Jungmann: investigação do caso Marielle rompeu aliança satânica no Rio

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann – Fernando Frazão/Agência Brasil

O ministro da segurança pública, Raul Jungmann, assina repasse de R$ 20 milhões, através do Gabinete de Intervenção, à Marinha do Brasil, para aquisição de equipamentos de monitoramento das vias marítimas entre o Rio de Janeiro e Espírito Santo,

da Agência Brasil

Jungmann: investigação do caso Marielle rompeu aliança satânica no Rio

Ministro diz rezar por esclarecimento do crime o mais rápido possível

Por Vladimir Platonow – Repórter da Agência Brasil  Rio de Janeiro

As investigações em torno da morte da vereadora Marielle Franco, agora federalizadas, romperam uma “aliança satânica” que existe no estado do Rio, que se tornou o “coração das trevas”, afirmou o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Ele falou com jornalistas nesta sexta-feira (30), durante anúncio de repasse de R$ 20 milhões para um programa da Marinha de monitoramento da costa do Rio e do Espírito Santo.

Ao ser questionado se tinha expectativa de resolução do caso que envolve a morte de Marielle e do motorista Anderson Gomes, no dia 14 de março deste ano, Jungmann respondeu que esperava ver os fatos esclarecidos o mais depressa possível. Segundo o ministro, o crime envolve pessoas muito poderosas no estado.

“Eu tenho expectativa, torço e rezo para que isso se esclareça o mais rápido possível. Nós estamos preocupados em romper a aliança satânica que reúne esses poderes que colocam de joelhos o Rio de Janeiro. Sempre contando com as forças do bem no estado, que lutam contra o reino das trevas, que hoje vige no Rio de Janeiro. Para que a gente acenda as luzes da paz, da tranquilidade e da vida neste coração das trevas, que eu espero tenha os dias contados”, disse o ministro, após a solenidade no Comando de Operações Navais, no centro do Rio.

Jungmann lembrou que a entrada de forças federais no caso deu novo rumo às investigações, que até agora eram unicamente de competência da Polícia Civil do Rio.

Leia também:  Não comemore Witzel, trabalhe!, por Jandira Feghali

“Nós rompemos a blindagem aqui do Rio de Janeiro, com a investigação que está sendo feita do caso Marielle, com a participação da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Justiça Federal. Está rompida a blindagem daqueles que queriam que tudo permanecesse dominado. Pela primeira vez temos a ruptura da blindagem da couraça que impedia que fossem apurados os podres poderes do Rio de Janeiro, a coalização satânica”, disse o ministro.

Sobre o legado do governo federal na área de segurança e a expectativa, a partir do próximo ano, Jungmann mostrou-se otimista ante a possibilidade de melhora na situação como um todo.

“Sem sombra de dúvida, temos uma mudança de sinal. Não quero ser ufanista, porque ainda tem muita violência e facções criminosas. Posso, sim, transmitir esperança, porque hoje há uma coalização do bem que começa a ter resultados positivos. Ainda não está perto, está longe, mas eu não tenho dúvida de que segurança pública no Brasil hoje tem rumo. E tenho certeza de que quem vai nos suceder, o juiz [Sergio] Moro, tem competência, capacidade e biografia, e vai levar adiante este legado, fazendo muito mais”, declarou Jungmann.

Amazônia Azul

Participaram da solenidade o comandante da Marinha, almirante Leal Ferreira, e o vice-almirante Wladmilson Borges, chefe do Estado-Maior do Comando de Operações Navais.

O Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SisGAAz) utiliza câmeras de longo alcance e radares para fiscalizar, em tempo real, as atividades marítimas. Os primeiros equipamentos foram instalados na Baía de Guanabara, com objetivo de coibir atividades criminosas, como tráfico de drogas e de armas, que muitas vezes chegam às favelas costeiras por meio de embarcações.

Em uma próxima fase, o sistema vai abranger um trecho que vai da costa do estado de São Paulo até a do Espírito Santo, onde se concentra o maior fluxo de embarcações. Quando estiver totalmente implantado, no futuro, o SisGAAz vai cobrir uma grande faixa marítima, desde o Rio Grande do Sul até o Amapá, a chamada Amazônia Azul.

Leia também:  STF divulga edital para compra de armaduras e capacetes contra manifestações

Além do combate ao crime, o sistema também será um importante auxiliar na vigilância à poluição das águas e no monitoramento da área do pré-sal, com uso inteligente de câmeras, radares e também satélites, tudo interligado através de um software desenvolvido pela própria Marinha.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Bla bla bla………..
    Quem
    Bla bla bla………..

    Quem são esses poderosos? Fica nesse cebolorio e diz que a coisa está melhorando? Está a mesma M……, Isso sim.

  2. A cada dia fica mais visível

    A cada dia fica mais visível a montagem de um Estado fascista. Da mesma forma que nos cultos da Universal, o culpado é satanás. A inquisição está de volta, sob o comando de Moro e Bolsonaro.

  3. Num Estado supostamente laico

    Num Estado supostamente laico que não consegue nem mesmo investigar um assassinato político sem que o Ministro da Justiça use linguagem religiosa as degolas em público estão prestes a começar. Ooopa… Prestes era comunista, portanto, já estou correndo o risco de ser degolado.

  4. Ministro da Segurança q “reza e torce p/resolver”…segurança…

    Melhor pedir pra sair.

    Na verdade, nem deveria ter entrado

    Ministro ou comentarista ?

    Brazil, il, il ! …

  5. Conversa mole …

    Sabe quem são os culpados ?

    Tem provas ?

    Prende.

    Não sabe ou não tem provas , vai trabalhar nisto.

    Conversa de barbearia esta de poderosos , iluminatis e ETs envolvidos.

     

  6. CRIME ORGANIZADO É O ESTADO BRASILEIRO

    De cara, cai por terra, aquela falácia de tráfico nos morros e favelas, ligado à pobreza. Até porque grandes quantidades de cocaína geralmente são interceptadas em endereços mais abastados ou helicópteros de Senadores. Depois, um Ministro de Estado vir com este papo furado?! Num país que fez o ‘impeachment’ recente de dois Presidentes da República e que tem outro atualmente preso? Basta vermos o nível de ligação e influência entre o Cidadão Brasileiro e a Elite que comanda o Estado Brasileiro, para saber que esta mesma Elite não tinha compromisso algum em dar satisfações a esta Sociedade Civil. Muito menos dar segurança. A quem queremos nos enganar? Os ‘scanners da Polícia Federal, coincidentemente não funcionavam, quando fuzis passavam dentro de aparelhos de ar condicionado, dentro do Aeroporto do Galeão / RJ. Enquanto esta mesma Polícia afirmava que este tipo de armamento vinha do Paraguai. Não esperavam que FBI NorteAmericano, também estaria rastreando o mesmo crime. Então as mesmas estruturas e quadrilhas brasileiras mudaram a rota para a Argentina. Só que estavam sendo rastreados também. Esta “porcaria” de FBI agora dedura o tráfico de cocaina, aqui dentro do país. E por uma incrível coincidência, NUNCA na história deste país se flagrou tantos carregamentos de entorpecentes e armas. Por que será? Com a palavra o Estado Brasileiro. País das coincidências e de fácil explicação.       

  7. Pelo rumo que a justiça

    Pelo rumo que a justiça escancarou…

    Quem respeita a justiça, mesmo sofrendo injustiças, é coisa apenas de Petista!

    Fora do PT ninguém vai seguir o que falar o judiciário!

    Então essa tal “aliança satânica” vai ser a regra…

    E não vai parar por ai…

    Extorsão, chantagem, sequestros – tudo isso vai ser oficial…

  8. Falou com conhecimento de causa!

    De “coalisões satânicas” o “Ministro” Jungmann deve entender bem, deve ser catedrático. Para se concluir isso basta que se analise o “governo” do qual faz parte!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome