Alemanha criará central de combate a crimes de extrema direita

Nova unidade é resposta das autoridades à violência crescente de militantes ultradireitistas. Medida visa melhorar identificação precoce de discursos de ódio na internet e a coordenação internacional

Da DW

Alemanha criará central de combate a crimes de extrema direita

A polícia federal na Alemanha pretende criar uma nova unidade especializada em combater grupos violentos de extrema direita, segundo reportagem divulgada nesta segunda-feira (18/08) pela mídia alemã.

A reportagem, do jornal Süddeutsche Zeitung, em colaboração com as emissoras WDR e NDR, cita documentos internos do Departamento Federal de Investigações (BKA), segundo o qual um adicional de até 440 funcionários seria necessário para criar um “escritório central para combate contra crimes de ódio”.

O plano, apresentado ao Ministério do Interior da Alemanha, foi criado devido aos crescentes temores sobre o extremismo de direita no país.

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

O BKA sugere que a construção de uma nova entidade dentro do departamento. Dois grupos seriam dedicados a crimes de extremismo de direita, a identificação precoce de redes, identificação de discursos de ódio online e à melhora da coordenação internacional entre autoridades.

Um dos motivos para os planos é a crescente ameaça representada por militantes de extrema direita. Mais da metade de um total de 24.100 militantes ultradireitistas existentes na Alemanha são tidos como propensos à violência, segundo autoridades de segurança. O número de registros de violência de extrema direita aumentou no ano passado em 3,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, de 1.054 para 1.088.

Leia também:  Bolívia: a renúncia foi a melhor saída?, por Gilberto Maringoni

Um dos casos recentes de violência de maior repercussão envolvendo motivação de extrema direita foi o assassinato do político Walter Lübcke, da CDU, com um tiro na cabeça. O principal suspeito, um militante neonazista, confessou o crime.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome