Quais são as questões levantadas pelo recente apagão do Reino Unido?, por Jillian Ambrose

O apagão mais severo da Grã-Bretanha em mais de uma década causou perturbações na hora do rush nas maiores estações ferroviárias, ferrovias, rodovias e aeroportos do Reino Unido na última sexta-feira à noite (9/08) e deixou quase um milhão de lares em todo o país no escuro.

Enviado por Ronaldo Bicalho

Quais são as questões levantadas pelo recente apagão do Reino Unido?

por Jillian Ambrose (*)

O apagão mais severo da Grã-Bretanha em mais de uma década causou perturbações na hora do rush nas maiores estações ferroviárias, ferrovias, rodovias e aeroportos do Reino Unido na última sexta-feira à noite (9/08) e deixou quase um milhão de lares em todo o país no escuro.

A agência de energia pediu à National Grid, a operadora do sistema de energia, que forneça um relatório inicial sobre o que deu errado até o final desta semana, enquanto o governo anunciou uma investigação separada. A empresa de rede pode até enfrentar uma multa.

Aqui estão algumas questões-chave relacionadas ao incidente de sexta-feira:

O que causou o apagão?

A National Grid culpou um “evento raro e incomum” pela queda severa na frequência da rede – uma medida da intensidade de energia fluindo ao longo da rede – após um par de grandes paradas na geração.

Uma parte fundamental do trabalho do operador é manter a frequência da rede estável em torno de 50Hz; um desvio de mais de 1% em qualquer direção é suficiente para fazer com que partes do sistema de energia desliguem automaticamente como precaução de segurança.

O blecaute ocorreu após duas interrupções quase simultâneas de usinas elétricas – na usina a gás de Little Barford e no parque eólico offshore de Hornsea – fazendo com que a frequência caísse abaixo dos limites de segurança da rede.

Little Barford, que pertence ao grupo de energia alemão RWE, caiu pouco antes das 5 da tarde de sexta-feira. A interrupção foi seguida, minutos depois, pelo inesperado desligamento do parque eólico offshore de Hornsea, que pertence à empresa dinamarquesa de energia eólica Orsted.

A RWE informou que sua usina foi desligada automaticamente devido a um problema técnico que “não é incomum” nas usinas elétricas. Orsted se recusou a comentar por que seu gigantesco parque eólico ficou offline enquanto investigava a questão junto com o regulador de energia.

Como o problema foi resolvido?

A National Grid pediu aos provedores de eletricidade de backup que aumentassem sua produção em segundos após as interrupções não planejadas. Alguns desses fornecedores de backup incluem proprietários de usinas elétricas de pequena escala, operadores de baterias e até mesmo frigoríficos de supermercados.

Normalmente, esses contratos de backup podem estabilizar a frequência da rede elétrica antes que a frequência caia demais, mas na sexta-feira a rede de segurança não foi suficiente para impedir que partes da rede desligassem automaticamente.

A National Grid deu total destaque a essas redes para reiniciar o sistema 15 minutos após as interrupções. Ela disse que, às 17h40, todas as redes regionais de eletricidade haviam conseguido reiniciar seus sistemas e restaurar a energia de seus clientes.

Isso poderá acontecer de novo?

A National Grid está trabalhando com o regulador, os geradores e outras partes interessadas para “entender as lições aprendidas” do apagão de sexta-feira.

No entanto, fontes da indústria alertaram que os “quase acidentes” estão em ascensão e que o operador do sistema está ciente do potencial crescente de um apagão em grande escala.

Nas últimas 12 semanas, a frequência da rede caiu perigosamente, abaixo de 49,6 Hz, em três ocasiões distintas. Antes desses quase-acidentes, a frequência da rede não caía tanto assim nos últimos quatro anos.

A National Grid havia conseguido evitar um blecaute generalizado até agora, desencadeando um “evento de baixa frequência” que envia uma ligação para empresas de energia contratadas para backup imediato, com apenas 10 segundos de antecedência.

Um porta-voz da National Grid disse que os choques de frequência são eventos independentes e disse que “não há tendência ou previsão de mais problemas de frequência”.

Por que as linhas ferroviárias foram particularmente afetadas?

A falta de energia pode ter durado menos de uma hora, mas a interrupção das viagens em todo o país causou grandes atrasos nas ferrovias até a noite de sexta-feira.

Nick King, diretor da Network Rail, disse que o apagão causou uma perda de energia a curto prazo em seus sistemas de sinalização e equipamentos de fornecimento de energia em uma ampla área da rede ferroviária. Em alguns lugares, seus sistemas de backup foram reiniciados, mas ainda precisavam de um engenheiro para redefinir manualmente os trens que haviam sido paralisados pelo blecaute.

“Muitos desses trens não puderam recomeçar sozinhos e tiveram que ser atendidos por um engenheiro e isso causou uma interrupção significativa em várias partes da rede. Trabalhamos com os colegas da operadora de trens e com a Polícia Britânica de Transporte para tirar com segurança os passageiros dos trens impactados”, disse ele.

Em alguns casos, os engenheiros precisavam viajar longas distâncias para trens específicos parados pelo blecaute. As rotas bloqueadas atrasavam os horários dos trens na rede enquanto o sistema era reinicializado

O blecaute levanta questões sobre as energias renováveis?

Não há dúvida de que o Reino Unido precisará aumentar seu uso de fontes de energia renovável para ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em toda a economia.

Mas há dúvidas sobre se a National Grid fez o suficiente para se adaptar à mudança que a energia renovável está trazendo para o sistema energético.

Altos volumes de energia renovável podem tornar mais difícil para a National Grid equilibrar a frequência da rede, que foi originalmente construída para acomodar usinas de combustível fóssil.

Para se preparar para a transição energética do Reino Unido, a National Grid desenvolveu ferramentas de “resposta para a frequência” – tais como suprimentos de backup de eletricidade extra – o que tornaria tecnicamente possível operar o sistema de energia sem quaisquer combustíveis fósseis até 2025.

Especialistas em energia sugeriram que a National Grid talvez precise mudar suas “regras práticas” que regem a quantidade de eletricidade que ela mantém em reserva para gerenciar a frequência da rede, uma vez que a energia renovável desempenha um papel maior.

Especialistas têm sido claros: não há sugestão de que a energia eólica seja uma fonte de eletricidade não confiável.

Isso reforça a necessidade de nacionalizar a National Grid?

Alguns parlamentares do Partido Trabalhista apontaram os apagões e o subsequente caos ferroviário como mais uma prova de que a privatização das concessionárias nacionais fracassou.

O partido da oposição planeja renacionalizar as redes de energia e as ferrovias em meio a críticas de que empresas privadas estão prestando um serviço ruim enquanto aumentam os custos do consumidor. (…) Continua no site do Instituto Ilumina.