General has repeatedly called for a peaceful resolution of the ongoing crisis in eastern Ukraine and emphasized the need for progress in implementing the peace plan announced by President Petro Poroshenko in June that involves proposals for decentralizing power, holding early elections, and creating a buffer zone on the Ukrainian-Russian border.

    Mr. Dujarric added that, in continuation of his good offices, Mr. Ban has asked Under-Secretary-General for Political Affairs Jeffrey Feltman to return to the Ukrainian capital, Kiev, this week.

    FONTE: http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=48509#.U_YAPcVdWSo&nbsp;

  28. Eleição:Qualquer estratégia

    Eleição:

    Qualquer estratégia profetica com bases e dados subjetivos

    estatisticos  , pré moldados , bonitos  é bumerangue!

     

    Obs. A duas semanas atrás o discurso era outro,

    com dados logisticos ( ou não..) gráficos (ou não)

    melhor não trocar de camisa por enquanto…mesmo

    que ela aperte um pouquinho.

  29. O voto niilista não deu bons frutos na Espanha

    Marina soube muito bem se apresentar como uma pessoa que é contra “tudo o que está aí” quando das manifestações de junho, convocadas pela Fiat e cia em pé de guerra por conta da queda dos juros ao patamar de 5% que, na sequência, trouxe a Ana Maria Braga com sua “revolução do tomate” exibindo seu colar com a leguminosa, nesse caldo de niilismo os jovens descrentes com a politica foram as ruas e prá isso qualquer slogan servia de 20 centavos a PEC 37..,,,  Marina, que de boba não tem nada, conseguiu se apresentar como a representante do “novo”, no caso o velho seria o PT. Só que de novo Marina não tem nada..,,a única novidade é que ela é uma espécie de não-candidata(veio na esteira de uma tragédia), ela é “apartidária” sem ser,  Marina tem um gogó que encanta o povo com suas respostas na ponta da língua para sanar todas as dúvidas e deixar o ouvinte satisfeito, características que Collor e Jânio Quadros também tinham,…sem a menor sombra de dúvida, Marina é a candidata ideal para as grandes corporações interessadas no CONTRA O PT, QUALQUER UM SERVE e o passos para se chegar ai sabemos de cor: Primeiro vem a demonização na mídia e, em seguida, uma candidata que caiu do céu para salvar o Brasil dos “petralhas”…,,tudo muito bem traçado.,,,,se voltarmos no tempo veremos que foi assim que SP trocou o PT por Maluf que, na sequência, emplacou Celso Pitta, Serra, Kassab..,,podemos também dar uma olhada na Espanha que, por conta de manifestações “contra tudo o que está aí” elegeu um governo conservador, deixando na rua da amargura os jovens que foram às ruas…,,..não vejo pq não abordarmos assuntos que nos interessam e que são fundamentais para o futuro deste país.,,..O voto niilista não deu bons frutos na Espanha(LINK)

     

  30. A renegação da política

    O eleitor de Marina não reconhece herança nenhuma, nem de FHC ne de Lula, pois na sua essência ele renega a política e os políticos. E encontra eco muito grande nas atitudes da sua candidata, que pela segunda vez consecutiva, isoladas as circunstâncias, lança-se canditada por um partido ‘de aluguel’.

    Marina representa a não política e conta com o apoio forte da mídia na consolidação dessa imagem. O PSB de Campos teve os 15 minutos no JN, agora à Marina são oferecidos outros 15 como se ela não fosse candidata do partido, que já teve tempo para apresentar as principais propostas. (mentira porque proposta é a última coisa que aparece nas entrevistas do JN).

    Existe um programa de governo, que ela não endossa, existem alianças que ela não quer sustentar. Assim, vai ganhando ‘ares’ de independência e sendo poupada da necessidade de posicionamento acerca das principais questões do país.

    Assim foi em 2010 e até então tem sido assim em 2014.  É preciso cuidado ao afirmar que existe uma ‘campanha difamatória’, parece que o que está latente neste momento é uma cobrança concreta por posicionamentos, afinal, por mais que a candidata renegue, ela  está lançada como representante de um partido político.

     

     

  31. olha  nivel nassif,,, metodo

    olha  nivel nassif,,, metodo conhecido, usar lgbt para defender eua (obamaxputin vespera de brics) ou atacar esquerda ou pt

    “vamos acabar com raca do pt” dirigente hoje do psb

    “Além disso, a frase de Marina desrespeita toda a luta do movimento LGBT em defesa dos seus direitos. E mais do que isso, busca construir um conflito que pode existir na cabeça de meia dúzia de alucinados, mas que não tem nada a ver com o posicionamento real dos que debatem o assunto a sério.” materia de 05/2013

    http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2013/05/15/marina-silva-ataca-movimento-lgbt-que-confronta-marcos-feliciano/

    • A Forum gosta de parecer simpatizante

      mas nunca coloca as críticas que se deve fazer ao governo federal. Acompanho faz tempo, em 2011 foi muito omissa (como blogosfera em geral) no cancelamento do kit antihomofobia. Depois se omitiu na revogação da lei antihomofobia do DF e no enterro do PLC 122/06.

      E este ano pode ser tudo menos imparcial. É claramente pró-Dilma.

      O que acontece é o seguinte: políticos ficam torcendo para minorias acreditarem nas suas narrativas. Deveriam perguntar às próprias minorias o que acham.

      Porque não gastar um pouquinho do fundo de campanha para fazer uma pesquisa de opinião? O que LGBTs querem, em quem eles acreditam?

      Senão fica só torcida “oh, tomaram que eles não percebam que o que eu faço não é o que eu digo.”

      O PSB, o PV e o PSoL já andam se comunicando com LGBTs pelo menos desde dezembro passado:

      2013 12 20 http://jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/o-psb-buscara-ser-simpatizante [-]

      2013 12 27 http://jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/lgbts-nao-serao-orfaos-politicos-em-2014 [-]

      Essa bandeira não é mais do PT.

      Nem da Revista Forum. Por mais que ela publique artigos sobre o assunto as pessoas notam que é para dar um verniz e que não vai ao cerne dos problemas.

      Nem para criticar Putin serve.

      O Azenha até criticou Lindberg no episódio do PLC 122 9dez./2013) Fora isso, é parecido. Diz que é simpatizante a LGBTs mas evita falar dos desmandos no Congresso.

      O único blog governista que mais ou menos aborda bem questões LGBT, com transparência e sem fazer defesa incondicional do governo (que não cola mesmo) é o Socialista Morena, de Cynara Menezes.

      No fundo tudo isso é reflexo de um fenômeno: esquerda não consegue desenvolver alteridade por minorias, apesar de seus lindos discursos de que o faz.

      É por isso que em SP nem LGBTs nem evangélicos nem ambientalistas dão maioria para o PT. No máximo dão os 30% que a maioria católica heteronormativa dá.

       

       

       

  32. Começou a debandada: Progressistas abandonam Marina Silva

    MARINA CAUSA 1º RACHA EM SUA CAMPANHA: “GROSSEIRA”

     

    Militante histórico e secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira deixa, furioso, a coordenação nacional da campanha da legenda; “Pela maneira grosseira como ela me tratou”, disse ele, justificando a atitude; segundo Siqueira, Marina Silva foi “muito deselegante” com ele na reunião de ontem; “Se ela comete uma deselegância no dia em que está sendo anunciada candidata, imagine no resto. Com ela não quero conversa”, rebateu; “Não estou e não estarei em hipótese alguma na campanha desta senhora”, acrescentou; deputado Walter Feldman, homem de confiança da ex-senadora, assume a coordenação

     

    21 DE AGOSTO DE 2014 ÀS 11:36

     

     

    247 – A ex-senadora Marina Silva acaba de provocar o primeiro grande racha no PSB ao entrar no lugar de Eduardo Campos como candidata a presidente da República. Carlos Siqueira, secretário-geral e militante histórico da legenda, deixou a coordenação nacional da campanha que agora é da ex-senadora. “Pela maneira grosseira como ela me tratou”, disse ele à Folha de S. Paulo, justificando sua atitude.

    Siqueira contou que a nova candidata, que era vice de Campos, o tratou de maneira “muito deselegante” na reunião ocorrida entre lideranças do partido nesta quarta-feira 20. Ele não deu detalhes, mas segundo a Folha, Marina teria dito a Siqueira que ele não precisaria mais se preocupar com a coordenação do projeto político. Na avaliação de Siqueira, se ela “comete uma deselegância no dia em que está sendo anunciada candidata, imagine no resto”. “Com ela não quero conversa”, ressaltou.

    “Eu havia anunciado que minha função estava encerrada com a morte do meu amigo. Na reunião ela foi muito deselegante comigo. Eu disse que não aceitaria aquilo e afirmei: ‘a senhora está cortada das minhas relações pessoais’ “, disse Siqueira. “Não houve engano nenhum. Não estou e não estarei em hipótese alguma na campanha desta senhora”, acrescentou.

    A saída do coordenador da campanha é um sinal de como será espinhosa a relação entre a ex-senadora e militantes do partido e mostra o quão era limitada a Eduardo Campos, ex-presidente do partido e morto num trágico acidente aéreo na semana passada, a aliança com a líder da Rede. “Perdemos a eleição hoje”, disse ontem um auxiliar dos socialistas, logo após Marina ser oficializada candidata do PSB, segundo relato do jornalista Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília (leia aqui).

    O PSL, que fazia parte da coligação da campanha de Campos, também já anunciou sua saída depois da oficialização do nome de Marina. O partido, presidido por Luciano Bivar, anunciou que está liberando seus diretórios para apoiarem os candidatos que julgarem melhor. Em Pernambuco, o deputado federal Mendonça Filho, líder do DEM na Câmara, também mandou o recado de que não estará mais no palanque da ex-senadora.

     

    • Marina agora é serrista desde criancinha

      Marina abandona Suplicy e vai de Serra em SP. Candidatura de Aécio à beira do telhado

       Serra e Marina, só na ‘simpatia’

      Da coluna de Mônica Bérgamo na Folha:

      Marina Silva não apoiará mais Eduardo Suplicy, do PT, ao Senado em SP. E sim dirá que a aliança que representa apoia José Serra, do PSDB.É assim que Marina retribui o apoio que recebeu de Suplicy, um petista histórico, quando da tentativa frustrada de fundar sua REDE, como noticiou o Uol em fevereiro do ano passado:

      O senador petista Eduardo Suplicy (SP) foi ovacionado no início da noite deste sábado (16) ao apresentar apoio à amiga e ex-colega de Senado Marina Silva. Suplicy chegou já perto do fim do evento de lançamento do partido “Rede Sustentabilidade”, de Marina. 

      Após um longo discurso no qual contou as experiências que partilhou com Marina Silva, Suplicy assinou a lista de apoiadores  – que precisa ultrapassar o número de 500 mil assinaturas de eleitores, em pelo menos nove Estados, segundo exigência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).
      Agora, nos braços de Serra, Marina abandona quem lhe deu a mão e empurra a candidatura do tucano Aécio Neves telhado abaixo. Sem Rede de Sustentabilidade.

      OBS: Não dou links para a mídia corporativa porque eles também não nos linkam quando nos citam.Blog do Antõnio Mello

       

    • O PSB provavelmente vai sair

      O PSB provavelmente vai sair menor dessa eleição…mesmo que a Marina ganhe. Na real, já saiu com “saldo negativo” com a saída de deputados na época que o Campos anunciou a candidatura. Perdeu +/- 25% até onde lembro.

      No RS é praticamente certo que vai “quebrar a cara”, considerando a realidade política local. Em 2010 eles (PSB) concorreram coligados com o PC do B da Manuela para deputado federal e fizeram 3 deputados. E os 2 candidatos mais votados para deputado federal naquele ano foram a Manuela (que optou por sair candidata em nível estadual) e o Beto, vice da Marina. Com os 2 foras, pouco provável que o partido seja capaz de eleger 1 deputado sequer, já que os outros 2 deputados do PSB foram os menos votados entre os eleitos no Estado, abaixo de vários deputados de partidos maiores que ficaram de fora devido ao coeficiente eleitoral.

    •   No dia da reunião em que ia

        No dia da reunião em que ia ser indicada a “ungida” já disse a que veio?

        Nada como ter a tutela da “Providência Divina”. E de tantas outras “divindades” terráqueas. 

        Agora, cá entre nós, para essa turma do PSB cabe como uma luva o refrão popular: “sabem nada, inocentes’.

        Ou sabem?

  33. Hahahaha, seguindo a nova

    Hahahaha, seguindo a nova medida estatística apresentada, Dilma já está eleita porque não tem partido no mundo que apanhe mais do que o PT. 

    Efeito bumerangue Marina vai ver quando começarem a lhe cobrar a coerência e santidade prometida; a novidade da polítca e outras quimeras mais. Só basta perguntar uma coisa: Marina, como é que você conseguiu transformar o PSB em legenda de aluguel se não conseguiu registrar seu próprio partido?

  34. Marina vai se descontruir

    Marina vai se descontruir sozinha. É só dar um pouco de corda que ela se enforca, que nem o batman.

  35. copy cole do merval
    “Afinal,

    copy cole do merval

    “Afinal, o eleitor de Marina/PSB é justamente dos que reconhecem ambas as heranças (FHC/Lula), deseja que se governe com os melhores (nem que melhores sejam governadores do PSDB em uns estados, do PT e PMDB em outros) e, principalmente, andam justamente um pouco cansados das polarizações infladas.”

  36. Vitimizando Marina…

    Concordo com o Gunter quando ele fala que a estratégia desqualificadora volta como um bumerangue. Só que quem usou da estratégia desqualificadora foi a MArina Silva.

    Vejam abaixo esta notícia de outubro de 2013, quando ela aderiu à campanha de Eduardo Campos.

    Marina fala em acabar com “chavismo” do PT

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/116873/Marina-fala-em-acabar-com-chavismo-do-PT.htm

    […]”Eu fiz esse acerto com o Eduardo Campos porque chegou a um ponto que eu não tinha outra alternativa. E o PSB é um partido sério. A minha briga, neste momento, não é para ser presidente da República, é contra o PT e o chavismo que se instalou no Brasil”, disse a ex-senadora, segundo relatos de integrantes da Rede, que participaram da reunião[…]

    Portanto, a Marina desqualificou e o que ela obtem agora que é a volta do bumerangue.

    Essa idéia de vitimizar a Marina Silva e tentar passar ela como “boazinha” e “atacada por todos” é risível.

    É claro que alçada À condição de candidata ela passa a ser alvo de ataques, aliás como os demais candidatos. Candidatos que por sinal, fora da condição de candidata ela atacava. Que historinha mais disparatada tentar colocar a Marina como vítima de desqualificações.

    Ela está usando uma esttatégia despolitizada. Apresenta-se como a herdeira de Eduardo Campos de uma forma despolitizada proccurando aproveitar a comoção da tragédia, é claro que as críticas a ela tornam-se assim despolitizadas também.

    Quando ela parar de fazer-se de viúva política do falecido e passar a posicionar-se politicamente como candidata as críticas passarão a ser políticas também.

    Pessoalmente eu acho que não se deve dar muita importância à Marina. Sua posição é muito frágil, representando uma grife e não um projeto político. Para os que apóiam Dilma o melhor é concentrar-se na divulgação das realizações do atual governo e contrapor o projeto social democrata do PT À alternativa neoliberal representada por Aécio e ao qual a Marina é apenas uma adesista de oportunidade.

    Lembro apenas que não há partido que receba mais ataques desqualificadores de baixo nível do que o PT nem pessoas que recebam mais esse tipo de ataque que Lula ou Dilma. Portanto a volta do bumerangue vai atingir é quem faz esses ataques entre os quais se encontra (como comprova o link acima) a própria Marina Silva.

     

    • Mas Ruy!

      Se você acha que falar que PT lembra chavismo (ou bolivarianismo) é desqualificador, é porque você acha chavismo desqualificador? Não tem sentido isso.

      Se você for a favor de chavismo e bolivarianismo deveria achar isso elogio. 

      Aí funciona exatamente como falamos: bumerangue, volta a favor de Dilma/PT. No caso a repercussão junto a eleitores favoráveis ao chavismo.

      Chamar Marina de liberal também não parece desqualificador. Para os eleitores dela não é.

      Ao chamá-la de liberal se está é fazendo propaganda dela. (E mantendo com Dilma os eleitores anti-liberalismo.)

      “Comunista” é que é a maior bobagem, não por ser desqualificador, o que também não é, mas por ser infundado no caso. 

      E o eleitor percebe as qualificações pertinentes e as que não são.

      Não vi, não vejo e acho que não verei propagandas de Marina/PSB fazendo discurso de “esquerda”. Se alguém faz, é discreto.

      E nem parece ser isso o que seus eleitores buscam.

       

       

      • Ai voce exagerou né Gunter.

        Ai voce exagerou né Gunter. Como que falar em “chavismo do PT” não é desqualificar e desmerecer o partido e o Governo de Dilma ? É usar um preconceito arraigado em partes da população para tentar atacar um Governo. Tantativa de associar o Govenro Dilma a governos de outros países, que estão em situação bem piores que o Brasil está. É evidentemente um abaixamento do nível.

        Quer um exemplo: É a mesma coisa então de chamar alguem de gay de maneira ofensiva, com o objetivo de desqualificar. O fato de ser gay não desqulifica em si, mas o ato de se dirigir a pessoa dessa forma e o contexto, pode sim desqualificar.

        De qualquer maneira acho interessante um segundo turno entre Dilma e Marina, mesmo que seja mais fácil vencer o Aécio. Se for este o caso, Marina terá que se expor e mostrar realmente o que pretende fazer com o País, não poderá mais se esconder. Deixar o Gianetti na linha de frente da economia é péssimo a meu ver, muito pior do que deixar o Armínio Fraga.

        Aliás, Gunter, e com relação à economia, em um Governo Marina, o que voce espera ?

        • Uai, preconceito se combate com verdade.

          Cabe ao governo Dilma através de sua comunicação esclarecer isso então.

          O que se vê em redes sociais não é isso.

          É só olhar o comportamento neste blog e muitos dos mais visíveis na blogosfera.

          O eleitor que se identifica como dilmista normalmente é apoiador de Maduro. Ao menos nas conversas sobre o assunto.

          E ainda piora: quase todos os apoiadores de Putin em redes sociais são petistas. Raramente vejo psolistas. (Apoiadores do discurso Hamas vejo em ambos.)

          Se o PT se envergonha de apoiar bolivarianos ou chavistas, assim como se envergonha de apoiar manobras antissecularistas e ruralistas no Congresso, ou de políticas repressivas a manifs, é um problema da narrativa do PT.

          Não cabe aos opositores fingirem que não vêem isso, pois afinal é por isso mesmo que são opositores!

          Se parte dos brasileiros acha que a política externa é viesada, isso deve ser exposto, não ocultado.

          Chamar alguém de gay é ofensivo sim, do modo que você explicou. Só que o exemplo não se aplica à política, seria uma falsa analogia.

          Se há preconceito contra alguma ideologia, o preconceito deve ser combatido. Como quando havia preconceito contra comunistas décadas atrás.

          Mas chamar alguém de chavista não é preconceito, pois é uma opção a pessoa ser e/ou defender o estilo de governo.

          Se alguém acha que deve defender os métodos do chavismo, que defenda oras, que não se envergonhe disso.

          Assim como chamar alguém de liberal também não é ofensa.

          O que é diferente de equívoco de diagnóstico.

          Em sendo assim, se Marina/PSB não quiserem ser vistos como liberais devem explicar o porquê. Idem para PT/governo, se não querem que as pessoas digam que são chavistas, devem explicar o porquê, não?

          Pense em estatismo vs patrimonialismo. É a mesma coisa.

          Enfim, se o PT sabe que não é do gosto do brasileiro médio o estilo chavista de governo deve explicar que não o defende para o Brasil. Ou deve explicar porque o defende.

          Defender em público o chavismo na Venezuela e ficar calado sobre o que pretende para o Brasil é só levantar mais ainda a lebre.

          E se a intenção é ganhar os votos da maioria, está certa a oposição em elucidar isso.

          Assim como estão certos os petists em questionar os outros sobre programas sociais e futuras políticas econômicas.

          As regras devem ser as mesmas para todos. Não existe esse direito adquirido a só o PT poder fazer críticas.

          • Justamente, e o Governo até

            Justamente, e o Governo até onde eu sei, não é nem similar ao da Venezuela ou ao suposto “Chavismo”.

            Mas continuo não concordando com o cerne da sua argumentação. Para mim, “chavismo”, pelo menos no Brasil é um neologismo que apenas tem sentido pejorativo, não teria como alguem “se orgulhar” dele.

            Mas enfim, com a campanha, a Marina terá que se expor mais e ai veremos o que ela pretende para o País.

          • Entendi seu ponto.

            De fato chavismo tem conotações negativas (restrições a imprensa, aparelhamento do estado, supremacia do poder executivo, congelamento de preços, defesa da política externa da Rússia) e conotações positivas (distribuição de renda, investimentos sociais.)

            Mas para outro campo ‘liberalismo’ é vendido como se fosse a encarnação do mal, não encontram nada positivo nele (eu também não encontro, acho o social-liberalismo superior em todos os aspectos.)

            Também acho, portanto, que não há motivos para alguém se orgulhar nem de chavismo nem de liberalismo.

            Mas aí cabe a Dilma, Marina e Aécio explicarem que não são nem chavistas nem liberais. Ou, se quiserem ser, explicar o porquê.

            Agora, se o chavismo for tido como algo negativo, e o PT parece chavista e alguns militantes ainda se orgulham disso e outros não os contestam, aí fica difícil, né?

            É como a questão do secularismo. O PT vem ganhando fama de antissecularista. É hoje tido em alguns meios como pior defensor do Estado Laico do que o PSB (com Marina inclusive.)

            Marina gravou em 1 ano 4 entrevistas defendendo o Estado Laico, Casamento Civil Igualitário e direito a LGBTs terem políticas antidiscriminação do estado (fora as mensagens que sua equipe ou do Rede-Diversidade postam.)

            Dilma e Aécio não gravaram 1 em 4 anos. 

            Mas os militantes do PT não fazem defesa do Estado Laico, fazem defesa, isto sim, das manobras no Congresso para agradar partidos como PP, PR, PRB.

            Assim também fica difícil, né?

            Não cabe a nós esconder isso tudo, ao contrário, é necessário explicitar para que o PT justifique sua postura. Ou, se é por aí mesmo, que as pessoas votem no projeto sabendo como o mesmo realmente é.

            Se a oposição não alerta para as coisas negativas, o PT mesmo é que não irá fazê-lo, certo?

            A narrativa do PT em redes sociais é uma mistura de defesa do estatismo, antiamericanismo, antissecularismo, bolivarianismo, fisiologismo e outros ismos.

            Isso se agravou muito de 2011 para cá. (Tanto que até 2010 eu preferia o PT.)

            Aqui na área de comentários é um show de tentativas de defesa do indefensável.

            Se surgiu (ou se amplificou) um sentimento anti-PT no Brasil eu acho supercompreensível. A coisa só piora!

            Se tudo isso incomoda ao PT, oras, que mudem a campanha em redes sociais, que informem melhor seus militantes, que discutam se isso não é contraproducente.

            Mas enfim, é como você diz, com a campanha e nos debates todos exporão melhor as coisas.

             

      • Gunter, você está tentando

        Gunter, você está tentando tergiversar sobre o fato do termo “chavismo” ser ou não desqualificador, mas sabe muito bem que a questão que eu coloquei não é essa. Essa técnica de pegar o detalhe para não discutir a essência não dá certo em um debate franco.

        A questão é que a Marina usou o termo como desqualificador, aliás, nem é importante qual o termo que ela usou, se foi chavismo, comunismo, socialismo ou qualquer outro. A questão é ela ter colocado que o seu objetivo era tirar o PT do poder.

        Isso é uma afirmação de desqualificação. A questão não é de programa, projeto ou idéias, é pessoal. Não se trata de melhorar o Brasil, trata-se de acabar com o PT. Coloca o PT como um mal a ser combatido. Sim, isso é desqualificação Gunter, aqui ou em qualquer outro lugar no mundo.

        E a desqualificação que alguém possa estar fazendo com ela agora, é a volta, não é a ida como você afirma, erroneamente ao meu ver.

        O resto você colocou para debater o detalhe, a questão do chavismo e com isso se furtar a debater a essência, de que Marina é a primeira a desqualificar seus adversários, portanto não tem moral quem quer que não se use a desqualificação com ela.

        Veja que eu não defendo esse tipo de abordagem. Tanto quanto você, acho que é contraproducente. Há questões muito importantes a serem debatidas e eu acho que ao se fazer esse debate a Marina vai se perder, porque não tem um projeto. Porém não acho que tenha moral para reclamar que façam com ela o que ela faz com os outros.

        Lógico que xingamentos, calúnias e ataques vis estão fora dessa questão. São condenáveis não importando se o alvo é useiro e veseiro desses expedientes ou não. E MArina nunca fez ataques com esse nível de baixaria, embora simpatizantes dela façam.

        Aliás esse é outro ponto importante Gunter. Você pega a atitude de alguns simpatizantes do PT e por ela toma o PT todo. Tenho certeza que não quer que se generalize a atitude de alguns “marinistas” sem noção como atitude da MArina ou de todos os seus apoiadores, muito menos da mítica “rede” que seria seu próprio partido. Então por que Gunter, você faz esse tipo de generalização com o PT?

        Eu não calunio nem xingo ninguém, Dilma, Lula e os políticos do PT não fazem isso, o partido não faz isso… Alguns fazem, mas você generaliza para todos usando o espaço amostral dos que você diz conhecer. Uma amostra que garanto, não é representativa do todo. Talvez você esteja vendo aquilo que quer ver com muito mais atenção do que aquilo que não quer ver. Bem, mas isso não é importante, sua percepção pessoal é sua e ninguém tem nada com isso. MAs tampouco serve como base para fundamentar generalizações que você está fazendo.

         

        • Uai, Ruy.

          A culpa do ambiente por acaso é de quem o questiona?

          Menos.

          Se a interpretação for a de que a fala dela foi desqualificadora, então pronto, será bumerangue para ela também.

          O que vale para Chico vale para Francisco. Por isso no título “qualquer…”

          E se você ler o texto verá que eu falo em militânias do PT – e – PSDB.

          E o discurso do PT para o estado de SP é “tirar do poder”. Não é isso que falam? Que vale até apoiar Skaf (que boicota a PMSP-SP) com esse fim? Não é esse o tom da campanha na televisão dele?

          Faça o que eu digo mas não faça o que eu faço…

          Talvez você esteja vendo aquilo que quer ver com muito mais atenção do que aquilo que não quer ver. 

           

           

  37. É mesmo Gunter, quer dizer

    É mesmo Gunter, quer dizer que aquele interrogatório a la Doi-Dodi pra cima da Dilma no JN é teu exemplo de civilidade, e que os simpatizantes do PT não deveriam reagir a essa baixaria… aguardemos como o casal Bonner_Poeta vai se comportar com a tua candidata. Desde 2003 o termo PTralha rola solto na net, outro exemplo extremo de civilidade… deve ser assim…

    Uma curiosidade, já te contaram, sobre a tua escolhida:

    – que ela é criacionista e põe Deus em tudo que é problema pra ser resolvido, principalmente os de natureza social?

    – que ela disse que a “providência divina” a livrou da morte no mesmo vôo de Eduardo Campos, ou seja, ela é bem melhor que os outros e uma “escolhida” por Deus.

    – que é e apoiada por Setúbal, o dono do Itaú… de onde saíram aquelas vaias (lembra?) na Dilma na abertura da Copa?

    – que é a queridinha, agora, da Globo, da Folha, da Veja e de todos os que querem a qualquer custo apear Dilma e o PT?

    – que apoiou com aquele sorriso maroto e aquela falsa ilusão de ingenuidade as manisfestações nazi-fascistas de Junho de 2013 aqui no Brasil?

    Ou esse fatos são pra serem, digamos assim, momentaneamente esquecidos… em nome da “civilidade” da campanha?

    • Sem inferências, João Maria

      Eu não falei nada sobre entrevistas no JN. Nem as acho importantes, como pôde perceber pela minha ausência de comentários nos posts a respeito.

      Não adianta atacar a quem não ataca.

      Eu não uso o termo PTralha, mas sou atacado em redes sociais como se tivesse usado. Só por declarar voto em Campos (há meses atrás) começaram a me chamar de fascista ou reaça.

      Recentemente petistas declararam como “doce vingança” em relação a LGBTs um hipotético (ainda que saibamos que mentiroso) apoio de Feliciano a Marina.

      Faz algum sentido isso? O PT precisa se vingar de LGBTs?

      Acho que ambos ataques apenas reforçam a preferência pelo PSB, não o contrário, não é?

      Há falta de compostura nas redes sociais, mesmo de pessoas com as quais temos relacionamento e são de elevado nível de informação e conhecimento.

      Sobre Marina não ser criacionista:

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=ERs-0uRaiRk%5D

      Sobre sorriso:

      https://www.facebook.com/gunter.zibell/posts/704265719644925?comment_id=704727589598738&offset=0&total_comments=70&notif_t=share_comment

      Sobre vaias: é exatamente o que eu argumento no título deste post: eventuais eleitores de Campos e Aécio jogaram água para o moinho de Dilma. Não deveriam tê-lo feito. Eu não faria.

      Sobre providência divina há uma boa discussão aqui:

      https://www.facebook.com/renato.janineribeiro/posts/916029838411813

      Eu não vejo problemas em um candidato ser apoiado por um banco. Em 2010 circulou na blogosfera o apoio do Bradesco à Dilma e isso foi muito comemorado na época.

      Não vejo problemas em mídia refletir o desejo de 3/4 de seu público classe média. Se há percepção nesse conjunto de que deve haver mudanças, a mídia reflete isso. Se eu tenho a mesma percepção, porque eu deveria omitir as críticas pertinentes que são feitas?

      (Eu até poderia defender Dilma das “impertinentes”, mas como sou tão atacado não perco meu tempo. Acho o cúmulo isso de pedir apoio em redes sociais a quem justamente se xinga e ofende. Deixo, portanto, que extrema-direita e petismo se digladiem entre si.)

      Chamar as manifestações de junho/2013 de nazifascismo é desinformação e reducionismo. Havia sim grupos integralistas e de extrema-direita se aproveitando do ambiente estimulando sua continuidade após os recuos dos governos na questão das passagens, mas não foi essa a origem das manifs. Nem de outras que se seguiram. E a reação de vários governos estaduais e do governo federal também foi criticada como de inspiração autoritária. Muitas vezes e inclusive neste blog.

      Esse é o problema. Como Marina não tem esqueletos no armário, como é um risco real para as candidaturas favoritas, acaba acontecendo isso, argumentações contra ela facilmente descontruídas.

       

      • Tem certeza que ela não tem

        Tem certeza que ela não tem esqueletos no armário, prezado? Sabemos quem paga o jatinho para ela, mas por que e a troco de que? Quanto ela ganha nas palestras dela? Declara a Receita ou sonega, como fazem os bilionários que a patrocinam? Por que muitas das palestras dela, no exterior são sabe-se lá para quem, sabe-se lá por quanto e diz-se nelas sabe-se lá o que? Por que motivo uma das donas de um dos maiores bancos do país e maior sonegador desta nação gosta tanto dela? Por que ela mudo tanto de partido e tanto de opinião? E o marido dela, traficante de madeira? Por que ela se apressou a defender o Feliciano e  não falou um “a” a favor do Jean ?

      • Gunter, sei muito bem o que

        Gunter, sei muito bem o que são desinformação e reducionismo e muito mais ainda o significado da palavra criacionismo.

        Junho 2013 foi o sonhado estopim que a direita instrumentalizou e usou como bem entendeu, só sendo idiota ou jupteriano ou oriundo da Galáxia de Andrômeda pra acreditar que aquilo foi a representação legítima de “anseios populares e juvenis” externados nas ruas, ruas que dutante um tempo, especificamente até a Copa 2014, foi cantada em prosa e verso, inclusive por Santa Marina Silva, como “a maior arquibancada do Brasil”.

        Reducionismo é dizer que o Brasil virou, com o PT no governo, uma ameaça chavista.

        Desinformação é esconder que Marina é apoiada pela direita brasileira sob o manto da sustentabilidade; a menos que você me convença que Jorge Bornhausen e Heráclito são eco-socialistas de berço e que a Natura e Itaú são entidades de fato  preocupadas com a diginidade dos seres humanos e com o destino final do Rio Tietê.

        Me traduza o que significa “providência divina” em se tratando do Dedo de Deus escolhendo quem deve ou quem não deve morrer numa plena efervescência de uma campanha para Presidente da República.

        • Nada a ver.

          Eu não estou dizendo que Marina não é apoiada por setores da direita brasileira. Assim como Aécio e Dilma são apoiados por outros.

          Nem apoiadores de Marina dizem que ela não é apoiada, oras.

          Eu não preciso convencer você de nada, portanto.

          Só de que você deve dirigir suas questões a quem faz as afirmativas que você questiona. 

          Que não adianta fazer propaganda sob falsas premissas, bom, acho que isso nós concordamos, não?

  38. Se a Santa da Floresta, acha

    Se a Santa da Floresta, acha que a Globo e a Midia do Mercado eh capaz de protege-la da disputa politica que esta em jogo, na sexta economia do Mundo. Coitada! Nao deve ter preparo, nem para ser Deputada. 

    A disputa eh de foice! O fato de uma inexpressiva figura, que entendo menos que uma grande amiga em seus surtos psicoticos, demostra do que os interesses do Mercado eh capaz, para derrubar o projeto trabalhista no Brasil.

  39. Gunter!
    Vou opinar aqui no

    Gunter!

    Vou opinar aqui no seu texto.

    Quando se busca qualificar um candidato é por um conjunto de pensamentos e ações.

    Ninguém, com lucidez, vai sair atacando evangélicos, dizer que não se pode ter como Presidenta uma evangélica praticante ou um praticante da Umbanda ou um espírita ou alguém da RCC.

    Apenas é preciso entender que o Estado Laico, mesmo com todas as dificuldades, é uma das conquistas mais importantes do Século XX no Brasil.

    Nós precisamos saber, sim! E antes da Eleição, qual a posição da Marina Silva em relação à separação de Estado e Igreja, de Doutrina da Igreja dela e liberdade de culto (religiosa) e precisamos saber sobre suas posições sobre liberdades individuais e saber como ela se portará diante delas.

    Tudo bem que nenhum Político ultrapassou o limite básico da discussão sobre o Aborto, de tê-lo de encarar como uma questão de Saúde Pública. E, sabemos o motivo porque esta discussão não avança, porque vivemos num País majoritariamente cristão e porque até eleitoralmente exploram a questão: em busca de votos, como ocorreu em 2010, quando o tema foi mais central na campanha eleitoral que a discussão de propostas.

    Todo Político tem direito de seguir uma Religião, de praticar a sua Fé, diariamente, e é justo e bonito que assim aconteça.

    Agora, creio eu, serem justas as manifestações contrárias à sua candidatura por ser evangélica, da mesma forma que defendê-la no seu direito de candidata.

    Da mesma forma que grupos de católicos farão manifestações contrárias e, talvez, na defesa de um voto outro, que não o de Marina Silva.

    De todos os lados existe lucidez ou ataques, ninguém é santo aqui na net. Cada um defende o seu candidato, como eu defendo a Presidenta Dilma, você defende a Marina Silva e outros tantos defendem o Aécio; sem contar os Psolistas e demais militantes.

    Lendo postagem de uma evangélica e pastora ela questiona o fundamentalismo de uma candidata da Assembleia de Deus. Ela é Dilma. Vou dizer que não pode se expressar, porque ela é evangélica, também, e deve se portar gregariamente?

    Se existir questionamento respeitoso, sem ódio, verdadeiro e centrado nas ideias dos candidatos, sobre posturas de suas denominações religiosas deixem que falem de Marina, de Dilma, de Aécio e de quem mais quiserem.

    Nós precisamos é separar a discussão das ideias políticas dos candidatos da pessoa, esta sempre merecerá respeito, pois, a luta é política e não em busca de inimizades pessoais. Aqui o ponto central que, penso eu, devemos buscar.

    Eu saio falando da incoerência de ao mesmo tempo estar no Partido Socialista e ao mesmo tempo ter apoio de uma das herdeiras do Banco Itaú. De estar numa sigla socialista e ter uma equipe econômica com ideário neoliberal e apoio junto ao mercado financeiro.

    De repente vemos que socialismo não é mais uma palavra tabu, porque se precisa de mais um candidato forte para as oposições levarem a Eleição ao segundo turno. De repente a Rede Globo apoia a candidata do partido socialista, e nós vamos dizer que é normal? Vamos, em nome da cordialidade entre candidatos, ignorar tal fato? Não vamos explorar tal contradição?

    Vamos dizer que esta conveniência de ter um partido organizado em território nacional lhe fez chegar ao PSB e aceitar ser candidata sem que se possam questionar as diferenças entre os socialistas e os militantes da Rede? Sem que se questione se o partido socialista pode governar um País, alicerçado no tripé econômico neoliberal?

    Será que este eleitor da Marina Silva sabe do modelo de sociedade pensando por seus “gurus” econômicos? A diminuição do consumo das massas para salvar o Planeta? Vai existir uma discussão séria sobre as liberdades de culto e individual e a questão da preservação ambiental via diminuição do consumo, para os países emergentes ou pobres? Sem que se questione em primeiro lugar os países que mais contribuem/contribuíram para a degradação ambiental? Sem que se questione o meio-ambiente de forma justa, considerando todos os atores, dos grandes aos pequenos?

    Será que vamos nos silenciar diante de ONGS estrangeiras que estão na Amazônia, mais voltadas para pesquisas com nossa biodiversidade para a exploração das indústrias de fármacos e de cosméticos deles, e que tem como desculpa para tanto a preservação da floresta e dos povos indígenas? Por que a Natura é uma das apoiadoras de Marina Silva? O Brasil merece ser apenas um exportador de matéria-prima para as grandes potências do mundo capitalista desenvolvido?

    Temos que discutir tudo.

    Como conciliar o acesso ao consumo de massas, uma novidade em escala maior no Brasil com a preservação do meio-ambiente? Meio-ambiente deve ser discutido, apenas, como preservação da Floresta Amazônica? Ser reducionista a crer que a Amazônia é o pulmão do Planeta? Aceitar como natural a não construção de hidroelétricas, porque afeta a vida de povos indígenas, porque pode mudar o curso natural de rios, atrapalhar a reprodução de alguma espécie de peixe? Ou, pensar em como minimizar os problemas de uma construção de grande porte como uma hidroelétrica, sem danos maiores ao meio-ambiente, garantindo, a produção de energia que levará um desenvolvimento maior à Região Norte e outras áreas do Brasil evitando problemas futuros de desabastecimento de energia no Brasil e garantindo o desenvolvimento industrial, politicamente correto, é claro, do Brasil?

    Não devemos nos desenvolver igualitariamente no Brasil? Sul e Sudeste já estão com melhor infraestrutura e um parque industrial qualificado, então, as outras regiões do Brasil devem aceitar que este modelo de desenvolvimento não cabe mais para o resto do Brasil em prol da sustentabilidade do Planeta? Não existe tecnologia, hoje, para se construir fábricas, casas, hospitais, shoppings centers, etc. com respeito ao meio-ambiente, de forma que tenhamos uma harmonia entre o meio-ambiente e as ações do homem? E, não estou falando de construí-los no meio da floresta, nem quero destruí-la. Apenas questionar o porquê de se questionar o consumo nos países em desenvolvimento e nos países pobres, sem questionar o Capitalismo, a acumulação de riquezas nas mãos de poucos, sem questionar o processo de dominação cultural e econômica a que, nós brasileiros, somos submetidos, diariamente.

    O saudoso Eduardo tinha sido “acusado” de nepotismo na terça-feira e virou Santo na quarta-feira, após o trágico acidente aéreo que o vitimou. Marina virou heroína da noite para o dia. Aécio foi esquecido da noite para o dia, também. O velório do candidato falecido virou o comício inicial da campanha, sendo que Marina, mais parecia a viúva que a própria viúva.

    Soltaram fogos, faziam selfies junto do caixão e da foto do falecido, distribuíam material de campanha em pleno velório, todos uniformizados. E Marina do lado do caixão é a imagem mais explorada pelas mídias tradicionais.

    Temos que aceitar com naturalidade todo este processo de transformar uma tragédia em um enterromício ou um veloriomício como apelidaram em textos bem didáticos e interessantes depois dos fatos acorridos?

    Não seria Ético a Marina Silva, agora candidata, ter mais discrição e não aceitar este papel que a velha mídia explorou nela. Ela poderia ser mais discreta e dizer: não! Penso eu. Poderia ficar um pequeno tempo no velório e se retirar do recinto, não se deixar fotografar tanto, certo?

    Nem sei se não pegou mal na população. Se não virou o fio com toda aquela situação de exploração da candidatura dela no enterro do Eduardo.

    Repito: ninguém é Santo! Temos que falar e defender nossos candidatos.

    Gunter!

    Nós queremos uma discussão honesta na Eleição. Sem filtros midiáticos, nem maquiagem favorável ao candidato A, B ou C. Deixemos a militância se expressar, defender seus candidatos, suas ideias e que se mostrem as incoerências de todas as candidaturas!

    Abraço,

    Alexandre!

  40. Alexandre Weber: eu jurava

    Alexandre Weber: eu jurava que tu eras eleitor, até cabo eleitoral, do psb! Agora, da marina, aquela que nem como ministra funcionou, sabemos o quê? Quase nada, a não ser que foi incapaz quando teve que mostrar serviço e que ela se beneficia(?) do itaú e de empresas que utilizam a floresta para compor seus comercializados e caríssimos produtos de beleza. O gunter é conhecido, só vota em espíritos. Desculpa gunter, mas os teus comentários são pra lá de utópicos. Eu escuto pessoas que não votarão na marina por preconceito e por acharem ela “feia”, isso sim, é uma barbárie, típico do analfabeto político que votaria em qualquer bundão da mídia para qualquer cargo público. Mas, se pensarmos, a nova santa marina, também, tem seus preconceitos, típicos dos conservadores, ou melhor, ultra conservadores. Não votaria nela, não por motivos fúteis, mas porque sei que ela é muito frágil, muito desatualizada sobre o mundo e Brasil. Levará a religião para o governo, e com ela, o preconceito dos ultraconservadores. E, quase certo, que os graúdos de sempre, vão devorá-la, e se resolverem golpeá-la o farão com muita facilidade, pois ela não tem cacife nem base que a sustente. O voto dado a qualquer candidato pelo ódio ao PT, nunca será democrático. Será, apenas, o voto dos que só odeiam e não conseguem peceber nada além disso. O ódio nunca faz  ou traz coisas boas. Enquanto as pessoas continuarem a votar em criatura e não em projetos, programas de governo, a democracia nunca estará segura.

  41. Pronto, começou….

    Coodernador de campanha do PSB, Carlos Siqueira, rompe com Marina Silva e abandona a campanha. http://www.folha.uol.com.br/

    A vespa redista já inseminou a joaninha pessedista, acho que essa análise/analogia do Reinaldo Azevedo até os petistas mais encardidos assinariam embaixo….

    veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/pronto-marina-enterrou-eduardo-campos-lider-da-rede-ja-jogou-no-lixo-os-primeiros-compromissos-e-deu-um-pe-no-traseiro-do-psb-quem-esta-surpreso-ou-de-novo-a-vespa-e-a-joaninha-inocente/

  42. Debandada: PSL e Mendonça Filho rompem com Marina

    PSL ANUNCIA SAÍDA DA COLIGAÇÃO DE MARINA

     

    Passados oito dias da morte de Eduardo Campos, os primeiros problemas internos colocam em risco as alianças nacional e estadual costuradas por ele; em nível nacional, o PSL anunciou que está liberando seus diretórios para apoiarem os candidatos que julgarem melhor; em Pernambuco, o deputado federal Mendonça Filho (DEM) mandou o recado de que não estará mais no palanque de Marina Silva; o presidente do PSL, Luciano Bivar, diz que Marina deverá perder entre seis e oito segundos, dos dois minutos e três segundos hoje à sua disposição no guia eleitoral; “Mas a perda maior serão os 780 vereadores e 36 prefeitos”, ressaltou Bivar 

     

    21 DE AGOSTO DE 2014 ÀS 10:05

     

     

    Pernambuco 247 – Passado pouco mais de uma semana da morte do ex-governador de Pernambuco e presidenciável pelo PSB, Eduardo Campos, os primeiros problemas internos começam a aparecer e colocam em risco as alianças nacional e estadual que Campos costurou lenta e duramente de maneira a manter a legenda competitiva nestas eleições. Em nível nacional, o PSL anunciou que está liberando seus diretórios para apoiarem os candidatos que julgarem melhor. Em Pernambuco, o deputado federal Mendonça Filho (DEM) mandou o recado de que não estará mais no palanque de Marina Silva.

    Embora seja um partido pequeno, a saída do PSL deverá impactar diretamente o tempo de televisão que a coligação Unidos pelo Brasil tem atualmente. O presidente do PSL, Luciano Bivar, diz que marina deverá perder entre seis e oito segundos, dos dois minutos e três segundos hoje à sua disposição. “Mas a perda maior serão os 780 vereadores e 36 prefeitos”, ressaltou Bivar segundo o jornal Folha de Pernambuco. O PSL se queixou da falta de diálogo com o PSB após a morte de Campos em um acidente aéreo ocorrido na quarta-feira (13), em Santos (SP). 

    Em Pernambuco o deputado federal e presidente do DEM, Mendonça Filho, justificou a sua saída do palanque de Marina alegando que com a sua ligação era com Eduardo Campos e que irá deixar a coligação por não possuir afinidades com a candidata.

    Embora o DEM esteja aliado em nível nacional com a candidatura do senador mineiro Aécio Neves (PSDB), Mendonça havia sido libertado para apoiar a candidatura de Campos à Presidência da República. O deputado, porém, confirmou que continuará apoiando Paulo Câmara (PSB) para o Governo do Estado.

     

    • Nâo se iludam, ela só tem a

      Nâo se iludam, ela só tem a ganhar com a debandada de tipos como esses daí. Esse secretário do PSB que também saiu é totalmente desconhecido, não gerará perda nenhuma. Isso só serve para o PSB perceber aonde se meteu, nada mais que isso, eleitoralmente não gerará nenhuma perda.

      • Engano, Daniel. “Esse

        Engano, Daniel. “Esse secretário do PSB que também saiu” foi assessor de Miguel Arraes, e quadro histórico do PSB. Além de perder pontos entre os verdadeiros socialistas pelo Brasil afora, Marina vai perder muito em Pernambuco, justamente onde poderia ter grande parte de sua votação. Inabilidade política pra ela é pouco…

  43. Arf…

    O problema dos (pseudo) polianas é acharem que todo mundo é idiota (talvez sejamos, de fato).

    Ora, bolas, só porque uma abordagem funciona mais com a psiquê de determinada candidata não quer dizer que esta vai ser uma regra geral.

    Via de regra, é bom deixar claro: a joana d’arc da floresta não destila ódio por que tem quem o faça por ela, simples…

    É só checar o recente machetômetro que alguns blogs lançaram, e ver como é o tratamento dado pela mídia aos candidatos…

    Mas os polianas-marineiros imaginam que vivemos em um mundo neutro, onde todos são iguais “perante a lei” e a mídia…santo deus…

    Outro ponto: quem quer se apresentar como algo “à margem”, ou melhor über alles, não encarna a necessidade de desqualificar o outro.

    No entanto, eleição é isto: além de debater conceitos mais elaborados, também vale construir (ou desconstruir) imagens pessoais para atacar ou elogiar os candidatos, ainda mais em um sistema eleitoral onde a imagem pessoal vale tanto.

    E isto se consagra em todos os gestos e poses dos candidatos, ou alguém imagina que a comoção messiânica da joana d’arc da floresta não é algo milimetricamente pensado?

    Resumindo: não sabe brincar, mona, não desce pr’o play…

  44. Marina é petista ate a ultima

    Marina é petista ate a ultima célula de seu corpo, seu grupo de apoio é o PT do Acre tanto que seu marido exerce cargo no governo do PT.

    Fazer showzinho não cola.

  45. liberdade e tolerância

    Não permito que a política entre na igreja quando lá estou. Não me afetam, como praticante da religião num estado democrático as liberdades construídas e disponibilizadas pela Política para todos.

    Não me sinto diminuído quando direitos civis são garantidos a todos os componentes da sociedade sejam de qual credo ou orientação sexual.

    Quando os similargunter elevam assuntos irrelevantes e menores como o principal, deixando o bem estar, distribuição de renda, amparo aos mais frágeis etc., a argumentação se torna partidária a ser considerada e descartada por falta de isenção.

    Não aceito num estado laico as marinas, os fundamentalistas religiosos e outras faunas, que antepõem as próprias e pessoais convicções à frente dos anseios da sociedade. Os que lá estão ou pretendem chegar devem ser magistrados.

  46. Sei…

    Traduzindo: nada de lembrar que a Marina chorou no ombro do Feliciano e riu no velório do Campos. Nenhuma referência a um acidente suspeito que caiu como uma luva a interesses que não são nacionais. Nada de associar ele aos maiores sonegadores do país. Nenhuma menção ao fato de que o discurso [ou pelo menos a parte compreensível dele] da dita guarda semelhanças incríveis com o de George Soros. Sob hipótese alguma lembrar que este “eco” discurso é bem sionista.  Jamais relembrar o quanto ela trocou de partido. Que contra e depois a favor do casamento gay. Que ela, quando diz algo inteligível numa entrevista diz logo em seguida o contrário em algum vídeo muito bem produzido no Youtube. Que ela está no colo de banqueiros e megaempresários. Que na disputa entre estes e os índios Ashanica ficou do lado dos endinheirados. Que a Sra. Autosustentável anda de jatinho poluente para todo canto. Que ela vende palestras para ninguém sabe quem, dizendo e comprometendo-se sabe-se lá ao que por sabe-se lá QUANTO. 

    Senão perderemos a credibilidade. NÓS. 

    • Sobre perda de credibilidade…

      A foto de Marina com Feliciano é fake.

      Você como professor deveria saber disso.

      Foi uma montagem em cima desta:

      Quanto a teorias de conspiração, especialmente as relacionadas a sionismo, elas também tiram a credibilidade de quem as narra.

      E se Marina sabe evoluir em suas posições, ótimo. Obama também não defendia o Casamento Gay em 2008, passou a defender só em 2012.

      Evolução é bom.

      O erro está em quem retrocede, não?

       

      • A turbinada com glifosato também é fake?

        Por falar em montagem, o que acha da montagem da chapa? Será que se a gente falar de Beto “Monsanto” Albuquerque, o candidato a vice da chapa de Marina, estaríamos perdendo a credibilidade? E se nos lembrássemos que foi a Monsanto uma das co-patrocinadoras do Golpe “Legal” do Paraguai também não estaríamos sendo críveis? Aliás, da mesma forma que você jura aos LGBT que a neopentecostal de carteirinha é pro-gays, dá pra jurar que como aliada do vestal da Monsanto ela também será a primeira ecologista a base de glifosato do mundo?

        • Eu gostei de Beto

          fazer parte da chapa.

          E eu não fui contra transgênicos nem contra Belo Monte. Se você quiser que eu critique Marina será nisso. Nessas duas instãncias considerei que a posição dela não foi a melhor.

          E você diz “se a gente”. Antes disso você deve abrir quem é seu/sua candidato/a para compreendermos a narrativa.

          Porque governista não é, já que discurso anti-Monsanto e pro-gays não fazem parte do repertório.

           

  47. Gunter, se alguns militantes

    Gunter, se alguns militantes ou simpatizantes do PT desqualificam Marina na base do baixo nível, isso não significa que essa seja a posição de muitos outros militantes e simpatizantes do PT, entre os quais me incluo, bem como onde se incluem a maioria dos comentaristas daqui, por exemplo, neste post. Muito menos há ou haverá baixaria da parte de Dilma ou do partido em relação a Marina. Pode ter certeza. Crítica política, sim, há e haverá, porque Marina se alimenta e se fortalece justamente por sua fraqueza, por suas bases de apoio serem fluidas, gelatinosas, inconsistentes (bem ao gosto da diluição política destes nossos tempos), sendo que com isso não se escamoteiam os grandes interesses econômicos que a sustentam, bem como as contradições sociais dessa base ou falta de base sólida em que se apoia sua candidatura: diversos setores das classes médias libertárias, revoltadas com a “velha política” (essa com que qualquer no poder terá que lidar) e com os erros do PT em termos de políticas de cultura, de juventude, de minorias e de ecologia; bem como outros setores, conservadores, no campo evangélico. Claro que entre bases de apoio do PT também estão setores como esses, mas acontece que o PT tem muitas outras bases de apoio, mais sólidas, junto a movimentos sociais, e outras mais difusas, entre a grande maioria dos mais pobres, mas amparadas em termos de melhorias econômicas e sociais, que foram resultado de políticas sociais bem sucedidas nos governos Lula e Dilma.

    • Exato, não é a maioria.

      Mas é o que aparece.

      Isso prejudica a narrativa de Dilma. Os simpatizantes que preferem Dilma deveriam alertar os companheiros disso.

      Quando eu alerto só estou ajudando Dilma. E seus militantes a não pagar mico.

      É claro que o PT tem amplas redes de apoio.

      A questão é que anda perdendo pelas bordas. Por conta desses erros mesmo dos quais fala.

      Assim como o PSDB não conseguiu fazer o discurso “pai da estabilização” pela vida toda, o PT não deve esperar ser eleito pela vida toda por conta apenas de políticas sociais, que começam a ser vistas como obrigação do Estado, não como condicionadas a um partido no governo.

      Há mudanças no consciente coletivo. Você acha que o PT faz diagnóstico preciso disso ou anda dormindo em louros?

       

       

      • O problema, Gunter, é que

        num eventual segundo turno marina X aécio.. nós ptistas votaríamos na marina.. Com a esperança de sumir com os privatas do país… Mas será que  a marina pretende mesmo fazer isso?

        Quando precisamos do apoio dela contra Serra…. Néca!!

         

    • Esse é o tipo de montagem

      que tira a credibilidade de quem faz.

      Além de claramente fake, busca tirar do conhecimento público que a religiosidade de Marina nunca foi um problema para o PT, de cujo governo foi senadora elogiada (inclusive por vetar em comissão a distribuição de Bíblias em escolas públicas, o que lhe tirou depois o apoio justamente do PSC de Feliciano) e ministra até 2008.

      Na verdade as críticas são feitas a ela ter deixado outra religião.

      Não distribua imagens falsas. Ainda mais tão toscas e mal-feitas como essa sua.

      A verdadeira é esta:

      • Pois é, Gunter, infelizmente,

        Pois é, Gunter, infelizmente, há quem lance mão dessas baixarias. E a manada das redes ditas sociais não junta o Tico com o Teco pra perceber a jogada…

        • Pois é, Jair

          Mas essas coisas são feitas por militantes e divulgadas nas redes.

          Já vi até falsificação de matéria de jornal, de um artigo do Estadão de 2010, adulterado para parecer de 2013.

          O eleitor de Marina conhece sua história e não acredita numa montagem fake.

          O eleitor de Marina sabe bem o que ela disse a respeito de Feliciano:

          [video:https://www.youtube.com/watch?v=6-xMKiohZtI%5D

          Como resultou da pesquisa Datafolha, no segmento com instrução superior (completa ou não), 65% apoiam Marina no 2º turno, vis-a-vis 24% para Dilma. Não houve simulação Marina vs Aécio mas deve ser parecido.

          Se os militantes do PT e do PSDB desejam usar material fake junto justamente a esse público, só perdem credibilidade.

          E em um eventual 2º turno esse público, ainda que pequeno numericamente, precisará ser cortejado.

          E depois ficam falando que classes médias são preconceituosas e todo esse mimimi… Preguiça disso.

          Não sei se Marina vai ganhar. Mas a rejeição dela é baixa e a rejeição aos outros é maior em parte por esses micos dos militantes nas redes sociais.

          Se eu vejo um militante de A ou B divulgando mentiras na internet, será que devo considerar o candidato defendido assim como sério?

          Cada candidato deveria orientar os seus militantes a não darem tiro no pé. Porque depois que pega a fama de manipulador é difícil tirar.

           

          • “Como resultou da pesquisa

            “Como resultou da pesquisa Datafolha, no segmento com instrução superior (completa ou não), 65% apoiam Marina no 2º turno, vis-a-vis 24% para Dilma. Não houve simulação Marina vs Aécio mas deve ser parecido.”

            Parabéns Gunter, por endossar o discurso da mídia e da direita que diz todo santo dia que a grande maioria dos eleitores do PT e de Dilma são analfabetos funcionais e muitos mais parabéns ainda por acreditar tin-tin por tin-tin no datafolha, instituto do mesmo grupo que divulgou uma ficha falsa de Dilma em 2010, lembra disso?

            Como parte, e com orgulho, desse restante da “sub-raça” (pois não escolarizada o suficiente) te digo o seguinte:

            Nem se eu tivesse um PHD em Teoria de Campos ou Cosmologia Quântica eu apostaria o meu destino e o do meu país a quem não se mostra às claras, como é o caso da tua candidata.

          • Olha o preconceito aí. Quer

            Olha o preconceito aí. Quer dizer que somente quem tem curso superior sabe votar, porque votará no seu candidato? Ainda mais baseando em pesquisa do Datafraude.

          • Datafolha e Ibope

            são os institutos que mais acertam.

            E eu não falei que quem tem curso superior sabe votar.

            Eu falei que quem tem curso superior está mais informado dos problemas, dos candidatos e participa mais em redes sociais. E está formando opinião com base no que está vendo.

            Eu estou formando e ficando cada vez mais desgostoso com certas atitudes. E vendo quais são as argumentações que me parecem mais críveis.

            Ao longo de 2 meses os outros estratos também vão se informando.

            Qual será a tendência?

            Não acho que será Dilma ser mais conhecida, ela já atingiu 100% de conhecimento (óbvio, é presidente há 4 anos), Aécio está nos 80%. Marina nem todo mundo sabe que é candidata.

             

          • Quem tem curso superior está

            Quem tem curso superior está mais bem informado onde? No uol, goebbels1, veja,  samba de uma nota só, que malham o governo do PT dia e noite. Já viu o manchetômetro? Isso é estar bem informado? Quem frequenta os blogs sujos tem muito mais informação de qualidade, deve ser por isso que você não sai daqui.

            Eu tenho um sobrinho de 25 anos formado em publicidade que odiava o PT. Aos poucos e com jeito fui mostrando a ele os sites da Carta Maior, Carta Capital, GGN, DCM, etc. Ele ficou espantado com o tanto de informação nova, que ele não fazia a mínima idéia, já que costumava acessar uol, g1, veja, terra, ig, esses com conteúdo idênticos alterando apenas a forma.

            Em seis meses ele passou do ódio ao PT ao respeito e o psdb, caminho inverso. Hoje ele diz que tenta mostrar aos amigos, mas eles fecham os olhos, não querem nem ver. Um bando de zumbis com curso superior.

          • Quer dizer que vc se baseia

            Quer dizer que vc se baseia em atuação dos militantes para definir se um candidato é sério ou não? Isso é o mesmo que acusar Dilma pela morte de uma pessoa  no hospital por ter esperado demais o médico que resoolver clinicar no seu consultório particular quando deveria estar no plantão. Quem no mundo tem controle sobre todos que o apoiam? Não pe possível que vc, Gunter, esteja falando sério.

        •  A bem da verdade, Jair, a

           A bem da verdade, Jair, a foto-montagem da Marina com o Feliciano está na tradução do texto do Wayne Madsen, feita na Rede Castor. Não há qq foto no texto original, em inglês, que foi publicado pelo site Strategic Culture Foundation. A foto (na tradução) antecede o parágrafo em que o autor trata da ligação da congregação evangélica Assembléia de Deus (da Marina) com o grupo cristão sionista (EUA), também evangélico pentecostal.

      • Pois é…

        A imagem verdadeira é ainda pior…Dá bem a noção do caráter da moça…ou de seu tamanho em relação a História…Tudo porque Tião Vianna não lhe deu espaço no Acre…

        E tem gente que acredita que é porque ela quer uma “nova” forma de fazer política…

        Fica a força da fotografia: por onde quer que vá, a joana d’arc sempre será uma invenção do “baiano”…daquelas que não deu certo…

    • Essa foto é uma montagem

      Essa foto é uma montagem descarada . Basta ir ao google imagens para checar isso, se a má fé cegar para o primitivismo do “truque”.

      Cada coisa…

       

  48. As redes sociais são um

    As redes sociais são um território incontrolável, existem militantes de todos os lados que utilizam argumentos desqualificadores, e discordo deles. Sobre isto não se tem muito a falar. Podemos avaliar como as coordenações de campanha e os próprios candidatos tratam os seus oponentes. Nunca vi nem ouvi qualquer declaração de Dilma neste sentido. Lembro-me de um dos primeiros atos de campanha do então candidato do PSB dizendo que Dilma não deveria nem ser candidata. Lembro-me do Jarbas Vasconceles, neo-apoiador do PSB, dizendo que Dilma não deveria estar no valório de Eduardo Campos. E por aí vai. Gostaria de saber, quem desqualifica quem?

  49.  Sá Marina

    [video:http://youtu.be/jL3xK79ysn0%5D

     

    Sá Marina (?)

     

    Descendo a rua da ladeira
    Só quem viu, que pode contar
    Cheirando a flôr de laranjeira
    Sá Marina vem prá dançar…

    De saia branca costumeira
    Gira ao sol, que parou prá olhar
    Com seu jeitinho tão faceira
    Fez o povo inteiro cantar…

    Roda pela vida afora
    E põe prá fora esta alegria
    Dança que amanhece o dia
    Prá se cantar
    Gira, que essa gente aflita
    Se agita e segue no seu passo
    Mostra toda essa poesia do olhar
    Huuuuuuummmm!…

    Deixando versos na partida
    E só cantigas prá se cantar
    Naquela tarde de domingo
    Fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar…

    Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá!
    Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá!
    Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá!
    Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá!

    Oh!
    Deixando versos na partida
    E só cantigas prá se cantar
    Naquela tarde de domingo
    Fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar…

    Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá!
    Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá Lá!

    E fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar
    E fez o povo inteiro chorar…!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! (?)

     

     

  50. Vou fazer outra tentativa

    Echo que tem uma avalanche de comentarios e o estagiario não esta dando conta …

    O manchetometro provou que houve e continua havendo ataques  calculados e sistematicos a candidatura de Dilma. Porém, esse ataques não são novidade, eles existem desde 2010, e geraram as manifestações de 2013, bem como a ascenção de uma falsa promessa como Marina Silva. Portanto não é verdade que ataques  sejam ineficazes. Alguem se beneficia com eles. Redes sociais? Não vou nem comentar. Tudo mundo sabe que é o habitat da escoria  disseminadora de boatos e todo tipo de abominações.  Para concluir, durante todos esses anos, eu ainda não sei quem é a Marina. O eleitor comum não sabe. Seus eleitores estão lhe passando um cheque em branco. Por isso que se produz todo tipo de ataques sobre ela. É contra o agronegocio, é criacionista, é contra o casamento gay, é contra as pesquisas com celulas tronco, é  contra as hidreletricas,  e por ai vai. Ninguem sabe o que ela realmente pensa. Porém, suas alianças vão na direção contraria. Ela confraterniza e apoia  gente gente que é a favor de tudo isso e mais alguma coisa. Marina saiu do PT por que o PT era esquerda demais para ela. Hoje o PT  parece estar muito a esquerda de Marina. Resumo da ópera, è um poço de contradições cercada por uma nevoa de misterio. Então o jeito é atirar …

  51. O discurso panfletário disfarçado de boas intenções

    Deixa eu (tentar) entender:

    1.) Não ataquem a Marina, pois quem mais apanha se dá melhor —-> ora, então por que o PT está passando dificuldades nessa eleição? Não é o alvo favorito das pancadas de todos, inclusive da Sta. Marina?

    2.) Quem critica a Marina por ser evangélica não pode votar na Dilma pois esta também pede votos dos neo-petencostais e afins. —-> mas que falácia, que coisa vergonhosa. É muito, mas muito diferente fazer política de alianças com os evangélicos (Dilma) de ser uma pessoa que prega o criacionismo, que nega o direito de casamento aos gays, que nega o direito ao aborto pela única razão de ser religiosa (Marina). Acho que até um propagandista como você percebe a diferença, Gunter.

    3.) “Se ambos os lados atacam a Marina é porque ela é de centro” —-> parabéns!!!! A turma da 5ª série te elegeu para representante da turma! Você não acha que se somarmos as características que eu descrevi acima com as posições econômicas liberais da Marina temos um representante clássico de direita (conservador socialmente e liberal economicamente)? Chega de debate raso, meu caro. 

    4.) “Uma das coisas sem sentido que vi é uma campanha em redes sociais para LGBTs não votarem em Marina por ela ser evangélica. Mas assim, sem que haja algum posicionamento melhor dentre os dois principais.” —> em que mundo você vive? A Marina é DECLARADAMENTE contrária aos direitos LGBTs, e professa uma religião que os vê como aberrações. Isso é fato, não tem o que ser discutido. Qual outro posicionamento dos outros candidatos chega perto, ainda que um pouquinho, dessa animosidade contra os gays? Acho incrível que você, para justificar suas críticas à Rússia, use as leis homofóbicas do Putin como bandeira de guerra, mas nas eleições locais, as quais você pode realmente influenciar, rebaixe os interesses de uma parcela tão necessitada de apoio como a LGBT ao relativismo barato. Mostra tua agenda, Gunter.

    5.) Nos comentários, você desce ao nível rasteiro que prega combater, ao focar sua defesa à Marina na comprovação de uma fraude em uma fotografia, mas se desviando completamente do debate que substancial. Que contradição, não é mesmo, se beneficiar daquilo que ataca?

    6.) Só a título de curiosidade, em que pese a montagem na qual você focou, a Marina defendeu, sim, o Pastor Feliciano:

    “Na noite desta terça-feira (14), diante de um auditório repleto de estudantes na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), a ex-verde declarou: 

    Marina afirmou que não gosta como o debate vem sendo conduzido (legalização do aborto e casamento gay). Segundo ela, hoje, se tenta eliminar o preconceito contra gays substituindo por um preconceito contra religiosos.  Marina afirmou que Marco Feliciano entra neste “jogo de injustiças”, e claro, pode se tornar uma das vítimas nesta inversão de valores. “Feliciano está sendo mais criticado por ser evangélico que por suas posições políticas. Aí, a gente acaba combatendo um preconceito com outro”, completou, afirmando ainda que gostaria que um ateu fosse julgado pelo que disse e não pelo fato de ser ateu.”

     

    7.) Só para finalizar, você ignora também (i) a suposta bandeira ecológica da candidata, que se posiciona contra obras fundamentais ao país, mas aceita um candidato do agronegócio (algo que você tanto ataca na Dilma, que curioso…) e (ii) a presença nefasta de representantes diretos dos rentistas no seio do futuro partido da Marina.

    Concluindo: seu discurso, seja nas questões sobre o Sionismo, seja sobre a Rússia, seja sobre política interna, é raso e panfletário, e é uma ofensa aos leitores desse blog que você se esconda atrás de um suposto bom-mocismo e não fale a quais interesses realmente atende.

    • O PIOR DE TUDO

      É o alinhamento com o discurso pigal de que o governo atual não é bom….

      Não sei o que marina faria no governo.. Como ministra foi fiasco.. o desmatamento se acelerou… Carls Minc (que também é GLBT e Verde) fez  mais que ela no ministério.

      E a negação de que o governo atual está fazendo avanços significativos soa muito estranha…

      Os 100 e porrada de campus universitários, o controle das dividas, os investimentos em infra-estrutura.. tudo isso fica de lado… Parace que apenas sonhos e delírios têm efeito nos eleitores da marina…

    • Não tenho tua capacidade de

      Não tenho tua capacidade de verbalizar o que também penso, por isso parabéns! O discurso do Gunter é raso e panfletário: na mosca

    • Nassif, volta logo com a

      Nassif, volta logo com a classificação dos comentários porque esse ai de cima merece não 5 estrelas, mas uma constelação. Parabens meu caro. Panfletismo do Guntar ,  que tanto combate a “incompreenssão petista, travestido de bom mocismo.

  52. Ô Gunter, me diz uma coisa

    Se é verdade que a estratégia de bater é bulmerangue (e nisso concordo), por que será que o PIG (vide manchetômetro da UERJ – o PIG bate na dilma e no PT o tempo todo e não fez nenhuma reporcagem contraria a marina) bate tanto na Dilma?

    Será que o PIG quer eleger a Dilma com essa estratégia paradoxal? E como você explica tamanha desproporção de reporcagens negativas? Não te parece que há algo estanho nisso tudo? Agora podemos falar com um resultado que apresenta metodologia.. não poderá escapar pela tangente aludindo uma ligeira preferencia do PIG consoante com a democracia….

  53. O PT não vai bater em Marina

    O PT não vai bater em Marina e duvido que o PSDB o faça, mas Marina podia colaborar também, comentendo menos gafes, sendo mais coerente, menos intransigente e não brigando com aliados. Esse negócio de que Marina “junta o melhor do PSDB e do PT” é assumir que ela não tem identidade, é oportunista no discurso e que o seu “programa” na verdade é uma tábua rasa onde qualquer discurso pode ser testado, para ver se agrada a mídia. Se não agradar, testa-se outro. Ela poder agregar tanto o voto cristão conservador quanto o voto LGBT é uma amostra de como no caso dela “se vê o que quer ver”.

    Aliás, é patente que o tal “programa da Marina” não passa de um apanhado daquilo que a mídia gosta. Prinicpalmente nas contradições e discursos de mera aparência. Por exemplo, uma economia chupada do PSDB nega a ampla estrutura de assistência social, é condição de confiabilidade e de satisfação dos atores. Mesmo que a economia piore, será elogiada pelo o que o governo deixou de fazer.

     

  54. A Marina das rãs, dos sapos e dos bagres

    Há, entretanto, algumas verdades que desqualificam e não podem ser consideradas bumerangues 

    Paulo Moreira Leite – 247

     

    MARINA FALA DO QUE NÃO ENTENDE

    Marina Silva entrou na campanha batendo em Dilma Roussef. Em sua primeira entrevista depois que o PSB oficializou a candidatura, ela foi para cima da presidente:

    “É lamentável que tenhamos desde 2002 a ameaça de apagão. Eu digo lamentável porque nós temos há 12 anos a mesma pessoa à frente da política energética do nosso país, inicialmente como ministra (de Minas e Energia), depois como chefe da Casa Civil e agora como presidente da República”.

    Compreensivelmente em busca de espaço na campanha, Marina mostrou-se desatualizada em matéria de fantasmas criados pela oposição para tentar colocar o governo na defensiva.
    O “apagão” foi uma miragem que veio depois do fantasma da hiper-inflação e antes da Copa que não ia acontecer. Era simples factóide, destinado a criar uma ambiente de pessimismo artificial, num país que está longe, muito longe, de ser uma nação sem problemas — mas onde se vive o mais baixo desemprego da história, onde os mais pobres realizaram conquistas inegáveis, inclusive na instalação de luz elétrica, que hoje só não atinge absolutamente 100% de todas as residências porque sempre haverão aqueles lugares perdidos e distantes num país imenso.
    O que se procurava, com o fantasma número 2, era nivelar a gestão Lula-Dilma com o governo FHC no qual ocorreram, evetivamente, o governo foi obrigado a organizar um racionamento de energia, produto de uma visão política que não compreendia a necessidade do Brasil crescer e não tomou, é claro, as providências que tornariam isso possível.

    O desagradável, no caso, é que a crítica de Marina ajuda a encobrir seu próprio papel nessa história. Como ministra do Meio ambiente, ela fez o possível para atrapalhar o esforço legítimo do governo Lula para garantir o suprimento de energia que permite a uma pessoa assistir TV, tomar banho quente, ligar o computador e até ler um livro à noite — ter acesso a civilização, enfim.
    Se é possível apontar falha de projeto aqui, uma decisão errada ali na atuação de qualquer autoridade, em qualquer época, a atuação de Marina leva a outro balanço no campo de energia. Consistiu em impedir investimentos que iriam ajudar os brasileiros pobres, desamparados, a vencer atrasos históricos.
    Apoiada numa visão excludente do meio ambiente, pela qual o progresso social pode ser sacrificado em nome da preservação ambiental, sua passagem de cinco anos pelo ministério do Meio Ambiente foi orientada em grande medida para combater a construção de hidrelétricas importantes, responsáveis pela energia mais limpa que se conhece. Se a obras não foram impedidas, foi porque ela não tinha força para isso. Não era apoiada pela maioria dos ministros nem por Lula. Mas Marina fez o possível para atrasar projetos, adiar licitações. Derrotada nas questões de mérito, dava espaço para entreves burocráticos. Jogou duro contra Santo Antônio que, ao lado de Jirau, elevou em 10% o potencial energético do país.
    Terceira maior usina do mundo, construída após demoradas negociações e inúmeras concessões ambientais, que reduziram em larga medida seu potencial energético original, Belo Monte, terceira maior usina do mundo, só pode seguir em bom ritmo depois que ela deixou do governo. Nunca deixou de fazer uma campanha permanente contra a construção de Angra 3 e de outras usinas nucleares, principal fonte de energia em países cujo padrão de vida são exemplo para o mundo, como França e Alemanha.

    Sete anos depois de deixar o governo Lula, Marina quer mais energia. Em vez de cobrar, seria mais honesto fazer uma autocrítica, certo?

  55. O fogo de pentecoste desceu do céu, anunciando a messias.

    Que desce como fogo. Em som de pentecostes. E enche-me de novo. Eu adorarei

      Veio tal qual a estrela de Belém trazendo a boa nova.  Ela falará por línguas estranhas mas eu entenderei e a seguirei, não questionarei. Os hereges perecerão frente à ira divina. Vós que crês serão salvos e só Marina Salva.

  56. Gunter, acho o seguinte..

    Partindo da premissa que o Datafolha se confirme (pela intensificação dos ataques a Marina desde sua divulgação, tanto por tucanos quanto por petistas, acho que os militante/blogueiros/campanha também devem considerar esse cenário) o convencimento via “narrativa” vai para as cucuias.

    Desde abril Marina tinha deixado de fazer parte das pesquisas, e em nenhum momento Dilma e Aécio conseguiram conquistar os 10% de “brancos” e “nulos” que parecem ser propriedade exclusiva de Marina.

    Justamente estes eleitores, “desiludidos”, que só votam em Marina, desequilibram a balança e fazem ela bater Dilma no segundo turno.

    Considerando o perfil “reduto” dos “Marineiros”, jovens de classe média escolarizados e moradores de grandes centros urbanos, sabe quando a campanha de Dilma convencerá eles a votar nela? Não vou dizer nunca, mas é quase isso mesmo. 

    Primeiro, devido a possíveis mágoas insolvíveis, já que eles têm amplo acesso às redes sociais e portanto podem em algum momento ter tomado ciência do discurso da blogosfera/militância, que o demoniza e o chama de coxinha e alienado.

    Segundo, pq tal perfil já foi tipicamente de um petista, antes de Lula chegar ao poder, e acabou afastando-se do partido após a substituição do antigo discurso pelo reformismo fraco do lulismo. O buraco e a insatisfação é mais embaixo, portanto.

    Assim, em eventual segundo turno Dilma e Marina, vejo como opção preferencial (talvez única) do PT não tentar reverter estes votos “Marineiros”, mas desconstruir a imagem da pessebista a la Russomano/2012, forçando este eleitor a novamente invalidar seu voto.

    Lógico que existirá um interesse público latente, quando Dilma questionar Marina sobre o neoliberalismo/financismo de Gianetti, sobre a “nova” política sem base parlamentar e sem movimentos sociais fortes apoiando, sobre qual será sua política econômica, a do corte de gastos ou dos investimentos públicos. Marina não conseguirá passar por um segundo turno só com discurso bonito e genérico, vai ter que esconder menos o jogo.

    Mas, quando o objetivo é desconstruir, a linha entre interesse público e agressão é tênue, como vimos em episódios recentes lamentáveis (como militante petista dizendo “não voto nela porque ela é evangélica”, ou do “sorriso de Marina no velório”). Seu alerta é importante, mas será infrutífero.

    O problema é que, para a blogosfera/militantes, nunca esteve em jogo considerar um cenário em que Dilma perde. Se essa possibilidade aumentar, pode-se cair em uma armadilha que inviabilize completamente o partido como oposição, se o cenário do último Datafolha se confirmar. Se agora já é tarde demais para fisgar de volta alguns eleitores, partir para uma “guerra” santa é pedir pra sair menor do que entrou, mesmo que eventualmente ganhe.

    Mas isso é especulação baseada em uma só pesquisa, mas que deve ser feita de todo jeito. Do jeito que as coisas vão, até de Pastor Everaldo Presidente eu não duvido (brincadeira).

    • Pra variar concordo no atacado.

      “Deixou de fazer parte” em termos. Teve essa pesquisa em abril, que vc cita, em que ela chegou a 26%. Pode voltar a isso.

      E a transferência para Campos aconteceria. Teve uma simulação do Ibope em junho, onde foi usado disco com nome de vice-presidente, em que Campos chegou a 18%, próximo, portanto, dos 21% atuais. Ou seja, esse vácuo de 10% de brancos/nulos seria incorporado ao PSB durante a campanha.

      E esses empates com Dilma no 2º turno, inclusive em uma feita em que também foi usado disco Campos + Marina versus Dilma + Temer, ocorreram 3 vezes em 2013. (de julho a outubro) (Uma simulação em questão foi a única em que Campos teve melhor resultado que Aécio.)

      Por hábito eu mantenho gráficos dessas coisas e noto que há continuidade de tendências mesmo, não interrupções.

      Que oposições estão crescendo, é inegável. O 2º turno é cada vez mais provável.

      Que as margens para Dilma foram caindo, também é inegável. Vamos ver o que acontece durante a campanha.

      Mas realmente não vou me ocupar com isso pra fazer um post. O último maior já apresenta tudo isso.

      O que eu achava que tinha a dizer, já fiz. Se os militantes do governo/PT acham que do jeito que tá está bom, beleza.

      Se acham que a campanha por redes sociais é bem coordenada, beleza também.

      Mas é claro que há uma insatisfação crescente, “derretimento” de narrativas, etc.

      Se isso arrisca a reeleição de Dilma não dá pra dizer.

      Mas acho que cada vez mais o risco aumenta. Eu acompanho o ambiente desde o começo de 2013, antes das manifs, e minha sensação é essa. Quanto mais o governo avança sem mudar nada, na autoconfiança, mais se afasta da maioria.

      O “discurso PT” não tem mais aquele brilho, aquela unanimidade de 2010. Se não perdeu massa de apoio ainda, parece que perdeu a firmeza. E a oposição cada vez mais tranquila, ou não se nota isso?

      Em 2010 adesivei carro pro PT. É claro que este ano “nem pensar”. Quantos % mudaram de lado nestes 4 anos? E por quê? 

      Tem algo mais blasé que tucanos compartilhando e curtindo piadas de Alckmin e falta d’água?

      O que eu discordo é na comparação Marina = Russomano. De fato ambos são Plano B.

      Mas quem corre risco de ser Serra / Russomano de 2012 ou Marta de 2008 é Dilma.

      Os que têm chance de ser Haddad são agora Aécio e ainda Marina (e o Pimenta da Veiga em MG)

      Se Capriles obteve 48,5% em 2013, se Piñera obteve 51% em 2010, porque essa resistência a acreditar que Aécio ou Marina têm chances? É claro que têm! Não estão desta vez só fazendo nome pra 4 anos depois.

      Os petistas fazem muito a narrativa de que não se deve recuar da (suposta) esquerda, que Marina é direita, etc. Isso, sinceramente, não me diz nada.

      Mas quem falou que a maior parte da população não quer isso mesmo? Recuar um pouco? (E será pouco mesmo, pois o Congresso será o mesmo.)

      Mais que 35% de rejeição para Dilma não é obra do acaso. E só 11% para Marina também não é. São resultado de atitudes acumuladas ao longo dos anos. Não tem nada a ver com “classe média malvada” ou “PIG”. Soma-se a isso, que já ocorria.

      As coisas foram se pondo de um modo que se Marina se mostrar como liberal deve até crescer. Isso de medo da volta da direita cola pouco, só em quem já é núcleo duro da Dilma. 

      Hoje os 3 tem expectativas de ganho (o que é diferente de “se a eleição fosse hoje”) semelhantes. Eu acho que um oposicionista leva. 3 consultorias famosas (Nomura, MCM, Macrométrica) apontam vitória de Aécio, só Rosenberg fala em Dilma.

      Imagina se haverá problemas de ‘governabilidade’. Quem não participaria de um governo Marina? O ruralista PMDB? Duvido. Marina pode ser a preferida de 15% do Congresso, mas é o Plano B de todos (exceto PMDB que preferiria Aécio.) 

      E governo Aécio só não terá PT e PSoL. Logo, governabilidade não é problema.

      É algo muito, mas muito diferente de 2010.

      Mas todo mundo diz que eu falo bobagem, não é?

      Então, tudo sussa!

      Abraços.

       

       

       

    • Marina não existe como

      Marina não existe como política ou intelectual. É uma folha em branco em que qualquer discurso pode ser colocado. Daí que toda crítica a ela sempre será tomada como ofensa. É a maneira dela defender seu personagem.

      Marina só bate Dilma no segundo turno se a abstinência que o Datafolha mede no primeiro turno esvaziar no segundo, como ele estranhamente preconiza. Também é necessário que ela englobe 100% dos votos de Aécio e de todos os demais candidatos. É esse o cenário que o Data-Cova quer nos fazer acreditar existir. 

  57. acho qur gunter tm

    acho qur gunter tm razão.

    temos de prerservar marina.

    pelo menos para garantir algum apoio dela para dilma no segundo turno.

     

  58. Sem baixarias.

    Concordo com o Gunter nesse ponto. As baixarias, as mentiras não dão voto(exemplo disso aquela foto dela sorrindo no enterro). A Marina tem que ser questionada sob suas propostas para o país. A militãncia tem que mostrar suas contradições, essa é a melhor estratégia. Como a ambientalista extremista vai governar? O que ela vai fazer com as diversas hidrelétricas em construção? Qual o interesse do mercado financeiro em Marina? Por que o Itaú a financia? Marina representa o novo? Se é novo, por que está fazendo o que todos fazem? Qual a vantagem de votar nela? 

  59. O discurso dos que defendem

    O discurso dos que defendem Marina Silva me parece ser o muro.

    Fica em cima do muro que vai ser apoiado por que está de um lado e quem está do outro.

    Será que essa é mesmo a melhor estratégia?

    MArina não se posiciona sobre nada, apenas critica os outros.

    Ela diz: Vermelho não, o vermelho é ruim.

    Aí espera receber votos dos que querem o azul, o verde, o amarelo, o roxo, o marrom… Então a conclusão parece fácil: Ela vai ganhar, porque todo mundo apóia ela!!!

    Ora, isso serve para quem não é candidato. Como candidata ela vai ter que se posicionar. Vai ter que dizer qualq é a cor que quer. Pode falar em um verde-azulado, mas aí o amarelo, o marrom e o roxo vão apoiá-la? Hoje ela diz que vai fazer um arco-iris com os melhores de todas as cores, mas e quando as cores perceberem que o mellhor para o azul pode ser o pior para o vermelho?

    Enfim, como ela vai ficar quando tiver que sair de cima do muro?

    Será que aí esse apoio todo que os marinistas estão esperando vai se traduzir mesmo em votos?

    Alguém aqui sabe o que a Marina vai mesmo fazer?

     

  60. Para os evangélicos qualquer

    Para os evangélicos qualquer estratégia não adianta nada, porque quem decidirá a eleição é Deus.

    A oração de um justo pode muito em seus efeitos.

    Invisível mas real.

  61. Gunter!
    Não se pode criticar

    Gunter!

    Não se pode criticar a Marina de cínica, dissimulada e oportunista quando ela declara que estão usando a morte de Eduardo Campos politicamente quando ela sobe no carro de bombeiros e tem uma trupe de Deus, distribuindo santinhos dela em pleno velório, transformado em palanque?

    Claro, óbvio que ela não sabia e nem participou disto. Foi a providência divina, discurso de uma militante marineira que segurava um cartaz com sua foto.

    Que ela seja sua opção, aliás sua opção é por qualquer um contra o PT, com exceção do Suplicy, tudo bem, mas advogar que ela não seja criticada pessoalmente, sendo que sua conduta não-política, não partidária, autoritária,desagregadora, oportunista e fundamentalista é conhecida pela maioria de quem conviveu com ela seja no PT, no Ministério e em todos os lugares por onde passou, aí já é muito.

     

     

     

     

    • Mas Nilva, eu estou dizendo apenas o que eu estou dizendo.

      A campanha desqualificadora não dá certo para quem faz.

      Principalmente isso de dizer que uma razão para não votar é a pessoa ser evangélica. Esse preconceito pode ser bem tiro no pé.

      Tentar associá-la a Feliciano, insistentemente até como tenho visto, é tiro no pé porque é falso. Ela apenas defendeu Feliciano de preconceito, não defendeu a indicação dele na CDHM.

      Quem defendeu Feliciano na CDHM foi o Pastor Eurico, mas isso antes da Marina estar no PSB. Então que se façam montagens criticando o pastor Eurico, uai! 

      Faz bem à campanha de algum político quando seus militantes usam argumentos falsos ou preconceitos? Acho que não.

      Qual o sentido de pedir votos para um grupo e desqualificá-lo no dia seguinte? É pedir pra não votar. E mostra um estado de espírito muito negativo.

      Não seria melhor para todos, inclusive para a campanha do PT, se as coisas fossem em outro tom?

      Qual é o interesse, ganhar a eleição e governar um país…

      Ou espantar mais ainda as pessoas?

      Vão fazer o que os tucanos fizeram em 2002 e 2006.

      Alckmin conseguiu menos votos no 2º turno que no 1º turno. Algo insólito.

      Claro que pode criticar. Só não dá certo e não convence. 

      Por acaso, caso Marina vença, o PT se recusará a fazer parte do governo? Não, né?

      Por acaso, se o 2º turno for Dilma vs Aécio, o PT deixará de pedir voto aos marinistas? No Datafolha de domingo deu que 46% dos marinistas votariam em Dilma no 2º. Será que continua assim?

      Valeu a pena?

      Voltemos ao post do Alexey, é ficar olhando para trás no lugar de qualificar a própria campanha.

      Façamos o seguinte: vamos ver como as taxas de rejeição evoluem com isso.

      • Gunter.

        As críticas estão moderadas. Tem um ou outro que passa do limite. A Marina mesmo está criticando o governo, normal! Penso que uma crítica sem ofensas pessoas, mostrando as contradições da candidata não deve afastar ninguém. 

        • Sim e não, Franklin.

          Crítica a programa e a aliados é uma coisa. A vai criticar Beto Albuquerque, B vai criticar Katia Abreu, e fica por aí.

          Eu me refiro mais especificamente a criticar uma pessoa por ter uma religião.

          Se hoje damos vazão a esse “não vote em evangélico”, amanhã será o “não vote em ateu”, “não vote em quem não é casado nem tem filhos” e por aí vai.

          E, se quiséssemos criticar fundamentalismo e antissecularismo, teria o Pastor Everaldo pra criticar. Ele propõe coisas até inconstitucionais.

          Mas criticar quem pode ser aliado no 2º turno ninguém quer, né?

           

  62. A grande estratégia qualificadora é atacar . . . . . a inflação

     

    Gunter Zibell,

    Não sei não, mas não levo muito a sério essas discussões sobre campanhas políticas em que se divaga sobre penduricalhos, adereços, guirlandas e que tais. Há uns trinta anos eu defendo a tese de que a grande estratégia qualificadora para o governante de plantão é atacar com força a inflação. E para não haver boomerangue, o ataque deve ser feito nas vésperas de eleição. E parece que é isso que o governo está fazendo. Assim em minha avaliação daqui até a eleição a candidata Dilma Rousseff só tende a crescer.

    Aliás, no futuro, o PT vai ter que beijar as mãos do economista que lançou a idéia do Regime de Metas de Inflação. Com este instrumental para domar a inflação e a deixar no patamar que o partido considera como o mais adequado, o PT só sai de lá de posse do cetro presidencial na hora que o partido quiser.

    Clever Mendes de Oliveira

    BH, 21/08/2014

  63. Em menos de 12 horas

    Em menos de 12 horas Marina-candidata conseguiu provocar 3 grandes baixas na sua coligação:

    1. Coordenador da Campanha, quadro histórico do PSB, vai embora chamando Marina de “grosseira”.

    2. PSL abandona coligação porque ninguém conversa com eles desde a morte Campos.

    3. Alexandre Kalil, ex-presidente do Atlético Mineiro e principal puxador de votos do PSB em Minas, abandona a própria candidatura por motivos óbvios.

    Imagina a situação nas bases da coligação…

    • 4. Milton Coelho, mais um

      4. Milton Coelho, mais um quadro importante do PSB também saiu fora. Membro da Executiva Nacional,  coordenador de mobilização e articulação, era muito ligado a Eduardo Campos, como Siqueira. Nem começou a campanha de Marina, e desavenças e desembarques já começaram… 

    • Desagregadora

      Eu vejo os marinistas dizendo que ela tem vantagem no segundo turno porque gregos e troianos votariam nela pela rejeição uns dos outros. Mas e a rejeição à própria Marina?

      Eu acho que la tem uma personalidade desagregadora e uma atitude messiânica, não sei se ela consegue se colocar como segunda opção para todo mundo. Não sei nem se ela tem mesmo os índices apontados pela pesquisa relâmpago feita pelo Datafolha.

  64. O LEGADO DE EDUARDO é legítimo eleitoralmente

    GUNTER,

    acompanhei seu post lúcido, provocativo, instigante. Mais de 133 comentários atestam o quanto oportuno.

    Nós que apoiamos MARINA sabemos que o próprio contexto irá conduzi-la a pensar efetivamente em ser a 3ª via cujas trilhas foram edificadas pelo PSB e por EDUARDO nestes 25 anos, desde que apoiamos ao LULA em 1989, na ousadia da Frente Brasil Popular, passando por 2010 quando retirou a candidatura do CIRO para impedir a eleição do Serra pois acreditamos nas transformações sociais do governo petista naquele momento, sem esquecer, de 2005, na resistência e desmobilização dos que desejavam (e podiam) destruir LULA. O grande líder, com sua sabedoria, jamais se esqueceu dessa história.

    Ao reconhecer o legado político da morte de EDUARDO e não compreende-lo como um espólio, MARINA caminha para ser a liderança que nos conduzirá a um governo de transição para as reformas contemplando o que desejam 2/3 dos brasileiros. Se o fizer, e tem condições de fazei-lo bem, pois tem plena ciência das propostas que embalavam os ideais de Eduardo, será muito bom para o Brasil e nossa geração estará cumprindo com seu dever.

    No post do artigo do Jânio de Freitas, defendi a legitimidade do uso eleitoral desse legado. Vou copia-lo aqui:

    ” Com o devido respeito ao poderoso sentir do grande Jânio, trata-se de uma implicância tipicamente petista, ou tucana, as poderosas forças políticas que se incomodam com a repercussão da dimensão política do desaparecimento da notável e jovem liderança socialista. Pois bem, é legítimo que o PSB apresente aos brasileiros as razões pelas quais EDUARDO doou a própria vida: seus ideais de alterar o ambiente político brasileiro e para isso acolheu e confiou em somar-se com MARINA, e isso precisa ser dito.

    Quando Getúlio deu um tiro no peito para confirmar que não sairia vivo do Catete, foi um ato político e foi eleitoralmente aproveitado inclusive para impedir o golpe já tramado. Eduardo também doou sua vida pela causa.

    Evidente que nós do PSB e os marinistas em geral não desejavamos a tragédia, porém é preciso ser dito: para cumprir a missão a que se propôs, o candidato EDUARDO cumpria uma agenda três vezes maior que a candidata Dilma e o dobro do candidato Aécio, portanto, foi essa enorme carga de compromissos que resultou no acidente trágico.

    A morte de Eduardo não resultou num cadáver qualquer. Tem sim um enorme significado político e ele deve ser utilizado pois resultou de um ato político, de uma disposição política a que se propôs. Nao foi a morte natural de uma pessoa ou de um político. Foi um acidente de alguém que seguia para cumprir compromissos políticos num desafio sobrehumano de enfrentamento das mais poderosas forças políticas da nação com um ideal: a de ser a terceira via aquela que sensibilize a maioria, ganhe as eleições e venha conclamar a tais poderosas forças políticas para que sentassem às mesas de negociações políticas e, juntos, se edificasse as reformas políticas e institucionais que resgatem a crença na representação política e no ambiente social e econômico da nação.

    EDUARDO sabia que somente o PSB tem as condições políticas para a convocação ao entendimento de PT e PSDB com as demais correntes democráticas. MARINA haverá de reconhecer que será esse o caminho que há de trilhar: a do entendimento. A da generosidade. A trilha da construção de uma maioria política consensual disposta às reformas indispensáveis.

    Esse o legado que ele nos deixou e se esse legado tem uma representação eleitoral – que desagrada às poderosas forças desafiadas por EDUARDO – nós temos o dever de conduzi-lo e utiliza-lo eleitoralmente que era a vontade dele.”

    • Marina é ligada a

      Marina é ligada a riqu´[issimos banqueiros sonegadores, usa um discurso muito semelhante ao do Soros e tem como vice um preposto da Monsanto. Vamos parar com este mimi de “terceira via”; FHC e Tony Blair mostraram de maneira muito categórica o que ela representa. Todo o marinês do mundo não vai desmarinzá-la e não há narrativa que apague o que a personagem realmente representa: as forças do atraso redivivo. E desagregador, pelo que rapidamente se está podendo ver.

       

       

  65. Quando é que Marina foi

    Quando é que Marina foi chamada de comunista? 

    Quem foi que disse num dia “A Nação Evangélica está com Dilma” e no outro “Não vote em evangélico”?

    “Afinal, o eleitor de Marina/PSB é justamente dos que reconhecem ambas as heranças (FHC/Lula), deseja que se governe com os melhores (nem que melhores sejam governadores do PSDB em uns estados, do PT e PMDB em outros) e, principalmente, andam justamente um pouco cansados das polarizações infladas.”

    Com que base você afirma isso?

    A verdade é que os Marineiros não gostam de críticas porque não têm como respodê-las. Preferem uma campanha sem críticas, embalados pela retórica nebulosa da fadinha da floresta.

    Seu texto é uma peça de propaganda política para adolescentes.

    • Há um mês não, Emilio…

      Há 18 meses, no mínimo.

      A primeira citação de a “Rede” como possível vice foi feita em março/2013 (antes das manifs de junho, antes de se saber da falta de registro de Rede):

      2013 03 22 http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/caminhos-para-campos-e-o-psb

      A percepção de que base de governo (que não inclui Marina) não é laica :

      2013 08 29 http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/a-ligacao-entre-esquerda-e-politicos-evangelicos

      (O que impede, felizmente, os discursos “Faça o que eu digo mas não faça o que eu faço”)

      Sobre a complementaridade entre Marina e Campos:

      2013 10 26 http://jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/marina-transfere-votos-para-campos-ou-nao

      2014 01 14 http://jornalggn.com.br/noticia/marina-agrega-a-campanha-de-eduardo-campos

      E deve ter mais alguma coisa por aí.

      Eu não arrumei sarna nenhuma prá se coçar, portanto.

      Meus amigos petistas (onde não se incluem, por óbvio, pessoas intolerantes, maliciosas ou maledicentes das redes sociais), como você e outros colegas, arrumaram, por outro lado, um interlocutor amigo para conversar sobre a questão de credibilidade de narrativas. 

      Ficamos todos com a oportunidade de desenvolver um pouco mais de alteridade, conhecedores de outros argumentos.

       

      • Agora falando sério, meu amigo.

        É claro que que toda a discução é boa. Alguns, como Habermas, defendem até que a própria razão humana deriva dessa ação comunicativa, com liberdade e respeito de opiniões. Em conformidade, a razão ocidental dá um salto na antiga Grécia com a superação do mito, porque é lá que surge a democracia e a noção de cidadãos, ou políticos, os cidadãos das polis com equivalentes direitos à minifestação.

        Mas discordo desses textos recentes onde você abusa do termo pós-moderno “narrativa”. Temos a impressão que não há uma verdade, que tudo depende do ponto de vista de uma lógica própria, dos “petit rècits” de Lyotard.

        Fosse assim, cada um empinando seus “petit rècits”, não haveria diálogo possível. É necessário que essas narrativas se apoiem em fatos e dados – é assim que discutimos! Há portanto um “real”, que baliza e orienta nosso pensamento e que se impõe na construção dessas narrativas. Gosto de chamar, a essa interposição de “a constrição do real”.

        E esses fatos e dados não são positivos à Maria Silva. Ela provém de uma seita religiosa extremamente conservadora, com óbices tremendos aos direitos e reconhecimento de igualdade de gêneros, como os dos homossexuais por exemplo. Há fatos  dados sobre isso.

        E suas associações político-econômicas convergem rapidamente à direita neo-liberal. Os economistas aos quais se associa, os suportes econômicos que obtém, sua recente defesa de um BC independente, seu vice oriundo do agro-negócio e muito mais apontam para uma candidatura de direita, conservadora e neo-liberal.

        Nada disso é crime. Mas devemos “narrar” Marina Silva de foma real, como realmente é.

  66. Já descobrimos porque os gays

    Já descobrimos porque os gays apoiam Marina. É que a coordenadora do seu programa se chama ‘Neca’ Setúbal, a herdeira do Itaú. E pro povo vai sobrar uma ‘neca’ bem grande.

    • E por falar em Neca Setúbal

      http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/brasil-juncao-de-socialista-com-banqueira-propoe-banco-central-autonomo-da-soberania-popular.html

       

      Junção de socialista com banqueira propõe Banco Central autônomo

      Antes de votar em Marina, você precisa conhecer Neca – e fazer a pergunta de R$ 18 bilhões

      por André Forastieri, no R7, via Vi o Mundo

      Você precisa conhecer Neca. Ela é a coordenadora do programa de governo de Marina Silva, pela Rede Sustentabilidade, ao lado de Mauricio Rands, do PSB. O documento será divulgado na semana que vem, 250 páginas consensadas por Marina e Eduardo Campos. Educadora, com longo histórico de obras sociais, Neca conheceu Marina em 2007. É uma das idealizadoras e principais captadoras de recursos da Rede Sustentabilidade.

      Sua importância na campanha e no partido de Marina Silva já seria boa razão para o eleitor conhecê-la melhor. Ainda mais após a morte de Eduardo Campos. Mas há uma razão bem maior. Neca é o apelido que Maria Alice Setúbal carrega da infância. Ela é acionista da holding Itausa. Você pode conferir a participação dela neste documento do Bovespa. Ela tem 1,29% do capital total. Parece pouco, mas o valor de mercado da Itausa no dia de ontem era R$ 61,4 bilhões. A participação de Maria Alice vale algo perto de R$ 792 milhões.

      A Itausa controla o banco Itaú Unibanco, o banco de investimentos Itaú BBA, e as empresas Duratex (de painéis de madeira e também metais sanitários, da marca Deca), a Itautec (hardware e software) e a Elekeiroz (gás). Neca herdou sua participação do pai, Olavo Setúbal, empresário e político. Foi prefeito de São Paulo, indicado por Paulo Maluf, e ministro das relações exteriores do governo Sarney. Olavo morreu em 2008. O Itaú doou um milhão de reais para a campanha de Marina Silva em 2010.

      Em agosto de 2013 — portanto, no governo Dilma Rousseff — a Receita Federal autuou o Itaú Unibanco. Segundo a Receita, o Itaú deve uma fortuna em impostos. Seriam R$ 18,7 bilhões, relativos à fusão do Itaú com o Unibanco, em 2008. O Itaú deveria ter recolhido R$ 11,8 bilhões em Imposto de Renda e R$ 6,8 bilhões em Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. A Receita somou multa e juros.

      R$ 18 bilhões é muito dinheiro. É difícil imaginar que a Receita tirou um valor desse tamanho do nada. É difícil imaginar uma empresa pagando uma multa que seja um terço disso. Mas embora o economista-chefe do Itaú esteja hoje no jornal dizendo que o Brasil viveu um primeiro semestre de “estagnação”, o Itaú Unibanco lucrou R$ 4,9 bilhões no segundo trimestre de 2014, uma alta de 36,7%. No primeiro semestre, o lucro líquido atingiu R$ 9,318 bilhões, um aumento de 32,1% em relação ao primeiro semestre de 2013. O Unibanco vai muitíssimo bem. E gera, sim, lucro para pagar os impostos e multa devidos – ainda que em prestações.

      A autuação da Receita foi confirmada em 30 de janeiro de 2014 pela Delegacia da Receita Federal do Brasil de Julgamento. O Itaú informou que iria recorrer desta decisão junto ao Conselho Administrativo de Recursos fiscais. Na época da autuação, e novamente em janeiro, o Itaú informou que considerava  “remota” a hipótese de ter de pagar os impostos devidos e a multa. Mandei um email hoje para a área de comunicação do Itaú Unibanco perguntando se o banco está questionando legalmente a autuação, e pedindo detalhes da situação. A resposta foi: “Não vamos comentar.”

      O programa de governo de Marina Silva, que leva a assinatura de Maria Alice Setúbal, merece uma leitura muito atenta, à luz de sua participação acionária no Itaú. Um ano atrás, em entrevista ao Valor, Neca Setúbal foi perguntada se participaria de um eventual governo de Marina. Sua resposta: “Supondo que Marina ganhe, eu estarei junto, mas não sei como. Talvez eu preferisse não estar em um cargo formal, mas em algo que eu tivesse um pouco mais de flexibilidade.”

      Formal ou informal, é muito forte a relação entre Neca e Marina. Uma presidenta não tem poder para simplesmente anular uma autuação da Receita. Mas tem influência. E quem tem influência sobre a presidenta, tem muito poder também. Neca Setúbal já nasceu com muito poder econômico, que continua exercendo. Agora, pode ter muito poder político. É um caso de conflito de interesses? Essa é a pergunta que vale R$ 18,7 bilhões de reais.

      PS do Viomundo: Êta Brasil velho de guerra. A candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB) se junta com a banqueira que, em entrevista à Folha, prega autonomia do Banco Central, ou seja, que o Banco Central responda a banqueiros como ela e não à soberania popular, que é a base da ideia socialista. Falta inventar alguma coisa na política brasileira?

      Leia também:

      Lula denuncia mídia em programa eleitoral na TV

       

      • Marina, a “não partidária” que deu certo para os rentistas

        Quem coordena é Erundina, do PSB, mas quem manda é a Setúbal, do Itaú

        Autor: Fernando Britto, no Tijolaço

        Impressionante a entrevista da sócia do Itaú, Maria Alice Setúbal, naFolha.

        Sai-se como a Armínio Fraga de Marina Silva e dá palpite sobre tudo, em especial a economia, com a segurança de quem sabe que a candidata está presa ao que ela disser.

        Tanto que o jornalista Fernando Rodrigues, apesar de entrevistar Setúbal, coloca sem meias-palavras, no título: Marina acena ao mercado e promete autonomia para o BC”

        A herdeira-banqueira chega ao ponto de alinhar como será a “equipe econômica” marinista.

        “O mercado visualizando as pessoas que estão ao lado dela vai ter muito mais segurança. Ela já tem vários economistas. Terá outras, mais operadoras. Tem [Eduardo] Giannetti, André Lara Rezende, Eliana Cardoso, José Eli da Veiga. São economistas que têm um olhar mais acadêmico. Eles já dão um certo aval para o mercado -embora eu entenda que não seja suficiente porque eles são mais teóricos. Acredito que ao longo da campanha nós vamos ter outras pessoas que estarão se aproximando, que são mais, vamos dizer, operadores.”

        Em nenhum momento ela sequer ressalva que essa ou aquela questão deva ser formulada à própria candidata. Responde com foros de porta-voz.

        Precisa mais para deixar claro quem vai mandar?

        Luiza Erundina, que nunca foi propriamente uma pessoa com grande poder dentro do PSB – basta ver como foi derrotada na aliança paulista com Alckmin – vai emprestar sua seriedade ao trabalho de aparar os conflitos internos do partido.

        Nisso, Marina não vai criar problemas para ela, porque não importa quem esteja no comando das quinquilharias partidárias, nada apetitosas para a ex-senadora.

        No que importa, a sua coordenadora já se apresentou ao público.

        Maria Alice Setúbal.

         

  67. Eu adoro os posts do Ziba,

    Eu adoro os posts do Ziba, sempre que vejo um texto do Gunter publicado aqui no blogo eu digo, Opa! vem coisa boa ai. Suas opiniões são limpas, claras e honestas, mesmo discordando (sobre Marina, neste caso p.ex.) eu sempre saio ganhando.  

  68. Quem é o inimigo?

    Gunter, voto na Dilma e isso não quer dizer que não perceba certas vacilações do governo quando, por exemplo, lança uma campanha visando combater a homofobia e logo em seguida volta atrás, após a pressão dos neopentecostais, principalmente. Acho que a luta pelo voto evangélico é cheia de aberrações e nenhum dos candidatos deixará de cometê-las para conquistar a presidência.

    Só não é possível esquecer que a Marina em 2010 era contra a união homoafetiva e, apesar de sua mudança de postura, continua argumentando, por exemplo, que a palavra “casamento” dá a ideia de sacramento e com isso ela não concorda, sendo favorável apenas a união civil. Bem… existem igrejas por aí que celebram, sim, o casamento gay. A Marina é contrária a essa postura? Ela é uma evangélica melhor do que os que celebram a cerimônia?

    E a defesa do pastor Marco Feliciano feita por ela? Ela o desqualificou para o cargo na Comissão de Direitos Humanos e Minorias mas afirmou que o sujeito, reconhecidamente racista e homofóbico, estava sendo perseguido por ser evangélico. Qual foi a causa de sua cegueira?

    E a ideia de plebiscitos para decidir sobre as pautas LGBTs? Estão descartadas? Por que fazer com que a opinião da maioria decida a vida de grupos minoritários não me parece muito democrático, ainda mais numa sociedade como a nossa em que machismo e homofobia, ficando nesses temas para não me estender, estão tão arraigados.

    Não me leve a mal, não pretendo com o que escrevi desqualificar seu voto ou mesmo passar a ideia de que “é a Dilma ou a barbárie”. Quero apenas levantar algumas questões para discussão.

    Um abraço.

     

  69. Quem é o inimigo?

    Gunter, voto na Dilma e isso não quer dizer que não perceba certas vacilações do governo quando, por exemplo, lança uma campanha visando combater a homofobia e logo em seguida volta atrás, após a pressão dos neopentecostais, principalmente. Acho que a luta pelo voto evangélico é cheia de aberrações e nenhum dos candidatos deixará de cometê-las para conquistar a presidência.

    Só não é possível esquecer que a Marina em 2010 era contra a união homoafetiva e, apesar de sua mudança de postura, continua argumentando, por exemplo, que a palavra “casamento” dá a ideia de sacramento e com isso ela não concorda, sendo favorável apenas a união civil. Bem… existem igrejas por aí que celebram, sim, o casamento gay. A Marina é contrária a essa postura? Ela é uma evangélica melhor do que os que celebram a cerimônia?

    E a defesa do pastor Marco Feliciano feita por ela? Ela o desqualificou para o cargo na Comissão de Direitos Humanos e Minorias mas afirmou que o sujeito, reconhecidamente racista e homofóbico, estava sendo perseguido por ser evangélico. Qual foi a causa de sua cegueira?

    E a ideia de plebiscitos para decidir sobre as pautas LGBTs? Estão descartadas? Por que fazer com que a opinião da maioria decida a vida de grupos minoritários não me parece muito democrático, ainda mais numa sociedade como a nossa em que machismo e homofobia, ficando nesses temas para não me estender, estão tão arraigados.

    Não me leve a mal, não pretendo com o que escrevi desqualificar seu voto ou mesmo passar a ideia de que “é a Dilma ou a barbárie”. Quero apenas levantar algumas questões para discussão.

    Um abraço.

  70. Que a comunidade LGTB não se engane com Santa Marina…

    Para a campanha de Marina, a questão LGTB já foi resolvida pelo STF, quanto ao aborto haveria um plebiscito, veja que neste caso a maioria decidiria sobre um ponto de interesse da minoria, desta forma não teríamos divórcio no Brasil, dá prá ver que Marina não tem liderança de nada, até mesmo a autonomia do Banco Central, uma questão tão imporante para o povo, quem decidiria seria nada mais nada menos do que os banqueiros, que aliás são coordenadores da campanha dela, estão escrevendo o programa de Marina, refiro-me a Neca Setúbal, aquela que deu calote de mais de 18 bilhões de reais ao fisco…

    http://www.revistaforum.com.br/blog/2014/08/em-documento-marina-silva-promete-governo-com-igualdade-civil-para-todos/

  71. Transformando pedras em vidraças?

    “Aliás, ponto positivo para os peessebistas e marinistas, é raro vê-los desfiando falsas narrativas…”

     

    Isso é uma inversão total da realidade. Esses dois grupos foram os que mais disseminaram e disseminam ódio gratuito contra o PT diuturnamente. Ler isso me soa como heresia, pois é a coisa mais antiga do mundo: querer travestir o lobo em ovelha.

     

    O problema não é que eles não precisam nos atacar diretamente (nós petistas) a grande mídia faz o serviço sujo por eles, eles apenas aproveitam. Ora, onde estão os repórteres investigativos contra os demais candidatos. Além disso, existe um número absurdo de “apartidários” que só vivem postando factoides pelos facebooks, twitters e outras plataformas do gênero.

     

    A questão é saber responder aos ataques. Por exemplo, quando Marina chega e fala que nós somos a velha política, o que ela está dizendo? Que somos aquela política velha movida a corrupção, mas ela não precisa fazer o ataque direto não é? Pois essa parte do serviço sujo é feita diuturnamente pela grande mídia contra nós e pelos “apartidários” nas redes sociais.

     

    Por isso a grande mídia fez por todos os meios para desqualificar perante a população todo setor político e deixar de fora o Judiciário, como se dos três poderes apenas o judiciário fosse infalível e por isso “incriticável”, pois isso lhe teve, tem e terá grande serventia.

     

     As pessoas, muitas, nem perceberam que nesse processo midiático de “aleijamento da política” no qual se engajaram era como calar a própria voz, pois não sendo mais críveis aqueles  que eles elegiam (os políticos), alguém teria que ocupar o vácuo no poder. e quem ocuparia o lugar dos eleitos sem credibilidade e portanto sem legitimidade para exercer o poder? O mercado! Mas além da legitimidade que passaria a ser exercida pelo mercado eles também precisavam de um elemento de legalidade para atuar e foi onde o poder judiciário foi elevado acima dos demais pois além de não serem eleitos diretamente, não dependendo do voto do povo e tendo cargo vitalício era um grupo menor e portanto mais fácil de cooptar.

     

     Estava montado o sonho de consumo da ideologia neoliberal, eleitos que não tem poder e nem credibilidade, sendo esses atributos exercidos na prática pelo mercado pela legitimidade da realidade criada e um Judiciário não eleito e imune a opinião pública mas o mais subserviente possível a opinião publicada,  para dar legalidade para aquilo que aparentemente já tinha legitimidade.

     

    Mas para tudo isso acontecer, precisava um enredo bem elaborado e que, ainda por cima, atingisse um dos poucos partidos trabalhistas com alguma força para se opor ao mercado . O “mensalão” trouxe todos os ingredientes principais para o cenário. Tudo foi cuidadosamente estudado para ser televisionado e marretado a fórceps na cabeça das pessoas num processo lento e contínuo por oito anos e teve seu ápice apenas na encenação do julgamento, porque os “petistas corruptos”, de fato, já entraram no julgamento condenado, tudo já estava escrito, se havia falta de provas, use-se a teoria do domínio do fato, se a jurisprudência exigia o ato de ofício para configurar a corrupção, mude-se a jurisprudência. Vai ter prescrição, majore-se artificialmente a pena, não importava o instrumento, o importante era chegar ao resultado já certo.

     

    E não bastou atingir o final desejado e desenhado, tinha que se ir além, continuando a manchetes diárias sobre a desgraça dos condenados, que mesmo atrás das grades ainda tinham que ser vistos como carne para os leões para uma plateia que se deliciava com uma coisa medieval como se estivesse vendo o combate à corrupção. E pasme meu caro, não basta ser enxovalhado ao vivo e a cores mesmo após a prisão, não se podia mais sequer dizer que foi cometido uma injustiça. Até isso nos foi tirado, não podíamos sequer dizer que cometida uma injustiça. E isso ficou visível na pergunta do Bonner “Isso não deseduca”. Estava ali a sentença, sejam massacrados calados. (a respeito dessa pergunta do Bonner, sugiro que o texto “A indução a servilidade calada embutida na pergunta de Bonner” e, me desculpem estar indicando um texto de minha própria autoria, mas é porque ele desmarcara a falsidade da afirmação na pergunta: http://jornalggn.com.br/noticia/a-tolice-do-pinga-fogo-do-jornal-nacional#comment-406296)

     

    Nesse jogo todo, porém, havia um percalço, se os políticos ficaram desacreditados, o mesmo aconteceu com a grande mídia. Manchetes por sí só já não surtiam tanto efeito como antes. Mas você não disse que a mídia fez o “trabalho sujo”? Mas se ela não tinha mais tanto poder de convencer, como isso se deu? Com aquilo que era para ser o instrumento de revolução de costumes: as redes sociais. O poder de penetração no eleitorado por esse novo instrumento foi logo percebido pelos barões da mídia e pelos velhos abutres que só usaram a nova ferramenta para fazer mais do mesmo, ou seja, dizer que a única força do trabalhismo que restava para lhe fazer frente (com todos seus erros, admitamos) o PT, era corrupto.

     

    O que a mídia dizia podia não ter tanta credibilidade, mas aquilo que um grupo de conhecidos lhe soava mais verossímil, com mais credibilidade, ocorre que a direita e outros grupos de poder que não se importam com ideologia nenhuma, montaram diversos grupos nas redes sociais para disseminar seu eco e como ondas, foram se alastrando e já nem era preciso mais de tantos grupos especificamente criados, porque o círculo crescia se retroalimentava, com um próximo ao outro replicando verdades, com meia/verdades, notícias com factoides que somados davam um ar de credibilidade a qualquer mentira dita.

     

    Então é muito cômodo dizer que:

     

    “Aliás, ponto positivo para os peessebistas e marinistas, é raro vê-los desfiando falsas narrativas…”

     

    Chego a não acreditar que li isso. Esses grupos foram os que mais distribuíram ódio gratuitamente contra o PT, a diferença é que eles não precisavam se assumir como tais, pois entravam nas redes como “apartidários”, mas no fundo apenas ecoavam o trabalho sujo da mídia e, como “apartidários”, eram mais críveis aos próximos.

     

    Então se você realmente acredita que “pessebista e marinistas” raramente fazem falsas narrativas digo lhe com toda convicção. És um ingênuo, pois eles fizeram e fazem isso o tempo todo, mas disfarçados sobre o mantra de “apartidários” e quando vestiam novamente a roupa de sua ideologia se portavam como se não tivessem feito nada.

     

    Bem, não devemos atacar despropositadamente, mas temos obrigação, enquanto tivermos forças de desmascará-los, de tirar suas vestes de ovelhas e mostrar o lobo atrás da roupagem, caso contrário seremos massacrados e o lobo continuará sorrindo por detrás dos olhos da ovelha. A questão é que perdemos muito tempo e estamos muito mais desarticulados dentro da rede do que muitos de nós percebemos.

     

    Ora, dizer a verdade não agride, exceto se a verdade lhe for incômoda. Vejamos Marina, ela está na política a trinta anos, saiu do PT alegando incompatibilidade com a política de meio ambiente do governo Lula e foi para o PV e lá conseguiu brigar com mais da metade do partido VERDE, local onde uma ambientalista deveria se sentir em casa não é?  Conseguiu ter problemas com a política ambiental do PV também? Não satisfeita ficou rondando por aí e tecendo suas alianças, mas não encontrou outro partido como o PV que aceitou que ela chegasse como Dona do Partido, então resolveu montar um partido para ela, A REDE, não conseguindo o feito a tempo, voltou a fazer uma aliança estranha, ir para o partido de  Eduardo Campos, mas o tratando, de fato, “como barriga de aluguel” para completar a gestação de seu próprio partido e, com o falecimento de Eduardo, já começou brigando o Secretário Geral do PSB que disse, ao contrário do papel de viúva de campos que assumiu, que ela Marina, na representa os ideais de Eduardo e não sou eu quem diz isso, mas um dos mais próximos de Eduardo e um dos mais antigos do PSB. Ou seja, assim, como no PT, no PV e no PSB, sempre arruma discórdia se não conseguir impor suas ideias a força (o discurso de unidade da REDE com o PSB, é mais falso que as alianças políticas que ela tanto critica).

     

    Trinta anos na política e quer se apresentar como “O NOVO”.  Onde está o novo em Marina? Essa é uma pergunta justa, não é uma agressão, porque ela pulou de partido em partido mais que os políticos tradicionais que ela critica. E, pior, os políticos tradicionais, ainda revelam ao público com quem estão. Agora eu pergunto e, novamente é justa a pergunta e não é uma agressão. Quantas das pessoas que votam em Marina sabia que ela é financiada pelos grandes grupos financeiros representados pelos bancos e por setores do mercado especulativo como os de Georges Soros? Não faz alianças talvez piores do que alguns políticos tradicionais. O que os mentores de seu projeto econômico representam de fato? Representam o Arrocho salarial, os juros escorchantes e o desemprego, adotou literalmente a cartilha do neoliberalismo que está destruindo a Europa e tenta passar que é “apartidária” e o “Novo na política”. Novo onde? E nesses trinta anos na política, quais resultados ela apresentou ao público até agora? Não vi resultado algum, exceto discurso.

     

    Então, é justo de minha parte dizer que para mim Marina não apresenta nada de “NOVO”, trinta anos na política e não mostra o que fez, pulou de partido em partido, pior que os políticos tradicionais e, ainda, por onde passou nesses partidos criou discórdia e isso é um fato e não uma especulação. Escondeu até onde pode suas alianças das mais aterradoras com o neoliberalismo dos mercados especulativos e do sistema financeiro, que o setor que nada produz, mas lucra muito sobre os setores que realmente produzem e geram empregos.

     

    Então surge esse texto, dando a entender que apenas petistas são agressivos e que tucanos e marinheiros são amáveis. Se considera os tucanos tão amáveis porque não aceitou subir em alguns palanques deles. O texto serve para tentar pegar os votos dos eleitores tucanos com os quais ela não quis subir no palanque, mas tenta convencer os eleitores do PSDB de podem conviver bem com a REDE, uma falácia é apenas para conseguir atrair o eleitorado de Aécio para apoio num eventual segundo turno contra Dilma. Então que assumisse logo. Pelo menos os tucanos e os petistas deixam claro de que lados estão. Marina faz pior, se escamoteia, se esconde e manda seus emissários tentar fazer o que ela não quer aparecer que faz. Como diz o ditado: “Melhor um inimigo declarado que um falso amigo”.

     

    Agora, prega para que não seja atacada, através de seus emissários, pois a “apolítica” não pode fazer esse papel. Tem que parecer ao público como se mantivesse distância dessas pequenezes da política, que seus emissários “sujem as mãos por elas”, mas as delas tem que parecer limpas. O difícil vai ser explicar para o povo como esse mercando rentista e financeiro que vivem de juros escorchantes de especulação financeira, pode ser bom para os trabalhadores e para os empresários da economia real, pois todos sabemos qual é a política deles e não é nada boa para os que produzem de fato e nem para os trabalhadores. Por isso esse “alerta”para que não “a ataquemos”. Não se preocupe, mostraremos apenas a VERDADE, se a verdade incomodar, tente fazer como o “Fux, mato no peito” que diz que “a verdade é uma quimera” e fujam da realidade para uma nevoa de virgindade política que nunca teve.

     

    Sim vamos a luta e não para agredir, mas mostrar a verdade e não teceremos falsos elogios para os tucanos, como se tenta agora no texto que combato, porque sobre nós os tucanos sabem que somos adversário e não escondemos, sobre a Marina o que os eleitores do PSDB podem esperar, exceto uma falsa simpatia?

     

    Então, a disputa PT X PSDB  é mais transparente, pois o eleitor sabe o que pretende um e outro. Quanto a Marina, INTENCIONALMENTE, ela escondeu dos eleitores que estava ligada UMBILICALMENTE com  aquilo que há de pior para os trabalhadores e os produtores de bens e consumos na economia seja nas indústrias, comércio, setor de serviços e o agronegócio, que é essa aliança sinistra e obscura da REDE de Marina com os grandes bancos do sistema financeiro e especuladores do mercado de ações, como George Soros.

     

    Por fim, existe muita coisa que Marina precisa explicar e não nos furtaremos a mostrar e perguntar, porque o povo precisa saber quem é ela e quem sãos os grupos por trás dela e os que eles representam para o setor produtivo e para os trabalhadores. Aliás, seu ponto de vista sobre o pré-sal tem que ser melhor esclarecido, pois a um nevoeiro sobre o que ela pensa sobre assunto e não duas ou três frases desconexas que nos enganarão.

     

    No mais, volto a repetir, diremos apenas a VERDADE, agora se a verdade lhe soar como agressão é porque a verdade lhe incomoda. E faremos isso admitindo que somos petistas e não escondendo o que somos, como é de praxe dos grupos Marineiros que entram nas redes como “apartidários” agridem o PT e depois saem sem serem detectados. Não faremos assim, faremos dizendo o que somos PETISTAS, que sempre estivemos ao lado dos trabalhadores e nossa história mostra isso. Quanto a Marina, que mostre os projetos que aprovou como parlamentar nesses trinta anos de poder e não fique no repertório de dizer que é o “Novo”, coisa que nunca foi.

    • Marina Silva, a beneficiária da PTfobia

      Eduardo, belo texto e deveria ser elevado a post. Ultimamente tenho me perguntado o seguinte: Se Marina for eleita, por quanto tempo ela será a “santinha” que caiu do céu para salvar o Brasil? A resposta que me vem a cabeça: Ela será “santa” até o dia em a Globo quiser. A Globo vai querer até o dia em que a dona Neca Setúbal estiver mandando no Banco Central e, portanto, na política econômica. De forma que não seriam necessários 4 anos de ininterruptos ataques(como estes que Dilma tem sofrido) para ela ser demonizada, ela não se sustentaria sequer  por uma semana. De forma que a vejo como uma santa dos pés de barro, ela(Marina) representa sim, uma política econômica das mais retrógradas e danosas, talvez bem pior do que aquela que já experimentamos na década de 90, prá isso basta que prestemos atenção…segue link para o texto na íntegra

       

       http://josecarloslima85.blogspot.com.br/2014/08/como-oposicao-tem-se-beneficiado-da.html