O que faz uma professora pesquisadora de universidade pública? E quanto ela ganha?, por Patrícia Valim

Muitos de nós acumulam cargos na administração universitária: direção, coordenação do PPG, chefia de departamento, sindicato e colegiados

Foto Tomasi Becas

O que faz uma professora pesquisadora de universidade pública? E quanto ela ganha?

por Patrícia Valim

Uma professora adjunta DE, em regime de dedicação exclusiva, como eu (estou indo para adjunta III): leciona 8 horas em sala de aula e quando leciona na pós-graduação (um semestre obrigatório por ano) são 12 horas/aula. Cumpre destacar que a dedicação exclusiva é sobre a jornada de trabalho e não a vida: temos companheiro, filhos, casa, família e tal. Como em qualquer carreira.

O restante do tempo de trabalho é dividido em orientações de pesquisa de IC, monografia de conclusão de curso, mestrado e doutorado; a elaboração da própria pesquisa docente que requer muito tempo, pareceres de artigos e livros, escrita de livros e artigos, seminários, congressos, palestras, organização e coordenação de eventos científicos, participação em bancas de defesa de mestrado e doutorado e bancas de concurso público – pelo país afora.

Para lecionar na pós-graduação e orientar mestrados e doutorados, a docente precisa submeter ao colegiado um projeto de pesquisa, deverá publicar um livro a cada 3 anos e dois artigos por ano em periódicos Qualis A ou B, preferencialmente. Essa avaliação ocorre de quatro em quatro anos, de maneira que o corpo docente do PPG não é vitalício e depende das atividades realizadas de seus membros.

A maioria de nós lê em um mês o equivalente ao dobro da média anual da população, sem exageros. Muitos de nós acumulam cargos na administração universitária: direção, coordenação do PPG, chefia de departamento, sindicato e colegiados – fui do CONSUNI/UFBA por dois anos, por exemplo, com leituras de relatórios imensos, propostas de plano pedagógico da instituição, pareceres e tal.

Leia também:  Entenda como a privatização dos Correios vai afetar a sua vida

Tudo isso precisa ser comprovado semestralmente em relatórios com documentos probatórios e aprovado por comissões formadas por outros docentes que emitem outros relatórios sobre o desempenho do docente avaliado, que deverão ser aprovados ou não na Congregação.

O nosso salário está disponível no portal da transparência do governo federal, apequenado diante da campanha indecente de desmoralização do funcionalismo público no geral e dos professores e pesquisadores brasileiros em particular. Se comparado com a média salarial da população brasileira ganhamos bem mesmo sem aumento salarial há três anos , mas estamos longe de levar uma vida nababesca como diz o atual ocupante do MEC, com o objetivo descarado de acabar com a pesquisa e privatizar as universidades públicas desse país.

Ele mente. Ele deturpa. Ele nos ataca.
E nós estamos em combate e lutaremos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Precisamos empreender. Nada de criticar. Nada de pesquisar. Precisamos lucrar… Para essa fim, não há muito o que aprender. Ensinar, pra quê?!… Eis a linguagem do MEC atual. Nada neste país será salvo. E, por falar nisso, como vão as escolinhas de tiro ao alvo?!…

  2. “E nós estamos em combate e lutaremos.”
    Professora,
    -Lute a única batalha eficaz, com consequências.
    Trata-se de libertar o preso político em Curitiba.
    Essa batalha é a única que o golpe teme perder.
    O resto é desgaste e perda de tempo!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome