Amapá: novo apagão pode ter sido por problema em linha de transmissão

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) disse que há indícios de que o problema se originou quando a linha de transmissão Santa Rita-Equatorial energizou.

Jornal GGN – No Amapá, a interrupção no fornecimento de energia elétrica em 13 das 16 cidades do estado, que aconteceu na terça, dia 17, piorando a crise iniciada no dia 3 de novembro, pode ter sido causada por uma falha em uma linha de transmissão.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (NOS) disse que há indícios de que o problema se originou quando a linha de transmissão Santa Rita-Equatorial energizou. Esta linha é da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), controlada pelo governo estadual e responsável por distribuir a energia elétrica para todo o estado.

A CEA, por seu turno, informou à imprensa que não identificou nenhuma falha no processo de energização.

A ONS reiterou informações dadas pelo Ministério das Minas e Energia, de que uma instabilidade causou o repentino desligamento automático do transformador da subestação de Macapá, no lado da distribuição, e da Usina Hidrelétrica Coaracy Nunes, localizada em Ferreira Gomes (AP).

A subestação é operada pela Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE), da Gemini Energy, que no dia do problema já soltou nota dizendo que o novo apagão não teve origem na linha de transmissão e que não houve nenhum problema no transformador instalado na subestação de Macapá. A Usina Coaracy Nunes é explorada pela Eletronorte, uma subsidiária da Eletrobras.

O incêndio que destruiu o transformador na noite do dia 3 e o blecaute do dia 17 estão sendo investigados. No dia 11, a Polícia Civil do Amapá divulgou o resultado de um laudo preliminar que, ao contrário do que foi informado anteriormente pela LMTE, o incêndio no transformador não foi causado por um raio, mas por superaquecimento em uma peça do equipamento.

Leia também:  Técnicos que reverteram apagão no Amapá são demitidos da Eletronorte 40 dias depois

No dia 13, a justiça estendeu o prazo para que a LMTE restabeleça integralmente o fornecimento de energia em todo o estado, sob pena de multa de R$ 50 milhões.

Após o apagão, o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou que voltaria ao estado para verificar como está se dando a solução para o problema. O ministro foi hoje para o Amapá com secretários da pasta e representantes da ONS.

Uma força-tarefa foi montada para enfrentar a crise. A Eletronorte assumiu o fornecimento emergencial da energia e as Forças Armadas foram mobilizadas para transportar equipamentos e suprimentos para o estado a fim de atender à população. Segundo a pasta, geradores enviados ao estado em caráter emergencial devem entrar em operação nos próximos dias.

Com informações do Correio Braziliense.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome