A revolução da informação e a nova ordem mundial

Enviado por jns

O terrorismo não representa a única ameaça à nova ordem mundial

Por Paul Joseph Watson

“A revolução da informação e das comunicações globais instantâneas estão frustrando a nova ordem mundial” – Harlan K. Ullman (foto).

Ullman harlan

“Apenas um outro cataclismo como o 11/9 permitirá que o estado possa reafirmar o seu domínio e a eliminação de agentes não estatais e indivíduos capacitados deve ser feita, a fim de preservar a nova ordem mundial.”

Harlan K. Ullman, o principal autor da Shock and Awe Doctrine, é, agora, o presidente do Killowen Group, que assessora líderes da área de comércio e de governos.

Em um artigo intitulado ‘War on Terror Is not the Only Treat’, Ullman afirma que, “mudanças tectônicas estão reformulando o sistema geoestratégico internacional”, argumentando que não são as superpotências militares, como a China, mas “atores não estatais”, como Edward Snowden, Bradley Manning e hackers anônimos que representam a maior ameaça para o Westphalian System, porque eles estão incentivando as pessoas a se tornarem autocapacitadas e eviscerar o controle do Estado.

“Poucos perceberam e menos tem agido em torno dessa realidade”, diz Ullman, lamentando que “a revolução da informação e das comunicações globais instantâneas estão frustrando a nova ordem mundial”, anunciada pelo presidente dos EUA, George HW Bush há mais de duas décadas atrás.

“Sem uma crise extraordinária, é pouco provável que algo seja feito para reverter ou limitar o dano imposto ou não pelo governo”, escreve Ullman, o que implica que apenas outro cataclismo como o 9/11 permitirá ao estado reafirmar o seu domínio ao “conter, reduzir e eliminar os perigos representados por atores não estatais recém capacitados.”

Leia também:  Netanyahu não consegue mais pacificar Gaza com dinheiro do Catar e promessas vazias

Ullman sugere que a definição do The Atlantic Council de uma “nova ordem mundial” seja uma tecnocracia mundial gerida por uma fusão do grande governo e o grande negócio em que a individualidade seja substituída por uma singularidade trans-humanista.

Ele conclui que a eliminação de agentes não estatais e indivíduos capacitados “deve ser feita”, a fim de preservar a nova ordem mundial. 

A retórica de Ullman soa um tanto semelhante à defesa do co-fundador e regular participante do Bilderberg Group, Zbigniew Brzezinski, que em 2010, durante uma reunião do Council on Foreign Relations, alertou que um “despertar político global”, em combinação com a luta interna entre a elite, estava ameaçando descarrilar a transição para um governo mundial.

Ullman clama, implicitamente, para a ocorrência de uma “crise extraordinária” para revigorar as bases do poder do Estado.

O documento publicado por Washington, Project For a New American Century’s, em 1997, lamentava que “na ausência de algum evento catastrófico catalisador – como um novo Pearl Harbor – a expansão do militarismo americano teria sido impossível.’

Em 2012, Patrick Clawson, membro do influente Institute Washington para Política do Oriente Próximo (WINEP), pró-Israel, também sugeriu que os Estados Unidos façam uma provocação encenada para começar uma guerra contra o Irã.

A preocupação de Ullman sobre as falhas que influenciam a erosão das instituições do Estado por pessoas capacitadas, principalmente através da Internet, é mais um sinal de que a elite está em pânico sobre o “despertar político global” que expressou-se, mais recentemente, através das ações de pessoas como Edward Snowden, Julian Assange, Bradley Manning e a sua crescente legião de apoiadores.

Leia também:  Qual o futuro da mídia impressa?, por Cezar Taurion

***

A organização The Atlantic Council, altamente influente, possui laços estreitos com os principais decisores políticos em todo o mundo. É liderada pelo general Brent Scowcroft, ex-Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos sob o comando dos presidentes Gerald Ford e George HW Bush, que também assessorou Barack Obama.

Mais:

http://www.atlanticcouncil.org/about/experts/list/harlan-ullman

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/iraq/9933587/The-my…

http://www.articlemyriad.com/relevance-westphalian-system-modern-world-sasha-safonova/

http://www.antiwar.com/orig/stockbauer1.html

10 comentários

  1. A revolução da informação e a nova ordem mundial
    Alguém tem dúvida quanto a falência do capitalismo e do atual modelo de fazer política ocidental??? Leiam o que este fascista adorador de Bush escreve para nosso futuro….O fdp propõe claramente a ELIMINAÇÃO de quem não concorda com a Nova Ordem pregada pelo capitalismo americano… Defende claramente um novo atentado como o das torres gêmeas – o que reforça a ideia de que foram eles mesmos que explodiram as torres.

    • E o ataque de Boston?

      Tudo muito esquisito. Gostaria que Snowden falasse a respeito, mas acho que ele vai evitar por a mão no vespeiro.

    • Caro André, eis o artigo do

      Caro André, eis o artigo do Sr. Ullman: http://www.atlanticcouncil.org/blogs/new-atlanticist/war-on-terror-is-not-the-only-threat

      Caso deseje obter informações adicionais, por favor especifique precisamente a natureza dos documentos que, a seu julgamento, seriam capazes de convencê-lo de que “o conteúdo é verdadeiro”.

      Abraço!

      Cito:

      (…)

      Instead, the more immediate danger rests in the dramatic empowerment of individuals and groups, for good and sadly evil, often lumped together as “non-state actors.”

      Edward Snowden, Bradley Manning, countless “hackers” and anonymous people mailing anthrax-filled letters whose actions have indeed constituted real threats and systemic disruptions are among the former. Al-Qaida and other radical groups reflect the latter.

      In essence, the 365 year-old Westphalian system that placed sovereign states as the centerpieces of international politics is being tested and in some cases made obsolete by the empowerment of individuals and non-state actors. As former national security adviser Brent Scowcroft observes, global politics has entered a post-Westphalian era. But very few have taken note and fewer have acted on this realization.

      The fundamental cause of this empowerment is the diffusion of all forms of power writ large commonly called “globalization,” accelerated by the information revolution and instantaneous global communications and the real and perceived fragilities and weaknesses of states to intervention, interference and disruption by non-traditional actors.

      (…)

      Without an extraordinary crisis, little is likely to be done to reverse or limit the damage imposed by failed or failing governance. The United States is Exhibit A although there are far too many competitors for that title.

  2. Caro Nassif e demais
    Ué, mas

    Caro Nassif e demais

    Ué, mas o neoliberalismo não prega menor intervenção do Estado???!!

    “Apenas um outro cataclismo como o 11/9 permitirá que o estado possa reafirmar o seu domínio e a eliminação de agentes não estatais e indivíduos capacitados deve ser feita, a fim de preservar a nova ordem mundial.”

    A nova ordem mundial está cada vez mais dificil de se manter, assim como a ordem da Casa Grande.

    Saudações

     

  3. Quando comecei o texto pensei

    Quando comecei o texto pensei tratar-se de uma crítica. Não, o sujeito praticamente clama por um novo 11/9! Isso não era para ficar lá entre eles, em sigilo? Não precisou nem de um Snowden ou Assange.

    Depois se acontecer novo ataque do Al Qaeda vai ser dificil segurar as teorias conspiratórias 

  4. BOBOS DO MUNDO FIDUCIÁRIO:

    SEM UMA NOVA ORDEM MUNDIAL QUE CHEGUE COM CLAREZA A LIMITAR OS ESTADOS, NO LUGAR DO OBSCURO SISTEMA DE DEVEDORES FIDUCIÁRIOS, O MUNDO VAI CONTINUAR PAGANDO PELO CAOS, NO QUE SE REFERE A FALTA DE REPRESENTAÇÃO MATEMÁTICA DO UNIVERSO, O QUE NO FUNDO É O GRANDE MAL DA INTERNET.

  5. “…”atores não estatais”,

    “…”atores não estatais”, como Edward Snowden, Bradley Manning e hackers anônimos que representam a maior ameaça para o Westphalian System, porque eles estão incentivando as pessoas a se tornarem autocapacitadas e eviscerar o controle do Estado”.

    Muito pouco se pode fazer individualmente contra o poder de um Estado totalitário como o dos EUA. Snowden teve de fugir para a Russia, pois sabe o que lhe acontecerá se o capturarem. Assange está preso numa embaixada. E o caso mais grave – o da punição ao soldado americano Manning – ação de terror que certamente já alcança seu objetivo intimidatório, de servir de exemplo a todos os soldados e a todos os cidadãos daquele país, do que lhes poderá acontecer caso ousem desafiar o poder do Estado totalitário, torturador, medieval e, ao mesmo tempo, que detém a tecnologia mais avançada do mundo.

  6. E o AA que diz que teorias da conspiraçao sao bobagens

    Se esse cara diz isso em público, alguém acha que ele seria contra a provocaçao de incidentes graves para justificar o terrorrismo de Estado? O próprio 11 de setembro, talvez… 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome