Guerra de informação em solo europeu, por Boaventura de Souza Santos

Guerra da informação: o objetivo é prolongar a guerra enquanto ela servir aos interesses daqueles que a promovem

Guerra Rússia-Ucrânia: tensões no Leste da Europa. Foto montagem: Kirill Makarov

do Fórum 21

Guerra de informação em solo europeu

por Boaventura de Sousa Santos

O eixo da mídia do Atlântico Norte está atualmente envolvido em uma guerra de informação sem precedentes. Durante dois períodos diferentes, enquanto nos EUA, eu mesmo já vivenciei tais guerras. O primeiro, que testemunhei em sua crise final (1969-1971), ocorreu durante a Guerra do Vietnã e culminou com a publicação em 1971 dos Documentos do Pentágono. A segunda foi a Guerra no Iraque (que começou em 2003) e a saga das armas de destruição em massa, um embuste político que levou a numerosos crimes de guerra. Mas eu nunca testemunhei este tipo de guerra de informação em solo europeu, pelo menos não a este grau de magnitude. Ela é caracterizada por uma erosão implacável da distinção entre fatos e a manipulação de emoções e percepções, entre hipóteses ou conjecturas e verdades inatacáveis.

No caso da guerra na Ucrânia em particular, a manipulação visa a impedir que a opinião pública e os políticos considerem e tomem decisões sobre a única medida necessária no momento atual: buscar uma paz duradoura tanto na Ucrânia quanto na região e assim pôr fim ao sofrimento dos ucranianos, que atualmente enfrentam o mesmo destino trágico que os palestinos, iemenitas, sírios, saharauis e afegãos – embora todas essas pessoas permaneçam escondidas sob um pesado silêncio. O objetivo da guerra da informação é prolongar a guerra no país, enquanto ela servir aos interesses daqueles que a promovem. Diante deste cenário, não é fácil armar-se de fatos e experiências históricas porque, do ponto de vista da guerra da informação, explicar é tentar justificar, compreender é perdoar, e contextualizar é relativizar. Mesmo assim, deixe-me tentar.

Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Causas

A fim de demonizar seu inimigo é crucial que você primeiro o desumanize, ou seja, que você o imagine ter agido criminalmente e sem provocação. Ainda assim, uma condenação firme e incondicional da invasão ilegal da Ucrânia (um ponto sobre o qual tenho sido muito claro desde que comecei a abordar esta questão) não significa que você tenha que ignorar como chegamos a este ponto. É por isso que eu recomendaria War with Russia?, um livro publicado em 2019 pelo falecido Stephen Cohen, um professor emérito da Universidade de Princeton.

Após uma análise excepcionalmente completa das relações entre os EUA e a Rússia desde o fim da União Soviética e, com respeito à Ucrânia, em particular desde 2013, Stephen Cohen apresenta a seguinte conclusão: “As guerras por procuração eram uma característica da antiga Guerra Fria, mas geralmente pequenas no que era chamado de ‘Terceiro Mundo’ – na África, por exemplo – e raramente envolviam muitos, se é que havia algum, pessoal soviético ou americano, em sua maioria apenas dinheiro e armas. As atuais guerras por procuração entre os EUA e a Rússia são diferentes, localizadas no centro da geopolítica e acompanhadas por muitos treinadores americanos e russos, mentores e possivelmente combatentes. Duas já irromperam: na Geórgia, em 2008, onde forças russas combateram um exército georgiano financiado, treinado e com espírito americano; e na Síria, onde em fevereiro dezenas de russos foram mortos por forças anti-Assad apoiadas pelos EUA. Moscou não retaliou, mas se comprometeu a fazê-lo se houver “uma próxima vez”, como muito bem pode ser.

Se assim for, esta seria, na verdade, uma guerra direta entre a Rússia e os EUA. Enquanto isso, o risco de um conflito direto continua a crescer na Ucrânia”. Foi assim que, em 2019, se previu a guerra que agora atinge o povo ucraniano.

Democracias e autocracias

Na linguagem americana, o mundo está dividido em democracias (nós) e autocracias (eles). Não faz muitos anos, a divisão era entre democracias e ditaduras. Autocracia é uma palavra muito mais solta e, portanto, pode ser usada para descrever como autocrático um governo democrático que é visto como hostil, mesmo que a hostilidade não seja uma característica definidora do sistema em questão. Assim, por exemplo, países como Argentina e Bolívia não foram convidados para a Cúpula para a Democracia, um evento virtual organizado pelo Presidente Biden em dezembro de 2021. Embora os dois países só recentemente tenham passado por processos democráticos vibrantes, é também um fato que, como países, eles tendem a não ser particularmente receptivos aos interesses econômicos e geoestratégicos dos EUA. Em contraste, os convites foram estendidos a três países que a própria Casa Branca descreveu como democracias deficientes, países onde a corrupção é endêmica e os direitos humanos são abusados, mas que são vistos pelos EUA como estrategicamente importantes: as Filipinas, porque se opõem à influência da China; o Paquistão, por sua relevância na luta contra o terrorismo; e a Ucrânia, por sua resistência à invasão russa.

É fácil perceber por que havia dúvidas no caso da Ucrânia, pois alguns meses antes os Pandora Papers haviam fornecido detalhes de empresas detidas no exterior pelo Presidente Zelensky, sua esposa e associados. Agora, porém, a Ucrânia representa a luta da democracia contra a autocracia russa (que, em nível doméstico, não fica atrás da Ucrânia em termos de corrupção e abusos dos direitos humanos). Desta forma, o conceito de democracia é despojado de muito de seu conteúdo político e armado para promover mudanças de governo benéficas aos interesses globais dos EUA.

Ameaças

De acordo com especialistas da OSCE (Organização para Segurança e Cooperação na Europa), em 2020, 40% das forças militares da Ucrânia (totalizando 102.000) eram milícias paramilitares de extrema direita de 19 nacionalidades diferentes, armadas, financiadas e treinadas pelos EUA, Inglaterra, Canadá, França e Suíça. Desde o início da guerra, a eles se juntaram outros combatentes, alguns deles do Oriente Médio, e receberam mais armas de todos os países da OTAN. Assim, a Europa corre o risco de abrigar em seu seio um forte nazi-jihadismo, não tendo nenhuma garantia de que suas ações estarão confinadas à Ucrânia. Em uma entrevista de 1998 com o Nouvel Observateur, Zbigniew Brzezinski, conselheiro de segurança nacional do Presidente Carter, disse o seguinte: “em 1979, aumentamos a probabilidade de a URSS invadir o Afeganistão… e ter seu próprio Vietnã”. Não me surpreenderia se esta jogada do livro da CIA estivesse sendo aplicada agora na Ucrânia.

Leia em combinação com a notícia (Reuters, 12 de abril) que o Pentágono deveria se reunir com os oito maiores fabricantes de armas para discutir a capacidade da indústria de atender às necessidades da Ucrânia “caso a guerra com a Rússia dure anos”, a recente declaração do Secretário-Geral da OTAN de que a guerra na Ucrânia “pode durar muito tempo, vários meses ou até mesmo anos” deveria ter lançado sinais de alarme entre os líderes políticos da Europa, mas parece que só os fez embarcar em uma corrida armamentista. As conseqüências de um segundo Vietnã russo seriam fatais tanto para a Ucrânia quanto para a Europa. A Rússia (que faz parte da Europa) não será uma ameaça para a Europa a menos que a Europa se torne uma imensa base militar dos EUA. Portanto, a expansão da OTAN é a verdadeira ameaça que a Europa enfrenta.

Padrões duplos

Transformada em uma mera caixa de ressonância para as escolhas estratégicas dos EUA, a UE está defendendo o direito da Ucrânia de aderir à OTAN como sendo a expressão legítima dos valores universais (e também europeus, mas não menos universais para isso). Ao mesmo tempo, os EUA intensificaram a integração (ver o Quadro Estratégico de Defesa EUA-Ucrânia, assinado em 31 de agosto de 2021), negando ao mesmo tempo que este movimento possa ser iminente. É de se perguntar se os líderes europeus estão cientes de que o reconhecimento do direito da Ucrânia de aderir a um pacto militar está sendo negado aos outros países pelos EUA. Se estiverem, isso não fará diferença, dado o estado de estupor militarista em que se encontram. Assim, por exemplo, quando as minúsculas Ilhas Salomão, no Oceano Pacífico, aprovaram um acordo preliminar de segurança com a China, em 2021, os EUA responderam imediatamente e com alarme enviando altos funcionários de segurança para a região a fim de deter a “intensificação da competição de segurança no Pacífico”.

A verdade chega tarde demais

A guerra da informação é sempre baseada em uma mistura de verdades seletivas, meias verdades e mentiras descaradas (chamadas de falsas bandeiras), organizadas com o objetivo de justificar as ações militares dos que as promovem.

Não tenho dúvidas de que uma guerra de informação está sendo travada tanto pelo lado russo como pelo lado americano/ucraniano, mesmo que, dado o nível de censura que nos está sendo imposta, saibamos menos sobre o que está acontecendo do lado russo. Mais cedo ou mais tarde a verdade vai surgir, mas, diante da tragédia inevitável, será tarde demais. Neste início conturbado de um novo século, temos uma vantagem: o mundo perdeu sua inocência. Julian Assange, por exemplo, está pagando um preço pesado por ter nos ajudado neste processo. Para aqueles que não desistiram de pensar por si mesmos, recomendo o capítulo intitulado “Mentir em Política”, em Hannah Arendt’s Crises of the Republic, publicado em 1971. Com esta brilhante reflexão sobre os Documentos do Pentágono, Arendt oferece dados exaustivos sobre a Guerra do Vietnã (incluindo muitos crimes de guerra e muitas mentiras), reunidos por iniciativa de Robert McNamara, um dos principais atores responsáveis por essa guerra.

A pergunta que ninguém está fazendo

Quando conflitos armados ocorrem na África ou no Oriente Médio, os líderes europeus são os primeiros a pedir a cessação das hostilidades e a declarar a necessidade urgente de negociações de paz. Por que então quando acontece uma guerra na Europa, os tambores de guerra batem incessantemente e nem um único líder pede que eles sejam silenciados e que a voz da paz seja ouvida?

*Boaventura de Sousa Santos é Professor Emérito de Sociologia na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Portugal); de Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin-Madison; e de Direito Global na Universidade de Warwick. É Diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa.

Leia também:

O mundo que sairá da pandemia: Luis Nassif entrevista Boaventura de Sousa Santos

Não vejo refluxo do autoritarismo no Brasil, mas uma grande turbulência social a caminho, diz Boaventura à TVGGN

Guerra nada mais é do que estágio na busca pelo lucro, por Antonio Uchoa Neto

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

José Carvalho

- 2022-05-13 17:36:45

Muitos países tem acenado com a intenção de aderir à OTAN, como resposta a todo esse momento atual. É importante refletir sobre o que a OTAN está realizando em relação à paz mundial. A obstinação da Ucrânia em aderir à OTAN trouxe o quê para o país ucraniano. Existem muitos países preocupados com suas defesas militares, fazendo ou planejando fazer gastos com defesa; isso torna as relações entre as nações, algo tensas uma vez que qualquer tipo de atrito ou diferenças podem evoluir para o risco de confronto bélico. O comportamento dos países diante de questões de conflitos de interesse mais acentuados, pode deixar de ser a negociação e passar a ser o da intimidação. Como um garoto que é irmão de um valentão e não respeita mais ninguém, não respeita os colegas da classe, nem das outras turmas, nem mesmo os professores. Vive provocando a tudo e a todos por causa do irmão valentão. E quando ele provocar um garoto que também tem um irmão valentão. Os dois valentões vão partir pra briga os dois, ou vão pensar melhor no próprio risco. Caso a Rússia ficasse assistindo a entrada da Ucrânia na OTAN e passasse um dia e outro dia e uns anos. O que ocorreria se a Ucrânia fizesse um ato de provocação contra a Rússia. Uma coisa é você provocar um amigo do valentão. Outra coisa é você provocar um valentão. Se você atirar uma pedra na janela da casa do valentão, ele não vai esperar você pensar que pode entrar na casa dele e sentar no sofá da casa dele. Nenhuma das potências militares permitirá isso. Se a Rússia respondesse uma situação dessas de uma forma a deixar bem claro que não pode acontecer de novo. Com uma força absolutamente maior e mais violenta do que agora. O mundo pode não mais existir, mas ele não vai existir sem os ESTADOS UNIDOS. Ninguém vai entrar na casa e sentar na cadeira presidencial e dizer: agora sou eu quem manda. Assim também é com a CHINA e com a RÚSSIA. Não vão entrar e possuir a soberania deles. Não haverá mais mundo, mas ninguém vai tomar o país a pátria pertencente a eles. É preciso serenidade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador