Menos de 24h após condenação, HC dá liberdade a ruralista que matou agente da PF

 
Jornal GGN – Após um longo julgamento passados cinco anos do assassinato do agente da Polícia Federal, Alexandre Drummond Barbosa, que foi executado a tiros em abril de 2012, pelo ruralista e ex-candidato a deputado estadual no Paraná pelo DEM, Alessandro Meneghel, o júri de Curitiba o condenou a 34 anos e seis meses de prisão. Entretanto, mais um recurso o possibilitou cumprir esperar a sentença em casa.
 
Um Habeas Corpus, concedido pelo desembargador Antonio Loyola Vieira, nesta sexta-feira (24), permitiu que Meneghel aguarde o julgamento da segunda instância em liberdade. A decisão ocorre apenas um dia após a condenação do ruralista que assassinou a agente da PF, em 2012.
 
O júri popular decidiu em aproximadamente 30 horas a condenação de Meneghel. O resultado final foi definido na madrugada desta quinta-feira (23), em Curitiba e proferida pelo juiz Thiago Flôres Carvalho.
 
“Já não mais sei quantos meses, anos teremos que aguardar para nossa confusa lei conseguir ver seu horizonte, devido a tantos papéis colocados á sua frente para atrasar suas ações”, lamentou o pai da vítima, Geraldo Barbosa.
 
Leia mais: Quase cinco anos após assassinato de agente da PF, ruralista do Paraná segue impune
 
Barbosa é ex-professor do Departamento de Física da Universidade Federal de Minas Gerais e especialista em ótica e dedicou parte destes últimos cinco anos de sua vida a preparar um estudo detalhado para comprovar o assassinato de seu filho pelo político.
 
Reconstituiu imagens e provas da execução por Alessandro Meneghel, resultando em um detalhado e milimetricamente embasado relatório sobre as posições da vítima e do réu, do carro do ruralista, dos ângulos de disparos do dia da morte.
 
O histórico do ex-pré-candidato a deputado estadual já mostra outras passagens pela Justiça. Em 2009, já esteve detido na cidade de Toledo, acusado de porte ilegal de armas. Dois anos antes, era indiciado pelo Ministério Público por formação de quadrilha ou bando armado por ações contra invasões em propriedades rurais do interior do Paraná. Teria organizado milícias para acabar com acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).
 
Entretanto, nestes anos, Meneghel conseguiu prorrogações da Justiça e saídas da prisão. 
 
Já preso, o então criminoso logrou a transferência de uma prisão mais dura (Penitenciária Estadual de Cascavel – PEC) para outra quase aberta (Penitenciária Industrial de Cascavel – PIC), solicitada pelo próprio diretor da penitenciária, após um motim que teria sido estimulado, segundo o Ministério Público, pelo próprio ruralista.
 
Tempos depois, em 2015, conseguiu ainda a mudança do regime para domiciliar por um Habeas Corpus, alegando que a mãe do réu estava em estado crítico de saúde, necessitando da presença do filho para os cuidados. Com isso, alcançou a liberdade controlada, com tornozeleira, para a casa da família [leia aqui]. No mesmo período, a mãe de Meneghel, supostamente doente, foi vista em um casamento, consumindo bebidas alcoólicas, fatos registrados em fotografias. 
 
Mais recentemente, em dezembro do ano passado, o pai da vítima relata que um juiz substituto, Benjamin Acácio de Moura e Costa, chegou a ampliar a liberdade do réu, concedendo a permanência na fazenda da família oficialmente durante um conflito de pareceres entre juízes da segunda instância e promotores do caso.
 
A defesa de Meneghel também tentou cancelar sessões de julgamento, em diversas ocasiões, para atrasar o processo e condenação do réu, que finalmente ocorreu nesta semana.
 
Entretanto, em menos de 24 horas depois, um Habeas Corpus libera o político ruralista da condenação.
 
 

16 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Jorge Fernandes

- 2017-02-25 18:14:01

Somente

depois de degolar muita gente o Brasil vai voltar a ser uma Nação

Marcos Videira

- 2017-02-25 16:21:43

PF pervertida

Os membros da Polícia Federal estão tão degenerados que aceitam o assassinato de um colega inocente. Desde que o assassino seja um amarelo fascista, membro do grupo ao qual a PF dá proteção.

Francisco Andrade

- 2017-02-25 13:01:59

judiciário,...

... o poder mais corrupto da República !!!

Pedro Costa

- 2017-02-25 12:54:04

Aqui na 5ª Comarca de

Aqui na 5ª Comarca de Pyratininga, especialmente na freguezia de Coré-etuba, essa região agrícola de nosso país (apud Batochio, José Roberto, 2016), ainda impera as capitanias hereditárias. Ainda demora para chegarmos ao nível da metrópole "quinhentona". Sobrenome aqui ainda é moeda forte.

andre r st

- 2017-02-25 02:38:19

Nada de prisão midiática

Kd as armas de guerra que a PF usou quando da prisão de Vaccari e os mais de 200 puliça fantasiados de marines americanos quando da prisão coercitiva de Lula, kd

andre r st

- 2017-02-25 02:24:00

Kd as armas de guerra que usaram para prender petê...

Resultado de imagem para prisão de vaccari

Kd as armas de guerra para prender o tesoureiro do PT, que desempenhou papel que os demais tesoureiros como por exemplo o do PSDB, aliás, os tucanos ficaram ricos e pegaram muita grana por fora, como Aecio 15 milhões, o Serra 23 milhões, mas não vem ao caso né... kd os puliça fantasiados de marines americanos para quando da prisão ilegal de Lula, kd...ué, pensei que em Curitiba não tinha mais habeas corpus, enfim...

Que fique bem claro: sendo doação para o PT é propina, já para o PSDB é caridade, assim os tucanos são, tal qual menores impúberes, inimputáveis, já quando se trata de petê: Como as Organizações Globo festejaram a prisão de Vaccari:

Temas relacionados: Os ataques da Globo ao desembargado que tentou libertar o Almirante Othon

http://www.ocafezinho.com/2017/02/24/o-ataque-da-globo-ao-desembargador-que-tentou-libertar-o-almirante-othon/

 

Parabéns Lava Jato: a siderurgia nacional foi pró saco!

http://www.ocafezinho.com/2017/02/24/parabens-lava-jato-desmonte-e-desnacionalizacao-chegam-siderurgia-brasileira/

 

Globo e MBL fazem cara de paisagem no caso Moreira Franco e, agora, na criação de ministérios para acomodar aliados do golpe

http://www.ocafezinho.com/2017/02/23/temer-quer-criar-mais-um-ministerio-para-acomodar-aliados-insatisfeitos-midia-e-mbl-fazem-cara-de-paisagem/

 

Tesoureiro do PT João Vaccari Neto é preso em SP
Mulher de Vaccari prestou depoimento e cunhada tem mandado de prisão temporária. Para o juiz Sérgio Moro, “o mundo do crime não pode contaminar o sistema político-partidário”

 

 

POR RENATO ONOFRE, TATIANA FARAH E THAÍS SKODOWSKI (ESPECIAL PARA O GLOBO)15/04/2015 7:49 / atualizado 15/04/2015 20:14Carro com Vaccari chega à sede da Polícia Federal no Paraná - Rafael Forte / Agência O Globo

PUBLICIDADE

Além dos mandatos de prisão temporária, preventiva e condução coercitiva, um mandado de busca e apreensão foi cumprido nas residências de Vaccari e de Marice, as duas em São Paulo. Em março, a Justiça Federal havia aceitado denúncia do Ministério Público Federal e Vaccari se tornou réu sob a acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. A Justiça determinou a quebra de sigilo bancário e telefônico de Vaccari e suas mulher, filha e cunhada.Tesoureiro do PT é levado por agentes da PF ao IML - Rafael Forte / Agência O Globo

 

AGU defende que contratos não são superfaturados

arbitral24/02/2017 18:21
SÃO PAULO e CURITIBA - O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi preso nesta quarta-feira na 12ª fase da Operação Lava-Jato. Vaccari foi preso em sua casa em São Paulo por volta das 6h e chegou à superintendência da PF em Curitiba por volta do meio-dia. O petista é acusado de operacionalizar o recebimento de propina para a legenda em obras da Petrobras, na construção de navios e sondas para o pré-sal. Além de ser suspeito de participar de um esquema no Fundo de Pensão dos Trabalhadores da Petrobrás (Petros) e de enriquecimento ilícito.

Além dele, a sua mulher, Giselda Rousie de Lima, foi ouvida na própria residência do casal num mandado de condução coercitiva, quando a pessoa obrigatoriamente depõe. A cunhada do tesoureiro Marice Correa de Lima teve um mandado de prisão temporária emitido, mas ainda não foi localizada. Os procuradores do MPF dizem que se ela não for localizada, pode ter a prisão temporária transformada em preventiva, onde ela pode ficar rpesa por tempo indeterminado.

Em despacho, o juiz Sergio Moro justificou a detenção do tesoureiro do PT alegando que “a manutenção dele em liberdade” oferece risco as instituições por que mesmo após o oferecimento de denúncia, “ele remanesce no cargo de tesoureiro do Partido dos Trabalhadores”.

“O mundo do crime não pode contaminar o sistema político-partidário”, afirmou Moro no documento.

Os investigadores detectaram vários depósitos suspeitos nas contas da mulher, da cunhada e da filha de Vaccari o que, segundo o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, são indícios de “lavagem de dinheiro”. Dois apartamentos — um em nome da cunhada e outro em nome da filha de Vaccari — foram citados como parte do esquema.

A PF e o Ministério Público do Paraná apresentaram depósitos bancários suspeitos feitos em nome de Nayara de Lima Vaccari, de 27 anos, a filha do casal . De acordo com relatório da Receita Federal encaminhado à Força-Tarefa da Lava-Jato, foi detectado um significativo aumento patrimonial entre 2009 e 2014 de Nayara, que é médica. Neste mesmo período, a filha de Vaccari não declarou nenhum rendimento à exceção de uma bolsa de residente em Medicina por dois anos. De acordo com a RF, o patrimônio da médica cresceu de R$ 240 mil para mais de R$ 1 milhão no final de 2013.

O advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D'Urso disse que deve impetrar habeas corpus nesta quarta-feira em favor de seu cliente, por entender que a prisão foi injusta e sem base jurídica.

- Não há nenhum elemento fático. O que temos é a palavra de delatores - disse D'Urso, para quem todas as doações de recursos angariadas por Vaccari para o PT foram feitas de forma legal, com prestação de contas à Justiça Eleitoral

A casa de Vaccari, no bairro de Moema, na Zona Sul de São Paulo, permaneceu fechada desde a prisão do ex-tesoureiro do PT. A família recebeu a visita apenas de Nayara, por volta das 8h. Os vizinhos falam que o casal é bastante discreto e se mudou para a casa há cerca de quatro anos. O ex-tesoureiro não teria apresentado resistência à prisão.

Marice, a cunhada de Vaccari, ainda não foi localizada mas, segundo os investigadores, já sabe do mandado de prisão temporária.

PUBLICIDADE
IFrame
Os investigadores citaram a compra de um apartamento por Marice de R$ 200 mil em São Paulo, que foi revendido à construtora OAS por R$ 480 mil. Mais tarde, segundo o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, o mesmo imóvel foi vendido novamente pela OAS por menos de R$ 400 mil o que, segundo ele, “é uma operação suspeita (...) típica de lavagem de dinheiro”.

Outro apartamento, em nome da filha da Vaccari, também foi citado pelos investigadores. Segundo eles, Nayara não tem recursos para realizar a transação. Esses apartamentos já apareciam nas investigações do Ministério Público Estadual de São Paulo relacionadas à gestão de Vaccari na Cooperativa do Bancários de São Paulo (Bancoop). E agora também fazem parte das investigações da Lava-Jato.

POSIÇÃO SEMELHANTE À DE YOUSSEF

Segundo o delegado Igor Romário de Paula, o principal motivo da prisão preventiva de Vaccari é a reiteração das atitudes criminosas. De acordo com o delegado, a função que o tesoureiro exerce facilita as operações de corrupção e desvio de dinheiro.

— Na posição que ele mantém hoje, a influência que ele tem, como tesoureiro do partido, deixa ele num ambiente favorável a manter a conduta criminosa. Então assim, se o foco hoje está na Petrobras, nada garante que a conduta criminosa não está continuando na Caixa Econômica ou no Ministério da Saúde. Se ele sequer foi afastado da função dele no partido, o que não é garantia dele parar, já que poderia continuar como uma pessoa informal em nome do partido. Mas se sequer isso foi tirado, é um sinal que ele continua com a mesma influência e potencial de fazer as mesmas operações — disse o delegado.

— A posição de João Vaccari é muito semelhante à de Alberto Youssef (doleiro) porque ele é um operador de um partido político num esquema da Petrobras — declarou Carlos Fernando dos Santos Lima.Casa de João Vaccari, onde ele foi preso - Mariana Sanches / Agência O Globo

De acordo com os investigadores, Vaccari, “antes mesmo de passar a ocupar o cargo de tesoureito nacional do PT” foi responsável em conjunto com o ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, por receber em nome do partido, “mediante doações eleitorais oficiais, uma boa parte da propina dirigida à Diretoria de Serviços da Petrobras”.

BANCOOP e GRÁFICA

Irregularidades cometidas pelo tesoureiro do PT na época em que foi presidente da Cooperativa do Bancários de São Paulo (Bancoop), de 2004 a 2010, foram apontadas pelo Ministério Público Federal (MPF) como uma das razões que levaram o juiz Sérgio Moro a decretar a prisão preventiva do dirigente petista.

A Força Tarefa da Operação Lava-Jato também suspeita que a gráfica Atitude, de São Paulo, usada para produzir materiais para a primeira campanha da presidente Dilma Rousseff foi usada pelo tesoureiro do PT para lavar dinheiro desviado da Petrobras. Contribuíram ainda para a prisão movimentações suspeitas feitas pela família do tesoureiro.

BARUSCO E YOUSSEF APONTARAM ESQUEMA

O ex-gerente de Serviços da estatal Pedro Barusco, que também é investigado pela Justiça, afirmou em delação premiada que Vaccari recebeu cerca de R$ 200 milhões em nome do PT no esquema investigado pela Lava-Jato. As apurações da PF apontam que as propinas eram pagas por empreiteiras que firmavam contratos com a petroleira.

Segundo depoimento do doleiro Alberto Youssef, R$ 400 mil desviados pelo esquema de corrupção na Petrobras foram depositados na conta de Giselda, em 2008. Uma planilha apreendida pela Polícia Federal, no ano passado, indicou que Marice Correa de Lima também recebeu dinheiro de Youssef: cerca de R$ 244 mil, que viriam de propina da construtora OAS.

Na última sexta-feira, em depoimento à CPI da Petrobras, o ex-tesoureiro do PT deu respostas evasivas e repetidas para defender a legalidade das doações eleitorais recebidas pelo partido e negou ter tratado sobre finanças do PT com o doleiro Alberto Youssef e ex-gerente da estatal Pedro Barusco. Os dois são delatores da Operação Lava-Jato e o acusam de ter recebido recursos decorrente de propinas pagas por empreiteiras contratadas pela Petrobras.

PUBLICIDADE

 

No depoimento, Vaccari, no entanto, admitiu ter se encontrado com operadores do esquema de corrupção descoberto na estatal, mas evitou explicar os contatos. Na chegada de Vaccari à sala para depor na CPI, um homem abriu uma caixa e soltou ratos dentro do plenário. O homem foi detido pela Polícia Legislativa e os animais, capturados.

Delatores da Lava Jato afirmaram que Vaccari era encarregado de recolher propina cobrada pela diretoria de Serviços da Petrobras. O diretor na época era Renato Duque, que tinha o ex-gerente Pedro Barusco como subordinado.

Barusco, que decidiu colaborar com as investigações, disse que parte da propina ficava com ele e outra parte ia para o PT. Em depoimento à CPI da Petrobras, o ex-gerente disse que ele e Duque se reuniam com Vaccari em hotéis para tratar da propina.

A Operação Lava -Jato foi deflagrada pela PF em março e 2014 e investiga um esquema bilionário de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A última fase da operação foi deflagrada na última sexta-feira e prendeu sete pessoas. Entre elas três ex-deputados federais: André Vargas, Luiz Argôlo (SDD-BA) e Pedro Corrêa (PP-PE).

 



 

MarFig

- 2017-02-25 01:07:14

Toda vez que um coxinha comum

Toda vez que um coxinha comum precisar da justiça ele vai se arrepender profundamente de ter batido palmas para o juiz da globo amigo do traficante mineirinho. 

clovis 50

- 2017-02-25 00:40:10

O que será que conveceu o

O que será que conveceu o desembargador a dar HC para um bandido costumaz que matou um ser humano no seu trabalho? Enquanto isso outra dezena de pessoas que não mataram ninguém, outros nem acusado ainda estão, estão preso há hanos no mesmo Paraná. É um mundo bem peculiar esse Estado.

Dulce (Madame X)

- 2017-02-24 23:24:32

Estão achando ruim o HABEAS

Estão achando ruim o HABEAS CORPUS do Bruno? Pelo menos cumpriu 1/3 da pena ( quase quase) de 21 anos. Esse nem esquentou o colchão. Afinal é do DEM com apoio do PSDB. 

Roberto

- 2017-02-24 23:16:25

Justiça feita para amigos dos

Justiça feita para amigos dos amigos. República do Paraná mais uma vez surpreendendo. 

GEORGE Vidipo

- 2017-02-24 22:23:36

coerencia

Justiça só para atingir o PT e as políticas sociais. No mais tudo igual, como era antes.

Arnaldo Summer

- 2017-02-24 22:10:04

O que mantém a suruba funcionando

[video:https://www.youtube.com/watch?v=QdTeRpBk-mQ]

Marcelino Gonçalves

- 2017-02-24 22:07:19

A justiça paranense é um
A justiça paranense é um colosso...Kkk se roubar um frango vai puxar 10 anos de cadeia! Cochinhas... UV

andre r st

- 2017-02-24 22:00:47

E saber que a PF protege

E saber que a PF protege tucanos, o Manica, mandante do  assassinato dos fiscais do MTb, foi condenado mas continua na boa. Lei só prá ferrar PPPP pobre preto pobre petista

 

Ivan de Union

- 2017-02-24 21:33:05

Ainda bem que eu nao comentei

Ainda bem que eu nao comentei no primeiro post:  eu ja estava esperando esse hc.

sabra

- 2017-02-24 20:55:13

E este é o Paraná

Famoso pelo rigor nos julgamentos e nas penas. Um lugar onde quem está em prisão preventiva dependendo da pessoa é rapidamente condenada e continua presa. Tudo de uma coerência infinita.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador