Carmen Lúcia e o jogo para beneficiar grandes laboratórios, por Luis Nassif

Carmen Lucia e João Pedro Gebran Neto em encontro da Interfarma

Declaração da Ministra Carmen Lúcia:

“Saúde não é mercadoria. Vida não é negócio. Direitos conquistados não podem ser retrocedidos, sequer instabilizados”.

Vamos ver na prática como se comporta a Ministra.

Desde 2009, a Ministra Carmen Lúcia sentou em cima de um dos grandes processos da República, beneficiando claramente a indústria farmacêutica multinacional.

No dia 30/04/2009, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, ligada à Procuradoria Geral da República, entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade contra os artigos 230 e 231 da Lei Federal no. 9.279, sobre as patentes pipeline. Tratava-se de um dos negócios mais suspeitos da República. No bojo da nova Lei de Patentes, o governo FHC reconheceu até o direito de patente pipelines, que já se encontravam em domínio público. O documento da PGR dizia que foi “uma espécie de apropriação de um bem comum do povo sem qualquer amparo constitucional”.

Essa lei encareceu absurdamente uma relação enorme de remédios, prejudicando os consumidores e prejudicando o SUS (Sistema Único de Saúde).

No despacho, Carmen Lúcia dizia que

“Adoto o rito do art. 12 da Lei n. 9.868/99 e determino sejam solicitadas informações ao Congresso Nacional, no prazo máximo de dez dias.4.Imediatamente após aquele prazo, dê-se vista ao Advogado-Geral da União e ao Procurador-Geral da República, sucessivamente, no prazo de cinco dias, para que cada qual se manifeste na forma da legislação vigente. Publique-se.”

No dia 19 de maio de 2009, Carmen Lúcia reiterava:

Leia também:  Após confronto ao vivo com Lula, Moro pediu para acusação falar com a imprensa

“Em complementação ao despacho de 28.4.2009, determino sejam requisitadas informações ao Presidente da República, no prazo máximo de dez dias, abrindo-se, após, o prazo de cinco dias para manifestação do Advogado-Geral da União e do Procurador-Geral da República, sucessivamente (art. 12 da Lei n. 9.868/99). Publique-se.”

Nos meses seguintes, ingressaram na ação como amicus curiae a Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids – ABIA, Médicos sem Fronteiras – MSF, Federação Nacional dos Farmacêuticos – FENAFAR, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – IDEC, Grupo de Incentivo à Vida – GIV e o Grupo de Apoio à Prevenção da Aids no Estado do Rio Grande do Sul, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Associação Brasileira de Propriedade Intelectual e a Conectas Direitos Humanos.

No dia 07/11/2016, denunciamos no GGN o jogo da Ministra. O atraso beneficiava diretamente os grandes laboratórios internacionais.    

Apenas no dia 28 de junho de 2018 o caso foi incluído na pauta de julgamento.

Ontem, sem nenhuma explicação maior, Carmen Lúcia retirou o tema da pauta do Supremo.

Em qualquer país com estado de direito pleno, a presidente do Supremo estaria respondendo por prevaricação.

Em 2016, a Interfarma – que representa os grandes laboratórios – montou um enorme lobby em favor da judicialização da saúde. Havia a suspeita de que, por trás das ações judiciais, criou-se uma verdadeira indústria para a venda de medicamentos de alto custo.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 80% das ações eram propostas pelo mesmo escritório de advocacia, comprovando a existência de uma articulação. Foram acusações graves:  

Leia também:  Não se pode tergiversar com os princípios constitucionais

“Há convênios de laboratórios fabricantes com laboratórios de análises clínicas, e este laboratório fabricante paga o de análise para fazer um exame que comprove a necessidade daquela pessoa ter o medicamento que ela fabrica, que vira uma decisão judicial”, afirmou o ministro Ricardo Barros.

O Ministério Público de São Paulo identificou a compra de medicamentos para hipercolesterolemia homozigótica, doença rara, a um custo de mil dólares o comprimido. Segundo o Secretário da Saúde de São Paulo, David Uip, “Em 30 dias são 30 mil dólares. Isso custou R$ 36 milhões ao Estado e na absoluta maioria não havia sequer a indicação da doença”, disse. “Os médicos ganhavam para prescrever”, afirmou.

Carmen Lúcia, que adiou por anos um julgamento que poderia reduzir o custo dos medicamentos, tornou-se uma verborrágica defensora dos direitos dos doentes: “Estamos aqui para tornar efetivo aquilo que a Constituição nos garante. A dor tem pressa. Eu lido com o humano, eu não lido com o cofre”, disse. “O que o juiz fala quando a gente discute (o tema) é que há uma judicialização da saúde. Não. Há a democratização da sociedade brasileira, do cidadão que até a década de 1980 morria sem saber que tinha direito à saúde e que podia reivindicar esse direito. Como juíza, o meu papel é garantir esse direito”, afirmou.

Não será com frases de efeito que Carmen Lúcia se livrará das explicações que deve à opinião pública.

 

 

22 comentários

  1. Enquanto vigorar esse

    Enquanto vigorar esse monstrengo sistema judiciário nosso país continuará sendo a merreca de sempre. Desde quando alguma lei (não regulamento interno que, no máximo, serviria como bula de remédio) permite que o então presidente(A) do stf (minusculinho) paute apenas as ações de seu (pessoal, negocial, suspeito, haja saco) interesse? Esses ministrecos que apresentem as provas de que leis os “seguram” ou os “soltam” em razão do que está para julgar. Mas, quando os demais poderes se encagaçaram e aceitaram que o cnj e o cnmpf fossem conduzidos e manipulados de dentro pra fora, lascou-se a população em geral. 

  2. #

    Parabéns pelos artigos, Nassif.

    Infelizmente, enquanto a grande mídia não martelar essas informações – o que nunca irá acontecer – “ninguém” vai saber, e por isso, “não é um escândalo”.

    Na verdade, se a Globo ou qualquer outro tubarão da mídia quiser, destrói a reputação da digníssima juíza em 15 dias.

    E é nesse passo que todos os outros juízes se submetem aos tubarões da mídia: Todos têm o rabo sujo.

     

  3. Responder por prevaricação
    Responder por prevaricação para quem?????

    Urge um verdadeiro controle externo e popular para revisar atos desse pessoal…..do jeito que está, não respondem a ninguém, ou pra órgãos porcorativistas, é uma teta….

  4. Fico imaginado do que adianta
    Fico imaginado do que adianta ter conhecimento jurídico para atuar como juiz se falta o caráter para fazer cumprir a lei. Qualquer cidadão digno corajoso e realmente compromissado com o país e seu povo poderia ser um juiz do STF. O que vemos hoje é menos saber jurídico e mais manipulação das leis para satisfazer objetivos próprios e do poder dominante. Fica claro que quando se quer trapacear inventa-se qualquer desculpa para justificar atos ilegais, bem como entrar em contradição com suas próprias posições, que mudam de acordo com o freguês. Sinceramente se um dia quisermos ser uma democracia plena, um país civilizado não é só com a globo que teremos que lidar,e sim com poder judiciário que se tornou uma aberração e ainda está evoluindo para algo muito pior.

  5. Carmen Lúcia e o jogo para beneficiar grandes laboratórios

    Executivo + Legislativo + Judiciário + Corporações = MÁFIA

  6. “Valorosa” Carmem Lucia

    Quando vejo médicos prescrevendo muitos exames que devem ser realizados em suas clinicas e prescrevendo remédios caros, lembro daqueles que iam às manifestações contra Dilma, com nariz de palhaço, berrando contra o Mais Médicos e a corrupção…  E quando vejo juizes judicalizando tudo, inclusive a saude, penso que eles devem ser feitos de aço, nunca ficam doentes, não têm familia, não gostam de ninguém; pois uma ação como essa da Ministra Carmem Lucia não apenas prejudica o Erario, rentabiliza laboratorios, como também repercute na saude dos cidadãos. E ela, querendo ou não, também é cidadã brasileira e suas ações nos tribunais também a alcaçam em algum momento. Ou os deuses aqui na Terra pensam que estão imunes a tudo, incluindo aos seus lobbies?

    • Dizem que dinheiro não traz felicidade, manda buscar…
      Com um salário na faixa dos 40 mil por mês, fora os penduricalhos, direito a assistência médica bancada pelo Estado como “servidora pública” e com tantos serviços prestados à indústria farmacêutica e às grandes corporações, será que se ela precisar de tratamento médico passará pelo calvário do cidadão comum? A elite brasileira, da qual ela é parte e a quem de fato serve, não é cidadã, é oligarca, aristocrata, demófoba, classista, tosca, ignorante, irresponsável, provinciana e mesquinha. Exatamente pra não ser tratada como uma “cidadã comum” que ela fez tantos “sacrifícios” pra virar juíza, ter poder sobre a vida dos outros, e se blindar dos problemas de comuns (e) mortais – duas coisas que juízes certamente pensam que não são -, porque riqueza e poder, a que cidadãos comuns não têm acesso, é o que interessa a muitos e realmente pode fazer a diferença entre uma vida boa, mesmo com doenças – caso da elite -, e uma sobrevida difícil, mesmo sem elas – caso do povo, porque não/nunca vivemos numa democracia cidadã mas numa sociedade de casta.

      Sampa/SP, 07/09/2018 – 13:04

  7. A ministra Carmen Lúcia não

    A ministra Carmen Lúcia não era assim. A impressão que passa é a de que está tendo um longo surto psicótico.

  8. Explicações à opinião pública?

    “Não será com frases de efeito que Carmen Lúcia se livrará das explicações que deve à opinião pública”. Nassif, acho que tal postura (explicações à opinião pública) se espera de quem tem um biografia a preservar. Acho que a sociedade não deve esperar tal atitude de que tem um capivara, que neste caso, se aplica perfeitamente a tal ministra.

  9. Vamos aproveitar essa trilhas de CRETINISMO.

    Reitero: os canalhas do MPF e do Judiciário estão produzindo farto material para que o próximo governo democrático possa fazer a obrigatória higienização dessas estruturas corrompidas do Estado. Na Turquia, Erdogan teve que usar a força discricionária do Executivo, fortalecido no movimento vitorioso do contra-golpe, para prender juízes, procuradores e jornalistas que, no uso de suas funções, conspiraram e cometeram diversos crimes contra a Nação e a soberania popular.

    No Brasil temos esta esdrúxula vantagem: os criminosos do sistema de Justiça vão deixando atrás de si um folha corrida de ilegalidades. TEMOS QUE USAR ISSO A FAVOR DO POVO E COMO INSTRUMENTO DE DEFESA DO ESTADO NACIONAL E DO ESTADO DE DIREITO.

    JUÍZES E PROCURADORES QUE HOJE ESTÃO NO CÚME DA GLÓRIA CRIMINOSA DO GOLPE DEVEM PERDER SUAS FUNÇÕES; DEVEM SER AFASTADOS SEM REMUNERAÇÃO, E DEVEM RESPONDER CRIMINALMENTE PELOS SEUS DE LESA-PÁTRIA E DE ASSALTO À DEMOCRACIA!

  10. 88 ANOS DE ESQUERDO FASCISMO. INDÚSTRIA DA POBREZA

    E nossas Elites Esquerdopatas dizem combater a Miséria? É uma Conversa entre Lunáticos. Ainda brigamos numa Paleontológica Ideologia que não são EMPREGOS E SALÁRIOS, os Maiores impulsionadores da Melhoria das Condições Sociais de qualquer Nação. Queremos fazer isto sendo ANTICAPITALISTAS. E este AntiCapitalismo no Bolso dos outros, sabemos os resultados que geram, não é mesmo Brasil/2018? AntiCapitalismo de Estado destruindo Biografias e Empresas Nacionais, abrindo as entranhas da Nação ao ataque e especulação de Interesses Internacionais. Outro dia num Utilitário pequeno de um Colega tinham 30 Caixinhas de Remédio. E quase 2 Milhões de Reais, comprovados em NF. Que MERCADO MULTIBILIONÁRIO que damos de graça, sem produzir Empregos, Royalties, Tecnologia, Conhecimento, Empresas Brasileiras. Afinal Somos a Pátria do Socialismo AntiCapitalista. Somos a Terra de Gênios !!!! Aqui ao lado, outra matéria de Nassif sobre o Mercado Automobilístico Brasileiro. 4.o Maior Produtor de Automóveis. Sozinho, 4.o Maior Mercado Consumidor. NENHUMA Marca Nacional. Pasto para vendas de ‘qualquer porcaria’, ‘qualquer carroça’ a Preços Estratosféricos. Ficamos apertando parafusos e carragenado caixas.  Mas revoluciuonaremos o Mundo e sua História com nosso AntiCapitalismo !!!! Peraí, mas quem propaga esta Ideologia AntiCapitalista? Nossa Elite Esquerdopata entranhada como um cancro dentro do Estado Brasileiro a receber este “Salário de Escravidão” de uns 35 mil Reais por Mês? Ainda não foi desta vez, cara Dona Luislinda, que deixará de receber tamanha ‘miséria’ que a torna Elite de cerca de 4% da População Brasileira. Seus parcos salários só aumentaram para 40 mil Reais. Que Vida difícil, não é mesmo? Só a aglutinação daquele troco de Auxílio Moradia de uns 4.500 Reais. 93% da População Brasileira (cercade 200 Milhões de Pessoas) vivem com menos que este valor.  Este é o Brasil que se explica. 

  11. Gebran Neto, Carmen Lúcia e… Antônio Britto!!!

    Fazia tempo que nós, gaúchos, não tínhamos notícias de Antônio Britto! Ele foi o governador que entregou a telefonia do estado (CRT) para os espanhóis a preço de banana! Entregou as estradas para os consórcios amigos que, hoje sabemos, ganharam fortunas sem prestar a devida contrapartida! Depois de perder a reeleição, sumiu. Então, sabemos agora que está envolvido em outras negociatas…  Aqui dizemos que “cachorro comedor de ovelha, só matando”. Bingo. 

  12. Abaixo a indústria farmacêutica
    Conversei outro dia no trem com um senhor que gasta R$ 350,00 com um único medicamento pra problema cardíaco. Perguntei se o SUS não oferecia e o motivo do alto preço; ele disse que o remédio não está na lista de alto custo e é fabricado por um único laboratório.
    Lembrei dessa história que Nassif sempre comenta e não houve surpresa do cidadão porque a ideia de que muitos problemas da população são causados por descaso com o povo já está normalizada.
    Imagine uma pessoa que precise deste tipo de medicamento e não tenha renda?
    Nassif poderia nos informar o que a sociedade pode fazer contra a inércia da Súcia neste caso porque o prejuízo para a economia popular e para o SUS deve ser imenso e estar sub contabilizado. A vida de muitas pessoas depende deste tipo de medicamento altamente lucrativo pra indústria farmacêutica, e já sabemos que no capitalismo o lucro é mais importante e a vida é um de seus negócios mais rentáveis.
    Por um SUS público e de qualidade, contra o lobby da indústria farmacêutica e pela primazia do interesse coletivo sobre o lucro, desengaveta, Carmem Súcia! Ou use o algoritmo do STF pra se livrar da responsabilidade, mas não atrapalha mais a vida dos outros, Cruela!

    Sampa/SP, 07/09/2018 – 12:44

  13. Um país não pode se mover só
    Um país não pode se mover só por interesses corporativos e empresariais, as autoridades q comandam o país são completamente irresponsáveis,por isso insisto em dizer q muitos são medíocres/desqualificados/sem caráter e isto inclui a maioria da imprensa tradicional, pra mim o verdadeiro jornalismo imparcial e de qualidade está na internet, o contraponto é este e tem q frisar isso neste momento ao povão,pra ver se consegue elevar o nível e diminuir tanta exposição a um jornalismo mentiroso do PIG até acho q os blogs/sites deveriam ter o slogan de O JORNALISMO VERDADE É AQUI, é preciso ir pra cima deles e acordar o povão,NASSIF PRESTA UM GRANDE SERVIÇO À NACÃO expondo este caso e o caminho è este e pq?PQ quem “apronta”o objetivo é fazer e ficar quietinho fingindo q nada ocorreu,chamo isso de prostituição sexual dos pregadores da virgindade,se o PIG fosse correto e não fosse conivente com as safadezas o Brasil seria melhor,os blogs progressistas vieram para mudar o País,nos despertar/acordar/desprogramar desta falsa realidade imposta ao Brasil,esse deve ser o objetivo de todos!

  14. Melhor tomar cebalena

    Nassif: nesse episódio, comparar a Matriarca dos Addams com as Mocreias seria ofensivo. Ofensivo e humilhante, para as Mocreias, tal e vexatória comparação …

  15. Tá bom ou quer mais?

    Nassif: há mais de 40 anos atras houve um debate acirrado sobre nossa indústria farmacéutica. À época existiam 120 laboratórios operando, onde 115 eram brasileiros e 5 estrangeiros. Só que os 115 nacionais tinham que comprar matéria prima dos 5 estrangeiros para produzirem remédios semelhantes. Durmam, com tanto barulho…

    Por outro lado, essa é a pessoa que comando o Judiciário brasileiro. Precisa dizer mais?

  16. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome