Observatorio de Geopolitica
O Observatório de Geopolítica do GGN tem como propósito analisar, de uma perspectiva crítica, a conjuntura internacional e os principais movimentos do Sistemas Mundial Moderno. Partimos do entendimento que o Sistema Internacional passa por profundas transformações estruturais, de caráter secular. E à partir desta compreensão se direcionam nossas contribuições no campo das Relações Internacionais, da Economia Política Internacional e da Geopolítica.
[email protected]

O Fantasma de Richelieu lamenta a humilhação da França, por Spengler

A Alemanha vai se voltar para o Oriente e deixar a França como o resquício mendicante de uma Comunidade Europeia em declínio.

Facebook Screengrab

do Asia Times

O Fantasma de Richelieu lamenta a humilhação da França

por Spengler

A lanterna que trouxe da Temu apagou-se meia dúzia de níveis acima da galeria subterrânea onde eu caminhava em direção à escada circular que levava ao ossuário secreto dos monges cartuxos, bem abaixo dos esgotos de Paris.

Com uma garrafa magnum de Chateau Margaux em uma mão e um grande escarrador de latão na outra, prendi meu telefone entre os dentes e tateei as paredes cobertas de niter com a luz da lanterna.

Os degraus de pedra erodida da escada pareciam balançar sob meus pés, e eu tropecei com uma languidez tortuosa até sentir a lama viscosa do chão do ossuário. Os crânios empilhados dos cartuxos há muito falecidos riam para mim.

Mais uma vez, mantive um encontro com o Fantasma do Cardeal Richelieu, vencedor da Guerra dos Trinta Anos e arquiteto dos 200 anos de domínio da França no continente europeu.

Esperei o que pareceu uma eternidade até o ponteiro dos segundos do meu relógio apontar para a noite e plantei o escarrador no lodo putrescente abaixo de mim. Desarrolhei o Margaux e despejei-o no escarrador e esperei.

Os espíritos dos mortos franceses filtraram-se das paredes e se dirigiram ao vinho. Reconheci os rostos do General Weygand, o comandante derrotado da Batalha da França, e do Marechal Ney, que comandou a retaguarda durante a catastrófica retirada da Grande Armée de Moscou.

Afastei-os até que uma sombra translúcida se aproximou do escarrador. Inseriu uma probóscide espectral na abertura estreita e ganhou cor ao absorver o Bordeaux, e então retirou a cabeça com um estalo audível.

“Eu o aviso,” disse o Fantasma com seu sotaque de Maurice Chevalier. “Estou de mau humor.”

“Eminência,” arrisquei, “o que será da França? Parece ingovernável. O partido do Presidente Macron teve menos de 15% dos votos para o Parlamento Europeu no último domingo, metade dos votos do Rassemblement National. As pesquisas colocam seu partido com apenas 19% nas eleições parlamentares antecipadas do próximo mês. O que será da promessa de Macron de enviar soldados franceses para a Ucrânia?”

“C’est plus qu’un crime, c’est une faute,” sibilou o Fantasma escarlate. “É mais que um crime. É um erro, como eu costumava dizer.”

“Com todo o respeito, Eminência, você não disse isso. Foi Talleyrand.”

“Eh bien?” Richelieu zombou. “Eu não precisava dizer isso, porque não cometi esse tipo de erro. Nem toda estratégia que desenvolvi foi bem-sucedida, mas não fui estúpido o suficiente para lutar contra a Rússia, como o mestre de Talleyrand, Napoleão. Alguns milhares de legionários e uma dúzia de caças Mirage obsoletos simplesmente darão aos russos mais oportunidades para prática de tiro ao alvo. É um gesto mesquinho de um homem mesquinho.”

“Mas por que a Ucrânia é tão importante para Macron, Eminência? Por que arriscar sua reputação jogando com uma mão fraca?”

“Irrelevante!” trovejou o Cardeal. “A França se tornou irrelevante! Tornar-se-á um fornecedor de bolsas de luxo para os novos ricos da China e um parque temático para turistas chineses! Sua grandeza se foi, mas a autoimportância do passado ainda infecta a imaginação da elite da França!”

“Mas por que irrelevante?” insisti.

“A elite da França sabe que quando a Ucrânia não puder mais lutar, eles se encontrarão em um mundo onde seus serviços não são mais necessários. Não há uma única indústria na qual a França se destaque. Ela tem menos da metade do nível de automação industrial da China, Japão ou Alemanha.

“Ela faz carros medíocres e exporta um sexto do que a indústria automotiva alemã vende. Não pode competir com os chineses. À medida que o continente eurasiático se inclina para a China, a Alemanha se voltará para o Oriente, deixando a França como o resquício mendicante de uma Comunidade Europeia em declínio.”

“Eminência, estou profundamente confuso. O que isso tem a ver com enviar soldados franceses para a Ucrânia?”

“Você é tão denso como sempre, Spengler. Preciso soletrar isso para você? Se a Ucrânia for humilhada, a Alemanha voltará a comprar gás russo e abrirá a porta para a China, assim como fizeram os húngaros. Ela pegará carona na grande iniciativa da China em direção ao Sul Global, suas montadoras continuarão a se integrar com suas contrapartes chinesas, seus gigantes da engenharia construirão fábricas na China para investidores alemães, e seu Mittelstand exportará seus produtos para mercados preparados pela infraestrutura chinesa.”

“Eminência, Macron disse que uma vitória russa na Ucrânia ‘reduziria a credibilidade da Europa a zero,’” sugeri.

“Não exatamente: reduziria a credibilidade da França a zero; poderia dizer o mesmo da Itália, mas esta não tem credibilidade para começar. Duas gerações atrás, Charles DeGaulle ainda imaginava que a grandeza francesa poderia encontrar um nicho entre os americanos e os soviéticos.

“Agora Macron quer desesperadamente preservar a ordem americana, onde pelo menos ele tem um lugar à mesa. Na verdade, Macron não queria a guerra na Ucrânia; como os alemães, esperava que o compromisso de Minsk II a evitasse, e tentou mediar entre a Rússia e a Ucrânia até o último minuto. Mas agora ele está preso a isso e aterrorizado com a perspectiva de uma humilhação americana.”

“Eminência,” perguntei, “é por isso que os franceses votaram contra ele?”

“Eles votaram contra Macron porque sua credibilidade já foi reduzida a zero!” trovejou o Cardeal. “Os franceses não querem lutar na Ucrânia. Eles não podem ganhar uma guerra cuja perda os humilhará. Eles não têm nem os homens nem as armas para fazer diferença na Ucrânia. É um gesto vazio, impotente, tolo. Se Napoleão I foi tragédia e Napoleão III foi farsa, Macron é a versão de desenho animado. Os franceses podem perdoar fraude, concupiscência, arrogância e até mesmo derrota, mas não podem suportar Canard Donald como seu líder.”

“Você foi o líder mais implacável que a França já teve, Eminência: Há algum líder que possa tirar a França de sua apatia?”

“Hélas,” suspirou o espectro. “O problema são os próprios franceses. Eles não querem ter filhos, mas também não querem imigrantes. Eles não querem que a China elimine suas indústrias, mas também não querem trabalhar. Eles não querem ser intimidados pela Rússia, mas também não querem lutar.”

“O Rassemblement National de Marine Le Pen afirma ser um partido nacionalista,” sugeri.

“Le Pen apela não à grandeza desvanecida dos franceses, mas à sua preguiça,” respondeu o Cardeal. “Sua proposta mais popular é reduzir a idade de aposentadoria, o que faliria o Tesouro francês.”

“O que será da França, Eminência?”

“A mesma coisa que aconteceu comigo: Será um fantasma de seu antigo eu,” suspirou o Cardeal, enquanto suas vestes vermelhas lustrosas se tornavam diáfanas. Alguns dos montes de ossos contra a parede se juntaram em esqueletos, formaram um círculo e começaram a cantar, “Dansons la carmagnole!”

Depois de algumas rodadas, o agora desvanecido Fantasma de Richelieu os dispensou com um gesto curto, e os esqueletos se desintegraram em pilhas de ossos que se agitavam no lodo primordial do chão do ossuário. “Levantem-se!” gritei – não sei por quê – “Dancem a Carmagnole!”

Mas agora a sala girava ao meu redor. Acordei ao lado de uma garrafa vazia de conhaque e uma edição barata de Rabelais.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Macron já se adiantou sinalizando associação aos BRICS que lhe dedicaram a merecida desconfiança. Não sabemos se a a Alemanha terá peito suficiente para voltar a comprar gás da Rússia e nem se a Rússia terá mais saco com a Alemanha depois do prejuízo que teve com os NORDS. Que a Europa vai para o brejo é fato. A roda da vida é implacável e tudo o que fizemos nos retorna em prejuízo ou benefício. Quanto aos velhos franceses, quem em sã consciência tendo qualidade de vida, dinheiro e boa saúde vai ter como objetivo apenas reproduzir-se e sobreviver a qualquer custo?

  2. A França após o Tio ( Mitterand) acabou! Apenas esqueceram de comunicar os descendentes de Asterix!
    O futuro da França é o traçado por Houellebecq. É a demografia. A taxa de natalidade entre os identitários é menor do que entre os muçulmanos. Chirac pegou o barco já meia boca , evitou o naufrágio, mas a água continua entrando e a orquestra vai tocando no andar de cima , enquanto a marajuda fica tirando a água, já pelo joelhos, com canecas.
    A Ucrânia é um pântano inventado pela NATO e vai engolir tudo a oeste de Berlim.
    E a orquestra vai tocando mais uma polca no andar de cima!

  3. Magistral. Simplesmente engenhoso o raciocínio sobre a geopolítica à chinesa e a “decadence avec elegance”. Também concordo que o mundo a oeste de Berlim está em frangalhos. Aliás, a vergonha do mundo com guerras e humilhações nos dois últimos milênios tem um nome Europa. E os estadunidense estão fritos com os coroas gagás em luta de titãs pela White House. Adieu!!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador